Dona Maria da Conceição: "Eu acho que nós vamos morrer de sede ou de fome" 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Dona Maria da Conceição: “Eu acho que nós vamos morrer de sede ou de fome”

Por Wanfil em Ceará

27 de Março de 2013

Senso de urgência: As vítimas da seca são prioridade somente em tempo de eleição.

Senso de urgência: As vítimas da seca são prioridade somente em tempo de eleição.

Dia 2 de setembro de 2010 – A propaganda eleitoral da candidata Dilma Rousseff apresenta, a partir dos seis minutos de exibição, o testemunho do operário Ivanilson Torres, direto da transposição do Rio São Francisco: Com essa obra aqui, a gente vai ter água pros animais, vai ter água pra beber, água pra tomar banho, e também poder plantar alguma coisa. Eu quero parabenizar o nosso presidente… né? E quero dizer que Deus continue abençoando ele, dando força, porque é um orgulho. É um orgulho… [começa a chorar] É um orgulho pra nós aqui! Senhor Presidente, que Deus te abençoe e lhe dê graça pro senhor continuar trabalhando, porque o teu povo precisa disso, essa obra”. Para conferir o vídeo original, clique aqui.

A obra, que promete levar água para 12 milhões de pessoas, como todos sabem, não ficou pronta. Aliás, está mais do que atrasada, dobrou de valor e é alvo de investigações de desvios de verba. Dilma foi eleita.

Dia 26 de março de 2013 – O Jornal Jangadeiro exibe a série especial Vidas Secas. Na matéria do dia, duas senhoras que vivem no semi-árido cearense são ouvidas. A dona de casa Josilene Duarte relata, aos 38 segundos de vídeo, a realidade que vive: “Está sendo difícil, viu. Porque nós estamos praticamente tirando [comida] da boca pra poder comprar água pra nós, fora essa água aqui [do carro-pipa].

No final, a partir de 1 minuto e 56 segundos, a aposentada Maria da Conceição lamenta: “Eu era moça, bem novinha. Aí nós viemos da Itapipoca pra cá, pra nós não morrer de sede e de fome. E agora tamo aqui… Eu acho que nós vamos morrer de sede ou de fome.

Confira a matéria:

 

O contraste entre o testemunho da propaganda eleitoral, peça de tom paternalista na qual o choro do operário sugere um dever de subserviente gratidão, e as entrevistadas da matéria jornalística que revela as agruras da seca no Nordeste, não pode ser mais revelador. De um lado, o anúncio de novos amanhãs retumbantes, do outro, a velha realidade de descaso e abandono.

A diferença entre pedir favor e cobrar dívidas

O governador Cid Gomes pretende tratar com a presidente Dilma sobre ações de combate aos efeitos da estiagem. Há o risco iminente de colapso no abastecimento de água em grandes cidades do interior. Apesar da urgência do problema, Dilma conversará com o governador somente depois do feriado da Semana Santa, como se aquelas senhoras que temem a ameaça da sede e da fome pudessem esperar. Como se milhões não estivessem na mesma situação delas.

É o seguinte: catástrofes naturais costumam a causar comoção pública porque são repentinas e impactantes. Já a seca mata lenta e silenciosamente, característica incapaz de fazer brotar em nossos digníssimos gestores o sentimento de urgência que deveria angustiá-los nesse momento. Como isso não acontece, as pessoas sofrem e morrem longe, sem direito a vez e voz.

Não falo de obras de prevenção, que isso é outro assunto, mas de ações imediatas. Em Itapajé, cidade onde a reportagem foi feita, há um açude cuja construção foi concluída em janeiro passado, mas está vazio, pois o rio que o abasteceria secou. Portanto, não adianta prometer barragens, cisternas e coisas do tipo. É preciso água!

Seca de coragem

É bom lembrar que  Cid não tem que pedir favor à presidente Dilma, que em 2010 soube vir ao Ceará pedir votos. Trata-se de COBRAR medidas de curto prazo, uma vez que as promessas feitas não foram cumpridas. O velho ACM era assim, um aliado útil, desde que a sua Bahia não ficasse em segundo plano. Portanto, é hora do governador esquecer os salamaleques eleitorais e falar grosso com a presidente.

Mas Cid não tem que fazer isso sozinho. Onde estão os senadores do Ceará? Por que não denunciam tamanho descaso? E os deputados federais, por que não cobram o governo federal? Porque não param de votar qualquer medida, especialmente as de interesse da presidente, até que algo de efetivo seja feito? Se pelo menos houvesse uma oposição para denunciar essa pasmaceira… Não é de admirar que a mulher seja popular: falta brio para cobrarem as obrigações inerentes ao cargo e as promessas que ela fez.

Como eu disse em minha coluna na rádio Tribuna Band News, a seca é um fenômeno natural e previsível, mas a falta de ações concretas e emergenciais é falha dos governantes e das autoridades que nos representam.

