Pensamento Archives - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Pensamento

Quando eu for grande…

Por Nonato Albuquerque em artes, Pensamento, POESIA, Sem categoria

11 de novembro de 2016

autism

Quando eu for grande, só quero me tornar pequeno entre os que almoçam orgulho e arrotam vantagens e prepotência.

Quero ser livre para me prender unicamente aos encantos da Vida e me apegar à crença de todos os desapegos.

Quando eu for grande, quero ser rico de consciência para empobrecer em mim, todo o egoísmo aviltante de quem apregoa o “eu sou eu, depois de mim só meu retrato”.

Quando eu for grande, que eu não perca de vista a criança que fui para não me tornar um adulto intolerante.

E que eu possa dar ainda mais cor à estrada por onde seguirão meus passos.

Quando eu for grande, quero continuar do tamanho da minha alma. Enooooorme!

leia tudo sobre

Publicidade

As frases mais célebres sobre mães

Por Nonato Albuquerque em Pensamento

12 de Maio de 2013

“Diante de uma mulher, nunca esqueças a tua mãe”.
Constancio C. Vigil

“A criança reconhece a mãe pelo sorriso”.
Leon Tolstoi

“A mão que balança o b erço rege o mundo”.
Peter de Vries

“O coração da mãe é o único capital do sentimento que nunca quebra e com o qual se pode contar sempre e em todo tempo com toda segurança.”
Montegazza

“Não tem no mundo flor em terra alguma, nem no mar e em nenhuma baía pérola tal, como um bebê no regaço de sua mãe”.
Oscar Wilde

“O coração de uma mãe é um abismo profundo em cujo fundo sempre encontrarás perdão”.
Honoré de Balzac

“Mãe: a palavra mais bela pronunciada pelo ser humano”.
Kahil Gibran

“Minha mãe foi a mulher mais bela que jamais conheci. Tudo o que sou, devo a minha mãe. Atribuo todos os meus êxitos na vida ao seu ensinamento moral, intelecutal e físico que recebi dela.
George Washington

“O amor de mães é o combustível que permite ao ser humano fazer o impossível”.
Marion C. Garretty

“As mães dos soldados mortos são juizes da guerra”.
Bertolt Brecht

“Os filhos são as âncoras que atam à vida às mães”.
Sófocles

“No existe la madre perfecta, pero hay un millón de maneras de ser una buena madre”.
Jill Churchill

“Jamais na vida encontrareis ternura maior, mais profunda, mais desinteressada nem verdadeira que a da vossa mãe”.
Balzac

“Muitas maravilhas há no universo; mas a obra mestra da criação é o coração materno”.
Bersot

“O homem é estimável quando é homem. A mulher é estimada quando é mãe”.
R. Boleda

“A mãe é nossa providência sobre a Terra nos primeiros anos de vida; nosso apoio mais firme nos anos seguintes da infância; nossa amiga mais terna nos anos tempestuosos da juventude”.
Severo Catalina

“Só uma mãe sabe o que quer dizer amar e ser feliz”
Adalberto von Chamisso

“Uma mãe perdoa sempre: afinal, elas vieram ao mundo para isso”.
A. Dumas (pai)

“Se me exilarem na mais alta montanha; oh mãe! Que até ali me seguiria teu amor. Se no mais profundo mar me afogarem, oh! Minha mãe, que até lá me chegariam tuas lágrimas. Se me amaldiçoarem em corpo e alma, oh minha mãe, sei que tuas orações invalidarão a maldição”.
Rudyard Kipling

“Contemplando o mundo, pode-se duvidar da mulher; mas já não é possível duvidar mais, olhando a própria mãe”.
Lacordaire

“Tudo o que sou ou espero ser, devo à solicitude de minha mãe”
Lincoln

leia tudo sobre

Publicidade

LIVRE PENSAR À LA MILLOR

Por Nonato Albuquerque em Pensamento

24 de outubro de 2012

Parafraseando o padre Vieira de “Os Sermões”: Há políticos pobres que chegam à prefeituras ricas; e saem ricos com as prefeituras empobrecidas. 

leia tudo sobre

Publicidade

PARA ELEITORES DESINFORMADOS…

Por Nonato Albuquerque em Pensamento, POLÍTICA

24 de outubro de 2012

O mágico fez um gesto e desapareceu a fome,
fez outro e desapareceu a injustiça,
fez um terceiro e desapareceram as guerras.
O político, fez um gesto e desapareceu o mágico.
(Woody Allen)

leia tudo sobre

Publicidade

PARA SE PENSAR E FAZER… PRINCIPALMENTE

Por Nonato Albuquerque em Pensamento

17 de Abril de 2012

Estava aqui pensando com os meus teclados e resolví falar sobre a necessidade do ser:

É preciso aprender a ser feliz. E não o sendo, reivindicar do procon de nosso coração, energias suficientes para reorganizar a usina de força que propulsiona a Vida.

