Maio 2014 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Maio 2014

Sequestro feito por cearenses para Cuba vai virar filme

Por Nonato Albuquerque em CINEMA, POLÍTICA

31 de Maio de 2014

O sequestro de um avião da Varig para Cuba, feito por dois cearenses moradores do Conjunto Ceará, completou recentemente 30 anos. O desvio do Boeing Airbus da Varig-Cruzeiro, prefixo PP-CLB, ganhou manchetes internacionais, virou documentário dirigido por Bené Saboia e, atualmente, está em vias de virar um longa metragem.

fernando

João Luiz de Araújo e Fernando Antonio Santiago (foto ao lado) promoveram o seqüestro no dia 3 de fevereiro de 1984. Eles embarcaram em Fortaleza, num voo que seguia para Manaus. Depois da escala em São Luiz obrigaram o comandante a desviar o avião para Cuba.

O voo contava com 158 passageiros que tiveram que descer em Paramaribo, capital do Suriname, após uma série de negociações dos seqüestradores com a Embaixada do Brasil naquele país. De lá, a aeronave foi levada para a ilha de Fidel Castro.

O avião pousou em Camaguey, enquanto a pista foi tomada por militares que levaram os cearenses para um interrogatório. Tanto João quanto Fernando contam que foram interrogados durante três dias pela polícia cubana, interessada mais em conhecer pormenores do processo de reabertura democrática que estava sendo anunciada pelo governo da ditadura. João Figueiredo estava no poder.

“A nossa ação naquela época pode ter surpreendido a muitas pessoas” conta João Luiz no documentário, desfazendo a idéia de que se tratavam de jovens sem nenhuma vinculação com os movimentos de esquerda. No Brasil, chegou-se a comentar que se tratava de um episódio completamente fora do contexto.

Até o escritor Fernando Morais, cujo “A Ilha”, teria sido o inspirador da dupla para a ação terrorista, surpreendeu-se na época.  “Essa é uma história completamente espantosa. Jamais poderia passar pela minha cabeça, no dia que sentei à máquina para escrever esse livro, que três garotos fossem sair de Fortaleza, entrar num avião, tocar um revólver na cabeça e dizer ao comandante: toca pra Cuba”, contou Fernando Morais.

joãoluiz1Na verdade, o sequestro envolveu uma outra figura, Raimunda Santiago, esposa de Fernando na época, que se juntou aos dois interessada em viver a realidade que se propagava de Cuba naquela ocasião.

Atualmente João Luiz, que se formou em Psicologia em Cuba,  atende a população carente numa unidade do Capes, em Ipueiras, no interior cearense. Já Fernando mora em Minas Gerais. Raimunda, separada de Fernando, pediu para que seu nome fosse esquecido desse episódio.

O cineasta Bené Sabóia, no entanto, quer aprofundar mais aina essa história. Eem conversa conosco disse estar concluindo o roteiro do longa “Último Pau de Arara”, mesmo título do documentário realizado em 2001.

Desde que foi lançado, o trabalho ganhou vários prêmios entre os quais o do  Ceará de Cinema e Vídeo, se Secult: o do Festival Guanicê do Maranhão, em 2002 e o de Camboriú, em Santa Catarina.

leia tudo sobre

Publicidade

O cometa que vai reinar quando setembro vier

Por Nonato Albuquerque em ASTRONOMIA

31 de Maio de 2014

cometa

Quem é estudioso ou admirador de Astronomia vai ter entre agosto e setembro um espetáculo para admirar nos céus. Trata-se do cometa C/2012 Panstarrs K1, que por volta de 27 de agosto e dias posteriores se fará visível à luz do Sol, reaparecendo no início de setembro quando poderá ser visto nas madrugadas.

Ele será visto a uma magnitude mínima para o olho humano, por trás da linha do Equador celeste alcançando um brilho maior entre 19 de setembro e 23 de outubro

FONTE: Wikipedia

leia tudo sobre

Publicidade

O direito de protestar e a infiltração de baderneiros

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

23 de Maio de 2014

As cenas de barbárie voltaram. Como se fosse pouco, conviver com obras inacabadas, o caos do trânsito, o sistema de saúde defasado, a violência incontrolável – voltam à cena das ruas, os vândalos. Em meio a manifestações em favor de conquistas trabalhistas e estudantis, uma horda de baderneiros se infiltra nos movimentos e provoca o pânico. Carros têm os vidros estilhaçados; pedras são lançadas contra os ônibus, passageiros ficam ilhados nos terminais; lojas do comércio atacadas.

