Posts com a tag: vírgula

 

Com Ciro não tem vírgula

Compartilhar por e-mail

A redação do Enem vem aí, não tropece na vírgula.

Leia o texto de apoio e entre na briga por uma vaga na academia.

Segundo o secretário estadual da Saúde, Ciro Gomes, “Isso foi manipulado, é um assunto de maio passado, por um procurador da República, irresponsável, politiqueiro, que será processado pelo governador Cid Gomes”, afirmou.

Sobre o emprego de vírgulas no fragmento acima, é CORRETO afirmar:

(A)   O nome próprio “Ciro Gomes” vem entre vírgulas para demarcar o distanciamento entre o autor e a personagem da notícia, técnica esta conhecida como imparcialidade jornalística.

(B)   O trecho entre aspas, que registra a fala do secretário, não deveria apresentar uma vírgula sequer, pois o discurso direto livre de Ciro Gomes prescinde de toda pausa ou pontuação.

(C)   A ciência linguística demonstra que a vírgula não é propriamente um recurso sintático de organização e clareza do texto, mas um sinal de pausa da fala representado na escrita pelo microdesenho de um gatilho; a arma é a língua.

(D)  A vírgula depois do vocábulo “manipulado” demonstra claramente que, neste ponto da fala, o secretário embargou a voz e fez uma leve pausa no discurso antes de disparar a sua eloquente metralhadora giratória.

(E)   A vírgula utilizada depois do vocábulo República é inadequada, porque não devemos empregar esse sinal de pontuação antes do primeiro ou depois do último item de uma série.

GABARITO OFICIAL

Seguindo pelo caminho iluminado da sintaxe, a resposta correta está na alternativa E. Caso haja algum recurso, entretanto, acredito que os procuradores só encontrem uma luz no fim do túnel escuro da semântica.

Estou no marjangadeiro@gmail.com

Até!

Vale a pena ver de novo

Compartilhar por e-mail

Fragmento para análise:

“Segundo Flávia, além de técnicas complicadas, o resgate depende de fatores como o tamanho do animal, condição da maré e material necessário.”

Que tal a pontuação empregada no período acima?

Com base no que vimos no post anterior, apresentamos outra pontuação (ou pequena readaptação estrutural da frase com deslocamento de termos da oração.

Sugestão 1: retirar a vírgula depois da palavra “complicadas”:

“Segundo Flávia, além de técnicas complicadas o resgate depende de fatores como o tamanho do animal, condição da maré e material necessário.”

Sugestão 2: deslocamento de termos da oração, eliminando ambiguidade:

“Segundo Flávia, o resgate depende, além de técnicas complicadas, de fatores como o tamanho do animal, condição da maré e material necessário.”

Mais explicações, (re)veja post anterior.

Boa semana.

Vírgula existe para ajudar, nunca para atrapalhar

Compartilhar por e-mail

“Segundo informação do Ministério do Turismo, hoje, o estado do Ceará investe R$ 273,4 milhões em 398 obras.”

A estrutura acima apresenta uma sequência de adjuntos adverbiais – Segundo informação do Ministério do Turismo (1) e hoje (2) – deslocados para o início da frase.

Gatos escaldados, sacamos das vírgulas e disparamos.

A pontuação utilizada, porém, suscita certa ambiguidade: o advérbio “hoje” parece referir-se ao momento em que foi dada a informação pelo Ministério do Turismo, quando, na verdade, algo nos diz (o tal “conhecimento de mundo”?) que não é bem assim. Em outras palavras, qual a interpretação adequada do período em análise?

  1.  “O Ministério do Turismo informou hoje…”.
  2. “O estado do Ceará investe hoje…”.

A informação pretendida era a de número 2, logo há problema de pontuação (ou de estruturação da frase). Vamos consertar isso. Duas soluções possíveis, dentre outras:

  1. “Segundo informação do Ministério do Turismo, o estado do Ceará investe hoje R$ 273,4 milhões em 398 obras.” (aproximação do advérbio ao verbo)
  2. “Segundo informação do Ministério do Turismo, hoje o estado do Ceará investe R$ 273,4 milhões em 398 obras. (supressão da vírgula após o advérbio).

