Jangadeiro Animal - Tudo sobre seu pet. 
Publicidade

Jangadeiro Animal

por Fernanda Leite

Circo legal, Não tem animal!

Por Fernanda Leite em Sem categoria

30 de Março de 2018

A maioria das cidades do Brasil já proíbem animais em circos

O uso de animais em circos tem se tornado um assunto bastante polêmico. Segundo a Procuradora Autárquica Geuza Leitão, o número de correspondências sobre o tema enviado por cidadãos brasileiros e estrangeiros aos órgãos públicos vem aumentando a cada dia. A sensibilização da população quanto ao bem-estar animal e à segurança do público é refletida também no grande número de Projetos de Lei visando proibir ou regularizar essas atividades com normas severas de segurança. “Em vários estados da Federação projetos de leis já foram sancionados e existem leis proibindo a exibição de animais em circos. No Ceará, temos a Lei Municipal nº. 8049/1997, que estabelece exigências para a concessão de Alvará de Funcionamento em circos que utilizem animais exóticos.”, explica a Procuradora.

Não tem como determinar uma data específica de quando ou como as práticas circenses começaram. Algumas pesquisas apontam que foi há cerca de 4 a 6 mil anos, com os chineses. Outras teorias apontam que a atividade teria começado na Dinastia Ran da China, há apenas 2 mil anos, ou em Roma, na época dos gladiadores.

A história do circo no Brasil teve início no século XIX, com a chegada das famílias de imigrantes. A introdução de animais nos espetáculos pode ser atribuída ao pai do circo, o inglês Philip Astley. No Brasil, são usados animais domésticos ou da fauna silvestre exótica, como elefantes, leões, tigres, camelos, cavalos, macacos, rinocerontes, entre outros, pois é proibida a utilização de animais da fauna brasileira, como onça-pintada, lobo-guará, veado, capivara, mico-leão-dourado, papagaio, arara, peixe-boi e boto-rosa etc.

A acrobata Poliana Braga (44) vem de uma família tradicional de circo. Trabalhou em mais de 20 lugares diferentes, picadeiros conhecidos como Beto Carrero, Orlando Orfeià, circos pequenos que costumam se instalar em periferias e pequenos interiores, e também foi casada com um domador. Ela conta que o tratamento dos animais nos lugares de maior poder aquisitivo é bem diferente, pois eles comem melhor e há jaulas maiores. Também conta que, em qualquer lugar, o treinamento em si não tem maus tratos. Mas, na maioria das vezes, tem-se que bater no animal para que ele possa aprender. “O leão, por exemplo, um dia ele quer trabalhar, outro não. Aí você tem que bater nele, tem que mostrar quem manda. É assim até com as crianças pequenas.”, diz.

O Veterinário Sanatiel Silva (46) explica que animais de circos apresentam comportamento estereotipado. Típico de animais confinados em cativeiro inapropriado e sem enriquecimento ambiental. Os animais recebem acomodação, alimentação e descanso inadequados e insuficientes e passam pelo estresse causado por viagens constantes, em condições precárias. “Os animais dançam, pulam argolas, fazem graça ao público, mas, em qualquer situação, o comportamento natural é forçado pelos adestradores. Somente nessas questões citadas percebe-se que o ambiente em que esses animais vivem não é nada saudável e muito menos adequado para uma vida digna”, completa.

Grandes centros urbanos já proíbem o uso de animais em circos. Um dos melhores do mundo, o canadense Cirque du Soleil, não utiliza animais em suas apresentações.

Escrito Por Fernanda Leite

leia tudo sobre

Publicidade

Dicas para quem perdeu seu gato ou cachorro

Por Fernanda Leite em Sem categoria

23 de Março de 2018

Esperamos que você nunca precise delas, mas se precisar, torcemos para que elas possam ajudar.

Perder um animal de estimação é uma situação que já foi vivida por quase todo mundo. Se o seu cão ou gato se perder, você deve tentar manter a calma e agir com rapidez.
Primeiro, faça um círculo mentalmente dos arredores de onde o animal se perdeu, e cheque todos os lugares da região. Quanto antes você aplicar as medidas, mais chances terá de encontrar. As primeiras 24 horas são fundamentais.