As manifestações que fizeram a história do Partido dos Trabalhadores na luta contra o regime de excessão e que credenciaram seus líderes a ocupar hoje em dia os postos de destaque na política, hoje em dia se traduzem em ações contra o povo. A greve dos ônibus em São Paulo dificulta a vida do povo que trabalha. Os atos contra a Copa, ao assumirem o tortuoso caminho do vandalismo, dão margem a que o povo fique contra os manifestantes.

Os protestos, que na Copa das Confederações significaram um sinal de que o gigante despertara, ao transpor a linha dos excessos e da baderna, hoje são reprovados pela maioria da população que os apoiou no início. O direito de protestar contra um sistema que impõe respeito apenas às ordens da FIFA, esquecendo de atender às demandas do povo, está se esmiliguindo em meio a essa horda de selvagens que se mistura aos bem intencionados nas ruas.

Diante dessa realidade, onde os vândalos conseguem sobrepor-se ao direito de protestar pacificamente, o Poder só responde com a repressão policial. Não existe diálogo, quando uma das partes cobra direitos mas esquecem também a obrigatoriedade dos deveres. É preciso repensar sobre isso. Para que o ato de reivindicar não perca a sua validade.

leia tudo sobre

Publicidade

Uma epidemia chamada violência

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, COMPORTAMENTO, SEGURANÇA

22 de Maio de 2014

A violência em Fortaleza tem conotações epidêmicas. Já passou dos limites. Está fora de controle. E uma coisa salta aos olhos: na escalada da violência, até parece que os criminosos trabalham em comum acordo.

Tem época em que eles atacam bancos. E haja a detonarem caixas eletrônicos; despedaçarem agências no interior, levar pânico à população. Noutras vezes, a violência atinge policiais, como esses casos de Fortaleza. É a própria força de segurança do estado que é vitimizada, como a sentir na pele o drama que todo cidadão convive. A violência é como erva daninha: cresce e se alastra com uma facilidade enorme, porque encontra terreno fácil naqueles indivíduos sem respeito aos princípios mais simples de convivência social.

E a violência dos nossos dias não se restringe à questões sócio-econômicas – não é a miséria que a movimenta e a faz multiplicar-se. É a alma doentia de uma geração contaminada pelo ter, que estabelece o seu desgoverno. Para controlá-la, não basta apenas o recurso da força policial; mas o empenho dos governantes em dinamizar o ensino, a educação. ampliar os investimentos nessa área.

É preciso, também, que a base familiar exija um maior controle sobre os filhos, imponha rédeas curtas a essa corrida desenfreada de seus pares. Está na família, um ponto bastante sensível para ser trabalhado hoje, a fim de evitarmos que as crianças de hoje possam se tornar adultos indesejáveis amanhã. Se não se planejar isso, que legado ético iremos deixar para os que virão depois?

leia tudo sobre

Publicidade

Instituto espanhol coloca Fortaleza como a pior cidade brasileira em qualidade de vida

Por Nonato Albuquerque em ATUALIDADE, COMPORTAMENTO

19 de Maio de 2014

Assim como em relação às pessoas, as cidades parecem viver também uma espécie de ‘inferno astral’. Que o diga Fortaleza, que nos últimos meses tem aparecido em posições nada satisfatórias em relatórios de instituições internacionais.

Agora, uma pesquisa da IESE-Escola de Administração e Negócios da Espanha, relaciona as cidades brasileiras entre as piores do mundo quando avalia as chamadas “smartest cities” (cidades mais inteligentes) – levando em consideração níveis de inovação, sustentabilidade e qualidade de vida.

São Paulo foi considerada a 94º melhor cidade na avaliação, aparecendo como a mais bem colocada entre as brasileiras. Além da capital paulista, aparecem outras oito cidades brasileiras na lista: Curitiba (97º), Rio de Janeiro (116º), Salvador (127º), Porto Alegre (128º), Belo Horizonte (129º), Brasília (131º), Recife (132º) e Fortaleza (133º).

Fortaleza foi considerada a pior, ficando à frente apenas de Santo Domingo, na República Dominicana (135º) e Sarajevo, na Bósnia (134º).

