Publicidade

O Psicólogo

por André Flávio Nepomuceno Barbosa

Entrevista com o Dr. Matias Carvalho: a importância do sono para saúde mental.

Por andreflavionb em desregulação do sono

20 de novembro de 2018

“A insônia, por exemplo, se relaciona com diversos transtornos psiquiátricos. Ela atua como fator de risco para depressões e transtorno bipolar”.
Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo.

Hoje tive a honra de entrevistar o Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo, doutor em ciências médicas (UFC), psiquiatra, professor universitário, pesquisador, autor de inúmeros artigos publicados nas mais respeitadas revistas/plataformas cientificas referência em saúde no Brasil e exterior.

Conversamos, obviamente, sobre saúde mental e suas ultimas pesquisas sobre a desregulação do sono associado a alguns transtornos mentais.

 

Dr. Matias, para começar, gostaria que você nos dissesse quem deve buscar ajuda psiquiátrica?

Qualquer pessoa que apresente problemas emocionais ou comportamentais que gerem sofrimento significativo ou prejuízo às suas atividades. Isso inclui quadros de ansiosos, depressivos, psicóticos e psicossomáticos.

 

Existem determinados preconceitos referentes a busca de ajuda psiquiátrica (assim como ocorre na psicologia), principalmente no que diz respeito a medicações. Eu pergunto; Necessariamente o psiquiatra vai prescrever medicação?

Não. O psiquiatra é o médico que cuida da saúde mental. Dependendo do caso, o psiquiatra pode indicar diversas modalidades terapêuticas. As medicações constituem apenas parte do tratamento. Atividade física, modificações de comportamentos e psicoterapia são recomendadas em muitos casos.

 

E quais os benefícios de ter um acompanhamento psiquiátrico quando se está em psicoterapia?

Geralmente o tratamento combinado de psiquiatria e psicoterapia otimiza o tratamento. Isso acelera a recuperação dos pacientes e aumenta as chances de sucesso do tratamento. Então… Por que não usar essas duas modalidades ao mesmo tempo?

 

Entendi. E quais os maiores mitos, na sua opinião, referente ao trabalho do psiquiatra que podem impedir um sujeito de buscar esse acompanhamento? E por que essas “barreiras” ainda existem? O que você acha que pode ajudar a desmistificar isso?

Grande parte das pessoas ainda tem resistência em procurar ajuda psiquiátrica. Ainda hoje a psiquiatria é associada à imagem da loucura pelos leigos, como se todos os pacientes fossem doidos ou tivessem perdido o juízo da realidade. Aí o paciente é rotulado como agressivo, incapaz, sem jeito. E enquanto esses preconceitos não forem quebrados, o acesso dos pacientes ao tratamento adequado fica limitado. Além disso, não há como negar que o tratamento psiquiátrico é caro, né?

 

Referente ao sono; qual a importância de uma boa noite dormida para a saúde mental? É possível reduzir a Ansiedade, depressão apenas corrigindo a higiene do sono?

O sono está diretamente relacionado com qualidade de vida, disposição e concentração. A insônia, por exemplo, se relaciona com diversos transtornos psiquiátricos. Ela atua como fator de risco para depressões e transtorno bipolar. Além disso, aumenta as chances de crises e piora o seu prognóstico. Assim, o sono influencia o estado de humor e vice-versa. Por isso, realmente hábitos saudáveis de higiene do sono podem reduzir sintomas depressivos ou ansiosos e melhorar qualidade de vida de muitos pacientes.

 

Existe um número de horas ideal de sono para se ter qualidade de vida?

Isso é muito variável. Tem pessoas que precisam de 5h ou menos de sono para se satisfazer. Outras, mais de 8h. No geral, a quantidade é cerca de 6-8h de sono. Mas mais importante do que a quantidade é a qualidade do sono. É que o sono seja reparador, que a pessoa acorde bem e disposta para suas atividades.

 

E a famosa cochilada depois do almoço, ajuda em algo?

Realmente se a pessoa estiver muito cansada física ou mentalmente, um cochilo pode deixar a pessoa revigorada e aumentar a capacidade de concentração, a disposição, enfim… No entanto, cochilos diurnos podem afetar o sono à noite e não são recomendados para quem já tem insônia. É como se cada hora de sono dormida durante o dia significasse menos uma hora de sono à noite, agravando assim a insônia, entende?

 

Qual a associação entre desregulação do sono e a diabetes, obesidade?

Muitos estudos já mostram relação de causa-consequência entre essas variáveis. Tanto a desregulação do sono pode piorar o metabolismo, a glicemia e o peso como pessoas com sobrepeso e obesidade costumam ter maior irregularidade de sono. Por isso, essas pessoas devem dormir bem

 

Quais as dicas que você você daria para quem está hoje sofrendo de uma desregulação do sono?

Primeiro a pessoa deve melhorar alguns hábitos que podem afetar o sono. Dormir em quarto escuro, confortável, ventilado, sem estímulos visuais ou sonoros, como televisão, computador, celular ou tablet. Tentar manter a regularidade nos horários de dormir e acordar. Evitar café, chocolate ou atividade física à noite ou dormir no período do dia. Se mesmo assim, a pessoa continuar com dificuldade de dormir, é prudente procurar ajuda médica.

 

E para finalizar a pergunta mais importante: Quais dicas para se ter mais qualidade de saúde mental?

Boas noites de sono, atividade física regular, atividades de lazer, tudo isso pode melhorar a qualidade de vida e a saúde mental da população como um todo, inclusive pode prevenir transtornos psiquiátricos.

