Março 2014 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Março 2014

Coral da UFC homenageia Milton hoje no Dragão

Por Nonato Albuquerque em MUSICA

29 de Março de 2014

Uma manhã musical. É o que se pode dizer da ‘Primeira Edição’, a revista eletrônica da Tribuna Band News, FM 101,7, que hoje recebeu integrantes do Coral da UFC. Eles fazem show no fim de semana no Dragão e oito deles foram dar uma palhinha no estúdio.

Berg Menezes, Carolina Areal, Abna Eynes, Jéssica Poliana, Dejane Freire, Renan Rebouças, Giseuda Castro e Leonardo Rios interpretaram quatro das 19 músicas que compõem o repertório do show “Menino”, onde Milton Nascimento é celebrado pelo coral.

O coral, inclusive, está disponibilizando informações de como integrá-lo através do e-mail bergmenezes13@gmail.com

leia tudo sobre

Publicidade

Por Nonato Albuquerque em POESIA

29 de Março de 2014

poesia deste sábado

Anos passarão
e o mundo nunca guardará
a imagem de um Mozart envelhecido;
Ele nunca foi assim visto.
Poucos saberão
do rosto verdadeiro do Cristo
embora pintores tenham o retratado
e o dignificado em gravuras.
Quantas páginas
Beethoven rasgou para finalizar
a sua Quinta, já quase ensurdecido
e sem poder ouvi-la?
Nem as lágrimas
das viúvas de Valentino lavarão
a saudade dele que ainda é enorme
e nunca acabará.
O mundo é imenso,
mas o Tempo insiste em brincar
sempre de esconde-esconde e ocultar
personagens muitos.
Quem poderá dizer
com certeza, o que serei eu amanhã
se a visibilidade do que sou agora
vier a esvanecer-se hoje…

leia tudo sobre

Publicidade

Segurança em crise

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, SEGURANÇA

17 de Março de 2014

Vivemos uma crise na segurança pública. Motivada por fatores diversos. O inchaço das grandes cidades. A miserabilização social. O atendimento ao consumismo estimulado pelo governo. A perda de qualidade de setores de ensino e saude. O aumento da criminalidade. O uso indiscriminado das drogas. A organização dos grupos criminosos. O despreparo policial. A desimportância de muitos pela vida.

Em meio a isso, a evidência de que o Estado demorou muito a atender às necessidades do povo, no que diz respeito à prestação dos serviços  essenciais, como proteger o cidadão enquanto as quadrilhas mapeavam as áreas de ação e disputavam o controle das comunidades. Hoje, bandido diz e faz enquanto os moradores vivem submetidos à lei do silencio.

Perdemos de vista a tranquilidade e até em lugares sagrados, como as igrejas, foram levantados muros e grades de ferro como barricadas para se evitar a ação de bandidos. A chamada “loira desposada do sol” entrou para o rol das cidades inseguras e já é pauta de matéria especial de grande rede de tv que está monitorando as cidades mais violentas do mundo. Fortaleza, infelizmente, faz parte dessa lista.

Para fazer frente a isso tudo, o governo contemplou o Estado com melhorias de equipamento, injetando verbas na modernização de viaturas e outros equipamentos. Contudo, não consegue estancar a sangria enorme provocada pelas execuções, principalmente, de jovens. Das 772 pessoas assinadas nos dois pimeiros meses de 2014, 400 eram jovens na dade entre 15 e 29 anos. Isso representa 51 por cento das vítimas da violência que parece não acabar mais.

leia tudo sobre

Publicidade

TV sofre pressão das mídias sociais

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, TELEVISÃO

12 de Março de 2014

Foto: The Agency Post

O veículo televisão pode estar atravessando momento de transição. Empresas internacionais detectam a queda de audiência do público jovem, atraído pelos meios digitais que lhe oferecem maior interatividade. Isso pode significar uma mudança que tende a destinar a tevê a uma parcela de público mais amadurecido, lembrando até a fase que o rádio passou com a chegada de seu principal concorrente.
 