Lembre-se: vírgula serve para sinalizar a leitura adequada, nunca para dificultá-la.

Boa semana.

Vírgula de enumeração e concordância nominal

Compartilhar por e-mail

“A Jamaica venceu a prova de revezamento 4×100 m masculino no Mundial de Atletismo, em Moscou, na Rússia.”

Um passo além do princípio geral de não pontuar os termos da oração dispostos na ordem direta (sujeito-verbo-complemento verbal-adjunto adverbial): uma sequência de dois ou mais adjuntos adverbiais será separada por vírgula(s).

A frase-modelo apresenta os seguintes termos na ordem direta:

Sujeito: A Jamaica
Verbo transitivo direto: venceu
Objeto direto: a prova de revezamento 4×100 m masculino
Adjunto adverbial 1: no Mundial de Atletismo
Adjunto adverbial 2: em Moscou
Adjunto adverbial 3: na Rússia

Analisando a pontuação

Até o primeiro adjunto adverbial, nenhuma vírgula foi utilizada, pois os termos estão na ordem direta, ordem normal da frase – não há necessidade de nenhum “aviso” ao leitor..
Os adjuntos adverbiais seguintes (2 e 3) são separados por vírgulas – apesar de a ordem direta não ter sido alterada – por causa da estrutura de enumeração, da sequência de termos de mesmo valor sintático na frase – as enumerações acompanham-se de vírgulas.

Analisando a concordância

Aproveitando o embalo da corrida: com quem concorda o adjetivo “masculino” na frase destacada acima (A Jamaica venceu a prova de revezamento 4×100 m masculino)?

Resposta: com o substantivo masculino “revezamento”. Ou seja, revezamento 4×100 m masculino. Trata-se, no entanto, de uma concordância medalha de bronze, Uma dica de ouro para o portal: nas estruturas formadas por substantivo + termo preposicionado, prefira a concordância com o núcleo (substantivo que precede a preposição).

Exemplos:

“A seleção cearense masculina de basquete”, em vez de
“A seleção cearense de basquete masculino”.
“A prova de revezamento 4×100 m masculina”, ou
“A prova masculina de revezamento 4×100 m, em vez de
“A prova de revezamento 4×100 m masculino

É isso, vamos correr. Boa semana.
Até!

Vírgula antes de gerúndio

Compartilhar por e-mail

“A Prefeitura de Fortaleza intensifica a fiscalização de estacionamento irregular na Praia do Futuro visando ao desenvolvimento da cultura de respeito às regras básicas da convivência urbana e à legislação de trânsito, além de assegurar uma travessia mais segura aos pedestres.”

PERGUNTA: Vai uma vírgula aí, antes do gerúndio?

Vamos por parte (ou por caso).

Em continuidade à análise do emprego da vírgula, veremos neste post quando empregar ou não a vírgula antes de um verbo no gerúndio (forma verbal terminada em –ndo).

1º caso – orações coordenadas aditivas

Quando o gerúndio introduz uma estrutura frasal equivalente a uma oração coordenada aditiva (soma de ideias), utilizamos a vírgula antes da forma nominal do verbo (gerúndio).

A operação será iniciadas às 8h do sábado e prosseguirá até o final da tarde.

A operação será iniciadas às 8h do sábado, prosseguindo até o final da tarde.

2º caso – oração subordinada adverbial final

Quando o gerúndio introduz uma estrutura de frase correspondente a uma oração subordinada final (responde à pergunta “para quê?”), NÃO utilizamos a vírgula.

Medidas serão tomadas para garantir a fluidez do tráfego.

Medidas serão tomadas garantindo a fluidez do tráfego.

3º caso – oração subordinada adverbial de modo

Se a estrutura iniciada por gerúndio equivale a uma oração que indica MODO, MEIO, INSTRUMENTO (responde à pergunta “como?”), também não empregamos a vírgula.

Um motorista entrou voando na avenida, durante a operação municipal.

