Publicidade

Le Chef Coxinha

por Ariane Cajazeiras, Caetano Neto e Iury Costa

café

Almoçamos no Café Havanna

Por Ariane Cajazeiras em Restaurantes

18 de setembro de 2017

Quem nunca passou apressado pelo shopping e precisou almoçar algo rápido? O número de fast foods e self services é enorme. Mas porque não apostar no cardápio de um café na hora do almoço? A proposta nos foi feita pelo Café Havanna, no Iguatemi Fortaleza, que nos convidou para conhecermos o cardápio de sanduíches mais encorpados para uma refeição que pede mais volume e também um pouco de rapidez. A loja é uma franquia do doce de leite argentino mais famoso do mundo e foi aberta há um mês em Fortaleza, como já falamos aqui no Le Chef Coxinha.

Minha escolha de almoço foi o Belgrano: um sanduíche no pão beirute com lombo canadense, queijo provolone, requeijão com ervas e fatias de tomate assado. O pão não parece muito o que eu entendia por pão beirute, é um pouco mais encorpado e volumoso. Mas é bem crocante e casa bem com os sabores do recheio. Embora o provolone seja um queijo de sabor mais marcante, o casamento com o lombinho e a leveza do requeijão foi bem bom. A opção custa 22 reais e acompanha chips de batata doce da marca Roots. Pra acompanhar tomei uma refrescante soda italiana de framboesa (tem também no sabor pêssego ou limão e custa R$9).

Belgrano: minha opção de almoço (Foto: Ariane Cajazeiras)

Soda italiana de framboesa (foto: Ariane Cajazeiras)

O meu colega de mesa pediu um Croque El Señor: duas fatias de pão miga brioche, presunto, mussarela, o maravilhoso queijo gruyere (um dos meus queijos favoritos), requeijão e parmesão. É uma leitura da Havanna para o clássico croque monsiuer, que nada mais é que um misto quente chique. Amo misto quente, amo queijo e um sanduíche que mistura vários tipos de queijo e vem tostado e quentinho tem como dar errado? Na verdade tem, porque o ser humano sempre surpreende, mas esse deu bem certo. Gostei até mais que o Belgrano. O sanduíche vem molhadinho na parte interna, “queijo puxa” na medida e com a casquinha crocante por fora. O tamanho dá pra fome de um adulto comum (embora isso seja relativo no caso de alguns amigos e amigas hahaha), já que é maior que um pão de forma normal e também acompanha chips de batata doce. Esse sanduba custa R$ 20,50 e o meu colega tomou também um cafezinho expresso.

Croque El Señor (Foto: Ariane Cajazeiras)

O cardápio conta 8 opções de sanduíches com preços a partir de 14 reais, além de empanadas e salgados. Entre as bebidas, sucos, refrigerantes, as sodas italianas já citadas e as bebidas com café. Fiquei com vontade de provar os shakes gelados, frappés e chai do oriente (essência de especiarias, leite e dulce de leche). Mas acabei não conseguindo porque optei por sobremesa, no caso duas <3

A primeira foi o bolo de nozes com ganache de chocolate ao leite. São leves camadas de um bolo molhadinho e com pedacinhos de nozes, intercaladas com  o doce de leite Havanna e coberto com ganache de chocolate. Vem ainda com esse montinho de doce de leite que dá pra ver na foto. Gente, sério: se não existisse diabetes no mundo eu comeria esse doce de leite todo dia. Muito bom.

Bolo de nozes (Foto: Ariane Cajazeiras)

A segunda sobremesa eu esqueci de tirar foto, mas é o tradicional crepe de doce de leite (R$ 16). É basicamente uma massa de crepe fininha, coberta com doce de leite Havanna tradicional e dobradinha em várias partes. Um clássico caso de como o simples pode ser maravilhoso. Pra fechar, você ainda pode pedir um cafezinho simples que vem acompanhado de um docinho de leite, como sempre. Ou o café com borda de doce de leite, porque o importante é ser feliz, não é mesmo?

