Abril 2013 - Página 2 de 2 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Abril 2013

Mais uma secretaria de estado = mais verbas, mais licitações, mais…

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

12 de Abril de 2013

Meu comentário na rádio Tribuna BandNews FM – 101.7, sobre a possibilidade de criação de mais uma secretaria do governo estadual.

Segue a transcrição:

A Assembleia Legislativa do Ceará aprovou projeto de indicação que autoriza a criação da Secretaria das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, de autoria do deputado Daniel Oliveira, do PMDB.

Não será estranho se o Executivo estadual, que tem absoluto controle sobre o que é aprovado ou rejeitado no Legislativo, topar essa iniciativa. Aliás, não seria novidade alguma. Esse modelo administrativo que aumenta a máquina para saciar o apetite de aliados é largamente utilizado pelo governo federal e serviu de inspiração, aqui no estado, para a criação recente, por exemplo, das secretarias da Pesca, das Cidades e da Copa.

É bom deixar claro que cada nova pasta corresponde a novos gastos com infraestrutura, manutenção, equipamentos, carros, servidores de carreira e terceirizados, viagens, projetos e um infinidade de contas que, no final, são pagas pelo contribuinte.

Além disso, existe ainda o cipoal de cargos de confiança que serão preenchidos por indicação política, com todos de olho nas verbas e nas licitações desse novo órgão administrativo. Leia mais

Publicidade

Sobre acusações de espionagem: senhores, parem de nos envergonhar!

Por Wanfil em Política

11 de Abril de 2013

O petista Eudes Xavier usou a tribuna da Câmara dos Deputados para acusar o governador Cid Gomes, do PSB, de espionagem contra o ex-prefeito de Maracanaú Roberto Pessoa, do PR. Cid Gomes, por sua vez, usou a tribuna da Assembleia Legislativa para dizer que Eudes Xavier agia a mando da ex-prefeita Luizianne Lins, também do PT.

Voltando à Brasília, o ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho, em defesa do correligionário Roberto Pessoa, usa a tribuna da Câmara dos Deputados para dizer que solicitará ao Ministério Público a quebra do sigilo telefônico e telemático das autoridades envolvidas. Em resposta, o governador Cid Gomes e o deputado federal Antônio Balhmann entrega uma representação do PSB ao presidente da Câmara dos Deputados pedindo a cassação de Eudes Xavier por quebra de decoro.

A irrelevância que nos salva de um vexame ainda maior

E o que é tudo isso? É o exercício da política na base da troca de acusações constrangedoras e da fofoca irresponsável. A rigor, não existem investigações conclusivas sobre o caso. Portanto, ninguém sabe quem tem razão. Mas é certo que toda essa turma estará reunida no palanque de Dilma em 2014. E como se não bastasse a confusão, nossos representantes levam o ridículo espetáculo ao plano nacional. Que vexame.

A nossa sorte é que atualmente ninguém no Brasil dá bola para os políticos cearenses. Houve um tempo em que o governo cearense conseguia emplacar dois ou três ministros em áreas importantes, presidentes no BNB e nas principais agências de desenvolvimento, mas agora temos somente um ex-prefeito de Sobral comandando a Secretaria Nacional dos Portos, ofertado como prêmio de consolação devido aos bons serviços prestados ao governo federal.

Se Dilma hoje faz afagos a Cid Gomes, é somente com o intuito de atingir a candidatura presidencial de Eduardo Campos, governador de Pernambuco. Nesse filme, o cearense é coadjuvante. E nem assim a presidente faz muito, somente as promessas de sempre. Inaugurar grandes obras estruturantes que é bom, isso nunca acontece.

Do Ceará importam apenas a grande votação que pode ser obtida diretamente com a exploração do Bolsa Família, dispensando a intermediação dos políticos locais. Sem peso e sem capacidade de mobilização, sem opositores externos e sem ambições maiores, a base governista estadual termina disputando entre si para ver quem tem mais espaço em seu quinhão de poder, protagonizando episódios lamentáveis como esse das acusações de espionagem, entre outros. É nesse ambiente de irrelevâncias e de mesquinharias que nossos líderes projetam o Ceará nos dias que correm.