 

Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo

Contato: (85) 99631-0299 / matcarv01@yahoo.com.br

Publicidade aqui

Entrevista com o Dr. Matias Carvalho: a importância do sono para saúde mental.

Por andreflavionb em desregulação do sono

20 de novembro de 2018

“A insônia, por exemplo, se relaciona com diversos transtornos psiquiátricos. Ela atua como fator de risco para depressões e transtorno bipolar”.
Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo.

Hoje tive a honra de entrevistar o Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo, doutor em ciências médicas (UFC), psiquiatra, professor universitário, pesquisador, autor de inúmeros artigos publicados nas mais respeitadas revistas/plataformas cientificas referência em saúde no Brasil e exterior.

Conversamos, obviamente, sobre saúde mental e suas ultimas pesquisas sobre a desregulação do sono associado a alguns transtornos mentais.

 

Dr. Matias, para começar, gostaria que você nos dissesse quem deve buscar ajuda psiquiátrica?

Qualquer pessoa que apresente problemas emocionais ou comportamentais que gerem sofrimento significativo ou prejuízo às suas atividades. Isso inclui quadros de ansiosos, depressivos, psicóticos e psicossomáticos.

 

Existem determinados preconceitos referentes a busca de ajuda psiquiátrica (assim como ocorre na psicologia), principalmente no que diz respeito a medicações. Eu pergunto; Necessariamente o psiquiatra vai prescrever medicação?

Não. O psiquiatra é o médico que cuida da saúde mental. Dependendo do caso, o psiquiatra pode indicar diversas modalidades terapêuticas. As medicações constituem apenas parte do tratamento. Atividade física, modificações de comportamentos e psicoterapia são recomendadas em muitos casos.

 

E quais os benefícios de ter um acompanhamento psiquiátrico quando se está em psicoterapia?

Geralmente o tratamento combinado de psiquiatria e psicoterapia otimiza o tratamento. Isso acelera a recuperação dos pacientes e aumenta as chances de sucesso do tratamento. Então… Por que não usar essas duas modalidades ao mesmo tempo?

 

Entendi. E quais os maiores mitos, na sua opinião, referente ao trabalho do psiquiatra que podem impedir um sujeito de buscar esse acompanhamento? E por que essas “barreiras” ainda existem? O que você acha que pode ajudar a desmistificar isso?

Grande parte das pessoas ainda tem resistência em procurar ajuda psiquiátrica. Ainda hoje a psiquiatria é associada à imagem da loucura pelos leigos, como se todos os pacientes fossem doidos ou tivessem perdido o juízo da realidade. Aí o paciente é rotulado como agressivo, incapaz, sem jeito. E enquanto esses preconceitos não forem quebrados, o acesso dos pacientes ao tratamento adequado fica limitado. Além disso, não há como negar que o tratamento psiquiátrico é caro, né?

 

Referente ao sono; qual a importância de uma boa noite dormida para a saúde mental? É possível reduzir a Ansiedade, depressão apenas corrigindo a higiene do sono?

O sono está diretamente relacionado com qualidade de vida, disposição e concentração. A insônia, por exemplo, se relaciona com diversos transtornos psiquiátricos. Ela atua como fator de risco para depressões e transtorno bipolar. Além disso, aumenta as chances de crises e piora o seu prognóstico. Assim, o sono influencia o estado de humor e vice-versa. Por isso, realmente hábitos saudáveis de higiene do sono podem reduzir sintomas depressivos ou ansiosos e melhorar qualidade de vida de muitos pacientes.

 

Existe um número de horas ideal de sono para se ter qualidade de vida?

Isso é muito variável. Tem pessoas que precisam de 5h ou menos de sono para se satisfazer. Outras, mais de 8h. No geral, a quantidade é cerca de 6-8h de sono. Mas mais importante do que a quantidade é a qualidade do sono. É que o sono seja reparador, que a pessoa acorde bem e disposta para suas atividades.

 

E a famosa cochilada depois do almoço, ajuda em algo?

Realmente se a pessoa estiver muito cansada física ou mentalmente, um cochilo pode deixar a pessoa revigorada e aumentar a capacidade de concentração, a disposição, enfim… No entanto, cochilos diurnos podem afetar o sono à noite e não são recomendados para quem já tem insônia. É como se cada hora de sono dormida durante o dia significasse menos uma hora de sono à noite, agravando assim a insônia, entende?

 

Qual a associação entre desregulação do sono e a diabetes, obesidade?

Muitos estudos já mostram relação de causa-consequência entre essas variáveis. Tanto a desregulação do sono pode piorar o metabolismo, a glicemia e o peso como pessoas com sobrepeso e obesidade costumam ter maior irregularidade de sono. Por isso, essas pessoas devem dormir bem

 

Quais as dicas que você você daria para quem está hoje sofrendo de uma desregulação do sono?

Primeiro a pessoa deve melhorar alguns hábitos que podem afetar o sono. Dormir em quarto escuro, confortável, ventilado, sem estímulos visuais ou sonoros, como televisão, computador, celular ou tablet. Tentar manter a regularidade nos horários de dormir e acordar. Evitar café, chocolate ou atividade física à noite ou dormir no período do dia. Se mesmo assim, a pessoa continuar com dificuldade de dormir, é prudente procurar ajuda médica.

 

E para finalizar a pergunta mais importante: Quais dicas para se ter mais qualidade de saúde mental?

Boas noites de sono, atividade física regular, atividades de lazer, tudo isso pode melhorar a qualidade de vida e a saúde mental da população como um todo, inclusive pode prevenir transtornos psiquiátricos.

 

Dr. Matias Carvalho Aguiar Melo

Contato: (85) 99631-0299 / matcarv01@yahoo.com.br