Procurando na Rua

• Uma pessoa deve ficar sempre em casa, para caso o animal encontre o caminho de volta e também ficar sempre com o telefone em mãos.
• Se seu amigo peludo possuir uma coleira com uma placa que o identifique, é provável que se alguma pessoa o encontrar, ela comunique a você.
• Faça um trajeto no seu bairro e bairros vizinhos, chamando o animal pelo nome e tenha consigo folhetos com foto, com seus dados e do cão.
• É importante informar nos principais comércios da região, carteiros, entregadores e pessoas que costuma andar pelo bairro.
• Coloque cartaz/folhetos em todas as caixas de correio, comércios, esquinas e postes da região.
• Atenção especial para divulgação em clínicas veterinárias e pet shop, possivelmente tem grandes chances do seu animal passar por esse lugar, se for encontrado por alguém.
• Notifique a polícia se achar que seu animal foi raptado.
• Visite sites relacionados a animais, também vá a canis e abrigos da sua cidade. Principalmente o Centro de Controle de Zoonoses – CCZ (conhecido como “carrocinha”) e Ligue sempre!
• Utilize carro de som pelo bairro, e publique o desaparecimento no rádio e jornal, se poder.
• Saia à noite também, período mais silencioso e chame pelo nome do animal.
• Se tiver condições, espalhe que há recompensa e não desista nunca.

Aprenda a fazer um cartaz ou folheto

• Coloque apenas as informações necessárias, simples e mais direto possível, coloque em tópicos, nunca texto corrido.
• Coloque no cartaz a palavra PERDIDO ou PROCURA-SE bem grande no topo, para chamar a atenção. Abaixo coloque uma foto boa do animal (dê preferência por foto colorida) e abaixo dela, coloque os dados, por exemplo: raça – sexo – idade, rua e bairro em que desapareceu
• Contato: telefone e e-mail – seu nome
• RECOMPENSA – não estipule valores.

Procurando pela internet

• Entre em todos os sites de animais achados e perdidos da sua cidade.
• Faça um levantamento de páginas e grupos no facebook e blogs de cães para adoção, pois sempre publicam cães perdidos.
• O que você deve fazer nas redes sociais é falar com o máximo de pessoas, entrar no máximo de comunidades e adicionar o máximo de pessoas possíveis.
• Faça um folhetinho virtual e peça para os seus amigos compartilharem e assim a coisas se espalha na rede.

E, quando, por fim, o seu pet retornar ao lar, não se esqueça de tirar os cartazes e os diferentes anúncios sobre seu desaparecimento, inclusive nas redes sociais. E se o animal não possuir coleira de identificação, trate de providenciar urgentemente.

Escrito Por Fernanda Leite

leia tudo sobre

Publicidade

A maior doação de ração premium do Ceará

Por Fernanda Leite em Cães, gatos

16 de Março de 2018

A Matsuda Pet ( http://www.matsudapet.com.br ), em parceria com Valdemar Pinheiro, apresentador do programa Jangadeiro Animal, realiza no sábado (17) a doação  de  mais uma tonelada de ração Vittamax para Organizações não Governamentais – ONGs, abrigos e protetores independentes de animais. Além disso, serão vendidas em Fortaleza, a preço solidário, mais oito toneladas da ração, exclusivamente para defensores dos animais, para saciar a fome dos cães abrigados, a revenda é proibida.

Os contemplados com a doação de fevereiro foram os protetores independentes: Lene Bezerra, Janet Vogt, Betânia Cavalcante e Deisa Maria. Além dos abrigos: Anjinhos de 4 Patas e Mar de Gatos. Todos levarão entre 100 e 200 kg de ração, e a entrega acontece na Rua Júlio Lima, 396 – Cidade dos Funcionários.

Através da ideia de Valdemar, a Matsuda Pet já ajudou muitos animais carentes, entre janeiro e fevereiro deste ano, fazendo a alegria dos peludos com a Vittamax Ração Premium.

Maragareth Martins, voluntária da ONG Abrace – Uma Causa Animal, foi contemplada com a doação no mês de janeiro e relatou a importância deste tipo de campanha que gera doações para as instituições de animais carentes. “Nós da Abrace, ficamos muito gratos por termos recebido a doação de 200kg de ração da campanha da Vittamax/Matsuda Pet, via Jangadeiro Animal para nossos cães tutelados. Alimentar animais carentes não é só matar a fome deles é também alimentar a nossa alma!”, festeja.

Para Valdemar, ser o idealizador desta ideia, traz-lhe a satisfação de saber que cães e gatos irão comer uma ração de qualidade, rica em nutrientes. “Fico feliz com a disposição e o carinho da Matsuda Pet em abraçar esta causa. Sei da necessidade dos abrigos, das inúmeras despesas que pagam com veterinários, medicamentos, água, luz, entre outras. Alegra meu coração em participar dessa ação e em levar uma alimentação saudável para esses seres tão indefesos”.