O Ceará, que já foi modelo de políticas públicas que inspiraram, por exemplo, a Lei de Responsabilidade Fiscal, agora se notabiliza como exemplo negativo de picuinhas e trapalhadas. Que vergonha.

Publicidade

Eles só pensam naquilo!

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

09 de Abril de 2013

Meu comentário na rádio Tribuna BandNews FM – 101.7, sobre a antecipação da agenda eleitoral no Brasil e no Ceará.

Ouça o áudio:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/04/POLITICA_WANDERLEY_ELES-SÓ-PENSAM-NAQUILO.mp3″]

 

Segue a transcrição:

A antecipação do calendário eleitoral reduz o tempo do calendário administrativo. O que não foi resolvido até agora, não será mais até outubro de 2014.

A antecipação do calendário eleitoral reduz o tempo do calendário administrativo. O que não foi resolvido até agora, não será mais até outubro de 2014.

Eles só pensam naquilo! Eles só pensam em voto e nas próximas eleições. Daqui até outubro de 2014, todos os problemas passam a ser tratados de olho nas pesquisas e na base da propaganda.

Em Brasília, a presidente Dilma, do PT, trouxe o PR de Alfredo Nascimento e o PDT de Carlos Lupi de volta ao ministério do qual saíram após denúncias de corrupção. O que interessa aí é o tempo de TV de cada partido. E que se dane a faxina ética.

Para neutralizar a possível candidatura de Eduardo Campos, do PSB, à Presidência da República, Dilma anuncia no rádio, medidas e verbas contra a seca no nordeste. Diga-se de passagem que são as mesmas promessas feitas há exatamente uma semana aqui em Fortaleza e que até os governistas mais adestrados reconhecem ser tímidas.

No Ceará não é diferente. O governador Cid Gomes e seus aliados já se dedicam à campanha eleitoral mais do que recomenda o bom senso. Basta ver as movimentações de gente como o ministro dos Portos Leônidas Cristino, do secretário da Fazenda Mauro Filho ou até da secretária de Educação Izolda Cela, nomes citados nos balões de ensaio das colunas de jornal.

Tem ainda o PT, que ressentido com o racha em Fortaleza, agora parte pra cima do PSB e do governador, com direito a acusações mútuas de espionagem. Até poucas eleições atrás, esse pessoal trocava juras de amor e elogios rasgados entre si.

Do ponto de vista prático, tudo isso é infrutífero para resolver os grandes problemas do país e do Ceará.  Falta aproximadamente um ano e meio para as eleições do ano que vem. Já em junho próximo, teremos a Copa das Confederações. Quer dizer, de maio a agosto essa será a maior prioridade de nossas autoridades. Em 2014, depois do Carnaval, vem a Copa e as próprias eleições.

Com um pouco de otimismo, significa dizer que, na prática, o governador terá somente uns seis meses para trabalhar livremente. Talvez menos. Com a agenda eleitoral antecipada, esse tempo fica mais reduzido ainda. Portanto, será um fim de mandato apertado para encaminhar ações contra emergências que ignoram os calendários festivos e eleitorais: a seca e os obscenos índices de violência no estado. Mas sabe como é: eles só pensam naquilo!

Publicidade

A eminência parda e a rainha da Inglaterra na Secretaria de Segurança do Ceará

Por Wanfil em Ceará, Segurança

08 de Abril de 2013

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) agora conta com a ajuda extraoficial do ex-governador e ex-ministro Ciro Ferreira Gomes, que ultimamente tem comparecido ao órgão com frequência com a missão de acompanhar as ações da pasta, embora até o momento não haja nomeação alguma nesse sentido no Diário Oficial do Estado.

