Publicidade

O Psicólogo

por André Flávio Nepomuceno Barbosa

psicoterapia

Como se prevenir de viver um relacionamento abusivo.

Por andreflavionb em relacionamento abusivo

21 de dezembro de 2018

Como se prevenir de viver um relacionamento abusivo.

 

Como se prevenir de um relacionamento abusivo.

A melhor prevenção é saber como funciona o modus operandi do abusador. Se você identificar alguns dos comportamentos abaixo, é hora de buscar ajuda.

Vamos lá;

Toda relação abusiva exige duas peças fundamentais: o abusador ( que inicia o relacionamento sendo a pessoa mais simpática do mundo, encantador, respeitoso… e depois vai iniciando as fases de controle e submissão do outro) e o abusado ( que vai, aos poucos, cedendo e aceitando coisas inaceitáveis, perdoando o imperdoável).

Para que a relação dure, o abusador tenta, a todo custo, jogar a ideia de que tudo é culpa do outro (até as traições e agressões que ele mesmo comete) e ainda joga a ideia de que o abusado tem que dar graças a Deus de ter ele em sua vida e que o abusado ( a vítima) não é ninguém, que é um lixo… e começa a afastar a vítima  da família,  dos amigos… 

Eu costumo dividir um relacionamento abusivo nas seguintes fases:

1 – O abusador tem predileção de encontrar pessoas instáveis, frágeis, com baixa auto estima (esse perfil facilita a vida deles no quesito: ser mais fácil de se manipular).

2- O abusador enche a vítima de elogios (você é a pessoa mais incrível),  de planos românticos, costuma falar mal da ex (que é maluca, possessiva, que sofreu muito nesse ultimo relacionamento)

3- Avisa que quer o bem da vítima e, justamente por isso, acha que é melhor ir se afastando de alguns amigos que, de acordo com ele, fazem mal a ela e ao relacionamento. Começa com amigos “conhecidos” ( irrelevantes para o ciclo social da vítima) e a vai indo até atingir os amigos mais próximos. A cada amigo que a vítima deixa de falar, o abusador cobre de dengos, presentes, viagens, elogios…

4 – O próximo passo é a afastar a família da vítima, o processo é o mesmo: “estou te usando/ nunca gostaram de você/ só quem realmente gosta de você sou eu/ só quem se importa com você sou eu”.

5 – Nessa fase o abusador quer as senhas e controle da vítima. A desculpa é o ciúmes, que não confia, que ela precisa provar que merece confiança. Uma vez que a vítima repassar as senhas, o abusador se vê com o controle absoluto.

5 – Agora o abusador tem a vítima nas mãos. Sem nenhum apoio exterior (que não seja o dele).  É justamente nessa fase que começa as ameaças e agressões. Porém, logo após o erro cometido, se diz arrependido, fala que a ama, que é a mulher da vida dele…

6 – Vendo que a vítima continua com ele, o abusador perde o respeito, começa as traições, mentiras, e, mesmo depois de tudo, consegue convencer que a vítima é louca de está com raiva, que deve dar graças a Deus por ele ainda estar com ela (pois ninguém quer mais ela por perto, apenas ele). Que ela é um lixo humano.

Tudo isso gera uma quebra comportamental por parte da vítima. Em outras palavras, é como se o sujeito, quando consegue sair desse relacionamento, estivesse todo quebrado por dentro, principalmente por ter se mantido em tal relacionamento, apesar de todo sofrimento, humilhação e dor gerado. 

Portanto, Sair desse relacionamento é quase como sair de um trauma, de um transtorno de estresse pós-traumático. Deixa muitas sequelas físicas e, principalmente, emocionais.

Exatamente por esse motivo é tão importante buscar ajuda psicoterápica.

 

André Barbosa

Psicoterapeuta Cognitivo-comportamental

85 98813-9593

Publicidade

Entrevista com o Dr. Matias Carvalho: a importância do sono para saúde mental.

Por andreflavionb em desregulação do sono

20 de novembro de 2018

“A insônia, por exemplo, se relaciona com diversos transtornos psiquiátricos. Ela atua como fator de risco para depressões e transtorno bipolar”.
Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo.

Hoje tive a honra de entrevistar o Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo, doutor em ciências médicas (UFC), psiquiatra, professor universitário, pesquisador, autor de inúmeros artigos publicados nas mais respeitadas revistas/plataformas cientificas referência em saúde no Brasil e exterior.