O apresentador é ativista da causa animal desde criança e relembra seu primeiro resgate. “Quando eu tinha seis anos, encontrei uma cão vira-lata abandonado na rua. Não pensei duas vezes, peguei o bichinho e levei pra casa. Meu pai quando viu, não teve coragem de devolver o ‘Leão’ para rua e assim ele ficou com a gente até os meus 18 anos”, lembra.

Até o final da campanha, o objetivo é que mais de 10 toneladas de ração sejam doadas, além de muitas outras vendidas por um preço solidário.

Escrito Por Fernanda Leite

leia tudo sobre

Publicidade

Bombaim – uma pantera negra dentro de casa

Por Fernanda Leite em gatos

28 de Janeiro de 2018

Sua historia é recente, criada pela Americana Niki Horner, que queria um gato parecido com uma pantera negra.

fonte: https://www.argospetinsurance.co.uk/assets/uploads/2014/12/Bombay-Cat1.jpg

Ela buscou inspiração no livro “a selva” de Rudyard Kipling, Livro este composto por 7 contos, nos 3 primeiros relatam a historia de Mogli, um rapaz indiano criando entre os lobos.  Outra personagem marcante era uma pantera negra chamada Bagheera, Niki queria uma pequena Bagheera dentro de casa.

Isso não foi fácil e levou mais de 30 anos para virar realidade, primeiro ela usou gatos de rua pretos cruzando-os com gatos da raça burmês, como resultado, muitos gatos pretos nasceram, mas sem um padrão definido. Isso fez com que ela desistisse de criar uma nova raça.

Entretanto, no inicio dos anos de 1960, ela retornou o projeto, desta vez utilizando duas raças já conhecidas, o burmês e o americano de pelo curto,   no dia 2 de janeiro de 1966, nasceu a primeira ninhada de Bombaim (que tem este nome em homenagem a uma cidade da Índia)

Nos anos seguintes Nikki continuou realizando cruzamentos até que finalmente consegui realizar seu desejo, criou uma nova raça, que foi reconhecida em 1970. Em 1974 já tinha um clube especializado e em 1976   teve seu primeiro campeão internacional. Bombaim deve ser totalmente negro e com olhos em tons cobre e ouro.

É um gato de porte médio, compacto e musculoso – você pode ver os músculos dessa pequena pantera se moverem conforme ela persegue alguma presa imaginária ou brinquedo pela casa. A cabeça  é arredondada com o rosto largo, sem nenhum angulo acentuado. Os olhos são grandes, redondos e separados, que dão um olhar meio e doce ao gato. O Bombaim guarda muitas características do burmês e por isso as duas raças podem acasalar-se.

 

fonte:https://vetstreet.brightspotcdn.com

É possível encontrar gatinhos burmês em uma ninhada   do acasalamento de um casal de  bombains, este gato então é registrado como burmês, em média nascem 4 ou 5 gatinhos. Alguns que somente se tornam perfeitamente negros quando possuem mais de seis meses.

O Bombaim é um gato extremamente afetuoso com toda a sua família, adora brincar e ama mais ainda colo. Se da bem com crianças, gatos e cães, mas pode ficar estressado e até arisco em ambientes muito barulhentos. Vai procurar, sem cerimonia alguma, dormir ao seu lado na cama, adora estar perto do dono, se possível, grudado nele.

Trata-se de uma das raças mais populares dos EUA, entretendo somente por lá, na Europa existem poucos criadores, e no Brasil nenhum.

É um felino muito brincalhão, divertido, paciente, não é destruidor nem mesmo traiçoeiro, costuma se adaptar muito bem em qualquer tipo de clima e casa, mora sem problema algum em uma enorme casa ou um pequeno apartamento, sua única exigência, estar perto do dono.

Como é um gato de pelo curto, basta escova-lo uma vez por semana, mas isso pode até ser diário, ele não vai reclamar disso, pode ter certeza.

Banhos somente quando necessário e corte de unhas mensal, tenha um cuidado especial com as orelhas (que devem ser limpas semanalmente) e com os olhos. Observe sempre seus olhos, pois a raça é possui uma predisposição para contar com um prolapso de glândula da terceira pálpebra, o que também é conhecido como Cherry Eye, ou “olho de cereja”.

