16/08/2014 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

16/08/2014

Datafolha no Ceará: início sem surpresas para o Senado

Por Wanfil em Pesquisa

16 de agosto de 2014

Foram divulgados neste sábado os números do Datafolha para as eleições ao Senado, no Ceará. O levantamento foi publicado pelo jornal o povo.

– Tasso Jereissati (PSDB_– 53%
– Mauro Filho (Pros) – 18%
– Raquel Dias (PSTU) – 5%
– Geovana Cartaxo (PSB) – 3%
– Branco/nulo – 9%
– Não sabe – 10%

Esse é o cenário que antecede o início do horário eleitoral, na próxima terça-feira. O desafio agora é traçar as estratégias certas, especialmente no caso das principai9s coligações.

A vantagem de Tasso é considerável. Se Mauro conseguisse conquistar todos os indecisos e reverter brancos e nulos, ainda ficaria 16 pontos atrás, praticamente o seu índice atual. Isso não significa que a fatura esteja certa, mas mostra o tamanho do desafio do candidato da situação.

Não existem agora as condições favoráveis que embalaram as candidaturas governistas em 2010. Naquele ano, o governo federal tinha aprovação recorde e a oposição estava isolada. A conjuntura hoje é bem diferente. Dilma chega ao quarto ano de seu mandato em situação de queda de popularidade. Pode vencer, mas não empolga e não desperta paixões. A economia desandou: o país não cresce, a inflação pressiona. Em 2014, no Ceará, ainda existe um componente adicional: a oposição ganhou o reforço do PMDB, ex-aliado ao governo estadual. Ganhou tempo e estrutura que não tinha antes.

Além do mais, o Datafolha confirma uma regra clássica das pesquisas: fica na frente quem é mais conhecido, que é o caso de Tasso. A seu favor conta a qualidade desses números: a liderança se confirma em todos os estratos e segmentos pesquisados.

Por sua vez, Mauro Filho teve a candidatura definida na última hora, em substituição ao nome de José Guimarães, seu aliado, por causa do arranjo político entre o Pros e PT, que ficou com Camilo Santana na cabeça de chapa. O fato de ser menos conhecido pode ser revertido com o horário eleitoral. Porém, esse ponto não se configura como grande vantagem, pois os tempos das coligações são parecidos. O problema mesmo é o pouco tempo para reverter a situação.

Se por um lado Tasso e Eunício possuem capital político próprio e não dependem de terceiros, por outro Mauro e Camilo dependem muito do engajamento de seus padrinhos políticos Cid e Ciro Gomes. Talvez por isso os irmãos já tenham partido para o ataque, com aquele estilo peculiar de sempre, em palanques e nas redes sociais. Agem como protagonistas da disputa, enquanto seus indicados ficam calados, na esperança de enfraquecer os adversários.

Isso também não é surpresa. Estando atrás, os governistas precisam arriscar. E o risco é saber combinar as doses de propaganda positiva a favor de seus indicados e propaganda negativa contra opositores que remete o leitor à imagem de ex-companheiros traídos por quem soube se aproveitar deles. Em eleições, assim como nos filmes, o público costuma a simpatizar com a vítima.

Publicidade

Datafolha no Ceará: início sem surpresas para o Senado

Por Wanfil em Pesquisa

16 de agosto de 2014

Foram divulgados neste sábado os números do Datafolha para as eleições ao Senado, no Ceará. O levantamento foi publicado pelo jornal o povo.

– Tasso Jereissati (PSDB_– 53%
– Mauro Filho (Pros) – 18%
– Raquel Dias (PSTU) – 5%
– Geovana Cartaxo (PSB) – 3%
– Branco/nulo – 9%
– Não sabe – 10%

Esse é o cenário que antecede o início do horário eleitoral, na próxima terça-feira. O desafio agora é traçar as estratégias certas, especialmente no caso das principai9s coligações.

A vantagem de Tasso é considerável. Se Mauro conseguisse conquistar todos os indecisos e reverter brancos e nulos, ainda ficaria 16 pontos atrás, praticamente o seu índice atual. Isso não significa que a fatura esteja certa, mas mostra o tamanho do desafio do candidato da situação.

Não existem agora as condições favoráveis que embalaram as candidaturas governistas em 2010. Naquele ano, o governo federal tinha aprovação recorde e a oposição estava isolada. A conjuntura hoje é bem diferente. Dilma chega ao quarto ano de seu mandato em situação de queda de popularidade. Pode vencer, mas não empolga e não desperta paixões. A economia desandou: o país não cresce, a inflação pressiona. Em 2014, no Ceará, ainda existe um componente adicional: a oposição ganhou o reforço do PMDB, ex-aliado ao governo estadual. Ganhou tempo e estrutura que não tinha antes.

Além do mais, o Datafolha confirma uma regra clássica das pesquisas: fica na frente quem é mais conhecido, que é o caso de Tasso. A seu favor conta a qualidade desses números: a liderança se confirma em todos os estratos e segmentos pesquisados.

Por sua vez, Mauro Filho teve a candidatura definida na última hora, em substituição ao nome de José Guimarães, seu aliado, por causa do arranjo político entre o Pros e PT, que ficou com Camilo Santana na cabeça de chapa. O fato de ser menos conhecido pode ser revertido com o horário eleitoral. Porém, esse ponto não se configura como grande vantagem, pois os tempos das coligações são parecidos. O problema mesmo é o pouco tempo para reverter a situação.

Se por um lado Tasso e Eunício possuem capital político próprio e não dependem de terceiros, por outro Mauro e Camilo dependem muito do engajamento de seus padrinhos políticos Cid e Ciro Gomes. Talvez por isso os irmãos já tenham partido para o ataque, com aquele estilo peculiar de sempre, em palanques e nas redes sociais. Agem como protagonistas da disputa, enquanto seus indicados ficam calados, na esperança de enfraquecer os adversários.

Isso também não é surpresa. Estando atrás, os governistas precisam arriscar. E o risco é saber combinar as doses de propaganda positiva a favor de seus indicados e propaganda negativa contra opositores que remete o leitor à imagem de ex-companheiros traídos por quem soube se aproveitar deles. Em eleições, assim como nos filmes, o público costuma a simpatizar com a vítima.