Para dar uma variada no arroz com feijão, vale a visita!

O Café Havanna fica no Iguatemi Fortaleza. É um quiosque grande, quase em frente à livraria Saraiva da parte mais nova do shopping.

 

leia tudo sobre

Publicidade

O (nosso) circuito do café

Por Iury Costa em Café, Restaurantes

25 de agosto de 2017

O blog Le Chef Coxinha decidiu conhecer alguns espaços para tomar um bom café em Fortaleza. A bebida especial, de qualidade, vem ganhando mais adeptos, o que possibilita a abertura de diversos negócios especializados no setor. Apresentamos aqui 10 opções para você apreciar o café. É claro que isso não te impede de deixar outras sugestões. É bom que já podemos planejar um circuito 02!

Resolvemos fazer uma classificação. As estrelas (*) significam a melhor relação de atendimento, ambiente, localização, qualidade do café e custo-benefício. Já os cifrões ($) representam o preço praticado nos locais.

 

01. Aimé Café *** / $$$

Endereço: Avenida Barão de Studart, 2821, Dionísio Torres

Telefone: (85) 3055.6960

Funcionamento: das 09hs às 20:30hs

 

No local, nos sentimos como se estivéssemos na casa da avó, com móveis e objetos espalhados pelo ambiente, que remetem a  um momento familiar.  O atendimento inicial foi confuso, pois não sabíamos se o pedido era feito no balcão, ou se deveríamos aguardar alguém. Dava para perceber o nervosismo dos funcionários com a movimentação. Após a espera, um café de qualidade servido, e acompanhamentos gostosos. Tomamos um mocha.

 

02. Amika Coffeehouse ***** / $$$$

Endereço: Rua Ana Bilhar, 1136, Meireles

Telefone: (85) 3031.0351

Funcionamento: das 13hs às 21hs. Não abre às segundas

 

Excelente localização, profissionais qualificados e simpáticos, além de cafés especiais de alta qualidade. Bom atendimento, diversas opções com café, além de muitos acompanhamentos, como salgados e bolos, mas nada que fuja muito do universo proposto. Também funciona como local para capacitação de baristas e de realização de oficinas para entusiastas. Provamos um mocha com os deliciosos waffles.

 

03. Benévolo Café e Gelato **** / $$$

Endereço: Rua Ana Bilhar, 1083, Meireles

Telefone: (85) 3242.4464

Funcionamento: das 08hs às 23hs

 

Também uma excelente localização, espaço muito bonito e com bom atendimento. Ao ver o cardápio, e o próprio espaço, nos dá a impressão de que o café é apenas uma das várias opções (entre sorvetes, sucos, etc), e não um dos protagonistas.  Mesmo assim, o café servido é de qualidade e saboroso. O destaque positivo é que o grão é de uma produção própria. Tomamos um espresso e um mocha, com biscoitinhos de polvilho.

 

04. Café Havanna *** / $$$$

Endereço: Avenida Washington Soares, 85 (Shopping Iguatemi)

Funcionamento: Segunda a sábado, das 10hs às 22hs, e aos domingos das 14hs às 20hs.

 

Conhecida pelos excelentes alfajores, é uma franquia argentina com um quiosque quase na entrada do shopping (a da livraria). E talvez por ser praticamente na entrada, nos sentimos um pouco desconfortáveis com o fluxo de pessoas, mesmo que, no local, existam umas divisórias. O café utilizado é uma marca própria – bom. O destaque, realmente, é o doce de leite, utilizado tanto nas combinações de café, como nos acompanhamentos. Pedimos um crepe que estava com massa borrachuda, talvez pelo tempo de exposição. Bom atendimento. Ah, o café foi o capuccino com doce de leite!

 

05. Café Viriato ****/$$$$$

Endereço: Rua Osvaldo Cruz, 2828, Aldeota (tem também uma unidade no Shopping Del Paseo)

Telefone: (85) 3035.5503

Funcionamento: das 07:15hs às 23hs

 

Paga-se, também, pelo ambiente, que é bem requintado. Além disso, o café é um de muitos itens, e também não tem protagonismo. Às vezes, o atendimento, talvez pelo movimento, é um pouco disperso, mas, tanto o café, como os acompanhamento são excelentes e saborosos. Se você gosta de coisas muito doces, os affogatos são recomendados. Café de qualidade. Provamos o capuccino.

