Cena Cultural - Página 5 de 22 - Por Thiago Sampaio 
Publicidade

Cena Cultural

por Thiago Sampaio

Crítica: “A Qualquer Custo” traz um retrato cru dos dias atuais

Por Thiago Sampaio em Crítica

08 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“A Qualquer Custo” (Hell or High Water, 2016) é aquele tipo de filme que não é fácil de ser digerido por todos. É monótono e, por muitas vezes, incômodo. Porém, essa peculiaridade é algo que o torna tão diferenciado. Indicado a quatro Oscars (Filme, Ator Coadjuvante, Roteiro Original e Montagem), esse faroeste contemporâneo tem uma forte crítica social escondida numa trama, aparentemente não muito criativa, sobre irmãos que assaltam bancos. Aqui, não há heróis, não há bandidos. Todos são homens comuns, vítimas do sistema opressivo pós depressão americana.

O longa se passa no interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tannar (Ben Foster) são irmãos que se reúnem após anos de separação para roubar agências do banco que ameaça a falência das terras da família. Porém, eles se encontram na mira de Marcus (Jeff Bridges), um Texas Ranger que procura por uma última grande perseguição nas vésperas de sua aposentadoria, e seu parceiro comanche, Alberto (Gil Birmingham). Com os perseguidores à sua sombra, os irmãos tramam um último golpe para completar o plano.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “xXx: Reativado” falha feio ao tentar repetir a auto-paródia do original

Por Thiago Sampaio em Crítica

31 de Janeiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Quando “Triplo X” (xXx, 2002) foi lançado, a proposta era fazer uma espécie de paródia dos filmes de espionagem, que têm como ícone máximo a franquia 007. O charme ficava de lado, dando vez aos músculos e os esportes radicais. A ideia também era potencializar a imagem de astro de ação de Vin Diesel, que vinha do sucesso “Velozes e Furiosos” (The Fast and the Furious, 2001). De lá para cá, o ator buscou rumos diferentes, tentou comédia (“Operação Babá”, 2005), trabalhou com Sidney Lumet (“Sob Suspeita”, 2006), até perceber que a fonte da fortuna eram mesmo essas franquias tunadas.

Se os longas dos carros envenenados já vão para o oitavo episódio e Diesel ganhou autonomia para mandar e desmandar, 15 anos depois ele retorna para o outro produto com a mesma intenção. Acontece que o resultado de “xXx: Reativado” (xXx: Return of Xander Cage, 2017) é tão desagradável que dificilmente vai ganhar vida longa.

A trama, ultra criativa, é essa: Xander Cage (Vin Diesel) desiste de sua aposentadoria quando Xiang (Donnie Yen), um guerreiro mortal, coloca suas mãos em uma arma indestrutível chamada de “Caixa de Pandora”. Xander recruta os “melhores soldados do mundo” para destruir o vilão e paralelamente tem que enfrentar uma resistência formada por governos corruptos de todo o mundo.

Leia mais

Publicidade

La La Land, A Chegada e Moonlight puxam as principais indicações ao Oscar 2017

Por Thiago Sampaio em Oscar

24 de Janeiro de 2017

La La Land: 14 indicações - Foto: Divulgação

La La Land: 14 indicações – Foto: Divulgação

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas divulgou na manhã desta terça-feira (24), os indicados à 89ª edição do Oscar. Sem maiores surpresas, “La La Land – Cantando Estações” foi o que recebeu mais indicações, 14 no total, igualando os recordes de “A Malvada” (1950) e “Titanic” (1997). É o franco favorito a levar nas principais categorias. Em seguida, estão empatados “A Chegada” e “Moonlight”, com oito indicações cada.