Análise feita por Carlos García Miranda, no site Bloguionistas, avalia que os adolescentes já não veem televisão como antigamente. Nem mesmo as séries produzidas especificamente para o público ‘teen’, parecem atrair a atenção deles como antigamente. Pode se considerar, também, a mudança da programação infanto-juvenil de emissoras que transferiram seus programas a canais temáticos.  
Os adolescentes saem da telinha a conta-gotas e já não dão aos canais as alegrias que deram no passado”, lembra o articulista.  Isso parece corresponder, também, a realidade brasileira. Mais e mais jovens estão focados em seus celulares, smartphones, notebooks e outros meios capazes de lhes transmitir as sensações da vida real com mais agilidade do que o mundo da ficção, enquanto se nota crescer a atenção pela ‘tv social’. O que é isso?
TV social é um termo cunhado recentemente para descrever as interações das mídias sociais durante a exibição de um programa de tevê. Quase todos os programas de tv remetem hoje o telespectador a opinar no twitter, no ‘what´s up’ e outros meios de interagir com o público. Ainda assim é o público adulto e de classes sociais intermediárias que tem correspondido a esse compartilhamento.
Pesquisa recente descobriu que 60 a 70 por cento dos adultos usam um segundo dispositivo ou “segunda tela”, como um telefone celular, laptop ou iPad enquanto assiste televisão.É a força das mídias sociais impondo regras.

leia tudo sobre

Publicidade

‘Seu’ Wanderley mudou de casa

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

08 de Março de 2014

A vida física perdeu hoje a figura do ‘seu’ Wanderley. Jornalista, cronista, poeta, espírita – ele era um bocado de coisas numa pessoa só. Que passava o dia no computador da redação da Jangadeiro, como se estivesse solitariamente. Ao seu lado, contudo, além dos companheiros de trabalho, invisíveis figuras transitavam por seu pensamento sensível de médium, para contar de um mundo que, embora real, ainda não comparece com a mesma intensidade da nossa vidinha terrena. Seu Wanderley mudou hoje de casa. Da Terra para a dimensão do espírito.
 
Em ocasiões muitas, ele me chamava para ler os textos que acabara de ‘receber’ e eu me encantava com linguagem de versos parnasianos de autores como Florbela Espanca, da liberdade descontraída de outros vates que, de longe (tão perto!) evidenciavam uma singular pressa em dizer que estavam  vivos. 
 
Muitos vão lembrar da figura do jornalista Wanderley Pereira; atuante, ligado ao equilíbrio do bom texto e a densidade do conteúdo. Mas eu prefiro aqui, deixar a outros que se faça isso, porque me interessa confidenciar aos meus leitores da impressionante visão que ele tinha do ‘mundo maior’, de onde burilava os conceitos e as virtudes celestiais expressas na correspondência com outros vivos. 
 
Seu Wanderley me ensinou muito. Nos ensinou bastante. Editorialista do programa que apresento, suas mensagens chegavam a ser disputadas pelos telespectadores, fascinados com o pensamento sócio-político e humanamente prático, dentro de uma visão cristã de quem sempre fazia questão de estar ligado ao trabalho da seara que abraçou. 
 
Hoje, ouvi muitas pessoas referindo-se que ele tenha um ‘descanso eterno’ – ‘descanse em paz’ -numa visão arcaica de quem ainda imagina a vida espiritual um asilo de almas carcomidas pelo tempo e largadas por Deus a ociosidade. O céu tem vida. E não se concebe que os ditos ‘mortos’, percam de vista a bagagem apreendida durante toda uma existência terrena, numa visão maniqueísta das religiões do passado, asseverando o céu para os bons e que os maus seriam eternizados no ‘fogo’. 