Conversamos, obviamente, sobre saúde mental e suas ultimas pesquisas sobre a desregulação do sono associado a alguns transtornos mentais.

 

Dr. Matias, para começar, gostaria que você nos dissesse quem deve buscar ajuda psiquiátrica?

Qualquer pessoa que apresente problemas emocionais ou comportamentais que gerem sofrimento significativo ou prejuízo às suas atividades. Isso inclui quadros de ansiosos, depressivos, psicóticos e psicossomáticos.

 

Existem determinados preconceitos referentes a busca de ajuda psiquiátrica (assim como ocorre na psicologia), principalmente no que diz respeito a medicações. Eu pergunto; Necessariamente o psiquiatra vai prescrever medicação?

Não. O psiquiatra é o médico que cuida da saúde mental. Dependendo do caso, o psiquiatra pode indicar diversas modalidades terapêuticas. As medicações constituem apenas parte do tratamento. Atividade física, modificações de comportamentos e psicoterapia são recomendadas em muitos casos.

 

E quais os benefícios de ter um acompanhamento psiquiátrico quando se está em psicoterapia?

Geralmente o tratamento combinado de psiquiatria e psicoterapia otimiza o tratamento. Isso acelera a recuperação dos pacientes e aumenta as chances de sucesso do tratamento. Então… Por que não usar essas duas modalidades ao mesmo tempo?

 

Entendi. E quais os maiores mitos, na sua opinião, referente ao trabalho do psiquiatra que podem impedir um sujeito de buscar esse acompanhamento? E por que essas “barreiras” ainda existem? O que você acha que pode ajudar a desmistificar isso?

Grande parte das pessoas ainda tem resistência em procurar ajuda psiquiátrica. Ainda hoje a psiquiatria é associada à imagem da loucura pelos leigos, como se todos os pacientes fossem doidos ou tivessem perdido o juízo da realidade. Aí o paciente é rotulado como agressivo, incapaz, sem jeito. E enquanto esses preconceitos não forem quebrados, o acesso dos pacientes ao tratamento adequado fica limitado. Além disso, não há como negar que o tratamento psiquiátrico é caro, né?

 

Referente ao sono; qual a importância de uma boa noite dormida para a saúde mental? É possível reduzir a Ansiedade, depressão apenas corrigindo a higiene do sono?

O sono está diretamente relacionado com qualidade de vida, disposição e concentração. A insônia, por exemplo, se relaciona com diversos transtornos psiquiátricos. Ela atua como fator de risco para depressões e transtorno bipolar. Além disso, aumenta as chances de crises e piora o seu prognóstico. Assim, o sono influencia o estado de humor e vice-versa. Por isso, realmente hábitos saudáveis de higiene do sono podem reduzir sintomas depressivos ou ansiosos e melhorar qualidade de vida de muitos pacientes.

 

Existe um número de horas ideal de sono para se ter qualidade de vida?

Isso é muito variável. Tem pessoas que precisam de 5h ou menos de sono para se satisfazer. Outras, mais de 8h. No geral, a quantidade é cerca de 6-8h de sono. Mas mais importante do que a quantidade é a qualidade do sono. É que o sono seja reparador, que a pessoa acorde bem e disposta para suas atividades.

 

E a famosa cochilada depois do almoço, ajuda em algo?

Realmente se a pessoa estiver muito cansada física ou mentalmente, um cochilo pode deixar a pessoa revigorada e aumentar a capacidade de concentração, a disposição, enfim… No entanto, cochilos diurnos podem afetar o sono à noite e não são recomendados para quem já tem insônia. É como se cada hora de sono dormida durante o dia significasse menos uma hora de sono à noite, agravando assim a insônia, entende?

 

Qual a associação entre desregulação do sono e a diabetes, obesidade?

Muitos estudos já mostram relação de causa-consequência entre essas variáveis. Tanto a desregulação do sono pode piorar o metabolismo, a glicemia e o peso como pessoas com sobrepeso e obesidade costumam ter maior irregularidade de sono. Por isso, essas pessoas devem dormir bem

 

Quais as dicas que você você daria para quem está hoje sofrendo de uma desregulação do sono?

Primeiro a pessoa deve melhorar alguns hábitos que podem afetar o sono. Dormir em quarto escuro, confortável, ventilado, sem estímulos visuais ou sonoros, como televisão, computador, celular ou tablet. Tentar manter a regularidade nos horários de dormir e acordar. Evitar café, chocolate ou atividade física à noite ou dormir no período do dia. Se mesmo assim, a pessoa continuar com dificuldade de dormir, é prudente procurar ajuda médica.

