Maio 2017 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Maio 2017

Tasso, Meireles ou Maia no lugar de Temer: muita especulação e pouco fato

Por Wanfil em Política

30 de Maio de 2017

As especulações sobre uma eventual substituição de Michel Temer na Presidência da República, por via indireta como determina a Constituição, retroalimentam novas especulações que geram mais incertezas.

Naturalmente, sendo uma possibilidade, as conversas acontecem e a expectativa geral procura nomes. Tasso Jereissati, Henrique Meireles ou Rodrigo Maia, entre outros, despontaram como possibilidades. Tasso e Meireles pela experiência administrativa, Maia como o preferido dos deputados federais, apesar (ou por isso mesmo, quem sabe) de figurar como investigado na Lava Jato.

É improvável que Temer, mesmo com todo o desgaste, renuncie (novas denúncias podem aparecer) e qualquer julgamento, seja no TSE ou no Congresso, está sujeito a ritos que podem durar meses e meses.

Mesmo assim, com a queda do presidente virou pauta, declarações de apoio aos nomes apontados ganham espaço. Tasso foi elogiado pelo governador Camilo Santana e pelo ex-governador Ciro G0mes, embora seus respectivos partidos, PT e PDT, defendam eleições diretas, mesmo sem previsão constitucional.

Manifestações de boa convivência à parte, o mais lógico é imaginar que ao PT e ao PDT interessa mesmo a permanência de um Michel Temer enfraquecido no cargo. Estratégia inconfessável publicamente, é claro. Impopular e queimado pela JBS, Temer não poderia ser candidato e seu apoio seria um peso. É o adversário perfeito. Até desviou as atenções do público de Lula para o PMDB. Nesse sentido, qualquer outro nomes representaria uma incógnita. Vai que o sucessor se viabilizasse para 2018, não é mesmo?

O resto é bola rolando. Apostas liberadas.

Publicidade

O impeachment de Camilo e a natureza das coisas

Por Wanfil em Política

25 de Maio de 2017

A oposição pediu o impeachment do governador Camilo Santana (PT) com base nas revelações feitas pelo delator Wesley Batista, da JBS. Tecnicamente não faz muito sentido, pois os crimes supostamente cometidos, o pagamento de R$ 110 milhões em créditos de incentivo às vésperas da eleição para uma empresa que doou R$ 20 milhões logo em seguida, por mais suspeitos que sejam, teriam acontecido na gestão do ex-governador Cid Gomes.

Com efeito, esse não é o melhor instrumento para o episódio. Na verdade, até facilita a vida da base aliada. Seria melhor convidar ou convocar os secretários estaduais envolvidos nos episódios citados para que estes falem sobre o caso. Mas a natureza da oposição é focar na atual gestão.

Como era de se esperar, o presidente da Assembleia, Zezinho Albuquerque (PDT), aliado de Camilo e também beneficiário das doações da JBS, rejeitou o pedido de impeachment. Não houve nem sequer suspense. Independente de provas, é da natureza do legislativo estadual proteger, em vez de fiscalizar, qualquer governo (com as raras exceções que confirmam a regra), mesmo nos casos mais gritantes. Não haverá CPI para investigar incentivos fiscais concedidos a doadores de campanha ou coisa do gênero. Já faz uma semana que as delações chegaram ao Ceará e nada…

O sapo pula, o passarinho voa, a chuva cai, a gravidade puxa e o parlamento cearense obedece ao Executivo. É a natureza das coisas. Resta aos cearenses esperarem que investigadores de fora, de preferência de Curitiba, passem essa história a limpo.

Publicidade

Abre o olho Arialdo, fica ligado Balhmann

Por Wanfil em Corrupção, Sem categoria

24 de Maio de 2017

Arialdo e Balhmann: únicos responsáveis por arrecadar junto a JBS, segundo Cid

O escritor Mário Quintana dizia que “as reticências são os três primeiros passos do pensamento que continua por conta própria”.