Existem outras doenças tais como lábios leporinos, fratura do palato, problemas respiratórios, entretanto, seu maior problema é ser guloso demais. Parece que sua fome nunca acaba, sempre pedindo comida, e se seu dono não tomar cuidado, vai transforma-lo em um gato obeso, junto com a obesidade vem todos os problemas associados, tais como Diabetes, doenças cardiovasculares e hipertensão, osteoartrite e doenças respiratórias

Como é um gato de pelo curto, o Bombaim pode ser criado tranquilamente aqui no Ceara, mas, como já foi mencionado, não existem criadores no Brasil. Quem sabe vc não vai ser o primeiro a trazer esta pequena pantera para nosso pais.

leia tudo sobre

Publicidade

Estrelinha Cisse

Por Fernanda Leite em gatos

14 de novembro de 2017

Minha eterna Cisse, depois de 24 anos e cinco meses você resolveu descansar!

A idade chegou há algum tempo, já estava cansada e debilitada, mas só tenho a agradecer, por tantos anos em minha vida. Obrigada minha Cisse!

Nunca vou esquecer, o dia em que se tornou minha, era o sonho de criança uma gatinha igual a você.

Fui ao circo e lá tinha uma linda ninhada de gatos siameses e você com apenas 24 dias passou a ser minha, eu tinha 8 aninhos. Quando peguei no colo se acomodou e dormiu… Naquele instante, meu coração nunca mais seria o mesmo.

Gatinha foste minha patinha amiga, me viu crescer, me viu sendo criança, adolescente, mulher, profissional, esposa e mãe… Companheira de todas as horas, como eu tive sorte de ter você por tantos anos.

 

Ensinou-me, um amor verdadeiro, sincero!

Minha fiel companheira, mal humorada, geniosa, valente, chatinha, mas sempre carinhosa, assim eu lembrarei de ti!

Eu chorei com sua partida, estou triste, mas conformada, pois sei que viveu muito e a velhice já tinha tomado suas forças…

Como fiquei feliz, as vezes que achei que partiria e depois melhorava, aquela noite que mesmo dodói resolveste brincar comigo e pegar meu pé, como costumava fazer brincando de pega-pega.

Mas estava chegando a hora de partir, acho que no fundo sabias disso.

Você se foi sem sofrer, morreu dormindo igual um anjo, lembrei de tanta coisa, tantos animais, pessoas que se foram antes de você…

Quando a gente se despediu um pedaço do meu coração ficou com você, a dor que senti foi enorme!

Um dia, ainda vamos nos encontrar, sei disso!

Para sempre Cisse!

16/06/1993 – 08/11/2017.

Por Fernanda Leite

leia tudo sobre

Publicidade

Café Zapata, Hotel pet friendly em Icaraí de Amontada – Ceará.

Por Fernanda Leite em Cães, gatos

05 de setembro de 2017

Icarai de Amontada, localiza-se no município de Amontada, a aproximadamente 220 km de Fortaleza.

Apesar dos ventos fortes, o mar de Icaraí é calmo e convidativo para um mergulho.

A comunidade do local tinha como principal atividade a pesca, mas atualmente o turismo promete transformar a economia do lugar. Belas paisagens, tranquilidade e sol. É essa mistura que faz de Icaraí – ou simplesmente Icaraizinho, uma maravilha de lugar.

Para você que adora viajar com seu pet, tenho uma dica fantástica .

O Café Zapata  ( http://www.cafezapata.com/icaraizinho/ ) é o lugar ideal para famílias que incluem o seu cachorro na viagem.

 

O hotel éconfortável, limpo, próximo ao mar, atendimento cordial e com um restaurante maravilhoso.

 

Além disso tudo, sua família pode contratar os passeios para os lenções cearenses ou para a ilha das ostras (com direito a um por do sol inesquecível).

Se vai com seu cachorro para Icaraí de amontada, seu lugar é o CAFÉ ZAPATA.

leia tudo sobre

Publicidade

Pets no celular

Por Fernanda Leite em Cães, gatos

30 de junho de 2017

Todo mundo tem que usar telefones celulares não é mesmo?

 

 

Mas que tal, usar uma capinha protetora ou ter seu carregador portátil personalizado com a foto do seu pet.