4º caso – oração subordinada adjetiva restritiva

Como uma oração adjetiva restritiva desenvolvida (iniciada por pronome relativo) não é separada da principal por vírgula, uma estrutura semelhante iniciada por gerúndio (adjetiva reduzida de gerúndio) também não terá esse sinal de pontuação.

A prefeitura desenvolve ações que alertam sobre as regras básicas de convivência urbana.

A prefeitura desenvolve ações alertando sobre as regras básicas de convivência urbana.

PS: O gerúndio empregado no período inicial deste post (visando) não deve mesmo ser antecedido de vírgula, pois vem conforme a estrutura vista no 2º caso.

Até!

 

Vírgula com deslocamentos e intercalações

Compartilhar por e-mail

Como vimos nos dois posts anteriores, a ordem direta dos termos da oração (sujeito-verbo-complemento verbal-adjunto adverbial) dispensa o emprego da vírgula.

Ex.: “O governador encaminha mensagem à Assembleia nesta segunda-feira”.

Obs.: Mesmo na ordem direta, a sequência de dois ou mais adjuntos adverbiais exige a separação de cada um deles por meio de vírgula.

Ex.: “O governador encaminha mensagem à Assembleia nesta segunda-feira, dia 5”.

Adjunto adverbial deslocado.

O deslocamento do adjunto adverbial é assinalado por vírgula:

  1. Nesta segunda-feira, O governador encaminha mensagem à Assembleia.
  2. O governador, nesta segunda-feira, encaminha mensagem à Assembleia.
  3. O governador encaminha, nesta segunda-feira, mensagem à Assembleia.
  4. O governador encaminha mensagem, nesta segunda-feira, à Assembleia.

Obs. O gramático Celso Pedro Luft chama atenção para a prática de bons escritores que dispensam o emprego da vírgula quando o advérbio deslocado (normalmente de curta extensão) vem entre o verbo e seu complemento (caso 3, acima).

Ex.: O governador encaminha hoje mensagem à Assembleia.

Obs. 2: Igualmente, a prática na comunicação contemporânea é não usar vírgula para marcar o adjunto adverbial deslocado, quando este vem com um verbo que antecede o sujeito, isto é, na sequência “adjunto adverbial-verbo-sujeito”.

Ex.: No domingo ocorreu apenas um clássico.

Verbo antes do sujeito

A simples anteposição do verbo ao sujeito também não é normalmente um deslocamento assinalado por vírgula.

Ex.: Encaminhará o governador mensagem à Assembleia nesta segunda-feira.

Na verdade, o deslocamento entre as três posições iniciais dos termos (sujeito-verbo-complemento verbal) não é necessariamente marcado por vírgula.

Ex. com a ordem objeto direto-sujeito-verbo: “As provas o acusador não trouxe”.

Quando, nessa sequência, o objeto vem repetido (objeto pleonástico) mais à frente por meio de um pronome oblíquo, a vírgula normalmente separa o primeiro complemento.

Ex. As provas, o acusador não as trouxe.

Intercalações

As intercalações (um comentário, uma correção, um aposto explicativo, um vocativo, etc.) vêm isoladas por vírgula.

  1. O momento por que passa a equipe, todos sabemos, não é dos melhores.
  2. O time não vem jogando bem, ou antes, não vem jogando nada.
  3. Miss Fortaleza 2013, Mariana Vasconcelos, é eleita miss Ceará.
  4. Brasil, mostra a tua cara. / Mostra, Brasil, a tua cara. / Mostra a tua cara, Brasil.

Voltamos na próxima segunda.

Até!

Conheça a vírgula de Oxford

Compartilhar por e-mail

“Antes da premiação, o desfile das equipes classificadas: a verde e branca, vermelha e preto e azul.” Agora uma pergunta: Quantas equipes se classificaram? Chamem a vírgula de Oxford.

Há regras bem (?) definidas para o emprego da vírgula, sem dúvida. Por que polêmicas?

Mas toda vírgula é um aviso ao leitor: “Cuidado, alguma coisa está fora da ordem”.