Segundo o governador Cid Gomes, irmão mais novo e herdeiro político de Ciro, a contribuição é voluntária e atende a um pedido pessoal do próprio governador.

Sem desculpas

É inegável que Ciro Gomes, que no passado já foi uma das maiores promessas políticas do Brasil, tem todo o  direito de querer ajudar o irmão a escapar do completo fiasco na área da segurança pública, bandeira de campanha mais famosa do governador. Pior que o mais implacável crítico e o mais ferrenho opositor (caso ainda exista um), é parecer fracassado diante da população que apostou suas fichas nessa gestão. E o fato é que a incompetência do governo em prover soluções para a alta da criminalidade no estado não pode mais ser disfarçada com pirotecnias ou desculpas.

Aliás, diga-se de passagem, o próprio pedido de ajuda do governador ao irmão mais experiente é sinal reluzente de que o incômodo que a sociedade vive nessa área finalmente chegou ao centro das preocupações governo. Talvez seja tarde demais para a atual administração. De qualquer forma, o sinal vermelho acendeu.

Quem manda na SSPDS?

O problema é que a informalidade da presença de Ciro na secretaria cria um quadro de confusão e de incertezas que termina por complicar ainda mais a situação. Afinal, Ciro presta contas a quem? Somente ao governador? Qual sua autoridade para emitir eventuais ordens ou determinações? O fato é que essa participação sem lastro oficial acaba criando a figura da eminência parda, ou seja, abre um comando paralelo que termina por enfraquecer o próprio secretário Francisco Bezerra, que agora fica com cara de rainha da Inglaterra, mero enfeite burocrático sem poder de fato.

Tanto isso é verdade, que Cid Gomes já precisou vir à público dizer que não pretende promover mudanças na cúpula da Segurança. Ora, quando um gestor se vê na situação de negar a possível demissão de um secretário é porque já existem pressões nesse sentido atuando fortemente. Além disso, fica a desconfiança de que a mudança não será necessária justamente porque é Ciro quem dá as cartas no órgão.

Comando disperso

Nas questões de poder, não existe vácuo. Se o secretário Francisco Bezerra e Ciro Gomes divergirem em algum ponto, muito provavelmente a opinião do irmão do governador prevalecerá. Mas existe o outro lado da moeda. Ciro talvez não possa assumir oficialmente cargos na Segurança por não possuir liderança sobre o efetivo policial. Durante a greve que paralisou a Polícia Militar e o governador Cid Gomes no início de 2012, Ciro bateu de frente com a categoria. Em um de seus arroubos característicos, chamou os grevistas de marginais fardados. Assim, o ex-governador pode até contar com o aval do irmão para atuar, mas sua presença ali é causa de constrangimento diante dos comandados. Daí a necessidade de manter uma rainha da Inglaterra no organograma da pasta.

Desse jeito, a ajuda tal voluntária de Ciro acaba por se transformar em mais um ponto de dispersão de energia (e recursos) que tanto caracteriza a gestão Cid Gomes na Segurança Pública, sem que apareçam os devidos resultados.

Publicidade

Podcast do Wanfil – Ações de combate à seca: anúncios rápidos e ações lentas

Por Wanfil em Tribuna Band News FM

05 de Abril de 2013

No começo da semana a presdiente Dilma Rousseff anunciou, no Ceará, um pacote de ações contra a seca. Para salvar o gado que está morrendo de fome, o governo federal se comprometeu a distribuir milhares de toneladas de grãos de milho. Na prática, porém, a medida pode levar 60 dias para ser concluída, como reconhece o próprio Ministrério da Agricultura, devido a gargalos de infraestrutura. A fome, porém, não espera. Durante a semana o historiador Wanderley Filho alertou para esas possibilidade: “Falar é fácil, difícil é ver algo sair do papel”. Esse é o tema da coluna Política de hoje.