 

06. Le Pain Le Café **** / $$$$$

Endereço: Rua Professor Dias da Rocha, 670, Meireles

Telefone: (85) 3104.1805

Funcionamento: Segunda à quinta, das 08hs às 21hs, e de sexta a domingo, das 08hs às 22hs

 

Aqui, também, paga-se pela localização. Os acompanhamentos, embora deliciosos, são um pouco caros. Os cafés, no entanto, possuem preços razoáveis. O local é, realmente, muito bonito, e remonta um bistrô francês. Aliás, é um bistrô, e se pode encontrar diversas refeições. O atendimento é bom, e dava para perceber que os baristas são bem treinados e capacitados. O café servido é de qualidade. Provamos um capuccino, um mocha e uns pães artesanais deliciosos.

 

07. Mercado do Café *** / $$$$

Endereço: Rua Padre Francisco Pinto, 174. Benfica

Telefone: (85) 998.640.442

Funcionamento: Segunda à quarta, das 07hs às 20hs, e de quinta a domingo, das 07hs às 22hs

 

Fomos uma segunda vez ao local, já que não vale muito tirar as conclusões na primeira semana de funcionamento, quando tudo ainda está em ajuste. Mesmo assim, encontramos um atendimento hesitante, com os funcionários ainda em adptação, apesar de poucos clientes na casa. O cardápio é extenso, e, mais uma vez, encontramos o café apenas entre muitos itens, como hambúrgueres e pizzas. O ambiente é muito agradável, e leva à região do Benfica uma opção mais requintada. por lá, o café também é de qualidade. Provamos um capuccino, um mocha e bolo de cenoura.

 

08. Tiamate Coffee ***/$$$

Endereço: Rua Floriano Peixoto, 484, Centro

Telefone: (85) 3209.2000

Funcionamento: das 07:30 às 19hs. Não abre aos domingos

 

Também é um modelo de franquia. Realmente um achado no Centro de Fortaleza. E um dos bons. O ambiente, entre grandes prédios, é muito bonito, e com ótimo atendimento. As opções de acompanhamento são poucas, mas também gostosas. Talvez por levar a ideia de uma cafeteria expressa, tudo é servido em copos de papel térmico. Sentimos falta de apreciar um bom café em uma xícara. O café utilizado é de qualidade. Tomamos um capuccino.

 

09. Úrbici Café **** / $$$

Endereço: Avenida Antônio Sales, 1357, Joaquim Távora

Telefone: (85) 988.245.462

Funcionamento: das 07hs às 22hs. Não abre aos sábados e domingos

Mais um excelente achado em Fortaleza. O Úrbici funciona em uma banca, mas que não fica atrás de nenhuma grande cafeteria da região. A proposta é de tomar um café ao ar livre. O ambiente é aconchegante, o atendimento é ótimo e os acompanhamentos são uma delícia. O café utilizado é de uma marca própria, e com excelente qualidade. Provamos o latte, o mocha, o capuccino e o fofíssimo bolo de cenoura. Uma delícia!

 

10. Zuila Café ***/$$$

Endereço: Rua Silva Paulet, 1460, Aldeota

Telefone: (85) 3224.1202

Funcionamento: das 12hs às 20:30hs. Não abre aos domingos

O local foi feito para nos sentirmos em casa, mas na casa de uma tia já idosa, com muitas histórias para contar. O ambiente é agradável, mas os portões aberto nos deixaram um pouco inseguros. O atendimento é muito bom, e com diversas opções para acompanhar o café. Nos confundimos um pouco com o cardápio, já que alguns nomes não eram dos cafés que costumamos tomar, mas nada que não fosse resolvido de imediato. O preço também não é muito alto. O café utilizado é de qualidade. Provamos o mocha, que lá chamam de macchiatto (?), e os waffles com creme de avelã.

