chris hemsworth Archives - Cena Cultural 
Publicidade

Cena Cultural

por Thiago Sampaio

chris hemsworth

Crítica: “Vingadores: Guerra Infinita” é a coroação de uma década do Universo Marvel nos cinemas

Por Thiago Sampaio em Crítica

27 de Abril de 2018

Foram 10 anos apresentando personagens existentes num mesmo universo para finalmente colocá-los juntos num clímax épico. Foram nada menos que 18 filmes e dezenas de heróis e vilões que caíram no gosto popular, seja para aqueles que cresceram lendo HQs e viram as páginas serem materializadas no cinema ou uma nova geração cultivada já pelos longa-metragens. “Vingadores: Guerra Infinita” (Avengers: Infinity War, 2018) é o terceiro ato de uma década da Marvel Studios, construído para ter uma dimensão maior do que tudo que já fora feito. E consegue! Honra cada um em cena, joga para o alto presentes para os fãs e deixa o território aberto para um desfecho ainda mais marcante.

A trama apresenta Thanos (Josh Brolin) disposto a reunir as seis Joias do Infinito. Para enfrentá-lo, os Vingadores precisam unir forças com os Guardiões da Galáxia, ao mesmo tempo em que lidam com desavenças entre alguns de seus integrantes. Para isso, precisam estar dispostos a sacrificar tudo em uma tentativa de derrotar o a ameaça antes que sua onda de devastação coloque um fim no universo.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Thor: Ragnarok” diverte se encarado como uma comédia despretensiosa

Por Thiago Sampaio em Crítica

07 de novembro de 2017

Comprando essa ideia, temos uma aventura que diverte, ainda que o produto soe deslocado nesse universo já estabelecido.Dentro do mundo cinematográfico da Marvel, os dois filmes do Thor nunca foram unanimidade, sendo bem modesto, para não dizer que eles não agradaram de jeito nenhum. Mesmo com uma fórmula que mescla ação, efeitos especiais e humor já estabelecida, era preciso uma mudança radical se quisessem emplacar um terceiro longa. A solução? Transformar “Thor: Ragnarok” (idem, 2017) numa comédia assumida, beirando o pastelão, com resquícios daqueles personagens conhecidos. Comprando essa ideia, temos uma aventura que diverte, ainda que o produto soe deslocado nesse universo.

Na trama, Thor (Chris Hemsworth) retorna a Asgard, agora dominada pelo seu irmão Loki (Tom Hiddleston). Nas mãos de uma nova e poderosa ameaça, Hela (Cate Blanchett), ele acaba sendo preso no devastado planeta Sakaar, sem o seu martelo, colocando-o numa corrida contra o tempo para voltar ao seu mundo e impedir Ragnarok, a destruição total. Mas, primeiro, precisa sobreviver a uma luta mortal de gladiadores.

Leia mais

Publicidade

Crítica: Thor volta a convencer em aventura solo

Por Thiago Sampaio em Crítica

13 de novembro de 2013

Pôster de 'Thor: O Mundo Sombrio'

Foto: Divulgação

O longa metragem “Thor” (2011) foi responsável por incluir na nova fase de adaptações dos quadrinhos da Marvel Studios o teor assumidamente fantasioso, com a existência de poderes de outro mundo, diferente de Homem-de-Ferro (2008, 2010), O Incrível Hulk (2008) e Capitão América (2010), fator necessário para a trama do estrondoso sucesso “Os Vingadores” (The Avengers, 2012). De volta a “carreira-solo”, a continuação “Thor: O Mundo Sombrio” (Thor: The Dark World, 2013), mantém o alto nível e supera o original em muitos quesitos.

Na trama, Thor (Chris Hemsworth) lidera as últimas batalhas para conquistar a paz entre os Nove Reinos. Enquanto isso, na Terra, a cientista Jane Foster (Natalie Portman) descobre um paralelo entre os mundos que acaba por despertar de um longo sono o elfo negro Malekith (Christopher Eccleston), que acorda sedento por vingança e buscando levar todos para a escuridão eterna. Para salvar a amada, o Deus do Trovão acaba por ir ao seu encontro mas, para combater o inimigo, ele vai precisar da ajuda de ninguém menos do que Loki (Tom Hiddleston), o seu traiçoeiro irmão.