Veja a lista completa;

 

leia tudo sobre

Publicidade

Mais uma teoria sobre a morte de Marilyn Monroe

Por Nonato Albuquerque em Livro, MORTES

17 de Maio de 2014

O site La Informacion, publica hoje mais uma teoria conspiratória sobre a morte de Marilyn Monroe. A loura mais emblemática de Hollywood, convertida em ícone a 5  de agosto de 1962 quando uma overdose de barbitúricos paralisou seu coração, ganha mais um livro a aderir a espiral especulativa. Trata-se de “O assassinato de Marilyn Monroe – caso encerrado”.

No livro, os jornalistas Jay Margolis e Richard Buskin garantem  que o senador Robert ‘Bobby’ Kennedy, irmão de JFK, ordenou a morte da atriz depois de terminar seu romance com ela.

Se das vezes anteriores, falava-se apenas num romance secreto com o presidente norte-americano, Buskin e Margolis sustentam no livro que tanto Kennedy-presidente quanto o senador se relacionavam com ela secretam ente.

Para silenciar Marilyn, Robert Kennedy contou com a cumplicidade do psiquiatra de Monroe, o doutor Ralph Greenson, além de seu cunhado, o ator Peter Lawford. Por sinal, Lawford foi o primeiro a confirmar que a diva havia mantido o romance proibido com os dois. “Eles a trataram como uma pelota”, disse Lawford em entrevista anos depois que Monroe foi encontrada desnuda e morta na casa em Brentwood, California.

A teoria que os jornalistas defendem no livro é que a atriz depois de terminada a relação ameaçou revelar tudo a dois influentes membros da poderosa família Kennedy, algo que não podiam permitir. “Bobby estava determinado a calá-la, independentemente das consequências”, disse Lawford .

Mas Bobby Kennedy não foi o executor do assassinato. Para isso, teria se valido da ajuda do psiquiatra da atriz. O livro também inclui testemunho de James C. Hall, assistente da ambulância que chegou à casa e disse ter visto o psiquiatra injetar uma dose letal de pentobarbital não diluído, o que teria causado a morte.

Na literatura espírita, há um livro psicografado por Chico Xavier, cujo autor espiritual Humberto de Campos, narra encontro no além com o espírito que encarnou na terra a atriz famosa. Em uma entrevista, Marilyn fizera questão de afirmar que não se suicidara, como tantos supõem, embora não avançasse sobre alguma dessas teorias que têm gerado dezenas de livros, alguns filmes e documentários.

Pelo visto, este não é um “caso encerrado” como pretendem os jornalistas.

leia tudo sobre

Publicidade

Memória: mistura de álcool na gasolina é antiga

Por Nonato Albuquerque em MEMÓRIA

14 de Maio de 2014

A partir de quando mesmo o Brasil passou a fazer misturar o etanol na gasolina? Anos 70 do século passado, mais ou menos. Mas essa já era uma ideia aventada em 1933, segundo relato da época feito pela revista Modern mechanix.

med_ethanol_originA matéria diz que “por razões de ordem econômica e técnica, uma mistura de álcool e gasolina como combustível de automóveis está sendo recomendada.

[…] O uso do combustível por motoristas que consomem 680 milhões de alqueires de milho por ano, reduzindo o excedente de safra, é recomendado. A gasolina seria diluída com 10 por cento de álcool. Alega-se que os resultados em termos de custo do combustível serão consideravelmente menor.”

leia tudo sobre

Publicidade

Saudades do futuro

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

12 de Maio de 2014

Alguém me falou que o mundo anda meio perturbado. Meio é força de expressão porque, na verdade, anda é doido mesmo. O mundo não; algumas pessoas. Como se uma onda maléfica soprasse de onde não sei onde e, por onde se alastrasse, varresse o senso das pessoas; roubasse a razão e elas começassem a agir de forma criminosa. Então, como explicar a maldade disseminada por alguém que, por motivo nenhum, tirasse a vida das pessoas, enterrasse os corpos e, ao ser preso, reagisse com a frieza mais desnorteante possível? O que pensar de um casal no Rio, que tirou a vida de uma jovem manicure só porque ela apanhou alguns biscoitos?

A violência passou da conta, se é que existe limites para ela. Por isso, até os cordelistas já andam deixando de lado o romantismo da poesia para falar da Nação apavorada com medo desse estigma que nos deixa atônitos.

