01/08/2016 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

01/08/2016

Ciro Trump

Por Wanfil em Política

01 de agosto de 2016

Estamos de volta, após breve recesso. Nos emails acumulados, leitores me perguntam o que acho das declarações de Ciro Gomes (PDT) feitas na última sexta-feira (29), em entrevista à Rádio Tupinambá, de Sobral, quando acusou adversários de formarem uma coalizão do ódio. Desancou seus ex-aliados Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB), além do deputado estadual Capitão Wagner (PR), candidato à Prefeitura de Fortaleza.

Não entro em detalhes porque a fala do ex-governador carece de substância política. Não passa de provocação, dentro de uma estratégia já utilizada na última disputa ao governo estadual. Ciro bate, xinga, cria teorias conspiratórias e culpa terceiros por tudo de ruim no Ceará, não obstante o fato de que seus aliados é que estão no poder. Se o alvo dos ataques responde, é imediatamente acusado de baixar o nível, de modo que o candidato escolhido para representar Ciro Gomes e seu grupo surge como pacifista angelical preocupado apenas com os problemas da população. Truque manjado.

Desse modo, não há muito que dizer. Guardadas as devidas proporções, comentar mais do que isso é como analisar as falas de Donald Trump na corrida presidencial nos EUA, que ganha espaço na mídia à custa de polêmicas, brigas, mentiras e acusações sem provas, sempre com um toque especial de deselegância. Pode até dar voto, mas definitivamente não rende credibilidade.

Publicidade

Ciro Trump

Por Wanfil em Política

01 de agosto de 2016

Estamos de volta, após breve recesso. Nos emails acumulados, leitores me perguntam o que acho das declarações de Ciro Gomes (PDT) feitas na última sexta-feira (29), em entrevista à Rádio Tupinambá, de Sobral, quando acusou adversários de formarem uma coalizão do ódio. Desancou seus ex-aliados Tasso Jereissati (PSDB) e Eunício Oliveira (PMDB), além do deputado estadual Capitão Wagner (PR), candidato à Prefeitura de Fortaleza.

Não entro em detalhes porque a fala do ex-governador carece de substância política. Não passa de provocação, dentro de uma estratégia já utilizada na última disputa ao governo estadual. Ciro bate, xinga, cria teorias conspiratórias e culpa terceiros por tudo de ruim no Ceará, não obstante o fato de que seus aliados é que estão no poder. Se o alvo dos ataques responde, é imediatamente acusado de baixar o nível, de modo que o candidato escolhido para representar Ciro Gomes e seu grupo surge como pacifista angelical preocupado apenas com os problemas da população. Truque manjado.

Desse modo, não há muito que dizer. Guardadas as devidas proporções, comentar mais do que isso é como analisar as falas de Donald Trump na corrida presidencial nos EUA, que ganha espaço na mídia à custa de polêmicas, brigas, mentiras e acusações sem provas, sempre com um toque especial de deselegância. Pode até dar voto, mas definitivamente não rende credibilidade.