Publicidade

Rede Social CE

por Raquel Souza

musica

Glacial traz fenômeno da região Norte em hit “Tô Sensacional”

Por raquelsouza em Lançamento

19 de setembro de 2017

Filme produzido pela agência TracyLocke Brasil apresenta a rainha do forró eletrônico, Márcia Fellipe, em plataforma de comunicação criada para a marca.

Com nova identidade visual e embalagens totalmente repaginadas, a cerveja Glacial lança um hit exclusivo e clipe oficial gravado com a cantora Márcia Fellipe, fenômeno musical nas regiões Norte e Nordeste do país.

 

A estratégia, criada pela TracyLocke Brasil, foi pensada a partir de muita pesquisa e conhecimento regional. Inspirado na música “Tô Sensacional”, grande sucesso da cantora, o hit reforça o momento atual da Glacial, que passou por mudanças na identidade visual e embalagem, que deixaram a marca mais moderna, atraente e alinhada com sua origem. Assista ao videoclipe no https://www.youtube.com/watch?v=kmlzXYq0Mtc.

 

“Com milhões de seguidores, a Márcia Fellipe é um verdadeiro fenômeno musical e uma superinfluenciadora em ascensão no Norte e Nordeste. “Tô Sensacional” serviu como uma luva para a este relançamento de Glacial. Fomos além de uma campanha, criamos o hit e lançamos o clipe da música com versões curtas para TV e Rádio, que promete ser um grande sucesso.”, explica o CCO da agência, Thomas Tagliaferro.

 

A estratégia da TracyLocke Brasil para a marca contempla o filme de 30” em TV Aberta, que será veiculada no Pará, Maranhão e Piauí, spot e jingle em rádios e peças out of home.

 

Letra da Música

Por fora parece que eu tô bem.

Por fora parece, tá legal.

Mas se você me perguntar como eu tô por dentro.

Por dentro eu tô sensacional.

Ah, Ah… Ah, Ah, Ah…

Nova embalagem Glacial.

 

Ficha Técnica

Agência: TracyLocke Brasil

Cliente: Heineken Brasil

Marca: Glacial

Título: “Glacial tá sensacional”

CEO: Pipo Calazans

CCO: Thomas Tagliaferro

Direção de Criação: Manuel Veiga

Criação: Luciano Rios, Alan Ferrazza

Planejamento: Thiago Nascimento, Leonardo Ribeiro e Graziele Cruvinel

Produção: Tatiana Monteiro

RTVC: Alessandra Costa

Produtora de vídeo: Ateliê Produções

Produtora de áudio: Estúdio Angels

Projetos: Sabrina Amadei e Angela Espalaor

Atendimento: Lucimari Nakamura, Beatriz Fonseca e Jordana Araujo

Aprovação do cliente: Glaucia Gouveia, Bruno Silva, Bruna Mazzurega e Camila Felippe

 

 

Sobre a HEINEKEN Brasil

A HEINEKEN Brasil chegou ao país em maio de 2010, após a aquisição da divisão de cerveja do Grupo FEMSA e, em 2017, adquiriu a Brasil Kirin Holding S.A (“Brasil Kirin”), tornando-se o segundo player no mercado brasileiro de cervejas. No Brasil, a empresa gera mais de 10 mil empregos e tem 16 fábricas localizadas em Alagoinhas (BA), Alexânia (GO), Araraquara (SP), Benevides (PA), Blumenau (SC), Campos de Jordão (SP), Caxias (MA), Horizonte (CE), Igarassu (PE), Igrejinha (RS), Itu (SP), Jacareí (SP), Manaus (AM), Pacatuba (CE), Ponta Grossa (PR) e Recife (PE). O portfólio de cervejas é composto por Heineken, Desperados, Sol, Kaiser, Bavária, Bavária Premium, Baviera 0,0%, Xingu, Amstel, KirinIchiban, Schin, No Grau, Devassa, Baden Baden, Eisenbahn, Cintra e Glacial. O portfólio não alcoólico inclui refrigerantes, sucos, energético e água como Água Schin, Itubaína, K Energy Drink, Schin Tônica, Skinka, Viva Schin, Viva Schin Mini. A empresa importa Dos Equis, do México, Birra Moretti, da Itália e Edelweiss, da Áustria. Com sede em São Paulo, é uma subsidiária da HEINEKEN NV, a maior cervejeira da Europa, a segunda em termos de rentabilidade e a terceira em volume. A HEINEKEN opera 170 cervejarias em mais de 70 países.