Publicidade aqui

Dona Maria da Conceição: “Eu acho que nós vamos morrer de sede ou de fome”

Por Wanfil em Ceará

27 de Março de 2013

Senso de urgência: As vítimas da seca são prioridade somente em tempo de eleição.

Senso de urgência: As vítimas da seca são prioridade somente em tempo de eleição.

Dia 2 de setembro de 2010 – A propaganda eleitoral da candidata Dilma Rousseff apresenta, a partir dos seis minutos de exibição, o testemunho do operário Ivanilson Torres, direto da transposição do Rio São Francisco: Com essa obra aqui, a gente vai ter água pros animais, vai ter água pra beber, água pra tomar banho, e também poder plantar alguma coisa. Eu quero parabenizar o nosso presidente… né? E quero dizer que Deus continue abençoando ele, dando força, porque é um orgulho. É um orgulho… [começa a chorar] É um orgulho pra nós aqui! Senhor Presidente, que Deus te abençoe e lhe dê graça pro senhor continuar trabalhando, porque o teu povo precisa disso, essa obra”. Para conferir o vídeo original, clique aqui.

A obra, que promete levar água para 12 milhões de pessoas, como todos sabem, não ficou pronta. Aliás, está mais do que atrasada, dobrou de valor e é alvo de investigações de desvios de verba. Dilma foi eleita.

Dia 26 de março de 2013 – O Jornal Jangadeiro exibe a série especial Vidas Secas. Na matéria do dia, duas senhoras que vivem no semi-árido cearense são ouvidas. A dona de casa Josilene Duarte relata, aos 38 segundos de vídeo, a realidade que vive: “Está sendo difícil, viu. Porque nós estamos praticamente tirando [comida] da boca pra poder comprar água pra nós, fora essa água aqui [do carro-pipa].

No final, a partir de 1 minuto e 56 segundos, a aposentada Maria da Conceição lamenta: “Eu era moça, bem novinha. Aí nós viemos da Itapipoca pra cá, pra nós não morrer de sede e de fome. E agora tamo aqui… Eu acho que nós vamos morrer de sede ou de fome.

Confira a matéria:

 

O contraste entre o testemunho da propaganda eleitoral, peça de tom paternalista na qual o choro do operário sugere um dever de subserviente gratidão, e as entrevistadas da matéria jornalística que revela as agruras da seca no Nordeste, não pode ser mais revelador. De um lado, o anúncio de novos amanhãs retumbantes, do outro, a velha realidade de descaso e abandono.

A diferença entre pedir favor e cobrar dívidas

O governador Cid Gomes pretende tratar com a presidente Dilma sobre ações de combate aos efeitos da estiagem. Há o risco iminente de colapso no abastecimento de água em grandes cidades do interior. Apesar da urgência do problema, Dilma conversará com o governador somente depois do feriado da Semana Santa, como se aquelas senhoras que temem a ameaça da sede e da fome pudessem esperar. Como se milhões não estivessem na mesma situação delas.

É o seguinte: catástrofes naturais costumam a causar comoção pública porque são repentinas e impactantes. Já a seca mata lenta e silenciosamente, característica incapaz de fazer brotar em nossos digníssimos gestores o sentimento de urgência que deveria angustiá-los nesse momento. Como isso não acontece, as pessoas sofrem e morrem longe, sem direito a vez e voz.

Não falo de obras de prevenção, que isso é outro assunto, mas de ações imediatas. Em Itapajé, cidade onde a reportagem foi feita, há um açude cuja construção foi concluída em janeiro passado, mas está vazio, pois o rio que o abasteceria secou. Portanto, não adianta prometer barragens, cisternas e coisas do tipo. É preciso água!

Seca de coragem

É bom lembrar que  Cid não tem que pedir favor à presidente Dilma, que em 2010 soube vir ao Ceará pedir votos. Trata-se de COBRAR medidas de curto prazo, uma vez que as promessas feitas não foram cumpridas. O velho ACM era assim, um aliado útil, desde que a sua Bahia não ficasse em segundo plano. Portanto, é hora do governador esquecer os salamaleques eleitorais e falar grosso com a presidente.

Mas Cid não tem que fazer isso sozinho. Onde estão os senadores do Ceará? Por que não denunciam tamanho descaso? E os deputados federais, por que não cobram o governo federal? Porque não param de votar qualquer medida, especialmente as de interesse da presidente, até que algo de efetivo seja feito? Se pelo menos houvesse uma oposição para denunciar essa pasmaceira… Não é de admirar que a mulher seja popular: falta brio para cobrarem as obrigações inerentes ao cargo e as promessas que ela fez.

Como eu disse em minha coluna na rádio Tribuna Band News, a seca é um fenômeno natural e previsível, mas a falta de ações concretas e emergenciais é falha dos governantes e das autoridades que nos representam.