Na coletiva em que buscou rebater a delação de Wesley Batista, o ex-governador Cid Gomes falou sobre o dinheiro recebido da JBS para a campanha de 2014, enfatizando os nomes dos atuais secretários estaduais do Turismo, Arialdo pinho, e de Assuntos Internacionais, Antonio Balhmann. Ênfase carregada de reticências nas entrelinhas.

Confira esses três momentos (grifos meus):

1 – Os responsáveis

“Realmente o Balhmann e o Arialdo, licenciado do cargo, e mais algumas outras pessoas, cumpriram a tarefa de buscar financiamento para a campanha, coisa que é legal.”

2 – Cid não autorizou

“Em nenhum momento, em tempo algum, em nenhuma campanha, eu sugeri, eu permiti que alguém fizesse vínculo de doações para campanha a qualquer tipo de benefício por parte do estado. Quero afirmar isso categoricamente: nem eu, nem ninguém com minha autorização ou conhecimento, e com a minha recomendação explícita, de que não vinculasse, não fizesse qualquer tipo de vinculação a qualquer doação que possa ter sido feita em alguma campanha.”

3 – Wesley não fala de Cid

“Repito, se for ler o depoimento, ele [Wesley] não fala de mim não, depois ele fala, atribui ao Balhmann e ao Arialdo, que não são ocupantes de cargos públicos, o Balhmann deputado, isso não é impedimento, o Arialdo licenciado da secretaria, cumpriam uma missão, legal, de procurar financiamento legítimo para uma campanha eleitoral.”

Resumindo: Cid nega; Cid não tinha responsabilidade pelos pedidos de doações; Cid acredita que seus aliados agiram corretamente; Cid não autorizou ninguém a vender facilidades no governo para conseguir dinheiro. Por essa versão, a JBS doou nada menos que R$ 20 milhões para seu candidato em 2014 em troca de nada, apenas atendendo aos pedidos de inocentes arrecadadores.

Para bom entendedor, meia palavra basta. As reticências na fala de Cid deixam o caminho aberto para responsabilizar apenas seus emissários, caso as coisas se compliquem. Abre o olho Arialdo, fica ligado Balhmann.

Publicidade

Polícia Federal prende ex-governadores

Por Wanfil em Corrupção

23 de Maio de 2017

Calma, Ceará. Foi em Brasília. A Polícia Federal prendeu na manhã desta terça-feira (23) os ex-governadores do Distrito Federal José Roberto Arruda (PR) e Agnelo Queiroz (PT) na Operação Panatenaico.

A ação investiga corrupção nas obras de reforma do Estádio Mané Garrincha para Copa do Mundo de 2014. As prisões foram determinadas pela Justiça Federal no DF. É que ex-governador não tem foro privilegiado, não custa lembrar.

Nunca se viu algo assim na história brasileira. Políticos poderosos e grandes empresários acuados, investigados, denunciados e… mais cedo ou mais tarde, presos! Não só em Brasília.

Fica o alerta, a quem estiver preocupado: a PF trabalha cedinho.

Publicidade

Delação JBS 4 – A coletiva de Cid

Por Wanfil em Corrupção

22 de Maio de 2017

O ex-governador Cid Gomes (PDT) concedeu entrevista nesta segunda-feira, na Assembleia Legislativa, para rebater a delação de Wesley batista, dono da JBS. O empresário relatou a suposta liberação de R$110 milhões de créditos de ICMS em troca do repasse de R$ 20 milhões para a campanha de Camilo Santana (PT).

Cid admitiu os encontros com os irmãos Joesley e Wesley Batista, o pagamento dos créditos para a empresa e as doações para a campanha, mas repudiou com indignação qualquer relação entre esses fatos. Os Batista afirmam que a doação foi propina para a liberação dos créditos.  Na coletiva, o ex-governador estava acompanhado dos aliados de sempre, que também receberam doações da JBS, a garantir a idoneidade do líder.

Voltando ao que interessa, se é assim, por que então os delatores inventariam tudo isso? Segundo Cid, para ter material com que negociar acordos com os investigadores. É estranho, pois a JBS já acusou nomes bem maiores, como o presidente Michel Temer (PMDB), o senador Aécio Neves e os ex-presidentes Lula e Dilma, do PT, entre outros mais. Nomes que bastariam para garantir a delação premiada.