 

 

 

Publicidade

Edisca leva o espetáculo Religare para a Caixa Cultural Fortaleza

Por raquelsouza em Eventos

06 de setembro de 2017

O público terá a chance de refletir sobre temas como espiritualidade, (re)conexões e transformações pessoais e sociais

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 14 a 17 e 20 a 24 de setembro de 2017, o espetáculo Religare, do grupo Edisca. No palco, 39 bailarinos e bailarinas abordam temas sociais, que transitam entre espiritualidade e transitoriedade, além da capacidade que cada um carrega em si para se reinventar. Tudo isso por meio da dança, entre imagens icônicas de peso e leveza, ora na pele de anjos humanizados e divindades estilizadas, ora na condição-limite de inferioridade e apagamento de presidiários aniquilados em rebeliões ou índios massacrados pelas leis do capital.

 

A palavra religare nos remete a uma reconexão com o divino, à reativação dos estados de elevação e purificação do espírito, à recomposição de uma unidade perdida entre matéria e símbolo, razão e sensibilidade, superfície e essência. A partir dessa essência, os coreógrafos Dora e Gilano Andrade reativam a memória ancestral para pensar sob holofotes a depreciação da vida no presente.

 

Lado a lado, criam-se coreografias entrelaçadas e complementares: se vem dele a dança cáustica e crítica frente ao esgotamento dos modelos civilizatórios que, em escala planetária, dão a ver paisagens de abandono, desolação, miséria e sofrimento, vem dela o sentido de redenção e o acento de esperança colados a cada giro, cada gesto, cada salto que se anunciam como promessas para a conquista individual e coletiva de planos existenciais mais intuitivos, fluidos, porosos, translúcidos, iluminados.

 

A Edisca foi buscar ainda no sujeito ancestral e primitivo a retomada desses valores e de uma lógica inteiramente distinta daquela que a subjetividade moderna nos propõe. Daí o foco nas matrizes e culturas étnicas, em suas simbologias, em seus códigos ritualísticos, nos fazeres e saberes que perpassam gerações e se propagam ao longo dos tempos. Índia, África, Oriente Médio. Anjos, santos, alegorias. A etnicidade e a diversidade cultural abrindo passagem para a percepção sensível do mundo, para o universo paralelo da imaginação. Imaginação que é política quando capaz de instituir novos sentidos para a vida à revelia do visível, da ordem estabelecida, do que parece imutável, natural, impossível de mudar.  também está

 

Com 45 minutos de duração, Religare concentra na musicalidade sua potência de revisão e reconexão com os estados de alma fundamentais. Coube a Manassés de Sousa o trecho autoral que casa o erudito à música oriental e enseja toda a montagem combinatória de timbres étnicos responsáveis pela atmosfera imemorial e o sabor arcaico do balé. Para a afinadora do espetáculo, Claudia Andrade, tempo, movimento, música, figurino, cenário, corpos, tudo isso junto e harmonizado, diz sobre a capacidade e a necessidade que cada um tem de eleger e reativar o seu ‘religare’, aquele dispositivo pessoal e intransferível de superação e aperfeiçoamento de si, que tanto pode estar na religião ou na filosofia, assim como no livre pensar e na invenção cotidiana e sem cálculo do porvir.

 

Oficina

 

No dia 16 de setembro, das 14h30 às 15h30, os bailarinos Paulo Wesley e Eliovaldo Ananias ministrarão uma oficina sobre Dança Contemporânea. O objetivo é abordar sistemas e métodos desenvolvidos a partir da dança moderna e pós-moderna, mostrando que é possível desenvolver a autonomia para construir experimentos coreográficos de forma mais livre e inovadora. Destinada para bailarinos com idade a partir de 14 anos, a oficina recebe as inscrições de 05 a 14 de setembro, pelo email gentearteira.ce@caixa.gov.br. Número de vagas: 20.

 

 

Serviço:

 

Dança: Religare – Edisca

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 14 a 17 e 20 a 24 de setembro de 2017

Horários: Quinta a sábado, às 20h, e domingo, às 19h

Duração: 45 minutos

Ingresso: R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)

Classificação indicativa: Livre

Vendas a partir do dia 13/09, para sessões de 14 a 17/09, e a partir do dia 19/09, para sessões de 20 a 24/09, das 10h às 20h, na bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

 

Oficina: Dança Contemporânea

Local: Sala de Ensaio da CAIXA Cultural Fortaleza

Data: 16 de setembro de 2017
Horário: 14h30 às 15h30

Inscrições gratuitas: gentearteira.ce@caixa.gov.br de 05 a 14 de setembro

Número de vagas: 20

Destinada para bailarinos a partir de 14 anos

 

 

Informações gerais | CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

 

Publicidade

Humor: Manguaça é atração do Shopping Parangaba

Por raquelsouza em Agenda

04 de setembro de 2017

O humorista Manguaça é atração de humor do Shopping Parangaba nesta terça-feira (05). A apresentação é gratuita e acontece a partir das 19h, na Praça de Alimentação, piso L3.