É preciso ter coragem sempre. E, de vez em quando, sentir-se medroso. Com medo de causar algum dano a quem quer que seja. Infelizes, causam sempre males a outrem sem se importar com o que outros sintam.

É preciso cercar-se de idéias. Novas e, se possíveis, brilhantes. Mas se não as forem, não tem problema; nenhuma idéia será rejeitada por falta de brilho. Basta um apuro na graduação da chama e, logo logo, acertaremos o ponto da luminescência.

É preciso acreditar no futuro. Quem vive o presente, retido tão somente ao passado, esquece que viver incide em ser ágil, atual e super ativo.

É preciso sempre correr riscos. Marinheiro que aprende as técnicas do navegar e não sai do porto, não pode falar dos tombos do navio.

É preciso confiar em todos. Ainda que se desconfie de alguém ou de alguma coisa, necessário é mudar a estratégia do pensar, pois a semeadura do bem estabelece um contato direto com a colheita da paz.

É preciso, finalmente, mostrar-se generoso. Com tudo e com todos. Quem só vê o negativo nas coisas e pessoas, acaba se esquecendo que faz parte do conjunto de coisas e pessoas de que é feito o mundo material. E que a vida da matéria, apenas está em trânsito para a felicidade suprema do ser.

leia tudo sobre

Publicidade

O FIM DE MUNDO E A CAIXA DE PANDORA

Por Nonato Albuquerque em Pensamento

06 de Abril de 2012

Num mundo contaminado pela esperteza dos gananciosos e a dissoluta epidemia da violência, tem-se a impressão que a maioria da sociedade perdeu a noção do senso e bandeou-se para os escaninhos do mal.

Multiplicam-se os crimes de toda ordem. Fragiliza-se a confiança nas instituições mais sérias. O cidadão comum sente-se ameaçado sem a devida proteção e segurança, direitos que a própria constituição lhe estabelece e, surpreendentemente, os que deviam ser padrões de comportamento e moralidade agem em completo desacordo com a lei.

O que realmente está acontecendo com a humanidade? Que  tempo é esse, que promove tanta desídia e deixa todos atônitos diante da facilidade com que muitos se aliam ao erro, contrapondo-se ao desiderato de que fomos criados à semelhança de Deus e nos destinamos às estrelas?

As discussões em busca de respostas vão desde o problema da impunidade, passando pela desagregação familiar, até à mudança de gradação do nível de inteligência dos indivíduos que jornadeiam na Terra a atual experiência humana.

De tempos em tempos, o Planeta recebe uma legião de criaturas destinadas a projetarem – e se projetarem – em favor do progresso social. Na Idade Média, a contrapor-se com o obscurantismo da época, uma leva de gênios aportou na dimensão terrena e promoveu o desenvolvimento de todas as artes pelo Renascimento.

Mais recentemente, após períodos de visível selvageria traçados pelas guerras mundiais, o mundo despertou para as descobertas da Tecnologia como a Internet e seus conseqüentes benefícios.

Mas em meio a esses avanços surge, no final do milênio, uma geração completamente dissociada de todo sentido ético e da prática do bem. Entregam-se ao vício com uma facilidade inimaginável. E ficam dependentes delas.

Alguns líderes espirituais como Divaldo Franco, do movimento espírita brasileiro, dizem que estamos no limiar da grande transição em que o Planeta passará de mundo de provas e expiações para um novo modelo onde o mal, gradativamente, irá desaparecer.  Benza Deus!

Entre os esotéricos e seguidores do budismo, há interpretações de que tudo isso é parte de um programa ascensional da engenharia sideral para que se cumpra etapas de evolução terrena. Assim pensa a monja Coen Sensei, com quem conversamos recentemente. Seria, numa visão cristã, o cumprimento das promessas citadas no livro Apocalipse.

Fora dessa seara, discute-se o papel da Justiça. O que ela  faz, neste momento, em favor da recuperação daqueles que cometem delitos e são lançados dentro de um sistema penitenciário que não oferece nenhuma resposta convincente de recuperação. O sistema faliu.

Basta ver que o número de presos triplicou nos últimos 16 anos. Hoje, de cada  262 brasileiros adultos , um está na cadeia. Em 1995 a proporção era de um prisioneiro para cada 627 adultos. Temos a terceira maior taxa de presos entre os 10 países mais populosos.  98 por cento desses presos são oriundos de famílias pobres. E a maioria jovens.