A vírgula, por exemplo, informa ao leitor que o adjunto adverbial (cuja posição natural é o fim da frase) está deslocado, antecipado: “Todos os dias, tropeçamos em uma vírgula”.

Percebeu a vírgula informando que o adjunto adverbial foi deslocado de seu habitat? Na ordem normal da frase, ela não entraria na história: “Tropeçamos na vírgula todos os dias”.

Usamos vírgula também para enumerar elementos de uma série: “Comprou tinta verde, amarela, branco e azul”. Assim, temos um elenco de regras bem claras, “a regra é clara”.

Mas nem o redator nem o idioma são robôs, é preciso pensar, avaliar, clarear.

A vírgula nasceu para clarear o texto para o leitor, facilitar a leitura. Em outras palavras, isso nos obriga a pôr a clareza em primeiro lugar. A regra não deve turvar o texto.

Nasce a vírgula de Oxford

Quem veio primeiro, o ovo ou a galinha? Ora, sei lá! Em inglês, quem vem primeiro, o substantivo ou o adjetivo? Ora, quem vem primeiro é o segundo, o adjetivo, é claro.

Pois essa galinhagem de sempre pôr o adjetivo antes do substantivo sujou o poleiro inglês. Porém não muito, nada que impedisse a vírgula de Oxford de repor a ordem do galinheiro.

Pena no papel, range regra

Em português: política internacional e negócios (claro)

Em inglês: international politics and business (ambíguo)

A ambiguidade reside no fato de o adjetivo anteposto (na estrutura do inglês) poder ser interpretado como “política e negócios internacionais (na estrutura portuguesa).

Aqui entra em cena a vírgula de Oxford, para iluminar o breu:

Em inglês: international politics, and business (agora claro).

Que tem a ver com isso o português?

Ora, a “vírgula da clareza” também é usada por nós, pois, pois. A frase com que iniciamos o texto deste post “pede” (em nome da clareza) uma vírgula de Oxford: “Antes da premiação, o desfile das equipes classificadas: a verde e branca, vermelha e preto, e azul”. Três equipes.

Moral da história: a regra é clara, mas o usuário é complexo, superior.

Estou no marjangadeiro@gmail.com
Abraço.

Uma só bala de borracha. Vai que é mole!

Compartilhar por e-mail

O leitor há de encontrar certa ambiguidade na frase abaixo:

“Parece que atacam os manifestantes”.

Vamos lá, creio que haja duas interpretações possíveis para o enunciado.

(1) provável interpretação do manifestante:

Os manifestantes estão sendo atacados.

(2) provável interpretação da polícia:

Os manifestantes atacam.

 

Na prática, o redator, percebendo a possibilidade de duplo sentido, busca uma estrutura que se manifeste de modo mais pacífico (sem pedra ou bala de borracha).

Por exemplo:  

“Parece que os manifestantes estão sendo atacados.” (estrutura não ambígua)

“Parece que os manifestantes estão atacando.” (estrutura não ambígua)

Mas vida de estudante não é fácil, há muito concurso público baderneiro que adora tocar fogo na casa de palha dos outros. Fique pois o senhor com as barbas de molho.

Vamos fazer um teste para saber se seus olhos estão preparados para uma lufada de gás lacrimogêneo? Não tema, a prova é pacífica e você só gastará um dedo de prosa.

Mão na massa

Revolucionário leitor, digamos que você só tenha uma bala de borracha para dispersar a multidão de dúvidas à sua frente e “matar” a questão proposta. Vai que é mole!

Questão para estudante protestante, ou melhor, manifestante.

Elimine a ambiguidade da frase abaixo utilizando uma só tecla do seu computador. O sentido desejado exige “os manifestantes” como sujeito da oração subordinada.

“Parece que atacam os manifestantes.”

 

GABARITO COMENTADO

Solução (vinagre antigás lacrimogêneo. Não chore, é para o seu bem.):

Oração principal: Parece

Sujeito: oração seguinte

Oração subordinada substantiva subjetiva: que atacam os manifestantes.

Sujeito: os manifestantes

 

Resolução, eliminando a ambiguidade com uma só tecla:

“Parece que atacam, os manifestantes.”