A Vibebox, vai realizar este seu sonho, basta escolher uma bela imagem do seu pet, pode ser correndo, comendo, fazendo bagunça, dormindo ao seu lado, enfim, basta escolher e mandar para https://vibebox.com.br/capinha-para-celular-com-foto-personalizada

Existe ainda uma coleção com imagens de cães (a vibebox vai lançar em breve diversas outras estampas com todo tipo de pet),   são mais de quarenta raças diferentes, entre elas: Shih tzu, Poodle, Maltês, Yorkshire, Pinscher, Bulldog e até mesmo o nosso querido vira lata tem capinha personalizada.

 

Em  pouco mais de 4 meses de lançamento do site, suas redes sociais já possuem mais de 30 mil seguidores em todo Brasil, tanto no facebook como no Instagram. Agora você pode encomendar a sua sem sair de casa  A Vibebox entrega para todo o Brasil.

Todo o processo de vendas acontece no meio digital,   site, http://vibebox.com.br , whatsapp ( 11 94848-8200 ) ou até mesmo por meio e suas redes sociais (Instagram e Facebook) e com entrega para todo Brasil.  Em média o tempo de entrega são 15 dias úteis, pois  são produtos personalizados, o pedido é produzido por demanda, isto é, depois de vendido o mesmo será produzido.

 

Twitter: https://twitter.com/vibeboxstore

Facebook: http://facebook.com/vibeboxstore

Instagram: http://instagram.com/vibeboxstore

Site: http://vibebox.com.br

Pinterest: https://br.pinterest.com/vibebox/

 

Eu já comprei a minha, faça o mesmo você também.

leia tudo sobre

Publicidade

Gatos Siberianos

Por Fernanda Leite em gatos

18 de Abril de 2017

www.purrfectcatbreeds.com

 

Há pouca informação sobre os gato siberianos, assim muitas histórias foram criadas  ao longo do tempo para explicar a origem da raça. Uma delas diz que eles eram os vigilantes dos monastérios Russos, felinos semelhantes aos atuais Siberianos são documentados desde o ano de 1100.  Para a maioria dos criadores a raça desenvolveu-se sozinha.

Isso mesmo, o homem não teria participado da seleção inicial desde felino, que vem do cruzamento de gatos de rua com gatos dos bosques da Sibéria, desta forma ele tem um  DNA selvagem. Já a criação moderna da raça e recente.

A explicação para que tenhamos poucas informações sobre esta bela raça é o regime comunista, por lá, era proibido, aos camponeses, criar gatos, por isso não existem registros, somente em 1987 o primeiro padrão foi escrito na Rússia.

Mas somente começou a ser criado e desenvolvido quando foi exportado para a Europa, principalmente França e Inglaterra e também par os EUA.. Dono de uma das pelagens mais bonitas entre os gatos domésticos.

A temperatura, na Sibéria, pode chegar a 30 graus negativos, para aguentar tanto frio, eles contam com uma pelagem abundante.

O curioso desta raça é que, no verão, eles perdem quase toda sua pelagem, transformando-se em um gato de pelo curto, por isso, podem ser criados aqui no nosso estado.

O  siberiano é,  geralmente,    enorme,   não quer dizer  que seja um gato gordo. possui uma estrutura óssea muito pesada. O  macho pode pesar entre 6 e 10 quilos, enquanto a fémea pesa entre 3,5 a 7 quilos,  é um  exímio caçador, lembrem-se ele é descendente de gato selvagem.

Tranquilo e amigável, isso  não dizer que seja parado, longe disso, gosta de brincar, principalmente pegar objetos. A inteligência é um dos seus pontos fortes, aprende rapidamente o que  pode e o que não pode também. Por isso seu dono tem que tomar cuidado com as reações que tem.

Por exemplo, se ele subir na cortina para tentar alcançar algum inseto e o dono rir e mostrar satisfação, ele vai interpretar isso como algo positivo e o resultado e que suas cortinas vão ter que ser trocadas a cada 2 meses. A maioria dos gatos se dá bem sozinho, e até preferem, o Siberiano não.

www.barvinok.in.ua

Nos bosques da Sibéria, viviam em bandos, por isso detestam a solidão, se você mora sozinho, terá que encontrar um companheiro para ele, O ideal é outro gato.

Outra característica importante, os gato siberiano dificilmente provoca alergia nos seres humanos.

Foi descoberto que a alergia vem de uma proteína, que é produzida pelas glândulas sebáceas dos gatos, conhecida por Fel D1, pois bem, o Siberiano não produz a Fel D1.

