7 de agosto de 2018 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

7 de agosto de 2018

Como nos tempos dos ‘rabos-de-burro’ da Parangaba

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, SEGURANÇA

07 de agosto de 2018

Nos últimos tempos, a violência urbana tomou um impulso tão grande, que a maioria dos noticiosos das tvs – e não falo de programas policiais, mas dos grandes jornais -, passa a maior parte do tempo só com matérias da violência. O aumento da criminalidade fez com que os telejornais do se tornassem uma espécie de ‘barra pesada do horário nobre”, com tantos registros violentos. Claro, a criminalidade aumentou. Em contrapartida, o potencial repressivo que se esperava para conter isso, parece ter encalacrado no tempo. Como se não tivesse avançado. Como se estivessemos combatendo criminosos nos tempos dos rabos-de-burro da Parangaba – como foi o famoso Ivan Paiva.

E aí dá pra se pensar: essa disparidade para enfrentar a bandidagem, seria falta de estrutura, planejamento? Não, porque o que o governo cearense gasta com equipamento, aumento do efetivo e uso de modernas tecnologias, é bem considerável. Então, por que tanto roubo, tanto furto, tanto assalto, tanta morte?

A resposta está na linha inversa do que se pensa e pratica em nossos dias. Os maiores especialistas em criminologia têm alertado de que a repressão não é suficiente; é preciso prevenir. Prevenção é tudo.

Projetos que envolvam jovens e os afastem da possibilidade serem cooptados pelo tráfico. A bandidagem cresceu sim – e é terrível dizer isso -, porque o crime organizado consegue atrair mais adeptos para as suas hostes. do que o governo com seus projetos sociais. Sem ver futuro na vida, o jovem desinformado cai facilmente na tentação de lucrar mais rápido com as ofertas do mercado do tráfico. Ainda que criminoso e arriscado.

leia tudo sobre

Publicidade

Como nos tempos dos ‘rabos-de-burro’ da Parangaba

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, SEGURANÇA

07 de agosto de 2018

Nos últimos tempos, a violência urbana tomou um impulso tão grande, que a maioria dos noticiosos das tvs – e não falo de programas policiais, mas dos grandes jornais -, passa a maior parte do tempo só com matérias da violência. O aumento da criminalidade fez com que os telejornais do se tornassem uma espécie de ‘barra pesada do horário nobre”, com tantos registros violentos. Claro, a criminalidade aumentou. Em contrapartida, o potencial repressivo que se esperava para conter isso, parece ter encalacrado no tempo. Como se não tivesse avançado. Como se estivessemos combatendo criminosos nos tempos dos rabos-de-burro da Parangaba – como foi o famoso Ivan Paiva.

E aí dá pra se pensar: essa disparidade para enfrentar a bandidagem, seria falta de estrutura, planejamento? Não, porque o que o governo cearense gasta com equipamento, aumento do efetivo e uso de modernas tecnologias, é bem considerável. Então, por que tanto roubo, tanto furto, tanto assalto, tanta morte?

A resposta está na linha inversa do que se pensa e pratica em nossos dias. Os maiores especialistas em criminologia têm alertado de que a repressão não é suficiente; é preciso prevenir. Prevenção é tudo.

Projetos que envolvam jovens e os afastem da possibilidade serem cooptados pelo tráfico. A bandidagem cresceu sim – e é terrível dizer isso -, porque o crime organizado consegue atrair mais adeptos para as suas hostes. do que o governo com seus projetos sociais. Sem ver futuro na vida, o jovem desinformado cai facilmente na tentação de lucrar mais rápido com as ofertas do mercado do tráfico. Ainda que criminoso e arriscado.