Governador faz breve retrospectiva do ano em entrevista à Tribuna Band News - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Governador faz breve retrospectiva do ano em entrevista à Tribuna Band News

Por Wanfil em Ceará

29 de dezembro de 2015

Participei de uma entrevista com governador Camilo Santana nesta segunda-feira na Tribuna Band News FM, no programa do Nonato Albuquerque. Os temas gerais abordados podem ser conferidos no portal Tribuna do Ceará. A conversa foi uma espécie de autoavaliação de seu primeiro ano à frente do executivo estadual. Segue abaixo um pequeno relato sobre os principais pontos abordados:

Economia
Em poucas palavras, o governador se mostrou surpreendido pela profundidade da crise econômica, que impeliu a gestão a fazer consideráveis cortes de custeio, na busca de manter o nível de investimentos. A expectativa é que o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, libere os estados para contrair empréstimos e assim aliviar o sufoco.

Seca
A estiagem foi sua maior preocupação em 2015 e medidas emergenciais foram necessárias para evitar o colapso em cidades do interior, com destaque para adutoras e perfuração de poços. A esperança do governador para o ano que vem é a conclusão da transposição do São Francisco, prevista para 2016 após vários adiamentos.

Saúde
Respondendo a ouvintes sobre o Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim (inaugurado por Cid em 2014 e que completou uma ano sem funcionar), Camilo responsabilizou o governo federal por não a arcar com metade dos custos da unidade, conforme o combinado. Segundo o governador, o ex-ministro Artur Chioro (demitido no “toma lá, dá cá” da última reforma ministerial) havia se comprometido resolver tudo ainda este ano, mas seu substituto, Marcelo Castro (PMDB), não honrou o acordo e deixou tudo para o ano que vem. Nesse ponto, o governador foi taxativo: o hospital só irá funcionar se Brasília fizer a sua parte.

Aliás, sobre Saúde, Camilo até fez um desabafo e falar sobre o tratamento “discrepante” que o governo federal dispensa ao Ceará em relação a Pernambuco, governado pelo PSB. Segundo Camilo, ao assumir, enquanto os pernambucanos recebiam R$ 1,2 bilhão de reais para a Saúde, os cearenses ficavam com apenas um terço disso, cerca de R$ 400 milhões. Indaguei sobre as razões para essa diferença e Camilo disse apenas que preferia não falar do passado. De todo modo, o governador ainda aposta na parceria com Dilma e defende uma nova fonte de financiamento para a Saúde, que pode ser a volta da CPMF. Por essas e outras é que ele se definiu diversas vezes como um otimista.

Segurança
Camilo Santana destacou a queda no número de homicídios, a primeira registrada “em 17 anos”, com o cuidado de lembrar que os números ainda estão longe do ideal, mostrando que tem o pé no chão. Se disse ainda emocionado com as promoções aos policiais militares e destacou que as melhorias são graduais e se devem em grande medida também ao Pacto pelo Ceará Pacífico, projeto que envolve diversos órgãos no planejamento de ações para a segurança.

Apesar de você
Não por acaso segurança foi o desafio com melhores resultados em 2015, pois pouco dependem da União. Ser aliado e correligionário de Lula e Dilma, no que diz respeito a obras, não significa qualidade e muito menos quantidade. E agora, com a crise, isso ficou ainda mais evidente. O próprio governador ressaltou a importância de reduzir a dependência do estado em relação ao governo federal, no que está coberto de razão. Pessoalmente, me pareceu em certos momentos que o governo estadual está procurando se descolar do governo Dilma, embora Camilo, fale contra o impeachment.

Por isso, fazendo uma síntese da conversa, o ano de 2015 pode ser resumido assim (usando, sem ironia, um trecho da famosa canção do petista Chico Buarque): para o Ceará, apesar de você (governo federal), amanhã há de ser, um novo dia.

Publicidade aqui

Governador faz breve retrospectiva do ano em entrevista à Tribuna Band News

Por Wanfil em Ceará

29 de dezembro de 2015

Participei de uma entrevista com governador Camilo Santana nesta segunda-feira na Tribuna Band News FM, no programa do Nonato Albuquerque. Os temas gerais abordados podem ser conferidos no portal Tribuna do Ceará. A conversa foi uma espécie de autoavaliação de seu primeiro ano à frente do executivo estadual. Segue abaixo um pequeno relato sobre os principais pontos abordados:

Economia
Em poucas palavras, o governador se mostrou surpreendido pela profundidade da crise econômica, que impeliu a gestão a fazer consideráveis cortes de custeio, na busca de manter o nível de investimentos. A expectativa é que o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, libere os estados para contrair empréstimos e assim aliviar o sufoco.

Seca
A estiagem foi sua maior preocupação em 2015 e medidas emergenciais foram necessárias para evitar o colapso em cidades do interior, com destaque para adutoras e perfuração de poços. A esperança do governador para o ano que vem é a conclusão da transposição do São Francisco, prevista para 2016 após vários adiamentos.

Saúde
Respondendo a ouvintes sobre o Hospital Regional do Sertão Central, em Quixeramobim (inaugurado por Cid em 2014 e que completou uma ano sem funcionar), Camilo responsabilizou o governo federal por não a arcar com metade dos custos da unidade, conforme o combinado. Segundo o governador, o ex-ministro Artur Chioro (demitido no “toma lá, dá cá” da última reforma ministerial) havia se comprometido resolver tudo ainda este ano, mas seu substituto, Marcelo Castro (PMDB), não honrou o acordo e deixou tudo para o ano que vem. Nesse ponto, o governador foi taxativo: o hospital só irá funcionar se Brasília fizer a sua parte.

Aliás, sobre Saúde, Camilo até fez um desabafo e falar sobre o tratamento “discrepante” que o governo federal dispensa ao Ceará em relação a Pernambuco, governado pelo PSB. Segundo Camilo, ao assumir, enquanto os pernambucanos recebiam R$ 1,2 bilhão de reais para a Saúde, os cearenses ficavam com apenas um terço disso, cerca de R$ 400 milhões. Indaguei sobre as razões para essa diferença e Camilo disse apenas que preferia não falar do passado. De todo modo, o governador ainda aposta na parceria com Dilma e defende uma nova fonte de financiamento para a Saúde, que pode ser a volta da CPMF. Por essas e outras é que ele se definiu diversas vezes como um otimista.

Segurança
Camilo Santana destacou a queda no número de homicídios, a primeira registrada “em 17 anos”, com o cuidado de lembrar que os números ainda estão longe do ideal, mostrando que tem o pé no chão. Se disse ainda emocionado com as promoções aos policiais militares e destacou que as melhorias são graduais e se devem em grande medida também ao Pacto pelo Ceará Pacífico, projeto que envolve diversos órgãos no planejamento de ações para a segurança.

Apesar de você
Não por acaso segurança foi o desafio com melhores resultados em 2015, pois pouco dependem da União. Ser aliado e correligionário de Lula e Dilma, no que diz respeito a obras, não significa qualidade e muito menos quantidade. E agora, com a crise, isso ficou ainda mais evidente. O próprio governador ressaltou a importância de reduzir a dependência do estado em relação ao governo federal, no que está coberto de razão. Pessoalmente, me pareceu em certos momentos que o governo estadual está procurando se descolar do governo Dilma, embora Camilo, fale contra o impeachment.

Por isso, fazendo uma síntese da conversa, o ano de 2015 pode ser resumido assim (usando, sem ironia, um trecho da famosa canção do petista Chico Buarque): para o Ceará, apesar de você (governo federal), amanhã há de ser, um novo dia.