Extremamente adaptável, pode viver bem em um apartamento ou em um quintal enorme. Com crianças é paciente, por conta do seu peso e tamanho pode participar tranquilamente de todas as brincadeiras.

Como já foi mencionado, ainda é pouco criado, não temos criadores aqui no nosso estado, e são pouco no restante do Brasil. O Siberiano é bonito, elegante e ágil, como um gato do mato, quer um pra você?

Lembre-se, ele não gosta da solidão, além de ser enorme, podendo chegar aos 10 quilos, ou seja, mais pesado que muitos cães como o shitzu, por exemplo.

Gato Siberiano

 

leia tudo sobre

Publicidade

Ratazana twister, o Gabiru pet

Por Fernanda Leite em Roedores

06 de Março de 2017


Este bichinho causa grande alvoroço, pois é uma ratazana, ou seja, um rato bem grande, podendo pesar mais de meio quilo, este é o Twister.
Aqui no Brasil é pouco criado, por conta da nossa aversão aos ratos. Na Europa e EUA, onde são conhecidos como “Fancy Rats”, é comum sua criação, existindo até clubes que organizam exposições e campeonatos envolvendo diferentes variedades.
E uma ótima opção para pessoas que não tem tempo e querem um bichinho diferente.
E bota diferente nisso, alguns roedores, apesar de se parecerem com ratos, são de famílias diferentes, o twister não, ele é da mesma família do camundongo e ratos.
Mas calma, apesar de se parecer com um gabiru, ele tem algumas diferenças.
Eles são da mesma espécie do rato marrom (vulgarmente conhecido como ‘rato de esgoto’,), entretanto devido aos séculos de isolamento e sucessivas gerações, se tornaram isentos de patógenos (doenças) e perderam sua agressividade.
O dono de um twister é apaixonado pelo seu roedor que, geralmente, dorme durante o dia e fica ativo à noite. Os machos costumam ser mais calmos e preguiçosos, sendo considerados os favoritos entre os que criam esses animais, enquanto as fêmeas são mais brincalhonas.

 


São inteligentes e curiosos, podem aprender alguns truques, como atender pelo nome ou obedecer a comandos.
Além disso, são sociáveis, o que permite (e é recomendável) manter mais de um exemplar junto, inclusive machos. Comumente observa-se uma dupla ou integrantes de um grupo coçando e penteando-se, uns aos outros. Os ratos twisters apreciam dar passeios e “xeretar” o ambiente novo no qual se encontram, escalando moveis, se escondendo debaixo da mobília ou se embrenhando entre objetos.
Os machos costumam marcar com gotinhas de urina tudo o que consideram sua “propriedade”, ocasionalmente até o próprio dono, sendo esse comportamento também observado, em menor intensidade, nas fêmeas
Quando criados desde filhotes junto a pessoas, se tornam muito dóceis e aceitam ser manipulados e acariciados, e geralmente respondem ao agrado com lambidinhas. Não é raro vê-los apoiados sobre o ombro ou aninhados ao colo do dono. Twisters com tendência a serem ariscos e agressivos geralmente não sofreram manipulação humana ou provêm de linhagens que não sofreram seleção para obter filhotes dóceis.
Como todo roedor, sua reprodução é tarefa fácil, mas tome cuidado, suas ninhadas são enormes, em média 12 filhotes, e como não tem uma grande procura, você pode ter que ficar com a maioria deles, então pense bem antes de reproduzir.
Pode-se mantê-los em gaiolas, terrários ou até mesmo em caixas organizadoras plásticas.
Twisters apreciam canos e túneis, bem como “redes” e tubos suspensos de pano
Rações extrusadas para hamsters e outros roedores podem ser utilizadas como base da sua alimentação. Por serem onívoros, teoricamente comem de tudo, mas nem todos os alimentos farão bem à sua saúde

 


Seu cardápio deve conter frutas e legumes frescos, cozidos ou secos, verduras de cor escura, tubérculos (raízes como batata e aipim) e leguminosas (feijões, exceto o preto, grão de bico, ervilhas) cozidos, e variadas sementes e grãos: arroz com casca, aveia, alpiste, semente de abóbora, painço, sorgo, linhaça, granola in natura, etc.

As rações secas de cães ou gatos não devem ser usadas como base da alimentação, visto que foram formuladas para animais de hábitos carnívoros, contendo altos teores de gordura e proteína.

leia tudo sobre

Publicidade

Staffordshire bull terrier

Por Fernanda Leite em Cães

16 de Fevereiro de 2017

Staffordshire bull terrier

Como diversas outras raças inglesas, era utilizado em rinhas, forte, resistente e incrivelmente leal, por se dar tão bem com crianças, é conhecido como cachorro babá, este é o stffordshire bull terrier.

