Publicidade

Le Chef Coxinha

por Ariane Cajazeiras

internet

Metais, fast food, internet e outras intolerâncias

Por Ariane Cajazeiras em Experiências Gastronômicas Fail

03 de Abril de 2017

Oi, eu sou Ariane e achei um metal estranho dentro do meu sanduíche do Mc Donald’s no último dia 28 de março de 2017. Aconteceu assim: semana passada, depois de um péssimo dia, comprei um combo Original Mex da loja que fica no shopping Riomar Kennedy, a mais nova de Fortaleza, inclusive. O sanduíche é o mais novo lançado pela linha Signature, aquela linha de sanduíches vendida como mais “gourmet”, com ingredientes selecionados. A linha é uma das mais caras do restaurante: o combo simples com batata média e refrigerante médio custa R$29,90.

Original Mex (Foto: Ariane Cajazeiras)

A sequência de ações foi mais ou menos essa: comprei por volta das 20h30, 21h, levei para comer em casa, cheguei, abri, provei, gostei, mas achei pouca guacamole, minha irmã Alana duvidou da existência do ingrediente, abri para mostrar a guacamole, avistei um ponto prateado no meio do molho, puxei o ponto e era um pedaço metálico de cerca de 5 cm. No. Meio. Do. Molho. Com dentinhos perfurantes. Pelo design da peça parece alguma parte da máquina de colocar molho, mas não sei porque não conheço as máquinas. Levei um susto. Fotografei. Joguei o lanche no lixo. Postei a foto no Facebook e no Instagram, como qualquer pessoa indignada dos anos 2017 faria.

A pecinha ainda suja de molho (Foto: Alana Cajazeiras)

Aqui dá para ver o tamanho da peça (Foto: Alana Cajazeiras)

O plano era pegar a peça, levar junto com as fotos tiradas no celular, falar com a gerente da loja do Riomar (loja esta que eu conhecia, já havia comprado lá diversas vezes e não tinha do que reclamar), dessa vez reclamar de fato, pedir o dinheiro de volta, alertar para a falta de cuidado. Fim. Mas eu sou jornalista, tenho muitos jornalistas nos meus contatos do facebook. Então a Lyvia Rocha, desse mesmo portal do blog, o Tribuna do Ceará, pediu algumas informações e postou na manhã seguinte ao achado, uma reportagem que teve muitos likes e compartilhamentos. A partir daí uma moça do jornal O Globo (do RJ) me mandou inbox e pediu entrevista e acabou postando lá também (com um texto beeeeeem igualzinho ao da Lyvia) e mais tarde o pessoal do O Povo também me ligou e postou no portal deles. Enfim, foi pras redes de uma maneira mais ampla.

A pecinha depois de lavada (Foto: Ariane Cajazeiras)

A assessoria de imprensa do Mc Donald’s no Ceará ligou para o meu trabalho na manhã seguinte ao ocorrido, antes mesmo das reportagens serem publicadas, pediu desculpas, pediu meu número celular pessoal. De tarde, recebi a ligação amistosa do franqueado local do McDonald’s, Adolfo Bichucher Neto. Ele pediu desculpas, reconheceu o absurdo, explicou que a loja tinha controle de qualidade, pediu para eu visitar a cozinha da loja do Riomar com ele nas próximas semanas, perguntou se podia mandar naquele dia mesmo um novo combo para minha casa. E pediu a peça que eu achei para que eles entendessem que peça era e de onde ela tinha saído. Disse que estavam fazendo uma pesquisa minuciosa para saber o que tinha acontecido. A gerente veio aqui em casa, deixou o lanche, pediu desculpas mais uma vez, colocou-se à minha disposição e foi embora. Pronto, agora vocês já sabem todos os mínimos detalhes.

Já iria escrever no blog sobre o tema, mas fiquei mais estimulada após aprender que NUNCA, EM HIPÓTESE ALGUMA, devo gastar meu tempo lendo os comentários dos haters na internet. Porque o que teve de gente dizendo que: eu queria era ganhar dinheiro, eu queria aparecer (?), eu teria implantado a peça lá dentro… enfim. Bem: 1) eu não tenho uma coleção de pecinhas metálicas estranhas lá em casa, então ela apareceu lá mesmo. 2) Eu adoro comer, não desperdiçaria um lanche de R$29,90 colocando qualquer porcaria dentro. 3) Eu não processei e nem vou processar pela simples razão de que não quero ter estresse, ou seja, simples comodismo. Eu consideraria processar em duas situações: se dentro do sanduíche tivesse um inseto ou alguma nojeira ou se eu tivesse me machucado com a peça.  3) Para os amigos que sugeriram pedir um ano de MC Donald’s grátis, não tenho cara de pedir nada de graça pra ninguém, mas valeu a sugestão.

Para finalizar, o Mc Donald’s ainda não me ligou esclarecendo o porquê de a peça estar naquela terça-feira no meu sanduíche caro de guacamole. Ainda estou aguardando o resultado da análise minuciosa que me foi prometida. E sobre o sanduíche? Muito bom, obrigada. Peça com pimenta, use o limão. Só uma consideração: gostaria de sentir mais o gosto da guacamole. E, por favor, sem nada metálico para atrapalhar a hora sagrada do meu jantar.

