03/10/2016 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

03/10/2016

Eleições 2016: O Ceará na primeira eleição pós-impeachment

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

As primeiras impressões a respeito das eleições 2016 no Ceará ainda estão sendo processadas. A troca de ideias e informações ajuda a delinear as formas do quadro político no Estado. Para tanto, é preciso levar em conta o cenário e as circunstâncias que agiram sobre o pleito.

Abaixo, faço considerações sobre alguns resultados que me parecem significativos para a construção desse entendimento.

Primeiras considerações (clique nos links para ler os textos)

1 – Fortaleza: a disputa continua, mas já existem um derrotado e um vencedor

2 – Sobral e o preço de uma hegemonia

3 – Barbalha e o escândalo da compra de votos

4 – Massapê e Tauá, casos de família

5 – Quixadá como alento para o PT

6 – Crato frustra o PSDB

Outras considerações

As análises não se encerram aqui. Outras cidades ou disputas importantes merecem um olhar mais de perto. Nos próximos dias, mais resultados e o segundo turno em Fortaleza e Caucaia serão avaliados aqui no blog. Conto com sua divulgação nos seus municípios.

Abraço,

Wanderley Filho.

Publicidade

Eleições 2016: Fortaleza já tem um derrotado e um vencedor

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

A eleição para a Prefeitura de Fortaleza será decidida no próximo dia 30 de outubro, em segundo turno. Continuam na disputa o prefeito Roberto Cláudio (PDT), que terminou o primeiro turno com 40% dos votos, e Capitão Wagner (PR) com 31%.

Evidentemente, tudo pode acontecer. De todo modo, se por um lado a disputa continua, por outro é possível dizer que o maior derrotado na capital foi o PT, que ainda viu sua bancada na Câmara reduzir de quatro para dois vereadores. Para ser justo, a terceira posição de Luizianne Lins, com 15,06% dos votos válidos, foi resultado que superou a maioria dos candidatos petistas em outras capitais, mas insuficiente para avançar ao segundo turno.

Assim, paradoxalmente, o grande vencedor na capital pode ser o governador Camilo Santana, que pode ampliar sua influência na sigla no momento em que José Guimarães e Luizianne estão enfraquecidos, desde que haja disposição e apetite para isso. A sorte, como dizia Napoleão, sorri para os audazes.

Muito se especula a respeito de uma possível saída de Camilo do PT para o PDT. Parece lógico, dada a sua proximidade com os Ferreira Gomes. Porém, no PDT, o governador nunca será uma liderança, pois esse papel atualmente cabe aos irmãos Ciro e Cid. Já o PT no Ceará, mais do que nunca, precisa de Camilo. Mas para tanto, a vitória do aliado Roberto Cláudio é fundamental, pois fortalece a parceria entre petistas e cidistas, contra a qual Luizianne lutou.

Por ironia, para que isso se confirme de vez, é preciso conquistar os eleitores da ex-prefeita.

Publicidade

Eleições 2016: Quixadá como alento para o PT

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

Se o PT foi o partido que mais perdeu em todo o país, no Ceará não foi diferente. A sigla fez 15 prefeitos em 2016, contra 28 em 2012. Um recuo de 13 municípios. Explicações não faltam, dos escândalos à crise econômica.

No entanto, em Quixadá, município onde o partido travou longa disputa com o PSDB nas últimas décadas, a vitória soa como uma das poucas boas notícias para o partido. Ilário Marques conseguiu reconquistar a prefeitura com 56,94% dos votos válidos, derrotando Ricardo Silveira, do PR, que obteve 43,06%.

A ironia é que para vencer, Ilário precisou se unir ao arquirrival Osmar Baquiti, ex-tucano que hoje está no PDT, com quem trocou acusações durante anos. Até na vitória o PT constrange seus militantes mais românticos.

Publicidade

Eleições 2016: Massapê e Tauá, casos de família

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

Em Massapê, Jacques Albuquerque, do PMDB, será o novo prefeito, com 53,92% dos votos, substituindo o atual gestor, Antônio José, do PP, que não conseguiu a reeleição.

O curioso é que Jacques é tio de Antônio, que por sua vez, é filho de Zezinho Albuquerque, presidente da Assembleia Legislativa do Ceará, muito próximo a Cid Gomes. Pelo cargo que exerce, pelo papel central dentro do grupo político de Cid e Ciro, a derrota chama a atenção.

Em Tauá, a candidata Patrícia, do PMB,  foi derrotada por Carlos Windson, do PR, por 50,14% a 49,86%. Resultado apertado que surpreendeu, afinal, Patrícia Aguiar é casada com Domingos Filho, ex-presidente da AL, ex-vice-governador e atual conselheiro do TCM, e o filho, o deputado federal Domingos Neto, que se manteve ao lado de Dilma até o fim.

Se os Ferreira Gomes continuam hegemônicos em casa, alguns aliados começam a perder espaços para adversários nas suas, afinal, Jacques e Carlos contaram com o apoio do senador Eunício Oliveira, do PMDB, adversário e desafeto de Cid e Ciro.

Publicidade

Eleições 2016: Crato frustra o PSDB

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

As eleições no Crato constituem provavelmente a maior derrota do PSDB no Ceará. Não que a disputa estivesse fácil, mas é que a expectativa de eleger Samuel Araripe, um dos remanescentes da época em que a sigla foi a maior do Estado, era grande.

