Publicidade

O Psicólogo

por André Flávio Nepomuceno Barbosa

ansiedade

Quando transtornos psicológicos transformam-se em doenças graves.

Por andreflavionb em Transtorno psicológicos

05 de junho de 2018

Transtornos psicológicos estão associados a: obesidade, diabetes tipo 2 até câncer, metástase,

Quando transtornos psicológicos transformam-se em doenças graves.

Já é sabido o quanto transtornos psicológicos afetam nossa vida pessoal, social, familiar, profissional e afetiva, mas se a população em geral soubesse das recentes descobertas e pesquisas que associam o aparecimentos de graves doenças como câncer, por exemplo, a transtornos emocionais como ansiedade, estresse crônico, instabilidade de humor… Levariam mais a sério a saúde mental.

Poderia listar aqui um número quase interminável de doenças associadas ao estresse crônico. A lista vai desde diabetes, obesidade até câncer (útero, mama, próstata…)

Acontece que nosso cérebro, para manter o corpo em modo de alerta ( que é nosso sistema de estresse/ansiedade: enfrentar imediatamente um problema, fugir de um problema, ou antecipar problemas que ainda não aconteceram), descarrega em nosso corpo um hormônio chamado: cortisol (produzido por nossa suprarrenal). É um sistema complexo que se inicia em uma situação considerada como estressor pelo individuo, fazendo nosso hipotálamo liberar corticoprina, um estimulante que desencadeia o sistema de estresse, que faz outra estrutura cerebral, a hipófise, liberar o hormônio adrenocorticotrópico, que ativa nossas glândulas adrenais, que produzem o cortisol.

O aumento de cortisol por sua vez desregula nosso metabolismo, aumenta níveis de glicose em nosso sangue (o sistema criado produzir mais energia para lutar), que, por sua vez, aumenta colesterol e está associado a diabetes tipo 2.

Para manter o sistema de estresse, com o aumento do cortisol, nosso corpo aumenta o desejo por comida de alto valor calórico: doces, carboidratos, gorduras.

Poderia ainda continuar com uma lista grande apenas ligadas ao aumento de cortisol, citarei as principais: depressão, osteoporose, desregulação do sono (que por sua vez está associado a outros inúmeros desencadeares de mais transtornos emocionais, como impulsividade/ansiedade/depressão, e com mais doenças fisiológicas), problemas de pele e alteração do ciclo menstrual.

O estresse também está associado ao câncer de útero. É o que sugere um estudo publicado na revista científica Annals of Behavioural Medicine.

Segundo os cientistas do Fox Chase Cancer Centre, nos Estados Unidos, os sistema imunológico de mulheres que sofrem de estresse apresentam dificuldades de combater o vírus que causa a maioria dos tipos de câncer cervical.

As mulheres com alto nível de estresse têm uma resposta fraca ao HPV16. Isso significa que elas têm um risco maior de desenvolver câncer cervical porque o sistema imunológico não consegue combater os vírus que causam este tipo de câncer“, afirma Carolyn Fang, que liderou o estudo.

Outro importante estudo divulgado pela revista Nature (uma das revistas cientificas mais conceituadas do mundo) ressalta que o estresse agudo e crônico altera até a expressão genética de nossas células.https://www.nature.com/articles/s41568-018-0020-9

Podendo, através de um sistema chamado “transmissão intergeracional”, repassar tendências a ansiedade para nosso filhos, via mudanças nos gametas e no ambiente uterino gestacional.Foi, inclusive, observando que filhos de pais expostos a estresse ou trauma podem estar em maior risco de problemas físicos, comportamentais e cognitivos, bem como psicopatologia. Além disso, foram descobertos correlatos biológicos do estresse parental, em particular, às alterações neuroendócrinas, epigenéticas e neuroanatômicas. https://www.nature.com/articles/npp2015247

Além do mais, estudos epidemiológicos e clínicos nos últimos 30 anos forneceram fortes evidências de ligações entre estresse crônico, depressão e isolamento social e progressão do câncer, podendo levar a metástase. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3037818/

Portanto, devemos encarar a saúde mental como alicerce para termos saúde e qualidade de vida, como um tratamento preventivo. Não deixe para depois, leve sua saúde mental a sério.