 

Publicidade

Metais, fast food, internet e outras intolerâncias

Por Ariane Cajazeiras em Experiências Gastronômicas Fail

03 de Abril de 2017

Oi, eu sou Ariane e achei um metal estranho dentro do meu sanduíche do Mc Donald’s no último dia 28 de março de 2017. Aconteceu assim: semana passada, depois de um péssimo dia, comprei um combo Original Mex da loja que fica no shopping Riomar Kennedy, a mais nova de Fortaleza, inclusive. O sanduíche é o mais novo lançado pela linha Signature, aquela linha de sanduíches vendida como mais “gourmet”, com ingredientes selecionados. A linha é uma das mais caras do restaurante: o combo simples com batata média e refrigerante médio custa R$29,90.

Original Mex (Foto: Ariane Cajazeiras)

A sequência de ações foi mais ou menos essa: comprei por volta das 20h30, 21h, levei para comer em casa, cheguei, abri, provei, gostei, mas achei pouca guacamole, minha irmã Alana duvidou da existência do ingrediente, abri para mostrar a guacamole, avistei um ponto prateado no meio do molho, puxei o ponto e era um pedaço metálico de cerca de 5 cm. No. Meio. Do. Molho. Com dentinhos perfurantes. Pelo design da peça parece alguma parte da máquina de colocar molho, mas não sei porque não conheço as máquinas. Levei um susto. Fotografei. Joguei o lanche no lixo. Postei a foto no Facebook e no Instagram, como qualquer pessoa indignada dos anos 2017 faria.

A pecinha ainda suja de molho (Foto: Alana Cajazeiras)

Aqui dá para ver o tamanho da peça (Foto: Alana Cajazeiras)

O plano era pegar a peça, levar junto com as fotos tiradas no celular, falar com a gerente da loja do Riomar (loja esta que eu conhecia, já havia comprado lá diversas vezes e não tinha do que reclamar), dessa vez reclamar de fato, pedir o dinheiro de volta, alertar para a falta de cuidado. Fim. Mas eu sou jornalista, tenho muitos jornalistas nos meus contatos do facebook. Então a Lyvia Rocha, desse mesmo portal do blog, o Tribuna do Ceará, pediu algumas informações e postou na manhã seguinte ao achado, uma reportagem que teve muitos likes e compartilhamentos. A partir daí uma moça do jornal O Globo (do RJ) me mandou inbox e pediu entrevista e acabou postando lá também (com um texto beeeeeem igualzinho ao da Lyvia) e mais tarde o pessoal do O Povo também me ligou e postou no portal deles. Enfim, foi pras redes de uma maneira mais ampla.

A pecinha depois de lavada (Foto: Ariane Cajazeiras)

A assessoria de imprensa do Mc Donald’s no Ceará ligou para o meu trabalho na manhã seguinte ao ocorrido, antes mesmo das reportagens serem publicadas, pediu desculpas, pediu meu número celular pessoal. De tarde, recebi a ligação amistosa do franqueado local do McDonald’s, Adolfo Bichucher Neto. Ele pediu desculpas, reconheceu o absurdo, explicou que a loja tinha controle de qualidade, pediu para eu visitar a cozinha da loja do Riomar com ele nas próximas semanas, perguntou se podia mandar naquele dia mesmo um novo combo para minha casa. E pediu a peça que eu achei para que eles entendessem que peça era e de onde ela tinha saído. Disse que estavam fazendo uma pesquisa minuciosa para saber o que tinha acontecido. A gerente veio aqui em casa, deixou o lanche, pediu desculpas mais uma vez, colocou-se à minha disposição e foi embora. Pronto, agora vocês já sabem todos os mínimos detalhes.

Já iria escrever no blog sobre o tema, mas fiquei mais estimulada após aprender que NUNCA, EM HIPÓTESE ALGUMA, devo gastar meu tempo lendo os comentários dos haters na internet. Porque o que teve de gente dizendo que: eu queria era ganhar dinheiro, eu queria aparecer (?), eu teria implantado a peça lá dentro… enfim. Bem: 1) eu não tenho uma coleção de pecinhas metálicas estranhas lá em casa, então ela apareceu lá mesmo. 2) Eu adoro comer, não desperdiçaria um lanche de R$29,90 colocando qualquer porcaria dentro. 3) Eu não processei e nem vou processar pela simples razão de que não quero ter estresse, ou seja, simples comodismo. Eu consideraria processar em duas situações: se dentro do sanduíche tivesse um inseto ou alguma nojeira ou se eu tivesse me machucado com a peça.  3) Para os amigos que sugeriram pedir um ano de MC Donald’s grátis, não tenho cara de pedir nada de graça pra ninguém, mas valeu a sugestão.

Para finalizar, o Mc Donald’s ainda não me ligou esclarecendo o porquê de a peça estar naquela terça-feira no meu sanduíche caro de guacamole. Ainda estou aguardando o resultado da análise minuciosa que me foi prometida. E sobre o sanduíche? Muito bom, obrigada. Peça com pimenta, use o limão. Só uma consideração: gostaria de sentir mais o gosto da guacamole. E, por favor, sem nada metálico para atrapalhar a hora sagrada do meu jantar.