Seu Wanderley passou o tempo nas suas palestras indicando a certeza da plenitude da vida; na continuidade do ser e na promessa de reencontro sempre das almas gentis que se harmonizam pelos laços do amor.Que ele possa continuar contribuindo com a força da palavra e a gratitude pela excelência da encarnação que terminou hoje.   

A GRATIDÃO DO POETA

 “GRAÇAS A DEUS
Graças Te dou, meu Deus, por tudo quanto
Tenho sofrido ou tenho desfrutado;
Graças, também, Te dou pelo passado,
Por tudo quanto fui e sou, portanto.
Graças Te dou por tudo quanto é santo,
Que tantas alegrias tem me dado;
Graças também por teres me deixado
Sofrer a dor, provar da luta o pranto.
Obrigado, meu Deus, pelo presente,
Por tudo quanto ainda terei na frente,
Livre dos meus pecados fariseus.
Graças Te dou, Senhor, graças Te rendo
Porque já sei dizer, mesmo sofrendo:

Obrigado, Senhor! Graças a Deus!”

leia tudo sobre

Publicidade

Cearense é o 8º mais rico do Brasil

Por Nonato Albuquerque em ECONOMIA

04 de Março de 2014

E a revista norte-americana Forbes divulgou ontem a lista dos bilionários do Planeta. Da relação constam 65 brasileiros. O cearense Francisco Ivens de Sá Dias Branco, ganhador da Tribuna de Honra, subiu uma posição da lista anterior e hoje figura no oitavo posto (367º do mundo), com uma fortuna avaliada em  4,1 bilhões de dólares.

