Publicidade

Le Chef Coxinha

por Ariane Cajazeiras

Coxinha

Pizza de coxinha: bizarrices que amamos

Por Ariane Cajazeiras em Coxinha

26 de junho de 2017

O brasileiro é criativo! E quando se trata de comida, aí é que os limites sempre são ultrapassados. Na última semana, rodou o Brasil uma imagem de uma pizza com borda de coxinha! A delícia nada leve foi criada por um pizzaiolo conhecido como Tilon, do restaurante Amalicia em Missão Velha, no Cariri. A história dele já foi bem contada aqui mesmo, no portal Tribuna do Ceará.

Tilon, com suas criações (Foto: Arquivo pessoal)

Mas aqui em Fortaleza, uma doceria no bairro Jóquei Clube, tradicional por oferecer comidas gigantes como a big coxa de um quilo, já adicionou a pizza de coxinha ao cardápio. Em menos de 2 dias, a procura gerou até fila de espera. Afinal, quem não gosta de uma exagero no fim de semana? A sócia do Empório das Comadres, Joelma Maia, diz que quando a imagem da pizza do Tilon estourou nas redes sociais, os clientes começaram a pedir uma versão fortalezense da delícia. Foi aí que os cozinheiros já criaram a versão pra cá.  A pizza tem oito pedaços e vem com oito coxinhas médias na borda. O cliente pode escolher até dois sabores de pizza e as coxinhas são tradicionais de frango. O valor é R$ 49,90.

Pizza com Borda de coxinha do Empório das Comadres (Foto: Divulgação)

A outra sócia da loja, Genny Cunha, diz que a maioria dos pratos exagerados é sugerida mesmo pelos próprios clientes. Além da coxinha de um quilo, elas tem naked cake de coxinha (!!!), taças avalanches doces (aquelas com doce na parte de fora da taça, sabe?) e taças avalanche salgadas, cobertas de bacon, purê, recheadas com camarão… enfim. Qualquer exagero é pouco para mensurar a criatividade para gordices.

naked
1/4

naked

Naked cake de coxinha (Foto: Divulgação)

bigcoxa
2/4

bigcoxa

Big Coxa (Foto: Divulgação)

buque
3/4

buque

Buquê de coxinha (Foto: Divulgação)

taças
4/4

taças

Taças avalanche (Foto: Divulgação)

E aí? Você encara uma pizza de coxinha, mesmo na segunda-feira, dia mundial dos inícios de dieta? O restaurante fica na Avenida Lineu Machado, 1117, no bairro Jóquei Clube.

(Eu entrevistei as meninas do Empório na Tribuna Band News FM no último sábado, dia 25.06.2017 e vocês podem ouvir o papo aqui.)

Publicidade

Coxinha sem ovo, lactose e glúten pode ser boa?

Por Ariane Cajazeiras em Coxinha

02 de Fevereiro de 2017

Pois num é que pode? A paixão nacional, o quitute mais amado do Brasil, a melhor iguaria dos bares, botecos e padarias da cidade, aquela que dá nome a esse blog e é politicamente usada de forma errônea como sinônimo de coisa pejorativa, a nossa amada COXINHA é sem dúvida um dos alimentos mais procurados e por isso mesmo um dos que têm mais versões. Afinal, sabemos que ela é cheia de carboidratos, gorduras, lactose, glúten e tudo mais.

Amadas coxinhas (foto: internet)

Além das versões “fit”, que levam massa de batata doce, dentre outras versões, também já é possível achar no mercado as versões para pessoas que têm alergia ou intolerância aos elementos da receita da coxinha.

Essa semana fui convidada para conhecer uma loja que se propõe a ser a primeira especializada em produtos para pessoas que tem restrições alimentares. A Levíssima oferece uma gama de produtos. Além da coxinha, tem pães, croquetes, bolinhos de bacalhau, picolés, bolos, biscoitos, brownies, manteiga ghee, muitas coisas com baixo índice de sódio, gordura, açúcar. Enfim. Ao todo são 1800 produtos! Tem muita coisa para quem tem alergias, intolerâncias, diabetes, para vegetarianos, veganos e pessoas com restrições alimentares em geral.