 

E para finalizar a pergunta mais importante: Quais dicas para se ter mais qualidade de saúde mental?

Boas noites de sono, atividade física regular, atividades de lazer, tudo isso pode melhorar a qualidade de vida e a saúde mental da população como um todo, inclusive pode prevenir transtornos psiquiátricos.

 

Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo

Contato: (85) 99631-0299 / matcarv01@yahoo.com.br

Publicidade

Depressão: como acontece?

Por andreflavionb em Depressão, terapia cognitivo-comportamental

08 de junho de 2018

Depressão como acontece?

 

Depressão: como acontece?

Vamos ouvir o relato de alguém que viveu o inicio de uma depressão e, sem tratamento, foi piorando.

“De repente um dia…

Você acorda sem motivação para fazer nada. Aliás, você não consegue ver sentido para fazer nada. Não consegue ver boas expectativas. O futuro e o presente são apenas uma mancha cinza na sua vida.

Sabe aquele lugar que você gostava de ir? Sabe aquele seu passatempo favorito? Aquela comida que você amava? Sua série favorita? Aquela ida ao cinema? De repente tudo isso que te alegrava, animava seu dia, te dava prazer, não existe mais.

Se essas coisas tivessem evaporado do mapa ou deixado de existir, talvez você sentisse até um reconforto: ” Eu sei o que me animaria, mas infelizmente não tem mais”. O problema é que todas essas coisas estão presente e você nota, para seu desespero, que não te animam mais, não te traz mais nenhum prazer.

A sua memória e atenção começam a te deixar na mão. Você esquece coisas e atividades que jamais achava que iria esquecer.
Você começa a adoecer com qualquer coisa. Um pequeno resfriado chega até você como uma fortíssima gripe.
Tudo vai perdendo a graça e o brilho aos poucos, até a comida perde o sabor e se transforma em apenas mais uma obrigação que você tem que cumprir.

Você sente que está preso dentro de si, dentro de algo escuro, sem perspectiva de melhoria alguma.
Pensamentos questionando sua utilidade no mundo começam a invadir sua mente. Você começa a se achar a pior de todas as criaturas. Começa a se achar um fardo na vida das pessoas.

O choro vem do nada, é como algo que você precisa botar pra fora.

Para piorar, você não sabe dizer exatamente o motivo de estar se sentido assim e isso te desespera ainda mais. ”

Imagine sentir tudo isso ocorrendo em um único dia. Não é uma tortura? Agora imagine sentir isso de forma crônica, dia após dia? Essa é a vida de uma pessoa que sofre com os sintomas da doença que é a segunda maior causa de morte no mundo: A Depressão.

Tratar alguém que está com depressão como “isso é frescura! Reage menino!! Se levanta da cama!” É o mesmo que pedir para alguém que está com hemorragia causada por dengue que “pare de sangrar menino!! Deixa de frescura!”. É simplesmente ridículo e ofensivo, pois, assim como qualquer outra doença, ninguém escolhe ficar depressivo.

E como qualquer doença grave, deve ser tratada com máxima seriedade . Só medicação apenas NÃO RESOLVE e, em casos graves, só psicoterapia também NÃO RESOLVE.

Depressão deve ser encarada como uma doença grave SIM e que precisa de tratamento (como em qualquer doença) logo no começo dos primeiros sintomas. Quanto mais tempo passa-se sem o devido tratamento, mais perdas (sociais, pessoais, profissionais e até risco de vida) acontecem na vida da pessoa.

A depressão, muitas as vezes, é a ponta do iceberg. Cabe ao psicoterapeuta analisar de onde vem a depressão. Pode ser o excesso de estresse, ansiedade, instabilidade de humor, impulsividade… Depressão, muitas as vezes, é o sintoma que aparece quando o corpo e a mente estão esgotados. Por isso a importância de uma boa terapia e, muitas as vezes, de uma boa estratégia medicamentosa, com o objetivo de analisar profundamente as causas da depressão.



A pergunta é: Você vai deixar seu quadro se agravar ?

Contato:
André Barbosa
Psicólogo Clínico
CRP 11/11089
85 9 96513394

leia tudo sobre

Publicidade

Manual do paciente: Dicas de como aproveitar, ao máximo, seu tempo na psicoterapia.

Por andreflavionb em Manual do paciente, Psicologia, terapia cognitivo-comportamental

01 de Fevereiro de 2018

Manual do paciente: como aproveitar, ao máximo, seu tempo na psicoterapia.
*imagem retirada facebook/opsicologooficial.