Assim como Cid, todos os outros negam as acusações (mais ou menos nos mesmos termos) e se dizem vítimas de conspiração. Somente as investigações poderão dizer quem realmente é culpado ou inocente nessa história. Como ninguém pode negar o relacionamento e as doações milionárias que receberam, até lá, todos são suspeitos, não importam o que digam agora. Os justos, caso existam, pagam pelos pecadores.

leia tudo sobre

Publicidade

Delação JBS 3 – As informações de Camilo

Por Wanfil em Corrupção

22 de Maio de 2017

A respeito das delações premiadas feitas pelos donos e executivos da J&F Investimentos, dona do frigorífico JBS, que relatam supostas doações ilegais para as eleições no Ceará em 2014, o governador Camilo Santana disse:

“Sobre as doações realizadas na campanha eleitoral, as informações que tenho são de que foram feitas de forma absolutamente correta e dentro da lei”.

Ou seja, na prática Camilo informa que não cuidava diretamente da captação dos recursos para a campanha, afinal, tudo o que sabe é por informações que recebeu. Talvez quem tenha repassado essas informações possa colaborar para esclarecer eventuais dúvidas.

Leia mais sobre as delações da JBS nos links abaixo:
Delação JBS 2 – Nota de Eunício nega acusação. De novo…
Delação JBS 1 – Nota de Cid Não responde ao que realmente interessa
Na mesma delação em que acusa Temer, JBS diz que propina abasteceu projeto de Cid no Ceará
JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará

Publicidade

Delação JBS 2 – Nota de Eunício nega acusação. De novo…

Por Wanfil em Corrupção

22 de Maio de 2017

O senador Eunício Oliveira foi acusado por Ricardo Saud, executivo da J&F, a holding que controla a JBS, de ter recebido R$ 5 milhões em troca de ajuda para uma medida provisória. Em resposta, por meio de nota à imprensa, Eunício afirma que “os diálogos relatados pelo delator são imaginários, nunca aconteceram, são mentirosos, como é possível constatar na prestação de contas do diretório nacional de PMDB ao TSE.”

Assim como outros implicados, a defesa do senador argumenta que as doações foram registradas. Isso, porém, não diz muito sobre a origem do dinheiro. Esse é problema. De todo modo, o que existe, por enquanto, é a palavra de um contra o outro. Mas por se tratar do presidente do Senado, a acusação pesa politicamente ao juntar-se a mais dois inquéritos no âmbito da operação Lava Jato. É algo, no mínimo, inconveniente.

Ver mais sobre a delação da JBS nos posts abaixo:
Delação JBS 3 – As informações de Camilo 
Delação JBS 1 – Nota de Cid Não responde ao que realmente interessa
Na mesma delação em que acusa Temer, JBS diz que propina abasteceu projeto de Cid no Ceará
JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará

leia tudo sobre

Publicidade

Delação JBS 1 – Nota de Cid não responde ao que realmente interessa

Por Wanfil em Corrupção

22 de Maio de 2017

Em resposta às delações da JBS, o ex-governador Cid Gomes divulgou nota em que afirma nunca ter recebido “um centavo” da empresa. E para reforçar o argumento, Cid informa que após 34 anos ocupando cargos públicos, possui um patrimônio de R$ 782 mil reais, valor impressionantemente pequeno para os altos salários quem já foi prefeito, deputado, ministro e governador.

Acontece que não é essa a acusação. Wesley Batista, dono da JBS, não disse ter pago diretamente ao ex-governador, como pessoa física. A questão é saber se o ex-governador, no uso do cargo, pediu ou não pediu dinheiro para financiar campanhas eleitorais ao governo estadual em 2010 e 2014, em torca do pagamento de créditos de ICMS para a empresa.

Resumindo, o delator disse uma coisa e Cid respondeu outra. A nota, portanto, não responde às principais dúvidas levantadas pela delação:

1 – Cid esteve reunido ou não com os irmãos Batista em São Paulo nas datas apontadas? 

2 – As doações da JBS foram ou não foram feitas logo após os pagamentos dos referidos créditos de ICMS? 

