MOUSE OU MENOS - por Nonato Albuquerque 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

O bronze indesejável por todos os cearenses

Por Nonato Albuquerque em Sem categoria

10 de agosto de 2018

Aconteceu o que ninguém desejava. Fortaleza disparou no número de homicídio doloso. Somos a 3ª. capital nesse tipo de mortes, posição indesejável que nos campeonatos conquista a medalha de bronze. O dia-a-dia do Barra já suspeitava isso. Agora veio o reconhecimento nacional do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, um órgão que contabiliza as mortes violentas desde 2009.

Os números que colocam a capital cearense nessa posição têm uma carga explosiva. Funcionam como um chega pra lá no projeto Ceará Pacífico, que nasceu com um bom propósito. O Ceará teve aumento de 98 por cento – 1.931 contra 965 casos pegando o período de um ano.

E quando se pensava ser o Rio de Janeiro o detentor dessa marca, ficamos sabendo que a violência carioca vem depois da cearense, com uma boa folga em relação às mortes em Fortaleza. Aqui subimos 98 por cento; lá, o crescimento de foi de 12 por cento.

Fortaleza, por si só, extrapolou em número de assassinatos, mais da metade das capitais brasileiras que apresentaram redução. Pra ser bem exato: foram 16 cidades onde a violência diminuiu.

A que se pode atribuir tudo isso? A uma falha na gestão de Segurança? Mas se investiu tanto? O que é que não está dando certo? É preciso se debruçar sobre esses números e buscar soluções.

O projeto do governo para barrar a criminalidade não tem conseguido minimizar o problema. E a essa altura pergunta-se se existe um plano B. Enquanto não se tem essa resposta, Fortaleza morre a cada crime que eleva o nome da cidade como uma das mais violentas do País. E morremos juntos com a intranquilidade que tudo isso move.

leia tudo sobre

Publicidade

A indigesta lista de matadores e mortos

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

09 de agosto de 2018

Pra não dizer que não falei de flores, temos boas notícias em relação à Segurança. O número de homicídios em julho foi menor em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 378 contra 474 em julho de 2017. Evidente que não é o caso de soltar foguetes, nem de se festejar, quando se sabe que, nos primeiros sete meses de 2018, o Ceará registrou 2.758 assassinatos – números que nem a guerra do Iraque, hoje em dia, consegue ranquear.
Mas, em meio a tanta notícia de crimes, uma reduçãozinha que se faça na selvageria desses números, importa. Principalmente se lembrarmos que houve redução dos crimes de roubo a pessoa, roubo de carga, a residência, de veículo e a banco, e nos furtos.

Claro que ainda falta muito para chegarmos a meta desejável. Ninguém aqui é louco de pensar que o Ceará vá zerar a criminalidade. Ela faz parte da individualidade humana, que precisa ser trabalhada. E desse processo, entra Educação e prevenção. O indivíduo educado para o bem consegue se distanciar das tentações de querer TER, o que não lhe pertence. De agir fora da lei. E de fugir às regras de boa convivência que orientam o homem a buscar felicidade. E não ser um número nessa indigesta lista de matadores e mortos.

leia tudo sobre

Publicidade

Os bons tempos que a gente reclamava

Por Nonato Albuquerque em Sem categoria

08 de agosto de 2018

Você se lembra do tempo em que a população reclamava dos chamados trombadinhas, que nas ruas e praças, batiam as bolsas de senhora? Das reclamações de moradores que tiveram roupas furtadas do varal de seus quintais? E quem se recorda dos golpes do baludo, aplicados por descuidistas interessados em levar alguma vantagem? Das bolsas cortadas discretamente por giletes? Claro, nessa lista não se pode esquecer os famosos ‘ladrões de galinha”. Que saudade desses bons tempos, onde a preocupação não tinha a proporção das ocorrências atuais.

Gente, os pequenos crimes ganharam uma dimensão tão incrivel que, até mesmo, sumiram dos Boletins de Ocorrência denúncias de ladras que arranjavam vagas como domésticas para furtar as residências.
uem diria que chegaria um tempo em que sentiríamos saudades do passado, à época considerado um ‘fim de mundo’ entre os muitos crimes que se aplicavam.