 

Manual do paciente: Dicas de como aproveitar, ao máximo, seu tempo na psicoterapia.

Hoje decidi escrever pequenas e valiosas dicas de como aproveitar, ao máximo, seu tempo na terapia, usando essa oportunidade como uma verdadeira fase transformadora em sua vida.

Escrevo não só pelo ponto de vista de um psicólogo, mas no papel de quem já fez psicoterapia, que esteve do outro lado da mesa.

Primeiro, muitos perguntam-me: “por que devo fazer terapia?”. Minha resposta sempre é: Por que não? Se você tem condições/oportunidade, não pense duas vezes, faça! Terapia além de ser um momento impar na vida (você poderá não lembrar em 20 anos se tomou determinada vacina, se fez determinado checkup, ou se fez ou não fez determinados procedimentos médicos, mas lhe garanto que você jamais esquecerá que fez terapia), irá te proporcionar um ótimo canal autoconhecimento, amadurecimento e evolução em várias esferas da vida: pessoal, social, afetiva, profissional…

Portanto,  terapia é para todos e o melhor de tudo; não possui efeito colateral.

Agora, uma vez que você já está decidido fazer terapia, vamos algumas dicas para você aproveitar ao máximo esse lindo momento de transformação:

DICAS:

1 – Verifique qual abordagem clínica do psicólogo em questão.

Para quem não sabe, existem várias abordagens (especializações/método de atendimento clínico) dentro da psicologia. As principais: Análise do comportamento, terapia cognitivo-comportamental, humanismo, sistêmico, psicodrama, psicanálise.

Cada abordagem tem um método e uma forma de tratamento. Em algumas abordagens o paciente é levado a falar na maior parte do tempo. Outras o tempo já é mais dividido. Algumas psicoterapias são mais objetivas, o paciente realiza atividades terapêuticas fora da terapia, realiza experiências comportamentais, recebe orientações diretas e objetivas, aprende técnicas de como amenizar um determinado sofrimento ou problema, outras são mais subjetivas…

Algumas psicoterapias o paciente é informado de uma previsão de fim da terapia (duração/prazo) logo nas sessões iniciais, outras não existe esse tipo de previsão.

Todas as abordagens clínicas da psicologia são interessantes, mas algumas você adapta mais, outras não, procure uma que você se identifica mais.

Posso falar, com algum propriedade, apenas da minha abordagem que é a terapia cognitivo-comportamental, onde transcrevo abaixo um trecho do que se trata a terapia cognitivo-comportamental, retirado de um dos fundadores dessa abordagem, Aroon Beck .

“A cognitivo-comportamental é uma terapia breve, prazo limitado, estruturada, orientada ao presente, direcionada a resolver problemas atuais e modificar pensamentos e comportamentos… indicada atualmente por sua eficácia cientificamente comprovada.”( BECK, 1997, p. 1).

2 – Não economize nas palavras.

Imagine você ir para uma consulta médica:

“ – Doutor, estou aqui apenas porque tenho sentido umas coisas ruins…

  • Como assim? O que são essas coisas ruins?
  • Não sei. Apenas um mal estar.
  • Consegue descrever esse mal estar?
  • Não. Apenas umas coisas ruins…”

Pergunta: qual a probabilidade do médico ajudar nesse caso? Caso ele não seja advinha, a probabilidade dele ajudar é muito remota.

Da mesma forma acontece na terapia; quanto maior quantidade de dados sobre sua história de vida, problemas do cotidiano, reações comportamentais diante de determinadas situações, medos, anseios, pensamentos que te deixam mal, emoções que andam te tirando a paz, seus relacionamentos afetivos, profissionais, sociais, maior será a probabilidade do psicoterapeuta realizar uma boa analise do seu caso e te ajudar de uma forma mais efetiva.

3 – Seja sincero.

Já fui paciente e sei que muitas vezes somos tentados a omitir certas informações ou simplesmente mentir. Isso ocorre principalmente porque temos uma falsa impressão de que temos que agradar o psicoterapeuta ou de que o terapeuta poderá realizar julgamentos morais da gente.

O psicoterapeuta não está ali para te julgar. Não está ali para te dar uma lição de moral. Pelo contrário, ele está ali para entender a realidade dos seus problemas, olhar para seu mundo através do seu olhar.

