LIVROS. A LEITURA TRANSFORMADORA DE CORTELLA - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

LIVROS. A LEITURA TRANSFORMADORA DE CORTELLA

Por Nonato Albuquerque em LITERATURA

21 de outubro de 2012

Devo muito a Mário Sérgio Cortella – ou ao texto de seu livro ‘Não Espere Pelo Epitáfio” – que me disciplinou a tomar a decisão de me apartar da empresa onde trabalhei por mais de 30 anos. Pinço alguns tópicos que poderão servir de estímulo a quem tem dúvidas sobre roteirizar o seu caminho na Vida.

“Há uma frase que é sempre proferida – quase beirando um chavão – quando em determinadas circunstâncias deseja-se cobrar de alguém uma postura direta, uma posição explícita ou, até, uma atitude clara: Deus vomitará os mornos. Essa ameaça vale também quando se quer amedrontar aqueles ou aquelas que seguem pela vida afora sem nunca aproximar-se minimamente dos extremos, ficando sempre no ansiado ou proclamando como seguro “caminho do meio”, evitando-se assim qualquer risco de transbordamento ou ruptura da prudencia.

Deus vomitará os mornos! Está lá no Apocalipse (último livro da Biblia dos cristãos), capítulo 3, versículos 15 e 16: “Conheço tuas obras: não és frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas porque és morno, nem frio nem quente, estou para vomitar-te da minha boca”

[…] Para não ser morno, é preciso ser radical. Cuidado! Em nosso vocabulário usual é feita uma oportunista confusão entre radical e sectário. Radical é aquele – como lembra a origem etmilógica – que se firma nas raízes, isto é, que não tem convicções superficiais, meramente epidérmicas; radical é alguém que procura solidez nas posturas e decisões tomadas, não repousando na indefinição dissimulada ou nas certezas medíocres. Por sua vez, o sectário é que parcial , intransigente, faccioso, ou seja, aquele que não é capaz de romper com seus próprios contornos e dirigir o olhar para outras possibilidades.

É preciso ter limites; mas estará o limite exatamente no meio? “

Texto: Não espere pelo epitáfio
Provocações Filosóficas
Autor Mário Sérgio Cortella
Editora Vozes

Publicidade aqui

leia tudo sobre

LIVROS. A LEITURA TRANSFORMADORA DE CORTELLA

Por Nonato Albuquerque em LITERATURA

21 de outubro de 2012

Devo muito a Mário Sérgio Cortella – ou ao texto de seu livro ‘Não Espere Pelo Epitáfio” – que me disciplinou a tomar a decisão de me apartar da empresa onde trabalhei por mais de 30 anos. Pinço alguns tópicos que poderão servir de estímulo a quem tem dúvidas sobre roteirizar o seu caminho na Vida.

“Há uma frase que é sempre proferida – quase beirando um chavão – quando em determinadas circunstâncias deseja-se cobrar de alguém uma postura direta, uma posição explícita ou, até, uma atitude clara: Deus vomitará os mornos. Essa ameaça vale também quando se quer amedrontar aqueles ou aquelas que seguem pela vida afora sem nunca aproximar-se minimamente dos extremos, ficando sempre no ansiado ou proclamando como seguro “caminho do meio”, evitando-se assim qualquer risco de transbordamento ou ruptura da prudencia.

Deus vomitará os mornos! Está lá no Apocalipse (último livro da Biblia dos cristãos), capítulo 3, versículos 15 e 16: “Conheço tuas obras: não és frio, nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas porque és morno, nem frio nem quente, estou para vomitar-te da minha boca”

[…] Para não ser morno, é preciso ser radical. Cuidado! Em nosso vocabulário usual é feita uma oportunista confusão entre radical e sectário. Radical é aquele – como lembra a origem etmilógica – que se firma nas raízes, isto é, que não tem convicções superficiais, meramente epidérmicas; radical é alguém que procura solidez nas posturas e decisões tomadas, não repousando na indefinição dissimulada ou nas certezas medíocres. Por sua vez, o sectário é que parcial , intransigente, faccioso, ou seja, aquele que não é capaz de romper com seus próprios contornos e dirigir o olhar para outras possibilidades.

É preciso ter limites; mas estará o limite exatamente no meio? “

Texto: Não espere pelo epitáfio
Provocações Filosóficas
Autor Mário Sérgio Cortella
Editora Vozes