Tudo muda. Tudo evolui. E nesse passo, devíamos ter acompanhado a evolução do crime. Criando formas de combate, onde a inteligência do serviço público conseguisse mostrar a mesma eficiência.

Bons tempos em que haviam as duplas de Cosme e Damião, dirão alguns saudosistas na praça do Ferreira

leia tudo sobre

Publicidade

Como nos tempos dos ‘rabos-de-burro’ da Parangaba

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO, SEGURANÇA

07 de agosto de 2018

Nos últimos tempos, a violência urbana tomou um impulso tão grande, que a maioria dos noticiosos das tvs – e não falo de programas policiais, mas dos grandes jornais -, passa a maior parte do tempo só com matérias da violência. O aumento da criminalidade fez com que os telejornais do se tornassem uma espécie de ‘barra pesada do horário nobre”, com tantos registros violentos. Claro, a criminalidade aumentou. Em contrapartida, o potencial repressivo que se esperava para conter isso, parece ter encalacrado no tempo. Como se não tivesse avançado. Como se estivessemos combatendo criminosos nos tempos dos rabos-de-burro da Parangaba – como foi o famoso Ivan Paiva.

E aí dá pra se pensar: essa disparidade para enfrentar a bandidagem, seria falta de estrutura, planejamento? Não, porque o que o governo cearense gasta com equipamento, aumento do efetivo e uso de modernas tecnologias, é bem considerável. Então, por que tanto roubo, tanto furto, tanto assalto, tanta morte?

A resposta está na linha inversa do que se pensa e pratica em nossos dias. Os maiores especialistas em criminologia têm alertado de que a repressão não é suficiente; é preciso prevenir. Prevenção é tudo.

Projetos que envolvam jovens e os afastem da possibilidade serem cooptados pelo tráfico. A bandidagem cresceu sim – e é terrível dizer isso -, porque o crime organizado consegue atrair mais adeptos para as suas hostes. do que o governo com seus projetos sociais. Sem ver futuro na vida, o jovem desinformado cai facilmente na tentação de lucrar mais rápido com as ofertas do mercado do tráfico. Ainda que criminoso e arriscado.

leia tudo sobre

Publicidade

Palavra dada, palavra empenhada

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

06 de agosto de 2018

As convenções partidiárias, cujo prazo de realização terminou ontem, foram o pontapé da campanha de 2018. Já já, no rádio, na tv e nas ruas, a voz dos catadores de votos vai apregoar em nossos ouvidos já tão calejados, as promessas de um tempo melhor. É sempre assim, desde que se criou a importância do voto.

Eles vão prometer mundos e fundos, como se dizia no passado – mesmo que, depois de eleitos, retomem a velha rotina de esquecer o que foi prometido enquanto ganhavam a confiança do eleitor.

Este ano, um ponto será proclamado como de maior referência: o da área da segurança. A exemplo das eleições anteriores.
Em meio a tempestuosa onda de violência em que nos encontramos, eu dou um doce se não vai aparecer promessa de tornar Fortaleza, a cidade mais segura do mundo. Queira Deus, que o milagre aconteça.

Mas é bom ficar atento. O eleitor já anda tão calejado dessa lenga lenga política, onde adversários fazem coligações superficiais com seus inimigos, só para garantir a sua vidinha confortável durante mais quatro anos.

É hora de colocar as barbas de molho e renovar os votos de que, nessa campanha, a mentira, a falsidade e a posterior desonestidade não façam plantão nos palanques onde deveria reinar o antigo ditado: palavra dada, palavra empenhada.

leia tudo sobre

Publicidade

Respostas para se vencer a violência

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

03 de agosto de 2018


Todo mundo anda atrás de respostas para acabar com a violência. Ninguém vai conseguir acabar; no mínimo, reduzi-la. Até porque a resposta para a violência é a não-violência. E muitos não estão prontos para não reagir contra os violentos. Basta uma palavra dita fora de ordem, pra gente já saltar com quatro pedras na mão, entrando no mesmo nivel dos agressores.

A paz nunca será alcançada com lutas, mas com mudança de atitudes.

Como entender adolescentes com armas? Para se livrar dos inimigos. O que o levou a ter inimigos, essa é a questão que deveria ser levada em conta.

