"Só estoura quando tem água", diz Cid sobre adutora. Ah, bom! - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

“Só estoura quando tem água”, diz Cid sobre adutora. Ah, bom!

Por Wanfil em Ceará

11 de setembro de 2014

Indagado por um repórter da FM Jangadeiro de Iguatu, o governador Cid Gomes comentou a respeito de novos vazamentos na adutora de Itapipoca: “Agora deve ter sido um problema casual, isso acontece em todo lugar. É sinal de que tem água, ela só estoura quando tem água”.

Para quem não se lembra, trata-se da mesma adutora que custou R$ 18 milhões de reais aos cearenses e que rompeu antes de ser inaugurada no final de dezembro do ano passado. O episódio ficou marcado pelas imagens do próprio governador trabalhando para reparar o equipamento, com direito a mergulho em tanque. Pois bem, o que parecia passado, é presente vivo. Reportagem do Jornal Jangadeiro (ver abaixo) mostra que, desde aquele dia, a adutora já precisou ser consertada 83 vezes. Nesse último rompimento, 15 mil pessoas ficaram sem água.

Confira o áudio:


Contexto
Cid não esperava por essa pergunta, pois estava em Iguatu na condição de militante partidário e cabo eleitoral, empenhado em tecer elogios ao seu candidato à sucessão. Assim, uma vez provocado a falar sobre um problema técnico de seu governo, procurou, naturalmente, minimizar o caso e depois mudou de assunto. No entanto, nesse breve instante, o que foi dito ficou gravado. E aí, a necessidade de adaptar o discurso de eficiência administrativa a fatos que constrangem ou desmentem essa imagem, acaba, vez por outra, criando armadilhas, ou gerando atos falhos, como diria a jornalista Dora Kramer.

Auto indulgência e falta de decoro
Se repararmos bem, ao dizer que o problema é “casual” e “acontece em todo lugar”, Cid revela uma inesgotável capacidade de relevar os próprios erros do governo. Por essa lógica, tudo é permitido. É nesse sentido que  Dilma se defende dos escândalos de sua gestão alegando que a corrupção existe em todos os países. É uma forma de diluir responsabilidades e de insinuar que casos assim não passam de miudezas. De onde se conclui que só reclama que é mesquinho ou ranzinza.

A outra metade da fala chega a ser indecorosa. Dizer que uma adutora de R$ 18 milhões, feitas por um Estado pobre e que vive um seca gravíssima, só estoura porque tem água, para tentar fazer passar por bom o que é ruim, é, no mínimo, prova de completa de dissociação entre a realidade e a imaginação. Por esse princípio administrativo, o vereador “Aonde É”, de Fortaleza, poderia justificar as acusações de que desvia parte dos salários de assessores alegando que isso é prova de que eles recebem em dia e de que o vereador é bom patrão. Graça Foster, presidente da Petrobras, poderia dizer que o prejuízo de Pasadena é sinal de dinheiro em caixa, afinal, só desperdiça assim quem tem sobrando.

Realidade
Num universo político onde impera o desejo de ficar na história como um marco, um advento, uma era, um novo começo para o Ceará, obras grandes podem chamar a atenção, outras podem ser úteis mesmo e algumas não passam de mero devaneio. No entanto, o mais preocupante é quando a ilusão de que se é portador de uma excelência inigualável, quase infalível, com o providencial endosso de adulares profissionais, excita a vaidade a ponto de esconder, aos olhos do governante, seus eventuais erros e as devidas soluções para eles.

Para quem quiser ver a realidade sobre a seca e a situação de quem sofre com ela no Ceará, sugiro as seguintes matérias:

População volta a ficar sem água em Itapipoca;

Enquanto Acquário é concluído, municípios cearenses sofrem com a falta d’água;

Canindé vive em situação dramática de seca e adutora ainda está em obras.

Publicidade aqui

“Só estoura quando tem água”, diz Cid sobre adutora. Ah, bom!

Por Wanfil em Ceará

11 de setembro de 2014

Indagado por um repórter da FM Jangadeiro de Iguatu, o governador Cid Gomes comentou a respeito de novos vazamentos na adutora de Itapipoca: “Agora deve ter sido um problema casual, isso acontece em todo lugar. É sinal de que tem água, ela só estoura quando tem água”.

Para quem não se lembra, trata-se da mesma adutora que custou R$ 18 milhões de reais aos cearenses e que rompeu antes de ser inaugurada no final de dezembro do ano passado. O episódio ficou marcado pelas imagens do próprio governador trabalhando para reparar o equipamento, com direito a mergulho em tanque. Pois bem, o que parecia passado, é presente vivo. Reportagem do Jornal Jangadeiro (ver abaixo) mostra que, desde aquele dia, a adutora já precisou ser consertada 83 vezes. Nesse último rompimento, 15 mil pessoas ficaram sem água.

Confira o áudio:


Contexto
Cid não esperava por essa pergunta, pois estava em Iguatu na condição de militante partidário e cabo eleitoral, empenhado em tecer elogios ao seu candidato à sucessão. Assim, uma vez provocado a falar sobre um problema técnico de seu governo, procurou, naturalmente, minimizar o caso e depois mudou de assunto. No entanto, nesse breve instante, o que foi dito ficou gravado. E aí, a necessidade de adaptar o discurso de eficiência administrativa a fatos que constrangem ou desmentem essa imagem, acaba, vez por outra, criando armadilhas, ou gerando atos falhos, como diria a jornalista Dora Kramer.

Auto indulgência e falta de decoro
Se repararmos bem, ao dizer que o problema é “casual” e “acontece em todo lugar”, Cid revela uma inesgotável capacidade de relevar os próprios erros do governo. Por essa lógica, tudo é permitido. É nesse sentido que  Dilma se defende dos escândalos de sua gestão alegando que a corrupção existe em todos os países. É uma forma de diluir responsabilidades e de insinuar que casos assim não passam de miudezas. De onde se conclui que só reclama que é mesquinho ou ranzinza.

A outra metade da fala chega a ser indecorosa. Dizer que uma adutora de R$ 18 milhões, feitas por um Estado pobre e que vive um seca gravíssima, só estoura porque tem água, para tentar fazer passar por bom o que é ruim, é, no mínimo, prova de completa de dissociação entre a realidade e a imaginação. Por esse princípio administrativo, o vereador “Aonde É”, de Fortaleza, poderia justificar as acusações de que desvia parte dos salários de assessores alegando que isso é prova de que eles recebem em dia e de que o vereador é bom patrão. Graça Foster, presidente da Petrobras, poderia dizer que o prejuízo de Pasadena é sinal de dinheiro em caixa, afinal, só desperdiça assim quem tem sobrando.

Realidade
Num universo político onde impera o desejo de ficar na história como um marco, um advento, uma era, um novo começo para o Ceará, obras grandes podem chamar a atenção, outras podem ser úteis mesmo e algumas não passam de mero devaneio. No entanto, o mais preocupante é quando a ilusão de que se é portador de uma excelência inigualável, quase infalível, com o providencial endosso de adulares profissionais, excita a vaidade a ponto de esconder, aos olhos do governante, seus eventuais erros e as devidas soluções para eles.

Para quem quiser ver a realidade sobre a seca e a situação de quem sofre com ela no Ceará, sugiro as seguintes matérias:

População volta a ficar sem água em Itapipoca;

Enquanto Acquário é concluído, municípios cearenses sofrem com a falta d’água;

Canindé vive em situação dramática de seca e adutora ainda está em obras.