Conversando com os Pais
Lila Rosana

Lila Rosana

Conversando com os Pais, por Lila Rosana

Briga entre irmãos

As constantes brigas entre irmãos tem preocupado você? Então saiba que você não está sozinho e que a hora para fazer algo em relação a isso é agora.  Os irmãos ciumentos, que se veem como rivais, podem ter dificuldades para se relacionar com outras pessoas na sua vida adulta, pois a rivalidade entre irmãos pode não terminar na infância.

Você quer saber como a rivalidade entre os seus filhos está afetando as suas crianças?  Você sente que perdeu o controle sobre o que acontece entre eles?  Saiba que é possível administrar de maneira saudável esta situação.  Vamos começar pelo entendimento deste cenário e depois conhecer algumas maneiras de ajudar esses pequenos a ter um bom relacionamento entre eles.

A maioria das crianças se ajusta rapidamente a um novo irmão ou irmã.  No entanto, geralmente existe uma rivalidade entre irmãos, isso é comum e compreensível.  Quando o bebê nasce, a criança mais velha pode vir a se sentir “destronada” ou deslocada.   Os pais geralmente dedicam boa parte de sua atenção para o novo integrante da casa.   Os pais agora irão dividir sua atenção entre dois ou mais filhos.   E o novo bebê  freqüentemente recebe a maior parte dela, devido ao seu estado vulnerável.

Os pais passam a ter menos tempo para seus filhos mais velhos e tanto a qualidade e quantidade de suas interações podem diminuir.   Os irmãos mais velhos são propensos a notar a diferença e a se sentir deslocados.  O novo bebê se torna um rival pela atenção dos pais.   Isso pode definir as bases para a rivalidade entre irmãos.

Além disso, a rivalidade entre irmãos na infância também pode definir o cenário para a rivalidade entre os mesmos quando adultos.   Conheci adultos que continuavam a se sentir ameaçados pelos irmaõs.   Este é um comportamente mais comum do que imaginamos.

A idade é um fator relevante na briga entre irmãos.   Esta costuma ser mais intensa entre as crianças mais jovens e na adolescência, por eles se  tornarem  mais independentes, a rivalidade geralmente diminui.

As crianças pequenas são as mais susceptíveis na luta por posses.   Elas disputam qual programa de televisão querem assistir, brigam pelo brinquedo, pela brincadeira, etc.   Tudo pode vir a ser uma batalha constante.   Mas isso não acontece apenas com crianças pequenas.   Pré-adolescentes também se ressentem com um irmão mais novo, principalmente quando eles percebem que os pais favorecem o(a) filho(a) mais novo(a).   Eles podem se sentir injustiçados.

Hoje eu presenciei uma cena típica de provavel futura rivalidade entre irmãos.   Eu estava tomando um café num local público e na mesa na minha frente tinha uma mãe com um lindo menininho de uns 2 anos e meio e uma bebê de colo (que tinha aproximadamente uns 3 meses de idade).   A mãe estava chateada com o menino porque ele derramou o copo com suco sobre a mesa.   Ela estava visivelmente irritada com o pequeno e ao mesmo tempo dava muitos beijinhos no bebê que ela carregava no colo.   Pude observar o quanto o pequeno se incomodava com a situação.   Ele se irritava toda vez que a mãe não lhe dava atenção e dava atenção à sua irmã.   Tentou obter a atenção da mãe de todas as maneiras possíveis, mas não teve sucesso.   Por ser muito pequeno, o garotinho não conseguia comprender a situação como de fato ela era.   No seu entendimento a mãe dava carinho e atenção para a irmã e não para ele.  Reflita: Se você fosse aquele menininho, como se sentiria?   O que pensaria e sentiria sobre a sua irmã mais nova? O que pensaria sobre a sua mãe? Pensar como uma criança pode ajudar você a compreender o universo delas.

Conflito entre irmãos costuma ser mais intenso com crianças em torno de 2 anos de idade ou menos. Isto provavelmente acontece porque crianças com idades semelhantes dependem de quantidades similares de atenção e apoio de seus pais. Com o passar dos anos, isso tende a diminuir e muitas vezes os irmãoes mais velhos assumem uma prestação de cuidados ou o papel de protetor do irmão mais novo.

Bem, agora que entendemos um pouco sobre o porque dessa rivalidade acontecer, vamos ao entendimento sobre como ajudar os nossos filhos durante essa fase.