Diz o poeta Guaipuan Vieira: “A questão da violência / é demais preocupante. São roubos e homicídios / que acontecem a todo instante / e esta triste realidade / perdeu feio, é incessante. // A grande periferia / é a classe mais afetada / e o jovem sem incentivo / pra ter vida bem formada / sendo fraco, vê no crime / a porta de sua estrada. /// Contudo a distribuição / de renda mal dividida / é uma base dessa causa / por não deixar ter saída/ àquela gente que é pobre / quem luta por nova vida. /// Vivemos acorrentados / pior do que no passado / no reino da ditadura que tudo foi censurado. Porém livre, a gente andava, sem bandidagem de lado”.

Na verdade, ninguém de bom senso quer de volta aqueles dias de chumbo dos ditadores; todos, sentimos uma enorme saudade é do futuro que a gente imaginava e que os dias presentes nos roubaram.

leia tudo sobre

Publicidade

Pedido de milagre ao santo João Paulo II

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

05 de Maio de 2014

O drama de quem precisa fazer a travessia das rodovias federais é contínuo. Todo santo dia tem-se notícia de acidentes nessas áreas. E, por mais que se reclame, implore, reivindique, proteste com queima de pneus, interrupção do tráfego etc e tal – mesmo assim, a situação não muda.

passarela1Tomemos como exemplo o caso da BR-116. A chamada rodovia Santos Dumont, que liga Fortaleza a estados do sudeste, tem ao longo dos onze primeiros quilômetros apenas duas passarelas fixas para ajudar o povo a cruzar de um lado para outro. Uma fica na Aerolândia; a outra em frente ao colégio Paulo Airton. Elas foram construídas no início da década de 80, para atender a visita do Papa João Paulo II.

Na época chegou-se a divulgar que o dinheiro para as obras teria sido desviado por uma quadrilha que se estabeleceu no DNIT. Não me pergunte no que deu, que não saberia dizer.

Mais recentemente, improvisaram duas outras passarelas, uma em frente à comunidade Che Guevara, em frente ao Serviço de Verificação de Óbito. Apesar de reclamada, poucos a utilizam preferindo correr o risco de disputar passagem na pista com os carros.

Pois agora, o repórter da TV Jangadeiro, Nilson Bezerra, descobre os pilares de uma antiga passarela que devia ter sido construída para atender à visita do papa e que nunca foi concluída. A esperança é que, agora que subiu aos altares, alguém reze ao santo papa João Paulo II para ver se ele opera o milagre que o DNIT, simplesmente, não conseguiu da conta.

leia tudo sobre

Publicidade

A pena de talião e a sentença de Jesus

Por Nonato Albuquerque em LITERATURA, POESIA

03 de Maio de 2014

No dia em que trouxeram à sua presença
a mulher adúltera, flagrada em pecado,
o mestre Jesus, pelos escribas instigado,
detém-se a fazer valer ágil, sua sentença. 
 
– Qual seria a punição, segundo sua crença,
se de Moisés, o talião era o fiel legado?
Jesus escreve na areia, compenetrado,
Cada falha de quem incita essa querença
 
Ante o silêncio do Messias, a turba dividida
Quer ouvir a resposta, saber qual a saída
O mestre de Israel dará ao caso relatado.
 
Jesus para a lista, que cada vez se medra,
E diz aos fariseus “atire a primeira pedra
Aquele que se achar no mundo sem pecado”. 
 
(Nonato Albuquerque)

leia tudo sobre

Publicidade

A pena de talião e a sentença de Jesus

Por Nonato Albuquerque em LITERATURA, POESIA

03 de Maio de 2014

No dia em que trouxeram à sua presença
a mulher adúltera, flagrada em pecado,
o mestre Jesus, pelos escribas instigado,
detém-se a fazer valer ágil, sua sentença. 
 
– Qual seria a punição, segundo sua crença,
se de Moisés, o talião era o fiel legado?
Jesus escreve na areia, compenetrado,
Cada falha de quem incita essa querença
 
Ante o silêncio do Messias, a turba dividida
Quer ouvir a resposta, saber qual a saída
O mestre de Israel dará ao caso relatado.
 
Jesus para a lista, que cada vez se medra,
E diz aos fariseus “atire a primeira pedra
Aquele que se achar no mundo sem pecado”. 
 
(Nonato Albuquerque)