Se determinada técnica não estiver surtindo efeito, por exemplo, Fale! Assim ele poderá verificar outras estratégias mais efetivas para seu caso. Se você teve algum tipo de recaída, exponha. Isso vai ajudar em uma estratégia de recaídas, uma previsão comportamental.

4 – Avise antecipadamente das faltas.

Existem faltas que são acasos do destino. Doença, passar mal, acidente…

Porém, na maioria das vezes, a gente tem um controle sim de nossa agenda. É importante informar ao psicoterapeuta de possíveis faltas para que ele possa preparar uma estratégia clinica adaptada para essa falta.

Por exemplo; se eu aviso ao meu psicoterapeuta que faltarei na próxima semana, ele poderá se preparar estrategicamente e me passar algumas atividades na semana para que continue no ritmo da terapia.

Psicoterapia é como se fosse uma malhação. Quanto maior a quantidade de faltas, menor o rendimento. Dai eu acabo associando essa falta de resultados (evolução) a própria psicoterapia e/ou a mim mesmo; “Essa terapia não está me adiantando de nada.”, ou “eu não tenho jeito!”.

Lembrando: o psicoterapeuta, antes de cada sessão, dedica bastante tempo estudando seu caso, traçando protocolos clínicos, técnicas e objetivos para cada sessão. A hora que você passa na terapia é apenas a execução desse planejamento antecipado. Quando ocorrem faltas não-programadas, toda essa preparação corre risco de ir para o “lixo”, pois a quantidade de problemas pontuais do dia-a-dia vão se acumulando e o psicoterapeuta acaba ficando “cego” desse acompanhamento e quando o paciente retorna ele acaba, geralmente, relatando muitos fatos que não estavam no “radar” terapêutico, levando o psicoterapeuta a focar em “apagar incêndio” com os problemas pontuais do cotidianos e não tendo chances de ir na causa, se aprofundar.

Em breve seguirei com mais dicas,

sds

André Barbosa                                                                                                                                                                                                85 98813 9593                                                                                                                                                                                      Psicólogo Clínico                                                                                                                                                                                          CRP 11/11089                                                                                                                                                                                        Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Instagram: @opsicologo   | Facebook: opsicologooficial

 

 

 

 

 

 

 

Publicidade

Manual do paciente: Dicas de como aproveitar, ao máximo, seu tempo na psicoterapia.

Por andreflavionb em Manual do paciente, Psicologia, terapia cognitivo-comportamental

01 de Fevereiro de 2018

Manual do paciente: como aproveitar, ao máximo, seu tempo na psicoterapia.
*imagem retirada facebook/opsicologooficial.

 

Manual do paciente: Dicas de como aproveitar, ao máximo, seu tempo na psicoterapia.

Hoje decidi escrever pequenas e valiosas dicas de como aproveitar, ao máximo, seu tempo na terapia, usando essa oportunidade como uma verdadeira fase transformadora em sua vida.

Escrevo não só pelo ponto de vista de um psicólogo, mas no papel de quem já fez psicoterapia, que esteve do outro lado da mesa.

Primeiro, muitos perguntam-me: “por que devo fazer terapia?”. Minha resposta sempre é: Por que não? Se você tem condições/oportunidade, não pense duas vezes, faça! Terapia além de ser um momento impar na vida (você poderá não lembrar em 20 anos se tomou determinada vacina, se fez determinado checkup, ou se fez ou não fez determinados procedimentos médicos, mas lhe garanto que você jamais esquecerá que fez terapia), irá te proporcionar um ótimo canal autoconhecimento, amadurecimento e evolução em várias esferas da vida: pessoal, social, afetiva, profissional…

Portanto,  terapia é para todos e o melhor de tudo; não possui efeito colateral.

Agora, uma vez que você já está decidido fazer terapia, vamos algumas dicas para você aproveitar ao máximo esse lindo momento de transformação:

DICAS:

1 – Verifique qual abordagem clínica do psicólogo em questão.

Para quem não sabe, existem várias abordagens (especializações/método de atendimento clínico) dentro da psicologia. As principais: Análise do comportamento, terapia cognitivo-comportamental, humanismo, sistêmico, psicodrama, psicanálise.

Cada abordagem tem um método e uma forma de tratamento. Em algumas abordagens o paciente é levado a falar na maior parte do tempo. Outras o tempo já é mais dividido. Algumas psicoterapias são mais objetivas, o paciente realiza atividades terapêuticas fora da terapia, realiza experiências comportamentais, recebe orientações diretas e objetivas, aprende técnicas de como amenizar um determinado sofrimento ou problema, outras são mais subjetivas…

Algumas psicoterapias o paciente é informado de uma previsão de fim da terapia (duração/prazo) logo nas sessões iniciais, outras não existe esse tipo de previsão.