Como ajudar uma criança mais velha a ajustar-se com um novo irmão?

1. Talvez a coisa mais importante que os pais podem fazer é envolver a criança mais velha antes e depois do nascimento do bebê. Por exemplo:

  • Antes do nascimento do novo bebê incentive os filhos mais velhos para fazer parte do evento.   Envolva-os na preparação para a chegada do bebê (preparar as roupinhas, os enfeites do quarto, etc)
  • Leia livros infantis adequados à criança sobre a chegada de um novo irmão ou irmã.
  • Depois que o bebê nascer continue a envolver os irmãos mais velhos.   Peça-lhes para ajudar com o bebê. Incentive-os a tomar consciência dos sentimentos do bebê e suas necessidades, peça para ajudá-la a confortar o bebê quando ele estiver chorando.

2. Atenda as necessidades da criança mais velha.

  • Tente não ignorar seus filhos mais velhos enquanto você cuida do novo bebê.
  • Lembre-se do tempo que você dedicava ao seu filho mais velho antes do bebê nascer.   Continue  mantendo esse momentos especiais, arranje tempo para estar a sós com o filho mais velho.   Dedique-se a ele também.
  • Mantenha rotinas com o filho mais velho e sempre lhe dê amor e atenção.

3. Esteja atenta para os sinais de ciúmes, pois muitas vezes ele está na raiz da luta entre irmãos.

Os sinais de ciúme em uma criança que se sente deslocado pelo novo bebê incluem:

(a) Preocupações comportamentais:

  • Mudanças no comportamento
  • Tende a ser mais exigente
  • Passa a ser mais dependente, apegando-se demasiadamente aos pais
  • Passa a lamentar-se com mais frequência
  • Alterações de humor, crises de birra ou irritabilidade
  • Problemas para comer, dormir e para cumprir as rotinas ao banheiro.

(b) Comportamentos difíceis e provocação de dor no bebê ou irmão mais novo:

  • Provocação excessivas ou dizer coisas desagradáveis ​​sobre o bebê.
  • Pode ser agressivo ou machucar o bebê (por exemplo beliscar, dar tapas)
  • Com crianças mais velhas os sinais de ciúme e rivalidade pode incluir o uso de palavrões, gritos, chutes e socos.

Você pode intervir na luta entre irmãos?

Sim, você pode e deve fazer isso!   Os pais podem ajudar seus filhos a lidar mais eficazmente com o conflito entre seus filhos.   Estes incidentes podem ser uma grande oportunidade para ensinar as crianças a conviver com os outros e a resolver conflitos.   O combate entre irmãos pode ser uma oportunidades para aumentar a competência social e psicológica da criança, assim como ajudá-los a desenvolver a inteligência emocional.   Use a briga entre seus filhos para ensinar-lhes a resolver conflitos, para resolver problemas, afirmar-se, lidar com sentimentos negativos e desenvolver a empatia.

A permanência destes comportamentos inadequados podem contribuir para os futuros comportamentos e problemas sociais em crianças na escola e na comunidade.

 Erros comuns que os pais costumam cometer:

  • Ignorar a rivalidade e encará-la como normal
  • Deixar de ensinar as crianças a resolver problemas e conflitos com seus irmãos
  • Deixar de desenvolver nos seus filhos as habilidades para resoluções adequadas de conflitos
  • Continuar favorecendo uma criança em detrimento da outra
  • Exigir demais de uma criança mais velha, em comparação com o mais novo
  • Culpar uma criança mais velha pelos eventos ocorridos, argumentando que ela por ser mais velha deveria saber e entender melhor a situação
  • Dar carinho e atenção excessivos para a criança mais nova e menos para a mais velha
  • Deixar de manter uma relação de carinho e proximidade com seus filhos mais velhos após o nascimento do novo bebê
  • Deixar de ensinar as crianças a resolver problemas, controlar e entender a raiva e a lidar com seus sentimentos.
  • Consistentemente culpar uma criança pelos problemas com os irmãos, e não permitir a essas a oportunidade de se justificar

Agora que você já entende porque as brigas entre irmãos acontecem e já conhece algumas prováveis soluções, use a situação de uma maneira positiva e veja essa experiência como uma oportunidade para educar de maneira saudável os seus filhos.