Na lista, algumas peculiaridades: Amy Adams, que estava cotada tanto por “A Chegada” como por “Animais Noturnos”, ficou de fora. Enquanto isso, Meryl Streep foi indicada pela 20ª vez, ampliando o recorde pessoal. Aaron Taylor-Johnson, que venceu o Globo de Ouro de Melhor Ator Coadjuvante por “Animais Noturnos”, sequer foi indicado, enquanto Michael Shannon, que não estava indicado no Globo de Ouro pelo mesmo filme, figura entre os cotados a levar o Oscar. Mel Gibson, vencedor da estatueta de Melhor Diretor em 1996 por “Coração Valente”, volta a ser indicado mais de duas décadas depois por “Até o Último Homem”.

Muito se esperava uma possível indicação de “Deadpool” na categoria Melhor Filme, mas não foi dessa vez que vimos um longa-metragem de herói figurando nas principais categorias. Enquanto isso, “Doutor Estranho” está indicado entre os melhores Efeitos Visuais e, acreditem se quiser, o tão criticado “Esquadrão Suicida” está indicado na categoria Melhor Maquiagem e Cabelo.

A cerimônia de entrega acontece em 26 de fevereiro, com apresentação de Jimmy Kimmel.

Confira a lista completa dos indicados:

Leia mais

Publicidade

Crítica: “La La Land: Cantando Estações” é uma bela homenagem aos musicais e ao jazz

Por Thiago Sampaio em Crítica

20 de Janeiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“Quando você pode ver todos os clichês de Hollywood em um quarto?”. Essa frase é proferida pela personagem Mia, vivida por Emma Stone, em “La La Land: Cantando Estações” (La La Land, 2016), mas que também pode definir o próprio longa-metragem. A produção, que promete fazer um arrastão nas principais premiações de 2017, em nenhum momento tenta ser original, fazendo uma homenagem aos musicais clássicos de Hollywood. Mas é diferente. Ao mesmo tempo em que transborda nostalgia, a obra de Damien Chazelle caminha com as próprias pernas numa trama sobre sonhos e rumos da vida, transfigurando para a linguagem audiovisual o ritmo do jazz num visual deslumbrante.

A trama, situada em Los Angeles, apresenta Sebastian (Ryan Gosling), um pianista que sonha em ter o seu próprio clube de jazz. Ele acaba se apaixonando por uma atriz aspirante, a sonhadora Mia (Emma Stone). Mas esse amor passa por várias provações, já que começam a se dedicar mais ao trabalho à medida em que vão se tornando bem-sucedidos.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Animais Fantásticos e Onde Habitam” funciona independente de Harry Potter

Por Thiago Sampaio em Crítica

23 de novembro de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Não é novidade que Harry Potter tem uma legião de fãs fiéis ao redor do mundo. Os oito longas-metragens, adaptados dos sete livros da autora J.K. Rowling, arrecadaram mais de U$ 7 bilhões, fazendo deles a franquia mais lucrativa do cinema (se ignorarmos o ajuste pela inflação, vale avisar), na frente de Star Wars, 007, O Senhor dos Anéis, Piratas do Caribe, entre outros. Sendo assim, era um tanto óbvio que a Warner Bros. não deixaria a sua menina dos olhos só na lembrança e “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (Fantastic Beasts and Where to Find Them, 2016) chega para manter o universo vivo e faturar mais alguns bilhões. E tem tudo para conseguir o feito, pois o produto mantém o nível de diversão e funciona independente dos outros filmes.

A trama se passa 70 anos antes da saga Harry Potter e apresenta o magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne), que viaja de Londres para Nova York levando uma maleta mágica onde carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america, que teme muito mais a exposição aos “trouxas” (agora chamados de não-majs) do que os ingleses, Newt precisará usar todas suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo.

Leia mais

Publicidade

Crítica: Oliver Stone acerta em seu retorno às tramas políticas com “Snowden – Herói ou Traidor”

Por Thiago Sampaio em Crítica

18 de novembro de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Não é coincidência o fato de “Snowden – Herói ou Traidor” (Snowden, 2016) ter estreado no ano das eleições presidenciais dos Estados Unidos. Principalmente nesse episódio tão peculiar em que a eleição de um bilionário do partido republicano sem experiência política como Donald Trump foi o assunto mais comentado em qualquer lugar. Todos os países estão de olho na maior maior potência capitalista do mundo. Mas na verdade, quem observa quem? A cinebiografia do ex-funcionário da CIA e da Agência de Segurança Nacional que revelou para a mídia o grande esquema de vigilância global é o retorno em grande estilo do diretor Oliver Stone às tramas políticas, entregando um retrato das artimanhas invasivas que contribuem para os EUA permanecer no topo da pirâmide.

