12/03/2019 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

12/03/2019

PT apanha de Ciro e não reage: por quê?

Por Wanfil em Partidos

12 de Março de 2019

O PT do Ceará é Lula. Para Ciro, do PDT, aliado estadual dos petistas, Lula se corrompeu e o PT nacional é uma quadrilha. (Foto: PT/Ceará)

Ciro Gomes continua a bater forte na direção nacional do Partido dos Trabalhadores. Dessa vez, em entrevista ao jornal Valor Econômico, a principal liderança do PDT no Ceará disse que:

1) a cúpula do PT é uma “organização criminosa”;
2) Gleisi Hoffmann, presidente nacional do partido, é “a chefe” da “quadrilha”;
3) “Lula virou um caudilho sul-americano corrompido”;
4) “Só um petista doente não lembra que o desemprego, quando ela [Dilma] assumiu era 4% e quando saiu, era 14%”;
5) “estou fora” do Lula livre.

O líder do PT no Senado, Humberto Costa, disse que o partido vai se reunir para decidir se processa Ciro Gomes, pois assim “está ficando complicado“.

E o que disse o PT do Ceará até o momento? Nada. O que dizem suas principais lideranças – (Guimarães, Luizianne, Acrísio Sena, Guilherme Sampaio, Camilo (?) – a respeito do aliado estadual? Nadinha. Os lulistas, onde estão? Optam pelo silêncio, como se não soubessem de nada, mas como dizem por aí, quem cala, consente.

Se pensarmos bem, o constrangimento não se restringe aos petistas. Se a cúpula do PT é uma quadrilha, como diz Ciro, e se as lideranças petistas no estado são alinhadas com essa cúpula e com Lula, já não se trata de mera diferença de opinião, de divergência programática ou coisa que o valha, mas de incompatibilidade moral. O ponto é que, se é assim, se concorda com Ciro, como pode o PDT estar junto com o PT no Ceará?

Leia mais no blog: Ciro Gomes ocupa vazio deixado por Fernando Haddad

Atualização: Ainda no final da tarde de ontem (12), Gleisi Hoffmann foi ao Twitter chamar Ciro de coronel ressentido. No Ceará, silêncio.

Publicidade

O mundo dos fatos e o mundo das crenças nas redes sociais

Por Wanfil em Crônica

12 de Março de 2019

Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust: as crenças que se antecipam aos fatos

Um conhecido meu, jornalista gente boa, disparou à queima roupa nas redes sociais: “Não é normal que alguém diga que o Brasil está melhor!”. Tomei um café e arrisquei: “Ah, meu caro, existe uma multidão de pessoas que se consideram normais e que publicariam a mesma sentença mudando apenas o adjetivo: “Não é possível que alguém diga que o Brasil está pior!”. O resto da conversa perdeu a graça e acabamos trocando gentilezas.

De todo modo, quando o assunto é política, e desde que não viva numa bolha, o sujeito disposto a ouvir sempre encontrará quem ache que a situação geral melhorou ou que piorou – cada qual com suas razões ou interesses, não importa. Tem argumento para todos os gostos. Aliás, hoje em dia é preciso muito pouco para alguém formar opinião definitiva e inabalável sobre um ou todos os assuntos possíveis e impossíveis.

Eventualmente maiorias e minorias se formam para depois inverterem os papéis. Geralmente todos têm razão e se sobressai mesmo os que gritam mais alto. O alarde é a essência da democracia nesses tempos e… Deixa pra lá que já estou desviando o rumo da prosa.

Retomando o caminho, acabei concluindo que tendem a sentir melhoria nas coisas aqueles já achavam que as coisas iriam melhorar por causa dessa ou daquela gestão, da mesma forma que percebem piora os que apostavam desde antes que tudo iria piorar. Isso é na média. Claro que existem os que preferem duvidar das próprias certezas e os que preferem esperar para ver, mas esses não chamam a atenção. Ora, que graça tem a ponderação nesse mundo de “lacrações” e “mitagens”?

Terminei o café e voltei encher o copo. Queria fumar um cigarro para me imaginar numa esfumaçada redação dos anos 70, com o barulho das máquinas de escrever que lembram meu pai. A legislação atual e a asma me proíbem. Desolado, surpreendido por essas reminiscências, lembrei de uma frase de Proust que li uma noite dessas nas páginas iniciais de Em Busca do Tempo Perdido: “Os fatos não penetram no mundo em que vivem nossas crenças”.

Pois é. Imagine isso no mundo em que nossas crenças vivem na fervura histérica das redes sociais. Coitado dos fatos.

Publicidade

O mundo dos fatos e o mundo das crenças nas redes sociais

Por Wanfil em Crônica

12 de Março de 2019

Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust: as crenças que se antecipam aos fatos

Um conhecido meu, jornalista gente boa, disparou à queima roupa nas redes sociais: “Não é normal que alguém diga que o Brasil está melhor!”. Tomei um café e arrisquei: “Ah, meu caro, existe uma multidão de pessoas que se consideram normais e que publicariam a mesma sentença mudando apenas o adjetivo: “Não é possível que alguém diga que o Brasil está pior!”. O resto da conversa perdeu a graça e acabamos trocando gentilezas.

De todo modo, quando o assunto é política, e desde que não viva numa bolha, o sujeito disposto a ouvir sempre encontrará quem ache que a situação geral melhorou ou que piorou – cada qual com suas razões ou interesses, não importa. Tem argumento para todos os gostos. Aliás, hoje em dia é preciso muito pouco para alguém formar opinião definitiva e inabalável sobre um ou todos os assuntos possíveis e impossíveis.

Eventualmente maiorias e minorias se formam para depois inverterem os papéis. Geralmente todos têm razão e se sobressai mesmo os que gritam mais alto. O alarde é a essência da democracia nesses tempos e… Deixa pra lá que já estou desviando o rumo da prosa.

Retomando o caminho, acabei concluindo que tendem a sentir melhoria nas coisas aqueles já achavam que as coisas iriam melhorar por causa dessa ou daquela gestão, da mesma forma que percebem piora os que apostavam desde antes que tudo iria piorar. Isso é na média. Claro que existem os que preferem duvidar das próprias certezas e os que preferem esperar para ver, mas esses não chamam a atenção. Ora, que graça tem a ponderação nesse mundo de “lacrações” e “mitagens”?

Terminei o café e voltei encher o copo. Queria fumar um cigarro para me imaginar numa esfumaçada redação dos anos 70, com o barulho das máquinas de escrever que lembram meu pai. A legislação atual e a asma me proíbem. Desolado, surpreendido por essas reminiscências, lembrei de uma frase de Proust que li uma noite dessas nas páginas iniciais de Em Busca do Tempo Perdido: “Os fatos não penetram no mundo em que vivem nossas crenças”.

Pois é. Imagine isso no mundo em que nossas crenças vivem na fervura histérica das redes sociais. Coitado dos fatos.