34 Jorge Paulo Lemann US$ 19,7 bi 74 Bebidas
55 Joseph Safra US$ 16 bi 75 Bancos
119 Marcel Herrmann Telles US$ 10,2 bi 64 Bebidas
137 João Roberto Marinho US$ 9,1 bi 60 Mídia
137 José Roberto Marinho US$ 9,1 bi 58 Mídia
137 Roberto Irineu Marinho US$ 9,1 bi 66 Mídia
146 Carlos Alberto Sicupira US$ 8,9 bi 66 Bebidas
367 Francisco Ivens de Sa Dias Branco US$ 4,1 bi 77 Alimentos
367 Eduardo Saverin US$ 4,1 bi 31 Cofundador do Facebook
396 Walter Faria US$ 3,8 bi 58 Bebidas
483 Aloysio de Andrade Faria US$ 3,3 bi 93 Bancos
520 André Esteves US$ 3,1 bi 45 Bancos
520 Antonio Ermirio de Moraes US$ 3,1 bi 85 Diversos
520 Ermirio Pereira de Moraes US$ 3,1 bi 81 Diversos
520 Maria Helena Moraes Scripilliti US$ 3,1 bi 83 Diversos
580 Fernando Roberto Moreira Salles US$ 2,9 bi 67 Bancos, mineração
580 João Moreira Salles US$ 2,9 bi 52 Bancos, mineração
580 Walther Moreira Salles Junior US$ 2,9 bi 57 Bancos
580 Pedro Moreira Salles US$ 2,9 bi 54 Bancos, mineração
609 Abilio dos Santos Diniz US$ 2,8 bi 77 Varejo
642 Miguel Krigsner US$ 2,7 bi 64 Cosméticos
663 Edson de Godoy Bueno US$ 2,6 bi 70 Hospitais, planos de saúde
796 Rossana Camargo de Arruda Botelho US$ 2,2 bi 64 Construção
796 Renata de Camargo Nascimento US$ 2,2 bi 63 Construção
796 Regina de Camargo Pires Oliveira Dias US$ 2,2 bi 60 Construção
796 Moise Safra US$ 2,2 bi 79 Bancos
828 Antonio Luiz Seabra US$ 2,1 bi 71 Cosméticos
925 Nevaldo Rocha e família US$ 1,95 bi 84 Varejo
931 Dulce Pugliese de Godoy Bueno US$ 1,9 bi 66 Hospitais, planos de saúde
931 Michael Klein US$ 1,9 bi 63 Varejo
931 Rubens Ometto Silveira Mello US$ 1,9 bi 64 Açúcar, etanol
931 Lirio Parisotto US$ 1,9 bi 60 Investimentos
1036 Jayme Garfinkel e família US$ 1,75 bi 67 Seguros
1092 Julio Bozano US$ 1,6 bi 78 Bancos
1143 Ana Maria Marcondes Penido Sant’Anna US$ 1,55 bi 58 Pedágio rodoviário
1143 Cesar Mata Pires US$ 1,55 bi Construção
1154 Sergio Lins Andrade e família US$ 1,5 bi 66 Construção
1154 Victor Gradin e família US$ 1,5 bi 81 Construção
1154 Alexandre Grendene Bartelle US$ 1,5 bi 64 Calçados
1210 Lina Maria Aguiar US$ 1,4 bi 76 Herança/bancos
1210 João Alves de Queiroz Filho US$ 1,4 bi 61 Bens de consumo
1284 Eggon da Silva US$ 1,3 bi 85 Maquinário industrial
1284 Elie Horn US$ 1,3 bi 70 Imobiliário
1284 Carlos Francisco Ribeiro Jereissati e família US$ 1,3 bi 67 Shopping centers
1284 Jorge Moll Filho US$ 1,3 bi 69 Hospitais
1284 Jose Isaac Peres e família US$ 1,3 bi 73 Shopping centers
1284 Werner Voigt US$ 1,3 bi 84 Maquinário industrial
1284 Lilian Werninghaus US$ 1,3 bi 79 Maquinário industrial
1372 Lia Maria Aguiar US$ 1,2 bi 72 Herança/bancos
1372 Guilherme Peirão Leal US$ 1,2 bi 64 Cosméticos
1372 Rubens Menin Teixeira de Souza US$ 1,2 bi 57 Construção de casas
1372 Dorothea Steinbruch US$ 1,2 bi Siderúrgica
1442 Alfredo Egydio Arruda Villela Filho US$ 1,15 bi 44 Bancos
1442 Daisy Igel US$ 1,15 bi 86 Gás, petroquímica
1465 Ana Lucia de Mattos Barretto Villela US$ 1,1 bi 40 Bancos
1465 Edir Macedo e família US$ 1,1 bi 69 Comunicação
1465 José Mendes Nogueira e família US$ 1,1 bi 86 Mineração
1540 Giancarlo Franceso Civita US$ 1,05 bi Mídia
1540 Victor Civita Neto US$ 1,05 bi Mídia
1540 Roberta Anamaria Civita US$ 1,05 bi Mídia
1540 José Roberto Ermirio de Moraes US$ 1,05 bi 56 Diversos
1540 José Ermirio de Moraes Neto US$ 1,05 bi 61 Diversos
1540 Liu Ming Chung US$ 1,05 bi 51 Papel e celulose
1540 Neide Helena de Moraes US$ 1,05 bi 59 Diversos
1565 Carlos Martins US$ 1 bi 57 Educação

Fonte: Forbes

leia tudo sobre

Publicidade

Haja feriado que ninguém é de ferro

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

02 de Março de 2014

image-150x150Bem, como eu dizendo, quando acabar a festa de carnaval, aí sim o ano começa. Aí sim, não. Em 2014, o ano exita em começar. A partir da quarta feira de cinzas, o brasileiro entra em contagem regressiva para a Copa do Mundo. E aí sim, haja festa. Haja feriado que ninguém é de ferro.

Aliás, a palavra latina ‘feriatus’ na antiguidade significava apenas dia livre. Mas sabe como é; era começo do mundo brasilis e o povo que surgia na nação ao sul do Equador, tomava posse da expressão e “feriatus’ passou a ser sinônimo de farra.

Em 2014, se você ainda não se tocou são 16 feriados nacionais, e sete pontos facultativos. Depois do carnaval, abril promete com um feriadão que emenda a sexta feira santa e de Tiradentes. Cê acha que alguém não vá enforcar o 21 de abril?