IMG_20170614_144301556
1/9

IMG_20170614_144301556

Café Aimé. Foto: Iury Costa

IMG_20170505_132135349 (1)
2/9

IMG_20170505_132135349 (1)

Amika Coffeehouse. Foto: Iury Costa

IMG_20170603_123133190
3/9

IMG_20170603_123133190

Café Benévolo. Foto: Iury Costa

IMG_20170807_140210987
4/9

IMG_20170807_140210987

Café Havanna. Foto: Iury Costa

IMG_20170529_162944943
5/9

IMG_20170529_162944943

Le Pain Le Café. Foto: Iury Costa

IMG_20170803_141159793
6/9

IMG_20170803_141159793

Mercado do Café. Foto: Iury Costa

IMG_20170605_152343589
7/9

IMG_20170605_152343589

Tiamate Coffee. Foto: Elon Nepomuceno

IMG_20170802_144223299
8/9

IMG_20170802_144223299

Úrbici Café. Foto: Iury Costa

WhatsApp Image 2017-08-16 at 18.24.55
9/9

WhatsApp Image 2017-08-16 at 18.24.55

Zuila Café. Foto: Iury Costa

Publicidade

Habemus alfajor argentino: Cafeteria Havanna inaugura em Fortaleza

Por Ariane Cajazeiras em Café, Chocolate, Restaurantes

18 de julho de 2017

É na próxima sexta-feira, 21 de julho, que a cafeteria da marca de alfajores argentina mais famosa, a Havanna, finca bandeira em Fortaleza. Pra gente que gosta de gastronomia, doce, café e novidade, a notícia causou impacto. A expectativa é grande, já que os produtos que conhecemos da Havanna, os seus maravilhosos alfajores, além do doce de leite argentino, agradam e confortam nosso coraçãozinho glutão. Como não temos loja da marca por aqui, a alternativa era comprar em viagens (tem algumas dezenas de quiosques e cafés em alguns shoppings e aeroportos do Brasil, como no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador). Agora, teremos a oportunidade não só de comprar os produtos aqui na cidade, mas também de aproveitar o ambiente e as comidas de uma cafeteria.

O tradicional alfajor argentino (Foto: Divulgação)

A franquia que chega à capital cearense instala o primeiro ponto de venda na região. O café se instala no Shopping Iguatemi Fortaleza e vai comercializa, além de produtos de cafeterias e os tradicionais doces da marca, também sanduíches, tortas, drinks e salgados. A ideia da nova unidade é trazer também “um conceito de espaço aconchegante e acolhedor, com novo design e nova comunicação visual, pensada especialmente para o espaço do shopping”, diz o material de divulgação.

Hamburguer do Menu (Imagem: Divulgação)

A marca se expande através de franquias desde 2014 e planeja abrir mais 25 cafeterias até o final do ano em todo o país. A Havanna, que tem quase 70 anos de tradição, chegou ao Brasil em 2006 e desde então é sinônimo de legítimo alfajor argentino para a maioria dos brasileiros. Se você não conhece, recomendo começar pelo alfajor tradicional e o também tradicional pote do brilhoso doce de leite.

A loja vai oferecer um Blend de café exclusivo Havanna, 100% arábica, que possui notas achocolatadas para harmonizar com o Doce de Leite argentino. E minha curiosidade total está também nos doces oferecidos: é que a chef Pâtissier Carole Crema (conhecida também por ser uma das juradas do programa Que Seja Doce, na GNT – já perceberam que sou fã do reality, né?) passa a ser a fornecedora dos doces para todos os cafés Havanna, com produtos aprovados e chancelados pela Havanna Argentina. A Carole é a jurada mais fofa do reality, além de, claro, falar sempre com muita propriedade das sobremesas e bolos apresentados. Não tive a oportunidade de provar as receitas dela ainda, então fiquei  empolgada.