3 – Os secretários Arialdo Pinho e Antônio Balhmann estiveram na sede da JBS ou não? Pediram contribuição? Negociaram pagamentos de créditos de ICMS? Sim ou não?

4 – A JBS diz ter emitido notas frias para justificar parte dos pagamentos de propina. Há como comprovar a efetivação dos serviços ou compras dessas notas?

5 – Algum secretário ou assessor de Cid recebeu dinheiro da JBS?

6 – Cid processará os delatores?

É claro que o ônus da prova cabe ao acusador. No entanto, por se tratar de liderança política influente, por tudo o que representa no Ceará, pelas funções públicas que ocupou, é fundamental para Cid que tudo seja esclarecido o quanto antes. E tergiversar não é a melhor forma de fazer isso.

PS. Cid dará uma entrevista coletiva na Assembleia Legislativa, ao meio dia desta segunda, sobre o caso. È uma boa oportunidade de ser assertivo sobre o que realmente dizem os delatores.

Leia mais sobre as delações da JBS nos links abaixo:
Delação JBS 3 – As informações de Camilo 
Delação JBS 2 – Nota de Eunício nega acusação. De novo…
Delação JBS 1 – Nota de Cid Não responde ao que realmente interessa
Na mesma delação em que acusa Temer, JBS diz que propina abasteceu projeto de Cid no Ceará
JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará

Publicidade

Na mesma delação em que acusa Temer, JBS diz que propina abasteceu projeto de Cid no Ceará

Por Wanfil em Corrupção

19 de Maio de 2017

Pois é

A delação da JBS, que fez Michel Temer balançar no cargo e afastou Aécio Neves do Senado, não demorou a chegar ao Ceará. Segundo Wesley Batista, sócio do grupo, o ex-governador Cid Gomes (PDT) teria recebido R$ 20 milhões de propina em 2014 para o financiamento de campanhas, em troca da liberação de créditos de ICMS. Metade desse valor, de acordo com o delator, foi repassado como doação oficial nas últimas eleições (ver o post JBS está entre os maiores doadores de campanha no Ceará).

Em outra delação, Ricardo Saud, executivo da mesma JBS, afirma que R$ 5 milhões teriam sido pagos ao senador Eunício Oliveira (PMDB) por causa de uma medida provisória sobre créditos de PIS/Cofins.

Todos negam as acusações. De fato, delações premiadas necessitam de um conjunto probatório para que tenham efeito judicial. Acontece que os irmãos Joesley e Wesley Batista fizeram provavelmente o melhor dos acordos de delação na Lava Jato. E daí? Isso prova algo? Não, mas caso tenham mentido o acordo estará automaticamente desfeito. Sem contar que a JBS afirma ter anexado documentos.

A presunção de inocência é garantida por lei, porém, enquanto as investigações seguem, a delação da JBS aponta que o mesmo método de corrupção que abasteceu a chapa Dilma-Temer alimentou, ainda que a partir de fontes distintas, o projeto político de Cid Gomes no Ceará. É o que dizem os delatores.

O ônus da prova cabe a quem acusa e esse é um princípio jurídico indiscutível. Mas politicamente, até que tudo seja passado a limpo, o peso da suspeita é que recairá como ônus sobre as imagens dos acusados, especialmente nesses tempos de escândalos sem fim.

PS. Muita gente que comemorou as primeiras repercussões da delação da JBS mudou de ideia com a divulgação de outros nomes, como Lula e Dilma, além de outros políticos de variadas ideologias.

Publicidade

JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará

Por Wanfil em Corrupção

18 de Maio de 2017

As primeiras informações sobre a delação premiada de Joesley Batista, dono da JBS, atingem diretamente o presidente Michel Temer (PMDB), Aécio Neves (PSDB) e Guido Mantega (PT). Existe, porém, a expectativa de que muitos outros políticos – de todo o Brasil – tenham sido ou ainda sejam mencionados pelo empresário.