Se a gente procurar saber entre as pessoas violentas, porque elas agem assim, vamos descobrir que elas costumam se alimentar de ódio. E até a medicina receita: ninguém tem paz se vive em conflito consigo mesmo.

Quem armazena na alma, inveja, mentira, ciúme, vingança acaba se indispondo com tudo e todos.

Por isso, não transforme sua mente em lixeira. Ela é a usina de força de seus pensamentos e de suas ações. Quem vive a remoer ideias de violência, acaba sempre se defrontando com as armas do mal.

Tudo na vida busca o alto. O aperfeiçoamento. O progresso. Se você se distanciar dessa meta, a máquina do Tempo recolherá o lixo em que você mesmo acabou se transformando. Pense nisso.

leia tudo sobre

Publicidade

Despreparo força ação atabalhoada de policiais

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

02 de agosto de 2018

Episódios onde é visível o despreparo em abordagens policiais parece algo recorrente no histórico de alguns profissionais da área de segurança pública do Ceará. O mais recente, esse de Campos Sales. Lamentável, em todos os sentidos.
Um veículo é alvo de tiros da polícia. Resultou na morte de um paraibano. Outras duas pessoas, também, foram atingidas. Todos iam da Paraíba ao Maranhão, participar de um campeonato de sinuca.

A confusão toda começou quando pararam num posto de gasolina. O frentista, provavelmente preocupado com a incidência de criminosos que trafegam armados para ataques a bancos, confundiu os tacos de sinuca que estavam dentro do carro com armas. E o que ele fez? Acionou a polícia.

Durante a tentativa de abordagem, a polícia disparou diversas vezes contra o veículo. Policiais dizem que eles é que empreenderam maior velocidade, complicando ainda mais uma situação que poderia ter sido resolvida de outra maneira.

Num Estado onde a nossa Polícia precisa dar exemplos de maior competência, até para fazer frente aos avanços da criminalidade, esse é um episódio lamentável. Preocupa a todos: a população – que anda sofrendo com a violência – e aos bons profissionais da PM, sim. Aqueles que suam a farda para zelar pelo bom nome da corporação, enquanto se torna cada vez mais visível a necessidade de alguns se reciclarem em busca de aperfeiçoamento. Caso venha a ser confirmada a ação atabalhoada desses policiais, não tem outro caminho senão puni-los. Até para que os bons sejam devidamente exaltados e reconhecidos.

leia tudo sobre

Publicidade

A cidade onde as facções pintam e bordam

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

30 de julho de 2018

Dia 5 de janeiro do ano passado, o governador Camilo Santana anunciava a escolha de um policial federal para comandar a Secretaria de Segurança do Ceará. Uma expectativa positiva foi criada naquele momento, diante da onda de violência que imperava na cidade. Quase na mesma ocasião, em fevereiro o Rio de Janeiro anunciava um pacote de austeridade com a presença de tropas do Exército para conter a violência carioca. Nem o Exército deu conta de barrar a violência nos morros do Rio, tampouco o Ceará viu regredir os números da criominalidade por aqui.

Um ano e meio depois da ascensão do policial federal, a situação não foi controlada e, surpreendentemente, a insegurança ganhou maiores proporções, a ponto de a capital cearense se vê refém da bandidagem.

O que aconteceu neste fim-de-semana deixa bem claro que a situação não está sob controle, como pretendem alguns. Que os criminosos têm um forte poder de ação. Que são capazes de lançar uma granada numa delegacia. De tocar fogo em bancos e órgãos públicos. De deixar a pé a população sem poder usar o transporte coletivo. Que, diante da reação policial, eles partem com todo gás para o revide. E infernizam a cidade no mês em que mais turistas a elegem como destino turístico de excelência.

O retrato falado desses dias de Fortaleza não poderia ser mais desastroso. Sabemos que a violência não é exclusividade nossa, a de Fortaleza; mas, curiosamente, não se ouve falar, em outras cidades, desse dantesco e pavoroso inferno que as facções pintam e bordam nos dias atuais.

leia tudo sobre

Publicidade

O sermão do Padre Cícero atualizado aos dias de hoje

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

27 de julho de 2018

Quem roubou, não roube mais. Quem matou não mate mais. Essa era a pregação do mais popular religioso brasileiro, o Padre Cícero Romão, para uma geração que, nos anos 30, convivia com a praga da violência do cangaço. O fundador da cidade de Juazeiro, tentava despertar entre aqueles de má índole que o procuravam em busca de penitência e perdão, a necessidade de largar a vida miserável fomentada por ódio, vingança e inveja. Já notaram como essas mazelas da alma humana continuam dando carga à criminalidade nos dias de hoje?

