22/07/2014 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

22/07/2014

Ibope mostra diferença de capital político entre candidaturas naturais e as fabricadas

Por Wanfil em Eleições 2014

22 de julho de 2014

Na primeira pesquisa Ibope feita no Ceará após a oficialização das candidaturas, Eunício Oliveira (PMDB) lidera para o governo do Estado com 44% das intenções de voto, seguido por Camilo Santana (PT), que aparece com 14%. Para o Senado, Tasso Jereissati (PSDB) parte na frente com 58%, contra 14% de Mauro Filho (Pros).

Os números, encomendados pela TV Verdes Mares, refletem o peso eleitoral de cada um na largada. Enquanto Eunício e Tasso dispensam padrinhos políticos, Camilo e Mauro, lançados de última hora, surpreendendo até aliados, dependem da transferência de parte do capital político do governador Cid Gomes. Não por acaso, ambos cravaram o mesmo índice. A questão é saber até onde essa influência poderá carregar os candidatos governistas.

O desempenho das candidaturas menores não deve ser menosprezado. Para o governo estadual, Eliane Novais (PSB) tem 6% e Ailton Lopes (Psol) 3%. Juntos, conseguem quase 10% dos votos, que no final podem fazer falta aos líderes. Já para o Senado, Rachel Dias (Psol) tem 5% e Geovana Cartaxo (PSB), 2%.

Certamente os números deverão variar conforme a dinâmica das campanhas. Fatores como a eventual influência de padrinhos políticos, a capacidade de articulação dos candidatos, as taxas de rejeição, a disputa presidencial, a experiência política de cada um, a propaganda eleitoral e os debates, ainda surtirão efeito.

Por enquanto, nesse começo, Eunício e Tasso trabalham sem grandes contratempos. Na verdade, respiram aliviados por terem conseguido reunir mais apoio do que imaginavam antes das convenções. Já Camilo e Mauro, sob o comando de Cid, por um lado contam com a máquina governista, mas por outro lutam para conter o ressentimento dos pré-candidatos descartados pelo Pros e o racha interno no PT.

Tem ainda a briga para ver quem terá o apoio de Dilma. Entretanto, com a presidente caindo pesquisa após pesquisa, já é o caso de pensar se essa companhia pode realmente ajudar. No Planalto, a preocupação não é mais evitar um segundo turno, mas estar no segundo turno.

A primeira pesquisa mostra uma considerável diferença na largada. Não é sinal de vitória fácil de quem parte na frente, mas indício forte de que a reta final será disputada como há muito tempo não se vê.

Publicidade

Cid: “Não estou apoiando um partido, estou apoiando um jovem”

Por Wanfil em Eleições 2014

22 de julho de 2014

Diálogo publicado no Facebook do governador Cid Gomes, no último dia 20 de julho, no qual ele comenta com um internauta (cuja identidade prefiro preservar) sobre a filiação partidária de Camilo Santana, seu candidato à sucessão estadual:

Cid-acebook-partido

Vez por outra, o governador conversa com internautas no Facebook, iniciativa que o ajuda a criar uma imagem de gestor aberto ao diálogo com a população. A vantagem é que ele só responde o que quiser; a desvantagem é que uma resposta revela que aquele assunto foi selecionado como prioridade.

Cid poderia ter dito que o PT é um partido que possui história, com qualidades e defeitos como todos os demais, mas que conta com grandes quadros, conteúdo programático, e que, além do mais, conhece bem o candidato, que já foi seu secretário, e por aí vai. Mas não disse. Preferiu desconsiderar a questão partidária e apelar ao personalismo, aos atributos individuais do candidato. A mensagem ficou mais ou menos assim, ainda que não tenha sido essa a intenção: “Ele é do PT mas, apesar disso, o que importa é que ele é um jovem esforçado e gente boa. É por isso que eu o apoio”.

O ruim para Camilo Santana é que esse é o tipo de declaração que pode fustigar a militância petista, já que o PT entra na história como mais um partido a serviço de um projeto particular. O comitê do candidato, não custa observar, não será na Av. da Universidade, tradicional reduto do PT no Ceará. Será na Av. Sebastião de Abreu, no espaço que já serviu à candidatura de Roberto Cláudio (então no PSB e hoje no Pros) à Prefeitura de Fortaleza. Olhe lá se o vermelho não sumir da campanha… Fica a estranha situação de haver um candidato do PT cuja candidatura, na verdade, é do Pros.

Por fim, não deixa de ter coerência com a trajetória política do governador e seu grupo, marcada por recorrentes trocas de partido.

Publicidade

Cid: “Não estou apoiando um partido, estou apoiando um jovem”

Por Wanfil em Eleições 2014

22 de julho de 2014

Diálogo publicado no Facebook do governador Cid Gomes, no último dia 20 de julho, no qual ele comenta com um internauta (cuja identidade prefiro preservar) sobre a filiação partidária de Camilo Santana, seu candidato à sucessão estadual:

Cid-acebook-partido

Vez por outra, o governador conversa com internautas no Facebook, iniciativa que o ajuda a criar uma imagem de gestor aberto ao diálogo com a população. A vantagem é que ele só responde o que quiser; a desvantagem é que uma resposta revela que aquele assunto foi selecionado como prioridade.

Cid poderia ter dito que o PT é um partido que possui história, com qualidades e defeitos como todos os demais, mas que conta com grandes quadros, conteúdo programático, e que, além do mais, conhece bem o candidato, que já foi seu secretário, e por aí vai. Mas não disse. Preferiu desconsiderar a questão partidária e apelar ao personalismo, aos atributos individuais do candidato. A mensagem ficou mais ou menos assim, ainda que não tenha sido essa a intenção: “Ele é do PT mas, apesar disso, o que importa é que ele é um jovem esforçado e gente boa. É por isso que eu o apoio”.

O ruim para Camilo Santana é que esse é o tipo de declaração que pode fustigar a militância petista, já que o PT entra na história como mais um partido a serviço de um projeto particular. O comitê do candidato, não custa observar, não será na Av. da Universidade, tradicional reduto do PT no Ceará. Será na Av. Sebastião de Abreu, no espaço que já serviu à candidatura de Roberto Cláudio (então no PSB e hoje no Pros) à Prefeitura de Fortaleza. Olhe lá se o vermelho não sumir da campanha… Fica a estranha situação de haver um candidato do PT cuja candidatura, na verdade, é do Pros.

Por fim, não deixa de ter coerência com a trajetória política do governador e seu grupo, marcada por recorrentes trocas de partido.