Leia mais

Publicidade

Crítica: Ambientação estilosa salva “Branca de Neve e o Caçador” do fracasso

Por Thiago Sampaio em Crítica

05 de junho de 2012

Pôster de Branca de Neve e o Caçador – Foto: Divulgação

A nova moda da indústria cinematográfica é fazer releituras de clássicos infantis. Depois de Chapeuzinho Vermelho ganhar o fraquíssimo “A Garota da Capa Vermelho” em 2011, a história de Branca de Neve e Os Sete Anões recebeu não uma, mas duas versões em 2012. Depois da comédia quase pastelona “Espelho, Espelho Meu”, esse “Branca de Neve e o Caçador” chega com a proposta de trazer uma história mais sombria. A boa notícia é que, salvo a pretensão exagerada dos realizadores em agradar as novas gerações, o longa metragem tem aspectos positivos e escapa de ser um fracasso.

A trama não é muito diferente da original: Branca de Neve (Kristen Stewart) é a única pessoa na Terra mais bonita do que a Rainha Má (Charlize Theron), que está decidida a destruí-la. Para isso, a madrasta tirana contrata um Caçador (Chris Hemsworth) para matá-la. Acontece que o homem acaba fazendo uma aliança com a jovem e eles acabam enfrentando uma série de desafios que os colocará em rota de guerra com o reino.

Surpreendentemente, o roteiro escrito pelo estreante Evan Daugherty, John Lee Hancock (do dramalhão “Um Sonho Possível”) e Hossein Amini (do ótimo “Drive”) consegue usar aspectos da história clássica, mas deturpando-os completamente de uma maneira criativa. No caso, a madrasta agora é explicitamente uma feiticeira com poderes místicos, os motivos dela querer matar a Branca de Neve ganha uma explicação mais plausível do que puro ciúme e a maçã enfeitiçada é utilizada em um novo contexto. E a mudança mais importante: o fato de o Caçador (um coadjuvante quase sem importância no original) é alçado ao posto de protagonista, enquanto o “príncipe” (vivido por Sam Claflin) surge como aquele que não conta com a torcida do expectador. Sendo assim, não deixa de ser interessante ver que o galã principal, na verdade, é pobre, bêbado e abalado psicologicamente por perdas do passado.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Os Vingadores” tem todos os elementos para levar a êxtase os fãs do estilo

Por Thiago Sampaio em Crítica

01 de Maio de 2012

Heróis reunidos: um presente aos nerds de plantão – Foto: Divulgação

Depois de a Marvel Studios vir alimentando nos últimos anos as expectativas dos fãs de quadrinhos e filmes de super heróis através de “avisos” que as produções individuais de seus personagens (Homem de Ferro, Hulk, Thor e Capitão América) eram apenas partes de um projeto maior, reunindo todos eles, “Os Vingadores” chega às telas cumprindo o que prometia. Trata-se de um blockbuster completo, com muita ação, efeitos especiais eficientes e boas doses de humor.

A trama em geral não é nada criativa: um vilão de outro mundo (Loki, irmão de Thor) tenta se apoderar de um poderoso artefato alienígena para dominar um planeta subdesenvolvido (a Terra, óbvio) e os conhecidos heróis precisam se juntar para impedi-lo. Ainda assim, há uma bem aplicada crítica ao sistema em geral em tempos de guerra, de modo que nenhuma das figuras autoritárias, seja Nick Fury (Samuel L.Jackson), diretor da S.H.I.E.L.D., ou o governo dos Estados Unidos possuem razão em algo e não poupam mentiras (mesmo entre seus aliados) para garantirem seus interesses.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Os Vingadores” tem todos os elementos para levar a êxtase os fãs do estilo

Por Thiago Sampaio em Crítica

01 de Maio de 2012

Heróis reunidos: um presente aos nerds de plantão – Foto: Divulgação

Depois de a Marvel Studios vir alimentando nos últimos anos as expectativas dos fãs de quadrinhos e filmes de super heróis através de “avisos” que as produções individuais de seus personagens (Homem de Ferro, Hulk, Thor e Capitão América) eram apenas partes de um projeto maior, reunindo todos eles, “Os Vingadores” chega às telas cumprindo o que prometia. Trata-se de um blockbuster completo, com muita ação, efeitos especiais eficientes e boas doses de humor.

A trama em geral não é nada criativa: um vilão de outro mundo (Loki, irmão de Thor) tenta se apoderar de um poderoso artefato alienígena para dominar um planeta subdesenvolvido (a Terra, óbvio) e os conhecidos heróis precisam se juntar para impedi-lo. Ainda assim, há uma bem aplicada crítica ao sistema em geral em tempos de guerra, de modo que nenhuma das figuras autoritárias, seja Nick Fury (Samuel L.Jackson), diretor da S.H.I.E.L.D., ou o governo dos Estados Unidos possuem razão em algo e não poupam mentiras (mesmo entre seus aliados) para garantirem seus interesses.

(mais…)