Cid se nega a "tripudiar" sobre prisão de Cunha - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Cid se nega a “tripudiar” sobre prisão de Cunha

Por Wanfil em Corrupção

21 de outubro de 2016

Cid Gomes na sessão da Câmara em que chamou o vingativo Eduardo Cunha de achacador. (Foto: Agência Brasil)

Cid Gomes na sessão da Câmara em que chamou o vingativo Eduardo Cunha de achacador. (Foto: Agência Brasil)

O ex-governador Cid Gomes perdeu o cargo de ministro da Educação após brigar com Eduardo Cunha, então presidente da Câmara dos Deputados, em março do ano passado. Cunha pediu a cabeça de Cid à ex-presidente Dilma, que prontamente o atendeu em nome da governabilidade.

Depois Cunha e Dilma brigaram e também perderam seus mandatos. Sem foro privilegiado, o ex-deputado foi preso na quarta-feira (18), por ordem do juiz Sérgio Moro.

O Povo Online procurou Cid Gomes, atualmente no PDT, para saber o que ele acha da prisão de seu desafeto, conforme matéria assinada por Lucas Mota ontem à noite (20):

“Olha, não é meu estilo, jamais será, de tripudiar de situações. Ele já perdeu a presidência da Câmara, perdeu o mandato de deputado e agora está preso. Enfim, prefiro não comentar.”

A resposta, além de sóbria, é oportuna. Não se trata de tripudiar, mas de evitar provocações no momento em que Cunha estuda fazer um acordo de delação premiada com a Lava Jato sobre as relações entre a Petrobras e o financiamento de campanhas do PMDB e do PT, aliado do PDT e, em particular, de Cid no Ceará. Não por acaso, nenhum político de grande expressão está tripudiando de Cunha.

PS. Tripudiar de Cunha hoje pode ser o constrangimento amanhã para aliados de Dilma e Lula, em caso de prisão de Lula ou Dilma, que sem foro privilegiado, também estão enrolados com na Lava Jato.

Publicidade aqui

Cid se nega a “tripudiar” sobre prisão de Cunha

Por Wanfil em Corrupção

21 de outubro de 2016

Cid Gomes na sessão da Câmara em que chamou o vingativo Eduardo Cunha de achacador. (Foto: Agência Brasil)

Cid Gomes na sessão da Câmara em que chamou o vingativo Eduardo Cunha de achacador. (Foto: Agência Brasil)

O ex-governador Cid Gomes perdeu o cargo de ministro da Educação após brigar com Eduardo Cunha, então presidente da Câmara dos Deputados, em março do ano passado. Cunha pediu a cabeça de Cid à ex-presidente Dilma, que prontamente o atendeu em nome da governabilidade.

Depois Cunha e Dilma brigaram e também perderam seus mandatos. Sem foro privilegiado, o ex-deputado foi preso na quarta-feira (18), por ordem do juiz Sérgio Moro.

O Povo Online procurou Cid Gomes, atualmente no PDT, para saber o que ele acha da prisão de seu desafeto, conforme matéria assinada por Lucas Mota ontem à noite (20):

“Olha, não é meu estilo, jamais será, de tripudiar de situações. Ele já perdeu a presidência da Câmara, perdeu o mandato de deputado e agora está preso. Enfim, prefiro não comentar.”

A resposta, além de sóbria, é oportuna. Não se trata de tripudiar, mas de evitar provocações no momento em que Cunha estuda fazer um acordo de delação premiada com a Lava Jato sobre as relações entre a Petrobras e o financiamento de campanhas do PMDB e do PT, aliado do PDT e, em particular, de Cid no Ceará. Não por acaso, nenhum político de grande expressão está tripudiando de Cunha.

PS. Tripudiar de Cunha hoje pode ser o constrangimento amanhã para aliados de Dilma e Lula, em caso de prisão de Lula ou Dilma, que sem foro privilegiado, também estão enrolados com na Lava Jato.