Palavra dada, palavra empenhada - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Palavra dada, palavra empenhada

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

06 de agosto de 2018

As convenções partidiárias, cujo prazo de realização terminou ontem, foram o pontapé da campanha de 2018. Já já, no rádio, na tv e nas ruas, a voz dos catadores de votos vai apregoar em nossos ouvidos já tão calejados, as promessas de um tempo melhor. É sempre assim, desde que se criou a importância do voto.

Eles vão prometer mundos e fundos, como se dizia no passado – mesmo que, depois de eleitos, retomem a velha rotina de esquecer o que foi prometido enquanto ganhavam a confiança do eleitor.

Este ano, um ponto será proclamado como de maior referência: o da área da segurança. A exemplo das eleições anteriores.
Em meio a tempestuosa onda de violência em que nos encontramos, eu dou um doce se não vai aparecer promessa de tornar Fortaleza, a cidade mais segura do mundo. Queira Deus, que o milagre aconteça.

Mas é bom ficar atento. O eleitor já anda tão calejado dessa lenga lenga política, onde adversários fazem coligações superficiais com seus inimigos, só para garantir a sua vidinha confortável durante mais quatro anos.

É hora de colocar as barbas de molho e renovar os votos de que, nessa campanha, a mentira, a falsidade e a posterior desonestidade não façam plantão nos palanques onde deveria reinar o antigo ditado: palavra dada, palavra empenhada.

Publicidade

leia tudo sobre

Palavra dada, palavra empenhada

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

06 de agosto de 2018

As convenções partidiárias, cujo prazo de realização terminou ontem, foram o pontapé da campanha de 2018. Já já, no rádio, na tv e nas ruas, a voz dos catadores de votos vai apregoar em nossos ouvidos já tão calejados, as promessas de um tempo melhor. É sempre assim, desde que se criou a importância do voto.

Eles vão prometer mundos e fundos, como se dizia no passado – mesmo que, depois de eleitos, retomem a velha rotina de esquecer o que foi prometido enquanto ganhavam a confiança do eleitor.

Este ano, um ponto será proclamado como de maior referência: o da área da segurança. A exemplo das eleições anteriores.
Em meio a tempestuosa onda de violência em que nos encontramos, eu dou um doce se não vai aparecer promessa de tornar Fortaleza, a cidade mais segura do mundo. Queira Deus, que o milagre aconteça.

Mas é bom ficar atento. O eleitor já anda tão calejado dessa lenga lenga política, onde adversários fazem coligações superficiais com seus inimigos, só para garantir a sua vidinha confortável durante mais quatro anos.

É hora de colocar as barbas de molho e renovar os votos de que, nessa campanha, a mentira, a falsidade e a posterior desonestidade não façam plantão nos palanques onde deveria reinar o antigo ditado: palavra dada, palavra empenhada.