Como é de se esperar, a história narra a façanha do ex-analista de sistemas da CIA Edward Snowden (Joseph Gordon-Levitt). Em 2013, ele divulgou informações confidenciais e de espionagem da NSA, a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos. O material exposto revelou que o país coleta informações da internet e registros telefônicos da população e também de políticos de todo o mundo.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Doutor Estranho” introduz o misticismo no Universo Marvel com estilo

Por Thiago Sampaio em Crítica

08 de novembro de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Há oito anos, “Homem de Ferro” (Iron Man, 2008) deu início ao Universo Cinematográfico Marvel, implantando uma fórmula de fazer filmes de heróis com ação, cores e humor, conseguindo sempre um retorno positivo nas bilheterias. Passados 13 longas-metragens, com personagens já estabelecidos e tal fórmula seguida à risca, sempre deixando claro que os filmes individuais se tratam de aquecimento para que eles se reúnam em uma produção futura, chega “Doutor Estranho” (Doctor Strange, 2016).

O longa mantém a receita que tem dado certo, garantindo também um padrão de diversão, mas que pode se mostrar um tanto cansativa para aqueles espectadores que buscam inovação. Ainda assim, o herói, nem tão popular entre o grande público, consegue ser um dos trabalhos mais eficientes da Marvel Studios.

Na trama, Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “O Contador” apresenta um novo estilo de anti-herói

Por Thiago Sampaio em Crítica

01 de novembro de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O que Michael Phelps e Lionel Messi têm em comum? Claro, eles são os atletas mais geniais em seus respectivos esportes. Mas além disso, o primeiro é portador do Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) e o segundo foi diagnosticado aos oito anos com Síndrome de Asperger, que também acometia outros gênios como os físicos Isaac Newton e Albert Einstein, o naturalista Charles Darwin, o pintor renascentista Michelangelo, entre outros. Essa peculiaridade dessas pessoas “especiais” de canalizar a atenção para o principal talento, tornado-os únicos, é o que torna “O Contador” (The Accountant, 2016) diferente dos filmes de ação padrões, mesmo que falhe em vários aspectos.

Na trama, desde criança, Christian Wolff (Ben Affleck) sofre com ruídos altos e problemas de sensibilidade, devido a Síndrome de Asperger. Ao crescer, Christian se torna um contador extremamente dedicado, graças à facilidade que tem com números. A partir de um escritório de contabilidade, instalado em uma pequena cidade, ele passa a trabalhar para algumas das mais perigosas organizações criminosas do mundo. Ao ser contratado para vistoriar os livros contábeis da Living Robotics, ele descobre uma grande fraude, o que coloca em risco sua vida e da colega de trabalho Dana Cummings (Anna Kendrick).

Leia mais

Publicidade

Crítica: “O Shaolin do Sertão” repete a fórmula que deu certo em “Cine Holliúdy”

Por Thiago Sampaio em Crítica

14 de outubro de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

No ano de 2012, a comédia “Cine Holliúdy”, de Halder Gomes, foi um verdadeiro fenômeno nas bilheterias dos cinemas cearenses, se apoiando em um humor regional, atraindo os olhares – e prêmios – também do cenário nacional. De quebra, lançou o então desconhecido Edmilson Filho como um nome de potencial para a comédia, contando também com um grande talento para as artes marciais. E como diz aquele velho ditado “Em time que está ganhando…”, a equipe retorna com “O Shaolin do Sertão” (idem, 2016), repetindo a fórmula que deu certo: piadas que satirizam expressões tipicamente nordestinas, a paixão dos seus realizadores por algo em comum (antes era o cinema, agora o mundo da luta), e uma boa trilha sonora regada a Fagner, Odair José, Reginaldo Rossi e Fausto Nilo.