Carole Crema (Imagem: internet)

Acho ótima essa expansão de cafeterias especializadas em shoppings. No Iguatemi, por exemplo, temos a ótima Grão Espresso e a minha preferida, a 3 Corações. A gente espera que a Havanna venha agradar a todos nós, amantes de doces e cafés <3

PS.: estou de dieta, socorro.

Serviço:

Café Quiosque Havanna
Inauguração aberta ao público: sexta-feira (21) 

Localização: Piso Térreo – Quiosque 1796

Endereço: Av. Washington Soares, 85 – Edson Queiroz, Fortaleza – CE, 60811-340

Horário de Funcionamento: Segunda a sábado das 10h às 22h e aos domingos das 14h às 20h

Publicidade

[SÉRIE ALEMANHA] Frühstück: o café da manhã

Por Ariane Cajazeiras em Experiências Gastronômicas

21 de Janeiro de 2017

Como boa amante da comida que sou, gosto muito de apreciar todas as refeições do dia. Uma das minhas preferidas é o café da manhã. É muito bom comer uma frutinha, tomar um bom café e comer um queijo e um pãozinho, não é? O café da manhã alemão não é tão diferente do nosso, é basicamente isso: pão, café, suco, fruta, ovo, frios. Mas tem algumas diferenças, no preparo e variação desses itens.

A variedade de pães e frios, por exemplo. Os pães são mais crocantes e firmes, tem poucos dos que a gente chama aqui no Ceará de “massa fina” ou “sovado”. Também é possível encontrar muitos pães “de fôrma”, aquelas fatias, em geral cheios de grãos, como o tradicional pão de centeio (que na versão de snack é um horror, não recomendo). É uma massa escura e bem densa, às vezes é feito bem fino com grãos moídos e pouco aparentes, às vezes como as fatias da foto abaixo, com os grãos inteiros. Pelas minhas pesquisas, ele é cozido em banho maria na umidade da própria massa por mais de 20 horas. Ele não leva fermento! O pão era feito com farinha de centeio que era a mais barata, lá pelo início da sua fabricação, nos anos 1450. Por isso era o mais consumido pelas classes mais pobres e rurais do país.

Pão de centeio: feito com cereais, é um pão bem denso

Pão de centeio (foto: internet)

Os pães alemães são muito diversos e tem em todo lugar uma boa variedade. Nas padarias, claro, mas também em supermercados, mercadinhos e até nos restaurantes das estações de trem. O meu preferido era esse pão da foto, cheio de sementes de papoula. Mas também tem muitos pães com outras sementes, com gergelim e amanteigados.

Pão com sementes de papoula (foto: Ariane Cajazeiras)

Os Brezel também são muito consumidos: são pãezinhos trançados crocantes em formato do que aqui no Brasil nós chamamos de Pretzel, mas com sabor bem diferente dos nossos Pretzels. Eles podem ser vendidos recheados com frios, maionese e folhas e acompanham os salsichões e cervejas tão queridos pelos alemães (sim, as cervejas são consumidas até pela manhã, nas estações de trem e quiosques). Mas o mais barato e mais vendido é o comum, sem recheio, amanteigado.

Brezel: diferente do nosso Pretzel (Foto: Internet)

Eu também fiquei maluca com a quantidade de queijos e presuntos! Queijo brie, queijo emental, queijos com pimenta e vários temperos, queijos de cabra e muitos queijos frescos. A preferência do paladar alemão é sempre pelos mais azedos. Eu me acabei mesmo foi no queijo brie, que aqui no Brasil é um absurdo de caro e lá é baratinho demais.