As pesquisas mostravam uma corrida eleitoral emparelhada, algumas com ligeira vantagem para Samuel, que já foi prefeito do município. Projeções não confirmadas pelas urnas: Zé Ailton, do PP, venceu com 58,78% dos votos válidos.  O candidato do PSDB ficou em segundo38,38%.

O alento para os tucanos é que a sigla voltou a crescer. Fez 13 prefeituras em 2012, e agora, conquistou 16. Pouco para quem já foi hegemônico, mas é melhor do que encolher.

 

Publicidade

Eleições 2016: Barbalha e o escândalo da compra de votos

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

O município de Barbalha entrou para a crônica política das eleições 2016 por causa da prisão de uma assessora da primeira-dama do Ceará, Onélia Leite, e de outras duas pessoas, com maços de dinheiro e material de campanha para Fernando Santana, do PT, apoiado pelo governador Camilo Santana, na antevéspera da votação. Segundo a Polícia Federal, o grupo planejava comprar votos.

O caso ganhou repercussão nacional e as investigações continuam. Em nota, o governo do Estado se limitou a dizer que a assessora estava afastada das funções. Ciro Gomes acusou a PF de abuso. Barbalha é reduto eleitoral do governador e por isso, naturalmente, uma de suas prioridades para as eleições.

Com tudo isso, é bem possível que o peso do flagrante e da denúncia tenham interferido no resultado do pleito, apertadíssimo. Argemiro Sampaio, do PSDB, foi eleito com 49,44% dos votos, contra 48,91% de Fernando Santana.

Vencer em casa é sempre importante. Basta ver o empenho de Cid e Ciro Gomes para eleger Ivo Gomes. No caso de Camilo, porém, essa ligação com o berço político é menos evidente do que com seus aliados de Sobral.

Publicidade

Eleições 2016: Sobral e o preço de uma hegemonia

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

A eleição para a Prefeitura de Sobral adquiriu um valor simbólico no Ceará, por se tratar do berço político da família Ferreira Gomes. Não por acaso, ao constatar a disputa acirrada na cidade, o governador Camilo Santana (PT), aliado de Ciro e Cid Gomes, disse que Sobral era prioridade para a campanha.

Durante um bom tempo as pesquisas mostravam o caçula da família, o deputado estadual Ivo Gomes (PDT), atrás de Moses Rodrigues (PMDB), candidato do senador Eunício Oliveira (PMDB) e que somente às vésperas da eleição recebeu apoio do senador Tasso Jereissati. Para reverter a situação, além do apoio das máquinas estadual e municipal, os irmãos ex-governadores precisaram atuar praticamente em tempo integral em seu reduto eleitoral.

Além disso, a campanha de Ivo foi uma das mais ricas destas eleições, com receita de R$1.222.500,00 e despesa, até esta segunda feira (3), de R$688.645,07. Os dados são do TRE. No final, o deputado venceu com 57.908 votos, que corresponde a 51,44% do total. Uma média de 12 reais por voto, contra pouco menos de RS 8,00 per capita gastos por Moses, que obteve 40,16% da votação.

A vitória de Ivo consolida uma liderança política iniciada em 1996 e que hoje, apesar da aliança com o petismo, se mantém como a maior do Ceará. O consolo para os adversários é que, uma vez na oposição ao governo federal, nunca foi tão difícil e caro para o grupo dos Ferreira Gomes, que entre 2012 e 2016 pulou do PSB para o PROS e depois para o PDT, manter essa hegemonia.

Publicidade

Eleições 2016: Sobral e o preço de uma hegemonia

Por Wanfil em Eleições 2016

03 de outubro de 2016

A eleição para a Prefeitura de Sobral adquiriu um valor simbólico no Ceará, por se tratar do berço político da família Ferreira Gomes. Não por acaso, ao constatar a disputa acirrada na cidade, o governador Camilo Santana (PT), aliado de Ciro e Cid Gomes, disse que Sobral era prioridade para a campanha.

Durante um bom tempo as pesquisas mostravam o caçula da família, o deputado estadual Ivo Gomes (PDT), atrás de Moses Rodrigues (PMDB), candidato do senador Eunício Oliveira (PMDB) e que somente às vésperas da eleição recebeu apoio do senador Tasso Jereissati. Para reverter a situação, além do apoio das máquinas estadual e municipal, os irmãos ex-governadores precisaram atuar praticamente em tempo integral em seu reduto eleitoral.

Além disso, a campanha de Ivo foi uma das mais ricas destas eleições, com receita de R$1.222.500,00 e despesa, até esta segunda feira (3), de R$688.645,07. Os dados são do TRE. No final, o deputado venceu com 57.908 votos, que corresponde a 51,44% do total. Uma média de 12 reais por voto, contra pouco menos de RS 8,00 per capita gastos por Moses, que obteve 40,16% da votação.

A vitória de Ivo consolida uma liderança política iniciada em 1996 e que hoje, apesar da aliança com o petismo, se mantém como a maior do Ceará. O consolo para os adversários é que, uma vez na oposição ao governo federal, nunca foi tão difícil e caro para o grupo dos Ferreira Gomes, que entre 2012 e 2016 pulou do PSB para o PROS e depois para o PDT, manter essa hegemonia.