Ouça o podcast:

[haiku url=”http://tribunadoceara.uol.com.br/blogs/wanderley-filho/files/2013/04/POLITICA-WANDERLEY-A-LENTIDÃO-NO-COMBATE-À-SECA.mp3″]

Publicidade

Gestão Roberto Cláudio completa 100 dias: eu cobro assim como sou cobrado

Por Wanfil em Fortaleza

04 de Abril de 2013

Comigo é assim: cobro na mesma medida em que sou cobrado. A mim não é dado o direito de ignorar ou atrasar prazos. Portanto...

Comigo é assim: cobro na mesma medida em que sou cobrado. A mim não é dado o direito de ignorar ou atrasar prazos. Portanto…

Dias atrás, no post Governar é diferente de fazer campanha, registrei a perceptível mudança na estratégia de comunicação da Prefeitura de Fortaleza: “o ímpeto midiático dos primeiros dias da nova gestão arrefeceu”.

Na ocasião, ainda fiz um alerta: “O risco é justamente gerar mais expectativas, quando o momento é de baixá-las, mostrando que as promessas demandam tempo para serem cumpridas”.

Água na fervura

Parece que não sou o único a pensar assim. Tanto é que agora no começo de abril, em entrevista gravada ao programa Ideia Jangadeiro, o prefeito Roberto Cláudio aproveitou a marca de 100 dias (a ser completada no próximo dia 10) à frente do Paço Municipal, para falar sobre a gestão e botar água na fervura.

Como eu disse em minha coluna diária na Tribuna BandNews, é o trabalho de trazer o debate político, contaminado pela emoção da disputa eleitoral, para a realidade da administração. Se durante a campanha a ordem é gerar expectativas; depois da posse, o negócio é amoldá-las aos limites do orçamento.

Estrategicamente, para evitar qualquer impressão de paralisia operacional, a prefeitura elegeu a saúde, área de grande apelo e castigada nos últimos anos, como prioridade. Para outras demandas, Roberto Cláudio pontuou  que tudo a seu tempo e  que o prazo para atendê-las é de quatro anos.

Pai Nosso

Ainda é cedo para avaliações mais profundas sobre o estilo administrativo do novo prefeito, que merece, até o momento, um voto de confiança. Mas, em todo caso, sempre faço valer a lei de reciprocidade que aprendi com a bela oração Pai Nosso: “Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

Nesse caso, ressalto a função sintática e moral da conjunção subordinativa comparativa assim como. O ideal de justiça da prece reside no fato de que o pedido de perdão é legitimado pela capacidade de perdoar. Há, portanto, uma condição que legitima a concessão do perdão. Da mesma forma, por analogia, só deve receber o benefício da elasticidade dos prazos quem os estica aos outros.

O governo tem quatro anos para fazer o que foi prometeu? Tecnicamente, sim. Seria até justo, se o contribuinte tivesse, por exemplo, quatros anos para pagar o IPTU, mediante a seguinte argumentação: olha, viajei e ao voltar para casa vi que a situação estava pior do que eu supunha, com as contas em desordem, falta de remédios e de material escolar, de forma que pagarei os impostos somente no ano que vem. Pois é, tem coisas que não dá para negociar.

Eu cobro com a mesma medida com que sou cobrado. Simples assim. Não sendo possível a realização de tudo agora, o mínimo que o governo tem a fazer é apresentar prazos para cada promessinha feita na campanha eleitoral. Se não for assim, as chances de estelionato eleitoral sempre aumentam. Tenhamos fé.

Publicidade

Dilma no Ceará: chuva de anúncios, escassez de realizações

Por Wanfil em Política

02 de Abril de 2013

A agenda oficial da Presidência da República informa os seguintes compromissos de Dilma Rousseff no Ceará, nesta terça-feira:

1) 17ª Reunião Ordinária do Conselho Deliberativo da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE);

2) Cerimônia de entrega de máquinas retroescavadeiras e motoniveladoras;

3) Cerimônia de inauguração da Escola Estadual de Educação Profissional Jaime de Oliveira e de entrega de 14 ônibus escolares no âmbito do Programa Caminho da Escola.