Agora em 2018, completam 80 anos da morte da figura a que o Padre Cícero mais buscava resgatar – Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião.
Alguns críticos do religioso nunca entenderam como um homem de bem buscava ter encontros com um marginal como Lampião. Esquecem de que o mestre do cristianismo dizia não ter vindo para os sãos e sim para os desgarrados do redil divino.

Caso estivesse na Terra nos dias de hoje, o Padre Cícero estaria a repetir o mesmo sermão daqueles dias, diante do mar de violência que se alastra no Ceará, unica e exclusivamente porque ainda somos analfabetos das virtudes do céu.

Quando a gente vê tantos voltados para a criminalidade, roubando, matando, corrompendo como fazem muitos políticos nos tempos de hoje, que falta faz o discurso do taumaturgo de Juazeiro, para a multidão de náufragos desse oceano de miséria que assola os corações humanos.

Provavelmente, ele estaria a repetir: quem matou não mate mais, quem roubou não roube mais. Isso, no entanto, não invalida a dívida com os mal feitos; mas, certamente, oferece uma oportuinidade de mudar a postura na vida de quem errou.

leia tudo sobre

Publicidade

O sentimento doentio da alma humana: ciúme

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

26 de julho de 2018

Se tem um sentimento perverso, doentio, esse é o do ciúme. Esse estado emocional do ser humano, provocado pela falta de exclusividade do sentimento, da dedicação e do cuidado da pessoa com quem se gosta, tem lançado no abismo da miséria, gente de boa índole e que, atingida pelo ciúme, é capaz de tudo. Parece o caso de uma escrivã da Polícia Civil, Ludmila Freitas Andrade, que foi acusada pelo homicídio de uma jovem de 21 anos, Karina Firmino de Freitas, em maio do ano passado, em Acopiara.

A vítima manteve um relacionamento amoroso, com o policial militar Thiago Martins Teixeira Florentino, que é casado com a policial civil Ludmila. Chegou a ter um filho com ele e a paternidade foi confirmada por exame de DNA. Enciumada, a escrivã contratou executores para tirar a vida da jovem e continuar com o marido.

Num episódio desses, é comum a pessoa traída lançar seu ódio em cima da rival, muito embora outra parte do caso – seja homem ou mulher – também tenha culpa no cartório pelo relacionamento infiel. Como entender que alguém tire a vida de alguém e fique tranquila ao lado do pivô do problema?

A falta de controle emocional e a cegueira causada pelo ciume explicam esse tipo de comportamento

leia tudo sobre

Publicidade

O sentimento doentio da alma humana: ciúme

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

26 de julho de 2018

Se tem um sentimento perverso, doentio, esse é o do ciúme. Esse estado emocional do ser humano, provocado pela falta de exclusividade do sentimento, da dedicação e do cuidado da pessoa com quem se gosta, tem lançado no abismo da miséria, gente de boa índole e que, atingida pelo ciúme, é capaz de tudo. Parece o caso de uma escrivã da Polícia Civil, Ludmila Freitas Andrade, que foi acusada pelo homicídio de uma jovem de 21 anos, Karina Firmino de Freitas, em maio do ano passado, em Acopiara.

A vítima manteve um relacionamento amoroso, com o policial militar Thiago Martins Teixeira Florentino, que é casado com a policial civil Ludmila. Chegou a ter um filho com ele e a paternidade foi confirmada por exame de DNA. Enciumada, a escrivã contratou executores para tirar a vida da jovem e continuar com o marido.

Num episódio desses, é comum a pessoa traída lançar seu ódio em cima da rival, muito embora outra parte do caso – seja homem ou mulher – também tenha culpa no cartório pelo relacionamento infiel. Como entender que alguém tire a vida de alguém e fique tranquila ao lado do pivô do problema?

A falta de controle emocional e a cegueira causada pelo ciume explicam esse tipo de comportamento