03/03/2017 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

03/03/2017

Odebrecht usou cervejaria com amigos no Ceará para disfarçar propina

Por Wanfil em Corrupção

03 de Março de 2017

A imprensa nacional repercute o depoimento de Marcelo Odebrecht à Justiça Eleitoral, que confessou, entre outros crimes, ter usado a Cervejaria Petrópolis para terceirizar doações para o caixa dois para a campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014. A empresa, que pertence ao enrolado empresário Walter Farias, é dona da marca Itaipava, “a cerveja 100%”.

Não há notícias de doações da cervejaria para candidatos no Ceará. Não significa dizer que a empresa não tenha relações influentes no Estado. Veja um resumo do que o blog já publicou a respeito nos posts A cerveja 100% e Justiça põe água no chope de Cid Gomes:

Segundo reportagem da revista Época, em 2014 a Petrópolis renegociou um empréstimo de R$ 830 milhões com o BNB, que liberou a empresa de oferecer garantias para sua quitação, manobra de interesse político que gerou insatisfação interna junto aos técnicos do banco. Logo em seguida, a cervejaria doou R$ 17,5 milhões para a candidata Dilma Rousseff.

Também em 2014, a Petrópolis fechou acordo para alugar um galpão em Sobral, que ainda seria construído pelo então governador Cid Gomes e um sócio. Valor do aluguel: R$ 36 mil mensais, de acordo com outra matéria da Época. No mesmo ano, o BNB emprestou em condições especiais R$ 1,3 milhão de reais para uma empresa de Cid construir o tal galpão. O financiamento foi questionado pelo Ministério Público e Cid agora é réu em processo que corre na Justiça Federal sobre o caso.

E o que tem a ver o caso da propina com tudo isso? Além da cervejaria de Walter Farias, das datas, da relação com a campanha de Dilma e da proximidade de todos com o BNB na gestão petista, nada. Nadinha. São casos distintos que apenas mostram como o mundo é pequeno. É 100% coincidência.

Publicidade

Odebrecht usou cervejaria com amigos no Ceará para disfarçar propina

Por Wanfil em Corrupção

03 de Março de 2017

A imprensa nacional repercute o depoimento de Marcelo Odebrecht à Justiça Eleitoral, que confessou, entre outros crimes, ter usado a Cervejaria Petrópolis para terceirizar doações para o caixa dois para a campanha de Dilma Rousseff e Michel Temer em 2014. A empresa, que pertence ao enrolado empresário Walter Farias, é dona da marca Itaipava, “a cerveja 100%”.

Não há notícias de doações da cervejaria para candidatos no Ceará. Não significa dizer que a empresa não tenha relações influentes no Estado. Veja um resumo do que o blog já publicou a respeito nos posts A cerveja 100% e Justiça põe água no chope de Cid Gomes:

Segundo reportagem da revista Época, em 2014 a Petrópolis renegociou um empréstimo de R$ 830 milhões com o BNB, que liberou a empresa de oferecer garantias para sua quitação, manobra de interesse político que gerou insatisfação interna junto aos técnicos do banco. Logo em seguida, a cervejaria doou R$ 17,5 milhões para a candidata Dilma Rousseff.

Também em 2014, a Petrópolis fechou acordo para alugar um galpão em Sobral, que ainda seria construído pelo então governador Cid Gomes e um sócio. Valor do aluguel: R$ 36 mil mensais, de acordo com outra matéria da Época. No mesmo ano, o BNB emprestou em condições especiais R$ 1,3 milhão de reais para uma empresa de Cid construir o tal galpão. O financiamento foi questionado pelo Ministério Público e Cid agora é réu em processo que corre na Justiça Federal sobre o caso.

E o que tem a ver o caso da propina com tudo isso? Além da cervejaria de Walter Farias, das datas, da relação com a campanha de Dilma e da proximidade de todos com o BNB na gestão petista, nada. Nadinha. São casos distintos que apenas mostram como o mundo é pequeno. É 100% coincidência.