Adrian Lima, que interpreta o personagem, conta piadas de fatos do cotidiano. O comediante já passou por programas televisivos. A atração faz parte do projeto “Parangaba é Show”, que oferece opções de lazer e entretenimento para toda a família.

Serviço:

Parangaba é Show – Humor

Data: 05 de setembro de 2017

Horário: 19h

Local: Praça de Alimentação, piso L3

Endereço: Rua Germano Franck, 300 – Parangaba.

Entrada gratuita

Publicidade

Luís Marcelo e Gabriel e muito funk agitam a véspera de feriado no Country Hall nesta segunda-feira (14)

Por raquelsouza em Eventos

13 de agosto de 2017

Luis Marcelo e Gabriel_Foto Marcelo Venancio

 

Léo Frennesy e os DJs Caio e Thiago Camargo completam a festa.

Uma segunda-feira diferente vai tomar conta de Fortaleza. Isso porque é véspera de feriado e o Country Hall convida ao público para curtir o melhor do sertanejo universitário com a dupla Luis Marcelo e Gabriel, a mistura de ritmos do cantor Léo Frennesy e, claro, muito funk com os DJs Caio e Thiago Camargo. A casa oferece dois palcos para garantir que a festa não pare em nenhum momento, e se estenda até o dia amanhecer.

 

SERVIÇOS:

Quando: Segunda-feira (14)

Hora: 21 horas

Local: Country Hall (Av. Washington Soares, 3500 – Edson Queiroz)

Ingressos: R$50 (antecipado | primeiro lote)

Informações: (85) 99901.4300/ 3273.6033

Lista VIP 50% de desconto: www.listinhavip.com

Instagram: @countryhallfortaleza

Estacionamento: Sim (pago)

Aceita cartão de crédito

Publicidade

Projeto Agreste reverencia a música Nordestina na Caixa Cultural Fortaleza

Por raquelsouza em Eventos

11 de agosto de 2017

Foto: Divulgação

Entre os dias 11 e 13 de agosto, músicos pernambucanos apresentam repertório inspirado no universo do cantor e compositor Dominguinhos

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, entre os dias 11 e 13 de agosto de 2017, o projeto Agreste,encontro musical entre quatro amigos com o objetivo de homenagear essa região, a partir da música e da poesia de um dos maiores artistas do Brasil, mestre Dominguinhos. Como uma travessia, o repertório apresenta a dureza do sertão e a leveza do nosso litoral, trazendo uma sonoridade ao mesmo tempo forte e doce, incisiva e sutil, características tão marcantes do agreste brasileiro.

O projeto é formado por Gennaro, ex-integrante do Trio Nordestino, João Netto, que compunha a banda do homenageado, Marcelo Melo, fundador do Quinteto Violado, e Sérgio Andrade, criador da Banda de Pau e Corda. Quatro artistas nordestinos marcados de diferentes formas pelas composições de Dominguinhos, influenciados por sua terra e orgulhosos de suas raízes.

Os músicos trazem consigo influências muito afinadas com a tradição da canção popular brasileira, que foi desenvolvida no nordeste dos anos 1970 e 1980. Uma tradição que tem em Luiz Gonzaga um de seus pais criadores, mas que encontra em Dominguinhos seu principal representante. Assim, violão, viola, sanfona e voz se encontram no palco para reverenciar um dos artistas mais versáteis do Brasil.

Sobre os artistas

Sérgio Andrade – cantor e compositor pernambucano, fundador de uma das mais importantes representações da música pernambucana dos anos 1970, a Banda de Pau e Corda. Com 44 anos de carreira e mais de 10 discos gravados, percorreu os palcos de todo o Brasil cantando e encantando o público com letras que retratam o Nordeste e seu povo. Em suas canções estão representados os principais símbolos da cultura pernambucana, tal qual a ciranda, o carnaval, o sertão e o símbolo maior da resistência popular, Lampião. Sua voz doce ficou marcada em gravações como Flor D’Água, Esperança e Telha Nua. Em carreira solo desde 2009, lançou o CD “Outros Carnavais”, que reúne composições próprias e inéditas que representam uma nova faceta do artista, além do CD “FREVO”, totalmente dedicado ao mais pernambucano dos ritmos populares.