Foto: Ariane Cajazeiras

Pão com queijo brie e salame apimentado (Foto: Ariane Cajazeiras)

As mortadelas e os salames são muitos e de ótima qualidade. Até mesmo o da marca dos supermercados. E os alemães também comem o tradicional salsichão (são muitas variações, falo em outro post) no café da manhã. Fatiados e fritos ou inteiros dentro do pão. Tem pão com salsichão para vender em todo lugar que você vai. Nos cafés dos hoteis, geralmente mais sortidos, também tem patês de salsichão, creme azedo, queijo cremoso, patê de cebola e sempre, sempreeee tem ovo… mas cozido! E eles adoram toda uma parafernália para comer o ovo cozido: copinho para o ovo, saleiro, colherzinha. Não vi por lá, mas ouvi falar que existe até um utensílio para quebrar a casca de ovo, chamado de “Eierschalensollbruchstellenverursacher” (não se assuste, o alemão junta uma ruma de palavra numa só, isso significa em português maios ou menos “o causador da marca onde se deve quebrar a casca do ovo”).

Ovo cozido no copinho (Imagem: internet)

Ovo cozido no copinho (Imagem: internet)

Destaque também para o patê de banha de porco, consumido principalmente na parte sul do país. Fomos a uma cidadezinha encantadora, chamada Rothenburg ob der Tauber. Nos hospedamos num hotelzinho que era uma fofura e com a MELHOR COMIDA DE TODOS OS TEMPOS. Só de pensar, já estou salivando. Ele ficava em uma cidade vizinha a Rothenburg, Steinsfeld, que é um município da Alemanha, no distrito de Ansbach, no estado da Baviera. A comida bávara é super lecker (muito deliciosa)! Queria morar na Baviera, sério. Nesse hotel, o Alte Schreinerei  a comida era feita de forma bem caseira e foi lá onde comi pela primeira vez o Schweineschmalz, que nada  mais é que um patê de banha de porco salgado e temperado com cebola. A primeira vista pode parecer nojento, mas depois que você quebra o preconceito… Tem uma textura bem gordurosa, claro, mas o tempero é muito leve e gostoso.

Schweineschmalz no Alte Schreinerei (que saudade). Foto: Ariane Cajazeiras

Café da manhã no Alte Schreinerei (Foto: Ariane Cajazeiras)

A variedade de geleias e cremes de avelã também é um caso a parte. Elas são bem baratas no supermercado, você encontra um pote pequeno por menos de um euro! Os cremes de avelã variam, não tem só Nutella. E o potinho custa poucos euros, você encontra até por 2 eurinhos. É fácil engordar na Alemanha, não é?

Geleias e creme de avelã (Foto: Ariane Cajazeiras)

Já as frutas, essas eu senti muita, muita falta. Não tem como compara com a variedade de frutas de um país tropical! Como estávamos na época do inverno, as opções eram ainda mais reduzidas e mais caras. Um suco de laranja fresca, por exemplo, custa uns 3 euros no supermercado (cerca de 10 reais por 300 ml de suco de laranja!). Por isso você encontra mais frutas secas ou em calda e sucos industrializados. O que para mim é o fim do mundo, já que eu amo fruta e amo suco natural. Nos cafés da manhã dos hoteis, o máximo de frutas frescas que você vai encontrar são as bananas e as maçãs. Encontramos mais variedade de frutas no mercado municipal, mas igualmente caras.

Mercado municipal de Frankfurt: quase 7 euros, meio quilo de morango! (Foto: Ariane Cajazeiras)

Suco industrializado (:() com mini muffins de mirtilo, chocolate e baunilhas (:D) (Foto: Ariane Cajazeiras)

Para finalizar, outra decepção: o cafezinho. De um modo geral, o café por lá é bem fraco. Você não acha café coado, só expresso de máquina, de um modo geral. E os locais onde o café é servido coado, desapontam um pouco pelo sabor fraco e pouco marcante.

Nas cafeterias, são muitas opções: café latte, Milchkaffee (leite vaporizado com um pingo de café), Cappuccino, café com leite. E tem muitas cafeterias por um onde você passa, isso é ótimo. A gente parou em vários desses locais e experimentou muitos cafezinhos. Os alemães gostam muito de café, assim como nós, brasileiros. As bebidas não são necessariamente ruins, algumas são deliciosas! Mas sem dúvida o cafezinho simples daqui é bem mais forte e gostoso!