Eles teriam surgido durante o século XVIII, no Condado de Staffordshire, na região central da Inglaterra, a partir do cruzamento de Old English Bulldog, Old English Terrier e, outros cães tipos de Terriers ingleses. O objetivo dos criadores era desenvolver um cão forte e muito resistente, já que era destinado a participar das rinhas, que cresciam em popularidade na Inglaterra. Inicialmente era conhecido como Bull and terrier depois Bull terrier, até que finalmente foram batizados de Staffordshire Bull Terrier, em homenagem a sua região de origem.     A rinha, era o “esporte” dos ricos ingleses, muito dinheiro era apostado.

Qualquer animal entrava na briga com os cães, ursos, touros e ate macacos. Esta crueldade só foi proibida por volta de 1840. Entretanto a briga entre cães continuou, de forma clandestina.

Em 1870, alguns exemplares foram levados por colonos europeus para América, onde passaram a atuar nas fazendas como protetores de pessoas e propriedades.

Sendo que alguns chegavam mesmo a cumprir a função de pastoreio de rebanhos. Estes cães acabaram dando origem a duas outras raças, que seguiram caminhos bastante distintos: de um lado, o American Pit Bull Terrier, cuja seleção era mais direcionada aos combates e, de outro lado, o American Staffordshire Terrier, que tinha como objetivo as provas de conformação e era muito utilizado para a guarda.

Como todo o Terrier, os cães da raça Staffordshire Bull Terriers precisam ser estimulados a obediência desde cedo, do contrário poderão até mesmo desenvolver traços fortes de personalidade dominante e acabar saindo de controle de seu dono. Outro ponto fundamental é a socialização do filhote não somente com outros cães, mas com pessoas e ambientes diferenciados é fundamental que o futuro proprietário escolha bem antes de adquirir seu cachorro.

Simplesmente adoram crianças, de qualquer idade, correm, pulam e brincam sem parar.

É considerado babá canina, seu forte instinto de proteção faz com que ataque qualquer um (pode ser humano ou animal, independente do tamanho) que tente fazer algo com a criança que ele ama. Não pode ser criado no quintal, isolado da família, ele adoro estar perto e fazer parte de tudo.

Seu porte é pequeno, por isso pode ser criado em qualquer ambiente, desde que saia para passear e brincar uma vez por dia. Se vc mora sozinho, em um apartamento, a raça não é indica, pois não tolera ficar longos períodos sozinha, vai acabar destruindo seu apartamento.

A pelagem do cão da raça Staffordshire Bull Terrier é lisa, curta e sempre bem assentada ao corpo, todas as cores e padrões são aceitas.

Por ser resistente e atlético, é capaz de acompanhar seu dono em qualquer atividade física, como por exemplo, correr  junto de bicicleta, ou mesmo competições próprias para cães como o agility e o flyball, corridas também são permitidas. O que deve ser observado é que o cão deverá ter uma idade superior a 18 meses para não fazer esforços excessivos que possam danificar a sua saúde.

Os tamanhos   entre 35cm,a 40 cm. Para os machos seu peso varia entre 12,7 kg a 17 kg no caso das fêmeas o peso poderá ficar entre 11 kg e 15 kg

Apesar de gostar de praticar exercícios, a raça tem uma particularidade, não são bons nadadores, suas pernas são relativamente curtas, ele pode entrar na piscina e brincar com vc,, mas não exija que ele nada grandes extensões. Na rua se dá bem com todos, entrando, em seu território, não permite a invasão, seu ataque é feroz.

Por conta do seu passado, relacionado a rinha, não se dá bem com outros cães, principalmente do mesmo sexo, até existem historias de bom convívio, mas com raças de temperamento  ameno, como por exemplo, labradores e goldens.  Com gatos, desde que acostumados desde cedo, são tolerantes, mas apenas isso.

O Staffordshire Bull Terrier é um cão bastante saudável, e não exige muitas preocupações de seu dono quanto a sua saúde. Em alguns casos, que são raros, podem desenvolver a  catarata hereditária e sarna demodecica. A raça é atlética, faz bem o papel de guarda além de ser amoroso e brincalhão.