João Netto – guitarrista, violonista e compositor brasileiro natural de Buíque, Pernambuco, mas muito cedo se mudou para Garanhuns, onde iniciou sua trajetória na música. Quando menino, entrou para o grupo mirins do SESC, onde se destacou pelo imenso talento musical. Daí por diante, recebeu convites de vários grupos da época, entre eles o Super Oara de Arcoverde. Passou temporadas em Petrolina, Juazeiro do Norte, Recife e São Paulo, realizando inúmeros trabalhos e fazendo parceiro, com destaque para Nando Cordel e Maciel Melo, entre outros. Durante sua longa trajetória, tocou com grandes artistas, como Belchior, Gilliard, Alceu Valença e Nando Cordel, mas foi, sem dúvidas, o Mestre Dominguinhos com quem ele mais trabalhou, tendo passado mais de 10 anos viajando de Norte a Sul do Brasil, registrando sua guitarra em shows e CDs.

Gennaro – cantor e compositor, mas é principalmente um dos principais sanfoneiros do país. Herdeiro de Luiz Gonzaga e do Mestre Dominguinhos, fez parte da segunda formação do Trio Nordestino, tendo substituído o Mestre Lindu ainda no início dos anos 1980. Antes disso já havia acompanhado Marinês e também o Rei do Baião. No início dos anos 1990 deixa o Trio Nordestino e consolida sua carreira como músico, cantor e compositor de primeira linha da música nordestina. Em sua trajetória, tocou e gravou ainda com artistas como Alceu Valença, Zé Ramalho e com o próprio Dominguinhos. Com quatro décadas dedicadas à música nordestina, Gennaro é hoje um dos maiores nomes do forró e importante representante do legado de Luiz Gonzaga.

Marcelo Melo – cantor, compositor e um dos principais violonistas de sua geração. Fundador do Quinteto Violado, focou seu trabalho na música regional, valorizando a cultura brasileira através de trabalhos de pesquisa e agregando as experiências pessoais. Sendo responsável pelo violão, viola e voz até hoje, Marcelo imprimiu ao Quinteto sua identidade musical. A música praticada na sua vida é orgânica, com personalidade local, sempre inspirado na leitura da música dos folguedos populares, nos cancioneiros nordestinos e também através de uma criação autoral. Produz um som universal com fortes influências nordestinas e cosmopolitas na sua harmonia. Não é exagero dizer que o primeiro disco do Quinteto Violado, há 45 anos, plantou uma semente de mudança no modo de sentir e expressar a música do Nordeste do Brasil. Música esta que desbravou novos e amplos horizontes pelo mundo.

 

Serviço:

 

MúsicaAgreste

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 11, 12 e 13 de agosto de 2017

Horários: Sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 19h

Ingresso: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

Classificação indicativa: 12 anos

Vendas a partir de 10/07, das 10h às 20h, na bilheteria do local.

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

 

 

Informações gerais | CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

 

Acesse o site www.caixacultural.gov.br

Siga a fanpage: facebook.com/CaixaCulturalFortaleza

Baixe o aplicativo “Caixa Cultural”

Publicidade

Projeto Agreste reverencia a música Nordestina na Caixa Cultural Fortaleza

Por raquelsouza em Eventos

11 de agosto de 2017

Foto: Divulgação

Entre os dias 11 e 13 de agosto, músicos pernambucanos apresentam repertório inspirado no universo do cantor e compositor Dominguinhos

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, entre os dias 11 e 13 de agosto de 2017, o projeto Agreste,encontro musical entre quatro amigos com o objetivo de homenagear essa região, a partir da música e da poesia de um dos maiores artistas do Brasil, mestre Dominguinhos. Como uma travessia, o repertório apresenta a dureza do sertão e a leveza do nosso litoral, trazendo uma sonoridade ao mesmo tempo forte e doce, incisiva e sutil, características tão marcantes do agreste brasileiro.

O projeto é formado por Gennaro, ex-integrante do Trio Nordestino, João Netto, que compunha a banda do homenageado, Marcelo Melo, fundador do Quinteto Violado, e Sérgio Andrade, criador da Banda de Pau e Corda. Quatro artistas nordestinos marcados de diferentes formas pelas composições de Dominguinhos, influenciados por sua terra e orgulhosos de suas raízes.