Starbucks: café caro e fraco, não recomendo. Esse era um chocolatequente com aroma de caramelo gostosinho (foto: Alana Cajazeiras)

É isso! Viajar é incrível. Viajar para provar sabores é mais incrível ainda! A viagem continua por anos e anos na nossa memória. No próximo post da série vou falar sobre DOCES. Bis bald (Até mais!)!

Com amor e com fome,

Ariane.

Publicidade

[SÉRIE ALEMANHA] Frühstück: o café da manhã

Por Ariane Cajazeiras em Experiências Gastronômicas

21 de Janeiro de 2017

Como boa amante da comida que sou, gosto muito de apreciar todas as refeições do dia. Uma das minhas preferidas é o café da manhã. É muito bom comer uma frutinha, tomar um bom café e comer um queijo e um pãozinho, não é? O café da manhã alemão não é tão diferente do nosso, é basicamente isso: pão, café, suco, fruta, ovo, frios. Mas tem algumas diferenças, no preparo e variação desses itens.

A variedade de pães e frios, por exemplo. Os pães são mais crocantes e firmes, tem poucos dos que a gente chama aqui no Ceará de “massa fina” ou “sovado”. Também é possível encontrar muitos pães “de fôrma”, aquelas fatias, em geral cheios de grãos, como o tradicional pão de centeio (que na versão de snack é um horror, não recomendo). É uma massa escura e bem densa, às vezes é feito bem fino com grãos moídos e pouco aparentes, às vezes como as fatias da foto abaixo, com os grãos inteiros. Pelas minhas pesquisas, ele é cozido em banho maria na umidade da própria massa por mais de 20 horas. Ele não leva fermento! O pão era feito com farinha de centeio que era a mais barata, lá pelo início da sua fabricação, nos anos 1450. Por isso era o mais consumido pelas classes mais pobres e rurais do país.

Pão de centeio: feito com cereais, é um pão bem denso

Pão de centeio (foto: internet)

Os pães alemães são muito diversos e tem em todo lugar uma boa variedade. Nas padarias, claro, mas também em supermercados, mercadinhos e até nos restaurantes das estações de trem. O meu preferido era esse pão da foto, cheio de sementes de papoula. Mas também tem muitos pães com outras sementes, com gergelim e amanteigados.

Pão com sementes de papoula (foto: Ariane Cajazeiras)

Os Brezel também são muito consumidos: são pãezinhos trançados crocantes em formato do que aqui no Brasil nós chamamos de Pretzel, mas com sabor bem diferente dos nossos Pretzels. Eles podem ser vendidos recheados com frios, maionese e folhas e acompanham os salsichões e cervejas tão queridos pelos alemães (sim, as cervejas são consumidas até pela manhã, nas estações de trem e quiosques). Mas o mais barato e mais vendido é o comum, sem recheio, amanteigado.

Brezel: diferente do nosso Pretzel (Foto: Internet)

Eu também fiquei maluca com a quantidade de queijos e presuntos! Queijo brie, queijo emental, queijos com pimenta e vários temperos, queijos de cabra e muitos queijos frescos. A preferência do paladar alemão é sempre pelos mais azedos. Eu me acabei mesmo foi no queijo brie, que aqui no Brasil é um absurdo de caro e lá é baratinho demais.

Foto: Ariane Cajazeiras

Pão com queijo brie e salame apimentado (Foto: Ariane Cajazeiras)

As mortadelas e os salames são muitos e de ótima qualidade. Até mesmo o da marca dos supermercados. E os alemães também comem o tradicional salsichão (são muitas variações, falo em outro post) no café da manhã. Fatiados e fritos ou inteiros dentro do pão. Tem pão com salsichão para vender em todo lugar que você vai. Nos cafés dos hoteis, geralmente mais sortidos, também tem patês de salsichão, creme azedo, queijo cremoso, patê de cebola e sempre, sempreeee tem ovo… mas cozido! E eles adoram toda uma parafernália para comer o ovo cozido: copinho para o ovo, saleiro, colherzinha. Não vi por lá, mas ouvi falar que existe até um utensílio para quebrar a casca de ovo, chamado de “Eierschalensollbruchstellenverursacher” (não se assuste, o alemão junta uma ruma de palavra numa só, isso significa em português maios ou menos “o causador da marca onde se deve quebrar a casca do ovo”).