Na reunião na Sudene, da qual participaram governadores dos estados do Nordeste, a maior novidade foi o anúncio de um programa de recomposição do rebanho morto em decorrência da seca. À imprensa não foram informados valores, prazos ou maiores detalhes a respeito. Mas as manchetes positivas já estão garantidas.

De resto, o governo se comprometeu a prorrogar o pagamento programas de complementação de renda e anunciou a liberação de verbas para a região. Dizer o quê? Essa é a parte fácil. A questão mesmo é ver as coisas saírem do papel como deveriam.

Agenda eleitoral

Dilma veio ao Ceará participar de uma reunião técnica e aproveitou para anunciar verbas, dar lições aos governantes do passado, entregar tratores e inaugurar uma escola, feitos dignos de uma prefeita, não de uma presidente. Nas cerimônias, é claro, não faltaram salamaleques, fotos e sorrisos.

O governdor Cid Gomes chegou a dizer que nunca antes uma gestão foi tão ágil como o atual. Isso me faz lembrar da transposição do Rio São Francisco, obra que a presidente e seu antecessor prometeram, mas não entregaram. Os aliados se calam em sinal de obediência e a oposição se acovarda diante da exploração eleitoreira da miséria no Nordeste.

Sim, a agenda presidencial no Ceará foi calculada mirando as eleições de 2014, com o claro objetivo de 1) promover a imagem de Dilma como gestora atuante, malgrado a falta de realizações impactantes na região; 2) divulgar um discurso de defesa contra um eventual desgaste mediante o agravamento da seca, 3) mobilizar aliados, para evitar vácuo de liderança em ano pré-eleitoral.

Na prática, é a estratégia de vender esperanças enquanto se distribui migalhas, de transformar atos de pequeno porte em indispensáveis instrumentos de combate à seca. O fato é que a realidade de quem sofre com a estiagem não muda um milímetro.

Dimensões da seca

Não sendo mais possível reduzir os efeitos da seca para a economia e para o sertanejo, a prioridade agora é reduzir os efeitos de seca na candidatura oficial. Infelizmente, a viagem de Dilma ao Ceará foi infértil como a terra seca do semiárido. Para esta, a volta da chuva é a única esperança. Para o governo, o truque é fazer chover promessas até outubro do ano que vem. Como diz a presidente, “conviver com a seca tem várias dimensões”.

 

PS. O governador Cid Gomes voltou a prometer a refinaria da Petrobras no Ceará, que será “o maior investimento do século” no estado, cerca de 11 bilhões de reais. Na plateia, a presidente da estatal, que vive dias de dificuldade por causa de perdas financeiras e ingerências políticas. No plano de investimentos da Petrobras até 2017, não há previsão para a refinaria do Ceara.

Publicidade

1º de Abril: escolha as mentiras mais influentes do momento

Por Wanfil em Crônica

01 de Abril de 2013

Todos conhecem a história de Pinóquio. Na vida real, porém, a distinção entre o falso e o real é bem mais complexa. No entanto, existem mentiras que enganam apenas quem se deixa enganar.

O 1º de Abril, como todos sabemos, é o Dia da Mentira. Para alguns filósofos e sociólogos, a mentira tem gradações que impedem sua condenação moral imediata. Às vezes, podemos mentir por medo, para proteger um segredo, para evitar uma intriga, salvar uma vida e por aí vai. No entanto, na maioria das vezes, é consenso geral que a mentira prospera por motivos negativos, para enganar os desavisados e tirar-lhes proveito indevido.

Quando o assunto é política, aí a aplicação da mentira ganha ares de elaboração profissional, com fartos recursos para a sua disseminação.

A lista

Condenar a mentira é sempre um risco, pois que não mente? A questão, talvez, é que existem mentiras que atingem apenas a vida privada, e existem aquelas cujas consequências alcançam milhares de vidas. É sobre essas últimas, as mentiras públicas, digamos assim, que escrevo agora.