Qual é a saída para evitar que a situação se agrave ainda mais? O projeto de recuperação passa por uma reavalição crítica da própria Nação. Compete elegermos homens vocacionados ao que é certo. Alterar a postura de vida de todos nós. Sermos exemplos. Evitarmos à associação com atitudes que geram vícios e tormentos. Buscar reiteradamente a prática do bem. Educar as novas gerações a não serem individualistas, escravas do consumo e buscar incrementar idéias plurais, para que não insistamos em denegrir o meio ambiente, desvalorizando as pessoas à custa da arrogância, do fanatismo religioso e dos preconceitos de toda ordem.

Esse é o princípio. O meio será dado por cada um que se dispuser a engrossar essa campanha para a sobrevivência do próprio Planeta. Se cada um de nós cumprir com a sua parte, evitar-se-á o indesejável fim. Evidentemente que, na caixa de Pandora da humanidade, a Esperança floresce.

leia tudo sobre

Publicidade

O FIM DE MUNDO E A CAIXA DE PANDORA

Por Nonato Albuquerque em Pensamento

06 de Abril de 2012

Num mundo contaminado pela esperteza dos gananciosos e a dissoluta epidemia da violência, tem-se a impressão que a maioria da sociedade perdeu a noção do senso e bandeou-se para os escaninhos do mal.

Multiplicam-se os crimes de toda ordem. Fragiliza-se a confiança nas instituições mais sérias. O cidadão comum sente-se ameaçado sem a devida proteção e segurança, direitos que a própria constituição lhe estabelece e, surpreendentemente, os que deviam ser padrões de comportamento e moralidade agem em completo desacordo com a lei.

O que realmente está acontecendo com a humanidade? Que  tempo é esse, que promove tanta desídia e deixa todos atônitos diante da facilidade com que muitos se aliam ao erro, contrapondo-se ao desiderato de que fomos criados à semelhança de Deus e nos destinamos às estrelas?

As discussões em busca de respostas vão desde o problema da impunidade, passando pela desagregação familiar, até à mudança de gradação do nível de inteligência dos indivíduos que jornadeiam na Terra a atual experiência humana.

De tempos em tempos, o Planeta recebe uma legião de criaturas destinadas a projetarem – e se projetarem – em favor do progresso social. Na Idade Média, a contrapor-se com o obscurantismo da época, uma leva de gênios aportou na dimensão terrena e promoveu o desenvolvimento de todas as artes pelo Renascimento.

Mais recentemente, após períodos de visível selvageria traçados pelas guerras mundiais, o mundo despertou para as descobertas da Tecnologia como a Internet e seus conseqüentes benefícios.

Mas em meio a esses avanços surge, no final do milênio, uma geração completamente dissociada de todo sentido ético e da prática do bem. Entregam-se ao vício com uma facilidade inimaginável. E ficam dependentes delas.

Alguns líderes espirituais como Divaldo Franco, do movimento espírita brasileiro, dizem que estamos no limiar da grande transição em que o Planeta passará de mundo de provas e expiações para um novo modelo onde o mal, gradativamente, irá desaparecer.  Benza Deus!

Entre os esotéricos e seguidores do budismo, há interpretações de que tudo isso é parte de um programa ascensional da engenharia sideral para que se cumpra etapas de evolução terrena. Assim pensa a monja Coen Sensei, com quem conversamos recentemente. Seria, numa visão cristã, o cumprimento das promessas citadas no livro Apocalipse.

Fora dessa seara, discute-se o papel da Justiça. O que ela  faz, neste momento, em favor da recuperação daqueles que cometem delitos e são lançados dentro de um sistema penitenciário que não oferece nenhuma resposta convincente de recuperação. O sistema faliu.

Basta ver que o número de presos triplicou nos últimos 16 anos. Hoje, de cada  262 brasileiros adultos , um está na cadeia. Em 1995 a proporção era de um prisioneiro para cada 627 adultos. Temos a terceira maior taxa de presos entre os 10 países mais populosos.  98 por cento desses presos são oriundos de famílias pobres. E a maioria jovens.

Qual é a saída para evitar que a situação se agrave ainda mais? O projeto de recuperação passa por uma reavalição crítica da própria Nação. Compete elegermos homens vocacionados ao que é certo. Alterar a postura de vida de todos nós. Sermos exemplos. Evitarmos à associação com atitudes que geram vícios e tormentos. Buscar reiteradamente a prática do bem. Educar as novas gerações a não serem individualistas, escravas do consumo e buscar incrementar idéias plurais, para que não insistamos em denegrir o meio ambiente, desvalorizando as pessoas à custa da arrogância, do fanatismo religioso e dos preconceitos de toda ordem.

Esse é o princípio. O meio será dado por cada um que se dispuser a engrossar essa campanha para a sobrevivência do próprio Planeta. Se cada um de nós cumprir com a sua parte, evitar-se-á o indesejável fim. Evidentemente que, na caixa de Pandora da humanidade, a Esperança floresce.