Ovo cozido no copinho (Imagem: internet)

Ovo cozido no copinho (Imagem: internet)

Destaque também para o patê de banha de porco, consumido principalmente na parte sul do país. Fomos a uma cidadezinha encantadora, chamada Rothenburg ob der Tauber. Nos hospedamos num hotelzinho que era uma fofura e com a MELHOR COMIDA DE TODOS OS TEMPOS. Só de pensar, já estou salivando. Ele ficava em uma cidade vizinha a Rothenburg, Steinsfeld, que é um município da Alemanha, no distrito de Ansbach, no estado da Baviera. A comida bávara é super lecker (muito deliciosa)! Queria morar na Baviera, sério. Nesse hotel, o Alte Schreinerei  a comida era feita de forma bem caseira e foi lá onde comi pela primeira vez o Schweineschmalz, que nada  mais é que um patê de banha de porco salgado e temperado com cebola. A primeira vista pode parecer nojento, mas depois que você quebra o preconceito… Tem uma textura bem gordurosa, claro, mas o tempero é muito leve e gostoso.

Schweineschmalz no Alte Schreinerei (que saudade). Foto: Ariane Cajazeiras

Café da manhã no Alte Schreinerei (Foto: Ariane Cajazeiras)

A variedade de geleias e cremes de avelã também é um caso a parte. Elas são bem baratas no supermercado, você encontra um pote pequeno por menos de um euro! Os cremes de avelã variam, não tem só Nutella. E o potinho custa poucos euros, você encontra até por 2 eurinhos. É fácil engordar na Alemanha, não é?

Geleias e creme de avelã (Foto: Ariane Cajazeiras)

Já as frutas, essas eu senti muita, muita falta. Não tem como compara com a variedade de frutas de um país tropical! Como estávamos na época do inverno, as opções eram ainda mais reduzidas e mais caras. Um suco de laranja fresca, por exemplo, custa uns 3 euros no supermercado (cerca de 10 reais por 300 ml de suco de laranja!). Por isso você encontra mais frutas secas ou em calda e sucos industrializados. O que para mim é o fim do mundo, já que eu amo fruta e amo suco natural. Nos cafés da manhã dos hoteis, o máximo de frutas frescas que você vai encontrar são as bananas e as maçãs. Encontramos mais variedade de frutas no mercado municipal, mas igualmente caras.

Mercado municipal de Frankfurt: quase 7 euros, meio quilo de morango! (Foto: Ariane Cajazeiras)

Suco industrializado (:() com mini muffins de mirtilo, chocolate e baunilhas (:D) (Foto: Ariane Cajazeiras)

Para finalizar, outra decepção: o cafezinho. De um modo geral, o café por lá é bem fraco. Você não acha café coado, só expresso de máquina, de um modo geral. E os locais onde o café é servido coado, desapontam um pouco pelo sabor fraco e pouco marcante.

Nas cafeterias, são muitas opções: café latte, Milchkaffee (leite vaporizado com um pingo de café), Cappuccino, café com leite. E tem muitas cafeterias por um onde você passa, isso é ótimo. A gente parou em vários desses locais e experimentou muitos cafezinhos. Os alemães gostam muito de café, assim como nós, brasileiros. As bebidas não são necessariamente ruins, algumas são deliciosas! Mas sem dúvida o cafezinho simples daqui é bem mais forte e gostoso!

Starbucks: café caro e fraco, não recomendo. Esse era um chocolatequente com aroma de caramelo gostosinho (foto: Alana Cajazeiras)

É isso! Viajar é incrível. Viajar para provar sabores é mais incrível ainda! A viagem continua por anos e anos na nossa memória. No próximo post da série vou falar sobre DOCES. Bis bald (Até mais!)!

Com amor e com fome,

Ariane.