André Barbosa

Psicólogo Clínico

85 98813-9395

 

 

 

Publicidade

Quando transtornos psicológicos transformam-se em doenças graves.

Por andreflavionb em Transtorno psicológicos

05 de junho de 2018

Transtornos psicológicos estão associados a: obesidade, diabetes tipo 2 até câncer, metástase,

Quando transtornos psicológicos transformam-se em doenças graves.

Já é sabido o quanto transtornos psicológicos afetam nossa vida pessoal, social, familiar, profissional e afetiva, mas se a população em geral soubesse das recentes descobertas e pesquisas que associam o aparecimentos de graves doenças como câncer, por exemplo, a transtornos emocionais como ansiedade, estresse crônico, instabilidade de humor… Levariam mais a sério a saúde mental.

Poderia listar aqui um número quase interminável de doenças associadas ao estresse crônico. A lista vai desde diabetes, obesidade até câncer (útero, mama, próstata…)

Acontece que nosso cérebro, para manter o corpo em modo de alerta ( que é nosso sistema de estresse/ansiedade: enfrentar imediatamente um problema, fugir de um problema, ou antecipar problemas que ainda não aconteceram), descarrega em nosso corpo um hormônio chamado: cortisol (produzido por nossa suprarrenal). É um sistema complexo que se inicia em uma situação considerada como estressor pelo individuo, fazendo nosso hipotálamo liberar corticoprina, um estimulante que desencadeia o sistema de estresse, que faz outra estrutura cerebral, a hipófise, liberar o hormônio adrenocorticotrópico, que ativa nossas glândulas adrenais, que produzem o cortisol.

O aumento de cortisol por sua vez desregula nosso metabolismo, aumenta níveis de glicose em nosso sangue (o sistema criado produzir mais energia para lutar), que, por sua vez, aumenta colesterol e está associado a diabetes tipo 2.

Para manter o sistema de estresse, com o aumento do cortisol, nosso corpo aumenta o desejo por comida de alto valor calórico: doces, carboidratos, gorduras.

Poderia ainda continuar com uma lista grande apenas ligadas ao aumento de cortisol, citarei as principais: depressão, osteoporose, desregulação do sono (que por sua vez está associado a outros inúmeros desencadeares de mais transtornos emocionais, como impulsividade/ansiedade/depressão, e com mais doenças fisiológicas), problemas de pele e alteração do ciclo menstrual.

O estresse também está associado ao câncer de útero. É o que sugere um estudo publicado na revista científica Annals of Behavioural Medicine.

Segundo os cientistas do Fox Chase Cancer Centre, nos Estados Unidos, os sistema imunológico de mulheres que sofrem de estresse apresentam dificuldades de combater o vírus que causa a maioria dos tipos de câncer cervical.

As mulheres com alto nível de estresse têm uma resposta fraca ao HPV16. Isso significa que elas têm um risco maior de desenvolver câncer cervical porque o sistema imunológico não consegue combater os vírus que causam este tipo de câncer“, afirma Carolyn Fang, que liderou o estudo.

Outro importante estudo divulgado pela revista Nature (uma das revistas cientificas mais conceituadas do mundo) ressalta que o estresse agudo e crônico altera até a expressão genética de nossas células.https://www.nature.com/articles/s41568-018-0020-9

Podendo, através de um sistema chamado “transmissão intergeracional”, repassar tendências a ansiedade para nosso filhos, via mudanças nos gametas e no ambiente uterino gestacional.Foi, inclusive, observando que filhos de pais expostos a estresse ou trauma podem estar em maior risco de problemas físicos, comportamentais e cognitivos, bem como psicopatologia. Além disso, foram descobertos correlatos biológicos do estresse parental, em particular, às alterações neuroendócrinas, epigenéticas e neuroanatômicas. https://www.nature.com/articles/npp2015247

Além do mais, estudos epidemiológicos e clínicos nos últimos 30 anos forneceram fortes evidências de ligações entre estresse crônico, depressão e isolamento social e progressão do câncer, podendo levar a metástase. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3037818/

Portanto, devemos encarar a saúde mental como alicerce para termos saúde e qualidade de vida, como um tratamento preventivo. Não deixe para depois, leve sua saúde mental a sério.

André Barbosa

Psicólogo Clínico

85 98813-9395