Publicidade

Psicologia em Pauta

por Pâmela Souza Lima

pais e filhos

Estabelecendo limites com os adolescentes.

Por Pâmela Lima em Filhos

20 de julho de 2017

A fase da adolescência costuma ser muito temida pelos pais por conta das dúvidas sobre como proceder com os jovens, até onde devem ir os limites, e outras questões semelhantes. De fato, esse momento requer nosso cuidado pois, ao passo que na infância as crianças são como “esponjinhas”, captando tudo ao seu redor, na adolescência precisamos que os jovens sejam “filtros”, e saibam conduzir algumas escolhas pautados na educação e nos valores que receberam até ali.

Essa etapa traz angústia aos pais porque é o momento em que, ao mesmo tempo, por um lado temos os adolescentes predispostos a testar seus limites e questionar as regras, e do outro lado os pais com um poder mais reduzido sobre os filhos, diferente do pque era na infância. O interessante nesse momento é que o diálogo seja a principal ferramenta, e que haja um canal de comunicação aberto para a construção e discussão das regras, no entanto, sem que os pais percam a sua autoridade na hora de dizer o NÃO, e que consigam ser firmes nessa decisão, evitando a banalização desse processo. É natural que hajam questionamentos e até algumas tentativas de burlar o que foi combinado, mas isso faz parte do processo de amadurecimento, e por isso é tão importante que os pais estejam seguros nessa condução.

O que permitir e o que não permitir é algo muito particular de cada núcleo familiar, mas um bom norteador é: dar autonomia para o adolescente apenas sobre aquilo que ele pode dar conta das consequências. Por exemplo: ele pode escolher que horas deseja dormir, desde que no dia seguinte honre com seus compromissos escolares. E se não conseguir, as consequências combinadas devem ser aplicadas. Por outro lado, ele não deve ter livre escolha sobre os lugares onde frequentar à noite, por exemplo, pois se forem lugares perigosos ou impróprios para a idade não são situações que ele tem condições de dar conta das consequências sozinho, como uma situação de violência ou problemas com a polícia.

O grande desafio dos pais nessa fase é equilibrar afeto com limites, e se fazerem presentes e participativos. Sabemos que não é uma tarefa fácil, mas é necessária, pois os adolescentes ainda precisam MUITO dos pais para trilhar seu caminho de amadurecimento para a vida adulta.


Pâmela Lima Psicóloga – CRP 11/04056.
Contato: (85) 9.8784 8736
Insta: https://www.instagram.com/pamelalimapsicologa/
Facebookhttp://www.facebook.com/pamelalimapsicologa
Avenida Dom Luís, 500, Aldeota.

Publicidade

Crianças têm amigos, e não namorados!

Por Pâmela Lima em Filhos

11 de julho de 2017

É natural que por volta dos 4 ou 5 anos o universo feminino e masculino na infância comecem a se misturar. Nesse momento, a criança que antes normalmente só brincava com alguém do mesmo sexo passar a diversificar o seus laços de amizade e nessa oportunidade podem surgir aquelas brincadeiras do tipo a “Clarinha está namorando o João”.

É natural que os pais, por estarem sempre envolvidos nas novas descobertas dos filhos, levem essa brincadeira também com leveza e por vezes caiam na armadilha de incentivar essa relação de “namoro”. E aí nesse momento por vezes não apenas há um movimento de achar fofinho ou engraçado, mas as vezes os pais embalam nessa brincadeira e até compram um presente de namorados, ou prometem o filho ou a filha em namoro ou até em casamento futuro por algum coleguinha.

E nessa situação é importante que nós entendamos que, como adultos, nós temos clareza de que aquilo é apenas uma brincadeira, mas a criança nos tem como referencial, então qualquer coisa dita por nós tem um peso para os pequenos e por isso precisamos cuidar. Sendo assim, quando o filho ou filha chegar em casa trazendo essa brincadeira de namoro é muito importante que nós possamos esclarecer que o namoro é uma etapa que ele vai viver quando se tornar grande, que nesse momento o que ele tem são amigos, ou melhores amigos, mas que um namoro é uma relação para uma outra etapa da vida.

Por mais que pareça fofinho e até inofensivo, devemos cuidar para não antecipar essas etapas aos nossos pequenos. É o momento deles de brincar, de fazer amizades, de ampliar os vínculos e não e se envolver em uma relação afetiva dessa natureza.