Em junho, eu duvi-dê-o-dó que a turma vá trabalhar em dias de jogos. E depois de um jogo da seleção, se ela ganha, dia seguinte vai ser de ressaca e muita gente não vai dar ponto no cartão.

Queixas teremos é do segundo semestre. Você me acredita que em 2014 os dias da Independência, de Nossa Senhora Aparecida e de Finados – acreditem! – todos irão cair num domingo. Devia haver um decreto proibindo os domingos feriarem.

Tem nada não, nada de desespero, nada de pensar em feriar a vida de vez, pular fora, cair numa de horror. A gente esqueceu de tem o Corpus Christi, festa católica. Se você contar com os feriados estaduais e municipais, a gente vai ter contabilizado aí por baixo mais de 40.

Para os que reclamam que tem feriado demais, e que isso é ruim pra economia, que o país não cresce e que deixamos de enriquecer, saiba que os políticos tem mais feriados do que qualquer brasileiro comum e vive bem pra cachorro. E se você for falar sobre isso com um empresário do ramo de turismo,  na certa como ele vai dizer que ‘quanto mais feriado melhor’.

leia tudo sobre

Publicidade

Tráfico dificulta obras do VLT

Por Nonato Albuquerque em DENÚNCIA

02 de Março de 2014

nvplerM

“Quanto riso, ó quanta alegria…” – mas deixa eu fugir um pouco da folia, para contar dessa outra fuzarca que é a vida cotidiana, onde acontecem coisas de a gente ficar com o queixo no chão. Como esse caso de que o tráfico estaria impedindo o governo cearense de trabalhar. Explico melhor.

Não se trata da enxurrada de ações cometidas pelos traficantes e viciados a ponto de deixar a Polícia às tontas, não. Falo da denúncia de um empresário, que faz obras rodoviárias para o governo do Estado, e que denunciou a um colega de imprensa cearense que o tráfico de drogas está impedindo a entrada de máquinas e homens do poder público em algumas áreas.

Geeeente, segundo o mesmo empresário, ao longo da obra do VLT, o tráfico impõe medo aos operários e engenheiros, que simplesmente se intimidam de entrar em áreas críticas.

Agora, se isso vem acontecendo – como acreditamos, a partir da denúncia do empresário -, por que o setor responsável já não pediu interferência da força policial para dar segurança aos que trabalham?

Ou se faz isso ou, daqui a pouco, vamos ter que pedir licença aos traficantes para deixarem o progresso passar.  

leia tudo sobre

Publicidade

Tráfico dificulta obras do VLT

Por Nonato Albuquerque em DENÚNCIA

02 de Março de 2014

nvplerM

“Quanto riso, ó quanta alegria…” – mas deixa eu fugir um pouco da folia, para contar dessa outra fuzarca que é a vida cotidiana, onde acontecem coisas de a gente ficar com o queixo no chão. Como esse caso de que o tráfico estaria impedindo o governo cearense de trabalhar. Explico melhor.

Não se trata da enxurrada de ações cometidas pelos traficantes e viciados a ponto de deixar a Polícia às tontas, não. Falo da denúncia de um empresário, que faz obras rodoviárias para o governo do Estado, e que denunciou a um colega de imprensa cearense que o tráfico de drogas está impedindo a entrada de máquinas e homens do poder público em algumas áreas.

Geeeente, segundo o mesmo empresário, ao longo da obra do VLT, o tráfico impõe medo aos operários e engenheiros, que simplesmente se intimidam de entrar em áreas críticas.

Agora, se isso vem acontecendo – como acreditamos, a partir da denúncia do empresário -, por que o setor responsável já não pediu interferência da força policial para dar segurança aos que trabalham?

Ou se faz isso ou, daqui a pouco, vamos ter que pedir licença aos traficantes para deixarem o progresso passar.