Então, para marcar o Dia da Mentira, elaborei uma pequena lista com algumas das lorotas mais influentes do momento. Não são todas, claro, pois o texto ficaria longo demais. Muito provavelmente, uma ou outra mentira pode ter ficado de fora, por esquecimento (são tantas…). A ordem de classificação não corresponde aos malefícios feitos à sociedade. Qualquer coisa, aceito sugestões para não cometer injustiças.

1 – O maior problema do Brasil é o deputado Feliciano presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal;
2 – os índices negativos na Segurança Pública do Ceará só crescem porque bandidos estão acertando contas entre si;
3 – a refinaria da Petrobras agora sai, graças ao governador Cid e à parceria com empresas privadas que não estão nem aí para os problemas de caixa e de ingerência política na estatal;
4 – o futebol cearense é bom;
5 – o mensalão não existiu e seu julgamento foi uma farsa (pobre Genuíno);
6 – nunca se fez tanto para combater a seca no Nordeste;
7 – a miséria está em vias de acabar;
8 – Cuba e Venezuela são exemplos de democracia;
9 – o crescimento da economia brasileira será fenomenal no ano que vem (tudo foi feito, agora os resultados aparecerão);
10 – cada bairro de Fortaleza terá um posto de saúde. 

PS. Pensando bem, vendo a lista acima, um dia é pouco.

Publicidade

1º de Abril: escolha as mentiras mais influentes do momento

Por Wanfil em Crônica

01 de Abril de 2013

Todos conhecem a história de Pinóquio. Na vida real, porém, a distinção entre o falso e o real é bem mais complexa. No entanto, existem mentiras que enganam apenas quem se deixa enganar.

O 1º de Abril, como todos sabemos, é o Dia da Mentira. Para alguns filósofos e sociólogos, a mentira tem gradações que impedem sua condenação moral imediata. Às vezes, podemos mentir por medo, para proteger um segredo, para evitar uma intriga, salvar uma vida e por aí vai. No entanto, na maioria das vezes, é consenso geral que a mentira prospera por motivos negativos, para enganar os desavisados e tirar-lhes proveito indevido.

Quando o assunto é política, aí a aplicação da mentira ganha ares de elaboração profissional, com fartos recursos para a sua disseminação.

A lista

Condenar a mentira é sempre um risco, pois que não mente? A questão, talvez, é que existem mentiras que atingem apenas a vida privada, e existem aquelas cujas consequências alcançam milhares de vidas. É sobre essas últimas, as mentiras públicas, digamos assim, que escrevo agora.

Então, para marcar o Dia da Mentira, elaborei uma pequena lista com algumas das lorotas mais influentes do momento. Não são todas, claro, pois o texto ficaria longo demais. Muito provavelmente, uma ou outra mentira pode ter ficado de fora, por esquecimento (são tantas…). A ordem de classificação não corresponde aos malefícios feitos à sociedade. Qualquer coisa, aceito sugestões para não cometer injustiças.

1 – O maior problema do Brasil é o deputado Feliciano presidir a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal;
2 – os índices negativos na Segurança Pública do Ceará só crescem porque bandidos estão acertando contas entre si;
3 – a refinaria da Petrobras agora sai, graças ao governador Cid e à parceria com empresas privadas que não estão nem aí para os problemas de caixa e de ingerência política na estatal;
4 – o futebol cearense é bom;
5 – o mensalão não existiu e seu julgamento foi uma farsa (pobre Genuíno);
6 – nunca se fez tanto para combater a seca no Nordeste;
7 – a miséria está em vias de acabar;
8 – Cuba e Venezuela são exemplos de democracia;
9 – o crescimento da economia brasileira será fenomenal no ano que vem (tudo foi feito, agora os resultados aparecerão);
10 – cada bairro de Fortaleza terá um posto de saúde. 

PS. Pensando bem, vendo a lista acima, um dia é pouco.