Pâmela Lima Psicóloga – CRP 11/04056.
Contato: (85) 9.8784 8736
Insta: https://www.instagram.com/pamelalimapsicologa/
Facebookhttp://www.facebook.com/pamelalimapsicologa
Avenida Dom Luís, 500, Aldeota.

Publicidade

Obesidade Infantil e os Aspectos Emocionais

Por Pâmela Lima em Família, Filhos, Infância, Saúde

16 de Maio de 2017

Atualmente a obesidade infantil atinge índices de epidemia no Brasil e, segundo o IBGE, 15% das crianças entre 5 e 9 anos de idade estão obesas. As causas para a obesidade infantil são diversas e complexas, passando por aspectos genéticos, metabólicos, comportamentais, culturais e sociais, e daí a necessidade de o tratamento precisar de uma equipe multidisciplinar e do elevado envolvimento da família.

 
As questões emocionais entram neste cenário podendo tanto aparecer como fator desencadeador da obesidade, e também como consequência da dificuldade da manutenção do peso. As crianças que sofrem de algum transtorno alimentar, possuem uma relação emocional com a comida, e a utilizam normalmente como ferramenta de enfrentamento de suas angústias e tristezas. Daí cria-se um ciclo: a criança está obesa – tem sua autoestima fragilizada – sente-se triste por isso – busca refúgio na comida – tem mais dificuldade de controlar o peso – e por aí vai.

Sabemos que o papel da família é de fundamental importância nesse processo, pois o processo de educação alimentar começa em casa, mas é interessante que os pais fiquem atentos ao momento de buscar ajuda profissional.


Pâmela Lima PsicólogaCRP 11/04056.
Contato: (85) 9.8784 8736
Insta: https://www.instagram.com/pamelalimapsicologa/
Facebook: http://www.facebook.com/pamelalimapsicologa
Avenida Dom Luís, 500, Aldeota.

Publicidade

Será que é só birra?

Por Pâmela Lima em Sem categoria

18 de Abril de 2017

Mamães e papais, vocês já ouviram falar no Transtorno Desafiador de Oposição?

Pois bem, ele acontece durante a infância e adolescência e se caracteriza por um padrão global de desobediência, desafio e comportamento hostil. As crianças e jovens com esse perfil normalmente se envolvem em discussões frequentes com os adultos, se opõem a seguir regras, são agressivos, apresentam comportamento vingativo, perdem o controle facilmente diante de frustrações e não aceitam as responsabilidades pelo seu mal comportamento.

Normalmente as causas para o TDO passam por aspectos hormonais, genéticos e neurofuncionais, e podem ser reforçadas pelo ambiente familiar no qual a criança ou adolescente está inserido. É importante deixar claro que nessa fase as birras e crises de mau humor são comuns e naturais, no entanto é importante ficar atento ao momento em que esses comportamentos ganham contornos mais severos, pois essa é a hora de buscar ajuda.

Pâmela Lima PsicólogaCRP 11/04056.
Contato: (85) 9.8784 8736
Insta: https://www.instagram.com/pamelalimapsicologa/
Facebook: http://www.facebook.com/pamelalimapsicologa
Avenida Dom Luís, 500, sala 1005, Aldeota.

Publicidade

Será que é só birra?

Por Pâmela Lima em Sem categoria

18 de Abril de 2017

Mamães e papais, vocês já ouviram falar no Transtorno Desafiador de Oposição?

Pois bem, ele acontece durante a infância e adolescência e se caracteriza por um padrão global de desobediência, desafio e comportamento hostil. As crianças e jovens com esse perfil normalmente se envolvem em discussões frequentes com os adultos, se opõem a seguir regras, são agressivos, apresentam comportamento vingativo, perdem o controle facilmente diante de frustrações e não aceitam as responsabilidades pelo seu mal comportamento.

Normalmente as causas para o TDO passam por aspectos hormonais, genéticos e neurofuncionais, e podem ser reforçadas pelo ambiente familiar no qual a criança ou adolescente está inserido. É importante deixar claro que nessa fase as birras e crises de mau humor são comuns e naturais, no entanto é importante ficar atento ao momento em que esses comportamentos ganham contornos mais severos, pois essa é a hora de buscar ajuda.

Pâmela Lima PsicólogaCRP 11/04056.
Contato: (85) 9.8784 8736
Insta: https://www.instagram.com/pamelalimapsicologa/
Facebook: http://www.facebook.com/pamelalimapsicologa
Avenida Dom Luís, 500, sala 1005, Aldeota.