Os bons tempos que a gente reclamava - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Os bons tempos que a gente reclamava

Por Nonato Albuquerque em Sem categoria

08 de agosto de 2018

Você se lembra do tempo em que a população reclamava dos chamados trombadinhas, que nas ruas e praças, batiam as bolsas de senhora? Das reclamações de moradores que tiveram roupas furtadas do varal de seus quintais? E quem se recorda dos golpes do baludo, aplicados por descuidistas interessados em levar alguma vantagem? Das bolsas cortadas discretamente por giletes? Claro, nessa lista não se pode esquecer os famosos ‘ladrões de galinha”. Que saudade desses bons tempos, onde a preocupação não tinha a proporção das ocorrências atuais.

Gente, os pequenos crimes ganharam uma dimensão tão incrivel que, até mesmo, sumiram dos Boletins de Ocorrência denúncias de ladras que arranjavam vagas como domésticas para furtar as residências.
uem diria que chegaria um tempo em que sentiríamos saudades do passado, à época considerado um ‘fim de mundo’ entre os muitos crimes que se aplicavam.

Tudo muda. Tudo evolui. E nesse passo, devíamos ter acompanhado a evolução do crime. Criando formas de combate, onde a inteligência do serviço público conseguisse mostrar a mesma eficiência.

Bons tempos em que haviam as duplas de Cosme e Damião, dirão alguns saudosistas na praça do Ferreira

Publicidade

leia tudo sobre

Os bons tempos que a gente reclamava

Por Nonato Albuquerque em Sem categoria

08 de agosto de 2018

Você se lembra do tempo em que a população reclamava dos chamados trombadinhas, que nas ruas e praças, batiam as bolsas de senhora? Das reclamações de moradores que tiveram roupas furtadas do varal de seus quintais? E quem se recorda dos golpes do baludo, aplicados por descuidistas interessados em levar alguma vantagem? Das bolsas cortadas discretamente por giletes? Claro, nessa lista não se pode esquecer os famosos ‘ladrões de galinha”. Que saudade desses bons tempos, onde a preocupação não tinha a proporção das ocorrências atuais.

Gente, os pequenos crimes ganharam uma dimensão tão incrivel que, até mesmo, sumiram dos Boletins de Ocorrência denúncias de ladras que arranjavam vagas como domésticas para furtar as residências.
uem diria que chegaria um tempo em que sentiríamos saudades do passado, à época considerado um ‘fim de mundo’ entre os muitos crimes que se aplicavam.

Tudo muda. Tudo evolui. E nesse passo, devíamos ter acompanhado a evolução do crime. Criando formas de combate, onde a inteligência do serviço público conseguisse mostrar a mesma eficiência.

Bons tempos em que haviam as duplas de Cosme e Damião, dirão alguns saudosistas na praça do Ferreira