Dilma despenca e oposição cria CPI da Petrobras: bom para Eunício e ruim para Cid - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Dilma despenca e oposição cria CPI da Petrobras: bom para Eunício e ruim para Cid

Por Wanfil em Ao leitor

28 de Março de 2014

Amigos, por razão de viagem, ficarei sem postar até a próxima segunda, quando volto para falar a respeito da novela “Cid e Eunício na sucessão estadual”. Adianto apenas que ninguém é de ninguém até junho, quando serão feitas as convenções partidárias. E, só para lembrar, a CPI da Petrobras aprovada no Senado enfraquece o PT e fortalece o PMDB, que passa a ser o fiel da balança para blindar Dilma. Dito de outra forma: onde for obrigado a escolher entre o PROS e o PMDB, o PT ficará com o segundo, que é sua proteção na CPI. Já o PROS não é nada. Sigla de aluguel sem expressão. Portanto, entre o projeto de Eunício Oliveira e o dos Ferreira Gomes, Dilma estará forçada a não desagradar a cúpula peemedebista. Como dizia Nelson Rodrigues, não se faz política e futebol só com bons sentimentos.

Além disso, o governo Dilma também despencou nas pesquisas, o que reduz o peso de seu apoio pessoal a candidatos regionais. Segundo o Ibope, em levantamento divulgado na quinta, entre março de 2013 e março de 2014, a aprovação ao governo federal caiu de 63% para 36%. Queda livre. Só para efeito de comparação, quando Lula disputou a reeleição (definida no segundo turno), seu governo tinha, faltando sete meses para a disputa, 75% de aprovação. Do jeito que a coisa vai, os candidatos aos governos estaduais precisam calcular bem os riscos de vinculação de imagem com Dilma. Dito de outra forma: adversários e aliados que pretendem lançar candidaturas sem as bênçãos do Planalto estão mais animados.

O ambiente econômico nacional deteriorou e o Brasil foi rebaixado por agências internacionais. No empresariado, inclusive aqui no Ceará, há muita desconfiança e boatos de fuga de capitais. O crescimento é pequeno e a inflação está aí. Bancos anunciam ais investidores sobre a necessidade de um intenso ajuste fiscal em 2015 nas contas públicas.

Como a oposição é fraca em todos os níveis, resta concluir que as alianças governistas têm como maiores adversários suas próprias vicissitudes. Na raiz de todo o desgosto e instabilidade dessas relações estão os nossos velhos conhecidos: o clientelismo e o fisiologismo, os melhores caminhos para a incompetência administrativa.

É isso. Abraço e até segunda.

Publicidade aqui

Dilma despenca e oposição cria CPI da Petrobras: bom para Eunício e ruim para Cid

Por Wanfil em Ao leitor

28 de Março de 2014

Amigos, por razão de viagem, ficarei sem postar até a próxima segunda, quando volto para falar a respeito da novela “Cid e Eunício na sucessão estadual”. Adianto apenas que ninguém é de ninguém até junho, quando serão feitas as convenções partidárias. E, só para lembrar, a CPI da Petrobras aprovada no Senado enfraquece o PT e fortalece o PMDB, que passa a ser o fiel da balança para blindar Dilma. Dito de outra forma: onde for obrigado a escolher entre o PROS e o PMDB, o PT ficará com o segundo, que é sua proteção na CPI. Já o PROS não é nada. Sigla de aluguel sem expressão. Portanto, entre o projeto de Eunício Oliveira e o dos Ferreira Gomes, Dilma estará forçada a não desagradar a cúpula peemedebista. Como dizia Nelson Rodrigues, não se faz política e futebol só com bons sentimentos.

Além disso, o governo Dilma também despencou nas pesquisas, o que reduz o peso de seu apoio pessoal a candidatos regionais. Segundo o Ibope, em levantamento divulgado na quinta, entre março de 2013 e março de 2014, a aprovação ao governo federal caiu de 63% para 36%. Queda livre. Só para efeito de comparação, quando Lula disputou a reeleição (definida no segundo turno), seu governo tinha, faltando sete meses para a disputa, 75% de aprovação. Do jeito que a coisa vai, os candidatos aos governos estaduais precisam calcular bem os riscos de vinculação de imagem com Dilma. Dito de outra forma: adversários e aliados que pretendem lançar candidaturas sem as bênçãos do Planalto estão mais animados.

O ambiente econômico nacional deteriorou e o Brasil foi rebaixado por agências internacionais. No empresariado, inclusive aqui no Ceará, há muita desconfiança e boatos de fuga de capitais. O crescimento é pequeno e a inflação está aí. Bancos anunciam ais investidores sobre a necessidade de um intenso ajuste fiscal em 2015 nas contas públicas.

Como a oposição é fraca em todos os níveis, resta concluir que as alianças governistas têm como maiores adversários suas próprias vicissitudes. Na raiz de todo o desgosto e instabilidade dessas relações estão os nossos velhos conhecidos: o clientelismo e o fisiologismo, os melhores caminhos para a incompetência administrativa.

É isso. Abraço e até segunda.