9 de agosto de 2018 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

9 de agosto de 2018

A indigesta lista de matadores e mortos

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

09 de agosto de 2018

Pra não dizer que não falei de flores, temos boas notícias em relação à Segurança. O número de homicídios em julho foi menor em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 378 contra 474 em julho de 2017. Evidente que não é o caso de soltar foguetes, nem de se festejar, quando se sabe que, nos primeiros sete meses de 2018, o Ceará registrou 2.758 assassinatos – números que nem a guerra do Iraque, hoje em dia, consegue ranquear.
Mas, em meio a tanta notícia de crimes, uma reduçãozinha que se faça na selvageria desses números, importa. Principalmente se lembrarmos que houve redução dos crimes de roubo a pessoa, roubo de carga, a residência, de veículo e a banco, e nos furtos.

Claro que ainda falta muito para chegarmos a meta desejável. Ninguém aqui é louco de pensar que o Ceará vá zerar a criminalidade. Ela faz parte da individualidade humana, que precisa ser trabalhada. E desse processo, entra Educação e prevenção. O indivíduo educado para o bem consegue se distanciar das tentações de querer TER, o que não lhe pertence. De agir fora da lei. E de fugir às regras de boa convivência que orientam o homem a buscar felicidade. E não ser um número nessa indigesta lista de matadores e mortos.

leia tudo sobre

Publicidade

A indigesta lista de matadores e mortos

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

09 de agosto de 2018

Pra não dizer que não falei de flores, temos boas notícias em relação à Segurança. O número de homicídios em julho foi menor em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 378 contra 474 em julho de 2017. Evidente que não é o caso de soltar foguetes, nem de se festejar, quando se sabe que, nos primeiros sete meses de 2018, o Ceará registrou 2.758 assassinatos – números que nem a guerra do Iraque, hoje em dia, consegue ranquear.
Mas, em meio a tanta notícia de crimes, uma reduçãozinha que se faça na selvageria desses números, importa. Principalmente se lembrarmos que houve redução dos crimes de roubo a pessoa, roubo de carga, a residência, de veículo e a banco, e nos furtos.

Claro que ainda falta muito para chegarmos a meta desejável. Ninguém aqui é louco de pensar que o Ceará vá zerar a criminalidade. Ela faz parte da individualidade humana, que precisa ser trabalhada. E desse processo, entra Educação e prevenção. O indivíduo educado para o bem consegue se distanciar das tentações de querer TER, o que não lhe pertence. De agir fora da lei. E de fugir às regras de boa convivência que orientam o homem a buscar felicidade. E não ser um número nessa indigesta lista de matadores e mortos.