Os músicos trazem consigo influências muito afinadas com a tradição da canção popular brasileira, que foi desenvolvida no nordeste dos anos 1970 e 1980. Uma tradição que tem em Luiz Gonzaga um de seus pais criadores, mas que encontra em Dominguinhos seu principal representante. Assim, violão, viola, sanfona e voz se encontram no palco para reverenciar um dos artistas mais versáteis do Brasil.

Sobre os artistas

Sérgio Andrade – cantor e compositor pernambucano, fundador de uma das mais importantes representações da música pernambucana dos anos 1970, a Banda de Pau e Corda. Com 44 anos de carreira e mais de 10 discos gravados, percorreu os palcos de todo o Brasil cantando e encantando o público com letras que retratam o Nordeste e seu povo. Em suas canções estão representados os principais símbolos da cultura pernambucana, tal qual a ciranda, o carnaval, o sertão e o símbolo maior da resistência popular, Lampião. Sua voz doce ficou marcada em gravações como Flor D’Água, Esperança e Telha Nua. Em carreira solo desde 2009, lançou o CD “Outros Carnavais”, que reúne composições próprias e inéditas que representam uma nova faceta do artista, além do CD “FREVO”, totalmente dedicado ao mais pernambucano dos ritmos populares.

João Netto – guitarrista, violonista e compositor brasileiro natural de Buíque, Pernambuco, mas muito cedo se mudou para Garanhuns, onde iniciou sua trajetória na música. Quando menino, entrou para o grupo mirins do SESC, onde se destacou pelo imenso talento musical. Daí por diante, recebeu convites de vários grupos da época, entre eles o Super Oara de Arcoverde. Passou temporadas em Petrolina, Juazeiro do Norte, Recife e São Paulo, realizando inúmeros trabalhos e fazendo parceiro, com destaque para Nando Cordel e Maciel Melo, entre outros. Durante sua longa trajetória, tocou com grandes artistas, como Belchior, Gilliard, Alceu Valença e Nando Cordel, mas foi, sem dúvidas, o Mestre Dominguinhos com quem ele mais trabalhou, tendo passado mais de 10 anos viajando de Norte a Sul do Brasil, registrando sua guitarra em shows e CDs.

Gennaro – cantor e compositor, mas é principalmente um dos principais sanfoneiros do país. Herdeiro de Luiz Gonzaga e do Mestre Dominguinhos, fez parte da segunda formação do Trio Nordestino, tendo substituído o Mestre Lindu ainda no início dos anos 1980. Antes disso já havia acompanhado Marinês e também o Rei do Baião. No início dos anos 1990 deixa o Trio Nordestino e consolida sua carreira como músico, cantor e compositor de primeira linha da música nordestina. Em sua trajetória, tocou e gravou ainda com artistas como Alceu Valença, Zé Ramalho e com o próprio Dominguinhos. Com quatro décadas dedicadas à música nordestina, Gennaro é hoje um dos maiores nomes do forró e importante representante do legado de Luiz Gonzaga.

Marcelo Melo – cantor, compositor e um dos principais violonistas de sua geração. Fundador do Quinteto Violado, focou seu trabalho na música regional, valorizando a cultura brasileira através de trabalhos de pesquisa e agregando as experiências pessoais. Sendo responsável pelo violão, viola e voz até hoje, Marcelo imprimiu ao Quinteto sua identidade musical. A música praticada na sua vida é orgânica, com personalidade local, sempre inspirado na leitura da música dos folguedos populares, nos cancioneiros nordestinos e também através de uma criação autoral. Produz um som universal com fortes influências nordestinas e cosmopolitas na sua harmonia. Não é exagero dizer que o primeiro disco do Quinteto Violado, há 45 anos, plantou uma semente de mudança no modo de sentir e expressar a música do Nordeste do Brasil. Música esta que desbravou novos e amplos horizontes pelo mundo.

 

Serviço:

 

MúsicaAgreste

Local: CAIXA Cultural Fortaleza

Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema

Data: 11, 12 e 13 de agosto de 2017

Horários: Sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 19h

Ingresso: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia)

Classificação indicativa: 12 anos

Vendas a partir de 10/07, das 10h às 20h, na bilheteria do local.

Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Serviço de manobrista gratuito no local

Paraciclo disponível no pátio interno

 

 

Informações gerais | CAIXA Cultural Fortaleza:

(85) 3453-2770

 

Acesse o site www.caixacultural.gov.br

Siga a fanpage: facebook.com/CaixaCulturalFortaleza

Baixe o aplicativo “Caixa Cultural”