Todas as abordagens clínicas da psicologia são interessantes, mas algumas você adapta mais, outras não, procure uma que você se identifica mais.

Posso falar, com algum propriedade, apenas da minha abordagem que é a terapia cognitivo-comportamental, onde transcrevo abaixo um trecho do que se trata a terapia cognitivo-comportamental, retirado de um dos fundadores dessa abordagem, Aroon Beck .

“A cognitivo-comportamental é uma terapia breve, prazo limitado, estruturada, orientada ao presente, direcionada a resolver problemas atuais e modificar pensamentos e comportamentos… indicada atualmente por sua eficácia cientificamente comprovada.”( BECK, 1997, p. 1).

2 – Não economize nas palavras.

Imagine você ir para uma consulta médica:

“ – Doutor, estou aqui apenas porque tenho sentido umas coisas ruins…

  • Como assim? O que são essas coisas ruins?
  • Não sei. Apenas um mal estar.
  • Consegue descrever esse mal estar?
  • Não. Apenas umas coisas ruins…”

Pergunta: qual a probabilidade do médico ajudar nesse caso? Caso ele não seja advinha, a probabilidade dele ajudar é muito remota.

Da mesma forma acontece na terapia; quanto maior quantidade de dados sobre sua história de vida, problemas do cotidiano, reações comportamentais diante de determinadas situações, medos, anseios, pensamentos que te deixam mal, emoções que andam te tirando a paz, seus relacionamentos afetivos, profissionais, sociais, maior será a probabilidade do psicoterapeuta realizar uma boa analise do seu caso e te ajudar de uma forma mais efetiva.

3 – Seja sincero.

Já fui paciente e sei que muitas vezes somos tentados a omitir certas informações ou simplesmente mentir. Isso ocorre principalmente porque temos uma falsa impressão de que temos que agradar o psicoterapeuta ou de que o terapeuta poderá realizar julgamentos morais da gente.

O psicoterapeuta não está ali para te julgar. Não está ali para te dar uma lição de moral. Pelo contrário, ele está ali para entender a realidade dos seus problemas, olhar para seu mundo através do seu olhar.

Se determinada técnica não estiver surtindo efeito, por exemplo, Fale! Assim ele poderá verificar outras estratégias mais efetivas para seu caso. Se você teve algum tipo de recaída, exponha. Isso vai ajudar em uma estratégia de recaídas, uma previsão comportamental.

4 – Avise antecipadamente das faltas.

Existem faltas que são acasos do destino. Doença, passar mal, acidente…

Porém, na maioria das vezes, a gente tem um controle sim de nossa agenda. É importante informar ao psicoterapeuta de possíveis faltas para que ele possa preparar uma estratégia clinica adaptada para essa falta.

Por exemplo; se eu aviso ao meu psicoterapeuta que faltarei na próxima semana, ele poderá se preparar estrategicamente e me passar algumas atividades na semana para que continue no ritmo da terapia.

Psicoterapia é como se fosse uma malhação. Quanto maior a quantidade de faltas, menor o rendimento. Dai eu acabo associando essa falta de resultados (evolução) a própria psicoterapia e/ou a mim mesmo; “Essa terapia não está me adiantando de nada.”, ou “eu não tenho jeito!”.

Lembrando: o psicoterapeuta, antes de cada sessão, dedica bastante tempo estudando seu caso, traçando protocolos clínicos, técnicas e objetivos para cada sessão. A hora que você passa na terapia é apenas a execução desse planejamento antecipado. Quando ocorrem faltas não-programadas, toda essa preparação corre risco de ir para o “lixo”, pois a quantidade de problemas pontuais do dia-a-dia vão se acumulando e o psicoterapeuta acaba ficando “cego” desse acompanhamento e quando o paciente retorna ele acaba, geralmente, relatando muitos fatos que não estavam no “radar” terapêutico, levando o psicoterapeuta a focar em “apagar incêndio” com os problemas pontuais do cotidianos e não tendo chances de ir na causa, se aprofundar.

Em breve seguirei com mais dicas,

sds

André Barbosa                                                                                                                                                                                                85 98813 9593                                                                                                                                                                                      Psicólogo Clínico                                                                                                                                                                                          CRP 11/11089                                                                                                                                                                                        Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Instagram: @opsicologo   | Facebook: opsicologooficial