Sarah Melo, o bebezinho dela no bucho, eu e mamãe (foto: Manuela Sales)

A criadora da loja e dona da marca, Sarah Melo, explica que a loja surgiu há 1 ano e 6 meses após uma demanda própria. Ela tem intolerância a lactose e glúten e buscava em todo o Brasil produtos para consumir. Quando percebeu que com um CNPJ seria mais fácil adquirir os alimentos, enxergou também uma possibilidade de negócio. A Sarah é advogada, mas dá para ver que ela gosta muito de pesquisar o assunto, sabe tudo de todos os produtos que a gente procura nas prateleiras. Afinal, quem tem restrição alimentar sabe que é necessário ter cuidado nos mínimos detalhes, até se as ferramentas que manipulam os produtos que serão consumidos não tiveram contato com resquício de algo que cause reação.

Produtos a granel (Foto: Ariane Cajazeiras)

Manteiga clarificada e várias ghee temperadas (Foto: Ariane Cajazeiras)

Os produtos mais procurados são os brownies sem glúten e lactose e… a COXINHA, claro. E essa, obviamente, eu tive que provar. Ao invés de leite, manteiga, farinha de trigo e óleo, a coxinha que levei tem fécula de batata, farinha de arroz, margarina vegetal, cebola, alho, salsinha, caldo de frango e sal na massa. A recomendação é que a coxinha integral não seja frita, mas assada no forno, para torná-la mais leve (permitam-me o trocadilho). Na loja ela é ofertada apenas congelada. A marca não é própria, de um modo geral os produtos da Levíssima vêm de vários lugares do Brasil.

Tudo bem descrito na embalagem (Foto: Ariane Cajazeiras)

Coloquei as 12 coxinhas de tamanho médio em uma assadeira sem untar nem nada. Levei ao forno como indica a embalagem: por 20 minutos. O cheirinho que se espalhou pela casa foi muito bom. Quando abri o forno, achei que a coxinha tinha ficado meio mole, mas como as pontinhas estavam escuras, achei melhor retirar.

Coxinhas congeladas (Foto: Ariane Cajazeiras)

Recém saídas do forno (Foto: Ariane Cajazeiras)

O salgado não deixa a desejar: o tempero é muito gostoso e dá pra matar a fome de coxinha. A massa é bem levinha e macia, como na versão do salgado cuja massa é feita de batata e não de farinha de trigo. Quando a massa é de farinha, fica bem mais elástica. A casquinha fica bem crocante, também. O ponto baixo é a estética: duas delas estouraram com o calor e a coxinha não fica muito redondinha, já que no forno, a parte que fica em contato com a assadeira fica mais plana e escura. Em resposta ao blog, a Levíssima diz que, embora a embalagem diga que a coxinha deve assar por 20 minutos, os clientes são orientados a colocar apenas por 15 minutos, para evitar que o salgado passe do ponto.

Também comprei outras coisinhas fits na loja. Em breve você vê a avaliação pelo instagram, já seguiu? Vai lá: @lechefcoxinha.

Com amor e com fome,

Ariane.

SERVIÇO:

Loja Levíssima: Rua Silva Paulet, 1390 – Aldeota, Fortaleza – CE

Telefone: 3051-1220

A loja funciona de segunda a sábado.
Publicidade

Enquanto isso no Instagram do Le Chef Coxinha…

Por Caetano Neto em Coxinha

21 de novembro de 2016

Para quem ainda não sabe estamos também no Instagram. Lá damos aquelas dicas mais rápidas, além de claro, mostrarmos o que estamos comendo no dia a dia. Afinal, sabemos que o Instagram foi criado tão somente com esse motivo! 😀

E claro que não podia faltar a maravilhosa coxinha!

Publicidade

Enquanto isso no Instagram do Le Chef Coxinha…

Por Caetano Neto em Coxinha

21 de novembro de 2016

Para quem ainda não sabe estamos também no Instagram. Lá damos aquelas dicas mais rápidas, além de claro, mostrarmos o que estamos comendo no dia a dia. Afinal, sabemos que o Instagram foi criado tão somente com esse motivo! 😀

E claro que não podia faltar a maravilhosa coxinha!