 

Comentário: Simples assim. Diante da exigência do comando da questão de dispersar a ambiguidade do enunciado utilizando apenas uma tecla (a solitária bala de borracha), o sujeito simples e posposto ao verbo foi separado do predicado com uma vírgula.

 

PS: Ao argumento de que esta vírgula ocupa uma posição sintaticamente proibida, lanço mão da tropa de choque que defende o uso da vírgula como recurso de clareza do enunciado (essa tese tem defensores ilustres, doutores em Língua Portuguesa).

Estou no marjangadeiro@gmail.com

Até!

As vírgulas estão de volta

Compartilhar por e-mail

“A reunião sobre as desapropriações na Via Expressa entre prefeita de Fortaleza Luizianne Lins e o governador do estado Cid Gomes acabou sem nenhum consenso entre ambas as partes, nesta sexta-feira (28).”

Umas vírgulas:

A prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, (usamos vírgula, porque o aposto é explicativo, diz respeito a todo o universo representado pelo termo antecedente, ou seja, prefeita de Fortaleza).

Do mesmo modo, escrevemos com vírgula: “O governador do estado, Cid Gomes”.

Fique atento: em “A prefeita Luizianne Lins” ou em “O governador Cid Gomes”, nada de vírgula, porque agora o aposto é restritivo.

Traduzindo

Em um universo formado por vários prefeitos e governadores Brasil afora, restrinjo o conceito a uma determinada prefeita e a um determinado governador.

Trocando em miúdos

- Sem vírgula

Existem muitos prefeitos no Brasil, refiro-me apenas à prefeita Luizianne.

Existem vários governadores no Brasil, refiro-me ao governador Cid Gomes.

- Com vírgula

A prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, e o governador do estado, Cid Gomes (só há uma prefeita em Fortaleza e um governador no Ceará – Deus sabe o que faz).

As vírgulas estão de volta

“A reunião sobre as desapropriações na Via Expressa entre a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, e o governador do estado, Cid Gomes, acabou sem nenhum acordo entre ambas as partes nesta sexta-feira (28).”

P.S.: acrescento o artigo “a” antes de “prefeita”, troco a palavra “consenso” por “acordo” e retiro a vírgula antes do adjunto adverbial de tempo no fim da frase.

Dúvidas? Envie um e-mail para marjangadeiro@gmail.com

Boa semana.

 

Pontuação – Não tropece na vírgula

Compartilhar por e-mail

Sobrou vírgula

A decisão é do juiz da 13ª Zona Eleitoral, de Florianópolis, Luiz Felipe Siegert Schuch.

– A sequência nominal “Zona Eleitoral de Florianópolis” não deve ser separada por vírgula.

A decisão é do juiz da 13ª Zona Eleitoral de Florianópolis, Luiz Felipe Siegert Schuch.

Faltou vírgula

 Se essa determinação não for atendida, a empresa terá que pagar multa diária de R$ 50 mil e o prazo de suspensão do Facebook no país será duplicado.

– A conjunção “e” pode vir antecedida de vírgula quando liga orações de sujeitos diferentes.

Se essa determinação não for atendida, a empresa terá que pagar multa diária de R$ 50 mil, e o prazo de suspensão do Facebook no país será duplicado.

Sujeito 1: a empresa; sujeito 2: o prazo.

Navegar é preciso

 Vai ancorar no Portal:

Português Prático do Manual de Apoio à Redação – MAR Jangadeiro

Alguns tópicos para um bate-bola com a Redação da Janga:

Nova Ortografia – piada de português?

Acentuação gráfica – a prova de que português é inteligente,

Regência – vitalícia ou provisória?

Crase – é grave, doutor?

Concordância – há discordâncias.

Colocação pronominal – pronomes de esquerda, de centro, de direita.

Flexões nominais e verbais – em forma sem fôrma.

Orações – para entrar no reino do MAR: 3ACE ou C6FTP.

Pontuação: não tropece na vírgula.

2012 dúvidas – um ou dois-pontos depois de um dois?

Até!

Página 1 de 212