 

leia tudo sobre

Publicidade

Staffordshire bull terrier

Por Fernanda Leite em Cães

16 de Fevereiro de 2017

Staffordshire bull terrier

Como diversas outras raças inglesas, era utilizado em rinhas, forte, resistente e incrivelmente leal, por se dar tão bem com crianças, é conhecido como cachorro babá, este é o stffordshire bull terrier.

Eles teriam surgido durante o século XVIII, no Condado de Staffordshire, na região central da Inglaterra, a partir do cruzamento de Old English Bulldog, Old English Terrier e, outros cães tipos de Terriers ingleses. O objetivo dos criadores era desenvolver um cão forte e muito resistente, já que era destinado a participar das rinhas, que cresciam em popularidade na Inglaterra. Inicialmente era conhecido como Bull and terrier depois Bull terrier, até que finalmente foram batizados de Staffordshire Bull Terrier, em homenagem a sua região de origem.     A rinha, era o “esporte” dos ricos ingleses, muito dinheiro era apostado.

Qualquer animal entrava na briga com os cães, ursos, touros e ate macacos. Esta crueldade só foi proibida por volta de 1840. Entretanto a briga entre cães continuou, de forma clandestina.

Em 1870, alguns exemplares foram levados por colonos europeus para América, onde passaram a atuar nas fazendas como protetores de pessoas e propriedades.

Sendo que alguns chegavam mesmo a cumprir a função de pastoreio de rebanhos. Estes cães acabaram dando origem a duas outras raças, que seguiram caminhos bastante distintos: de um lado, o American Pit Bull Terrier, cuja seleção era mais direcionada aos combates e, de outro lado, o American Staffordshire Terrier, que tinha como objetivo as provas de conformação e era muito utilizado para a guarda.

Como todo o Terrier, os cães da raça Staffordshire Bull Terriers precisam ser estimulados a obediência desde cedo, do contrário poderão até mesmo desenvolver traços fortes de personalidade dominante e acabar saindo de controle de seu dono. Outro ponto fundamental é a socialização do filhote não somente com outros cães, mas com pessoas e ambientes diferenciados é fundamental que o futuro proprietário escolha bem antes de adquirir seu cachorro.

Simplesmente adoram crianças, de qualquer idade, correm, pulam e brincam sem parar.

É considerado babá canina, seu forte instinto de proteção faz com que ataque qualquer um (pode ser humano ou animal, independente do tamanho) que tente fazer algo com a criança que ele ama. Não pode ser criado no quintal, isolado da família, ele adoro estar perto e fazer parte de tudo.

Seu porte é pequeno, por isso pode ser criado em qualquer ambiente, desde que saia para passear e brincar uma vez por dia. Se vc mora sozinho, em um apartamento, a raça não é indica, pois não tolera ficar longos períodos sozinha, vai acabar destruindo seu apartamento.

A pelagem do cão da raça Staffordshire Bull Terrier é lisa, curta e sempre bem assentada ao corpo, todas as cores e padrões são aceitas.

Por ser resistente e atlético, é capaz de acompanhar seu dono em qualquer atividade física, como por exemplo, correr  junto de bicicleta, ou mesmo competições próprias para cães como o agility e o flyball, corridas também são permitidas. O que deve ser observado é que o cão deverá ter uma idade superior a 18 meses para não fazer esforços excessivos que possam danificar a sua saúde.

Os tamanhos   entre 35cm,a 40 cm. Para os machos seu peso varia entre 12,7 kg a 17 kg no caso das fêmeas o peso poderá ficar entre 11 kg e 15 kg

Apesar de gostar de praticar exercícios, a raça tem uma particularidade, não são bons nadadores, suas pernas são relativamente curtas, ele pode entrar na piscina e brincar com vc,, mas não exija que ele nada grandes extensões. Na rua se dá bem com todos, entrando, em seu território, não permite a invasão, seu ataque é feroz.

Por conta do seu passado, relacionado a rinha, não se dá bem com outros cães, principalmente do mesmo sexo, até existem historias de bom convívio, mas com raças de temperamento  ameno, como por exemplo, labradores e goldens.  Com gatos, desde que acostumados desde cedo, são tolerantes, mas apenas isso.

O Staffordshire Bull Terrier é um cão bastante saudável, e não exige muitas preocupações de seu dono quanto a sua saúde. Em alguns casos, que são raros, podem desenvolver a  catarata hereditária e sarna demodecica. A raça é atlética, faz bem o papel de guarda além de ser amoroso e brincalhão.