A JBS ostenta o título de maior doadora de campanhas em 2014, com R$ 366,8 milhões (39,56% do lucro líquido registrado em 2013), à frente até da Odebrecht, que doou R$ 111 milhões. A empresa também está entre as maiores doadoras de campanhas no Ceará no mesmo ano, conforme registros publicados no site do TSE.

Ao todo, oficialmente, foram R$ 13,8 milhões entre doações diretas aos candidatos ou aos comitês eleitorais de seus partidos ou coligações. A maior parte das doações foram para Camilo Santana, do PT, que recebeu R$ 7,3 milhões. Em segundo lugar ficou o senador Eunício Oliveira, do PMDB, com R$ 3,5 milhões.

Entre deputados federais e estaduais estão registradas doações para Antonio Balhman (então no Pros e hoje no PDT), com R$ 1,6 milhão; Gorete pereira (PR), com R$ 700 mil; Gelson Ferraz (PRB), com R$ 500 mil; Ronaldo Martins (PRB), também com R$ 500 mil; Francisco Pinheiro (PT), com R$ 300 mil; Zezinho Albuquerque (Pros/PDT), com R$ 100 mil; Leônidas Cristino (Pros/PDT), com R$ 43 mil; André Figueiredo (PDT), com R$ 100 mil; e Ivo Gomes (Pros/PDT), com R$ 385 mil. Também foi registrada doação para Mauro Filho (Pros/PDT), candidato ao Senado, no valor aproximado de R$ 350 mil.

Todas essas são doações devidamente declaradas ao TSE. Muito candidatos, inclusive, receberam o dinheiro por repasse das campanhas de seus candidatos ao governo estadual. Por último, não há crime em receber dinheiro da JBS, a não ser que a delação de Joesley aponte eventuais desvios de dinheiro obtido com empréstimos no BNDES para financiar campanhas. Mas isso, por enquanto, é só especulação.

Publicidade

JBS está entre os maiores doadores de campanha também no Ceará

Por Wanfil em Corrupção

18 de Maio de 2017

As primeiras informações sobre a delação premiada de Joesley Batista, dono da JBS, atingem diretamente o presidente Michel Temer (PMDB), Aécio Neves (PSDB) e Guido Mantega (PT). Existe, porém, a expectativa de que muitos outros políticos – de todo o Brasil – tenham sido ou ainda sejam mencionados pelo empresário.

A JBS ostenta o título de maior doadora de campanhas em 2014, com R$ 366,8 milhões (39,56% do lucro líquido registrado em 2013), à frente até da Odebrecht, que doou R$ 111 milhões. A empresa também está entre as maiores doadoras de campanhas no Ceará no mesmo ano, conforme registros publicados no site do TSE.

Ao todo, oficialmente, foram R$ 13,8 milhões entre doações diretas aos candidatos ou aos comitês eleitorais de seus partidos ou coligações. A maior parte das doações foram para Camilo Santana, do PT, que recebeu R$ 7,3 milhões. Em segundo lugar ficou o senador Eunício Oliveira, do PMDB, com R$ 3,5 milhões.

Entre deputados federais e estaduais estão registradas doações para Antonio Balhman (então no Pros e hoje no PDT), com R$ 1,6 milhão; Gorete pereira (PR), com R$ 700 mil; Gelson Ferraz (PRB), com R$ 500 mil; Ronaldo Martins (PRB), também com R$ 500 mil; Francisco Pinheiro (PT), com R$ 300 mil; Zezinho Albuquerque (Pros/PDT), com R$ 100 mil; Leônidas Cristino (Pros/PDT), com R$ 43 mil; André Figueiredo (PDT), com R$ 100 mil; e Ivo Gomes (Pros/PDT), com R$ 385 mil. Também foi registrada doação para Mauro Filho (Pros/PDT), candidato ao Senado, no valor aproximado de R$ 350 mil.

Todas essas são doações devidamente declaradas ao TSE. Muito candidatos, inclusive, receberam o dinheiro por repasse das campanhas de seus candidatos ao governo estadual. Por último, não há crime em receber dinheiro da JBS, a não ser que a delação de Joesley aponte eventuais desvios de dinheiro obtido com empréstimos no BNDES para financiar campanhas. Mas isso, por enquanto, é só especulação.