A trama se passa no início dos anos 80, na cidade de Quixadá, no interior do Ceará. Aluizio Li (Edmilson Filho) é um padeiro que tem o grande sonho de ser mestre de artes marciais como o dos filmes orientais de lutas. Visto como uma piada entre os moradores do município, ele vê uma oportunidade quando lutadores de Vale-Tudo vão para o sertão para participar de um torneio. Então, Aluizio vai buscar ajuda do mestre Chinês (Marcondes Falcão) para treinar e encarar Toni Tora Pleura (Fábio Goulart), o maior astro da modalidade.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Como Eu Era Antes de Você” funciona só para o público-alvo

Por Thiago Sampaio em Crítica

22 de junho de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Há alguns anos virou moda adaptar para o cinema obras literárias de romance “água com açúcar” para agradar, principalmente, o público feminino e adolescente. A culpa disso não é das estrelas (perdão pelo trocadilho infame!), mas de um cara chamado Nicolas Sparks. Com “Um Amor Para Recordar” (A Walk to Remember, 2002) e “Diário de Uma Paixão” (The Notebook, 2004), a fórmula estava criada, rendendo inúmeras tramas semelhantes, inclusive do próprio autor, como “Querido John” (Dear John, 2010), “Um Homem de Sorte” (The Lucky One, 2012), “A Escolha” (The Choice, 2016), entre muitos outros.

John Green é um dos seus seguidores, emplacando – agora sim – “A Culpa é das Estrelas” (The Fault In Our Stars, 2014) e “Cidades de Papel” (Paper Towns, 2015). Indo por esse caminho, “Como Eu Era Antes de Você” (Me Before You, 2016), adaptação do livro-sucesso de Jojo Moyes, chega para conquistar o mesmo público e impulsionar a autora inglesa nessa onda de transição de mídias.

A trama apresenta Will Traynor (Sam Claflin), jovem que leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). É neste contexto que Louisa Clark (Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Como Eu Era Antes de Você” funciona só para o público-alvo

Por Thiago Sampaio em Crítica

22 de junho de 2016

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Há alguns anos virou moda adaptar para o cinema obras literárias de romance “água com açúcar” para agradar, principalmente, o público feminino e adolescente. A culpa disso não é das estrelas (perdão pelo trocadilho infame!), mas de um cara chamado Nicolas Sparks. Com “Um Amor Para Recordar” (A Walk to Remember, 2002) e “Diário de Uma Paixão” (The Notebook, 2004), a fórmula estava criada, rendendo inúmeras tramas semelhantes, inclusive do próprio autor, como “Querido John” (Dear John, 2010), “Um Homem de Sorte” (The Lucky One, 2012), “A Escolha” (The Choice, 2016), entre muitos outros.

John Green é um dos seus seguidores, emplacando – agora sim – “A Culpa é das Estrelas” (The Fault In Our Stars, 2014) e “Cidades de Papel” (Paper Towns, 2015). Indo por esse caminho, “Como Eu Era Antes de Você” (Me Before You, 2016), adaptação do livro-sucesso de Jojo Moyes, chega para conquistar o mesmo público e impulsionar a autora inglesa nessa onda de transição de mídias.

A trama apresenta Will Traynor (Sam Claflin), jovem que leva uma vida repleta de conquistas, viagens e esportes radicais até ser atingido por uma moto, ao atravessar a rua em um dia chuvoso. O acidente o torna tetraplégico, obrigando-o a permanecer em uma cadeira de rodas. A situação o torna depressivo e extremamente cínico, para a preocupação de seus pais (Janet McTeer e Charles Dance). É neste contexto que Louisa Clark (Emilia Clarke) é contratada para cuidar de Will. De origem modesta, com dificuldades financeiras e sem grandes aspirações na vida, ela faz o possível para melhorar o estado de espírito de Will e, aos poucos, acaba se envolvendo com ele.

(mais…)