Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

pacientes

Vittude conecta psicólogos a pacientes em três cliques

Por Oswaldo Scaliotti em Novos negócios

13 de junho de 2018

Startup oferece serviços online e presenciais aos pacientes no Brasil e já atua no exterior por videoconferência

Vittude é uma plataforma que conecta pacientes a psicólogos por meio de um site simples e acessível, que oferece consultas em ambiente físico e virtual. Já está presente em mais 200 cidades do Brasil e Distrito Federal, e conta com mais de 1000 psicólogos cadastrados, com maior concentração em São Paulo e no Rio de Janeiro.

A plataforma é pioneira no ramo de saúde mental e promove eventos, palestras e encontros de discussão entre terapeutas e o público geral. A rede de profissionais da Vittude conta com uma gama diversa de especialidades, da psicanálise à terapia comportamental, e oferece um campo de busca onde o usuário pode procurar tratamento para questões específicas, como ansiedade, depressão e fobias, entre outros.

A ideia de criar a empresa surgiu no final de 2015, quando Tatiana Pimenta, engenheira civil de formação, foi desligada de seu emprego e precisou cuidar de seu pai adoecido. Tatiana percebeu lacunas no sistema de saúde brasileiro e decidiu empreender com seu amigo e atual sócio, Everton Höpner, que também possuía ideias inovadoras para o setor.

Após conversas e análises do mercado de startups, os dois decidiram dedicar-se 100% ao projeto e se inscreveram em eventos, meet-ups, workshops e processos de aceleração, sendo aprovados no processo da Startup Farm em maio de 2016. A aceleração teve início em julho e foi finalizada em setembro, quando a plataforma entrou no ar.

Considerando ainda que no Brasil, em 2016, cerca de 200 mil pessoas foram afastadas do mercado de trabalho devido a transtornos mentais, uma das estratégias da plataforma é a parceria com empresas. A iniciativa envolve serviços de psicoterapia, técnicas de coaching na preparação de líderes, desenvolvimento de inteligência emocional e até mesmo preparação para aposentadoria.

Outro diferencial é a aproximação com os pacientes. Eles procuram conversar com todas as pessoas que utilizaram a plataforma para obter um feedback do serviço oferecido e sugestões de melhorias.

Mais informações:

Site: www.vittude.com

E-mail: contato@vittude.com

Publicidade

Jornada Internacional de Ginecologia da MEAC beneficia pacientes do SUS

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

07 de outubro de 2017

Procedimentos foram transmitidos ao vivo para mais de 300 médicos que participavam da 1ª Jornada Internacional de Ginecologia Minimamente Invasiva
A dona de casa Rosineide Vieira de Oliveira, de 43 anos, já sofre com sangramentos intensos durante o período menstrual há mais de quatro anos. Mas foi somente quando a dor se agravou que ela procurou assistência em um posto de saúde na Messejana, bairro onde mora. De lá, foi encaminhada para um ginecologista, sendo diagnosticada com um cisto no útero. Por consequência deste fato, ela foi indicada para realizar uma histerectomia, que é justamente a retirada do órgão.
Ela foi uma das cinco beneficiadas pela cirurgia ginecológica minimamente invasiva, e foi operada no início da tarde deste sábado (7), na Maternidade Escola Assis Chateaubriand (MEAC). A cirurgia dela foi transmitida ao vivo para mais de 300 médicos que participaram da I Jornada Internacional de Ginecologia Minimamente Invasiva, que terminou hoje no Seara Praia Hotel. A MEAC foi o primeiro hospital da capital cearense a oferecer tratamento multidisciplinar para endometriose pelo Sistema Único de Saúde (SUS).
Segundo o supervisor da Residência Médica de Ginecologia e Obstetrícia da MEAC, Dr. Leonardo Bezerra, este ano, na Maternidade Escola, foram mais de 600 procedimentos minimamente invasivos em ginecologia, como incontinencia urinária, endometriose, prolapso uterino. “Com este aporte tecnológico, a gente consegue fazer cerca de 80% das cirurgias por técnicas minimamnete invasivas. Aquilo que no passado precisava de incisão abdominal, hoje a gente faz por laparoscopia ou por via vaginal”, explica.
Os participantes do evento puderam assistir a realização de um procedimento com mínimas incisões, com a inserção de uma câmera que possui resolução por acuidade, que transmite a imagem para uma tela de alta resolução e que garante o máximo de precisão cirúrgica e conforto para as pacientes, tanto durante como no pós operatório, conforme explica o professor associado do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) Maurício Simões Abrão.
Sengundo ele, a endometriose, por exemplo, é uma doença que deve ser tratada cirurgicamente apenas por este método. “Não só pelo fato estético, mas também porque dá acesso a várias áreas da pelvis onde possam ter os focos de doença, e a partir de pinças é possivel retirar o tecido doente”, explica.
Endometriose
Ainda de acordo com Abrão, a endometriose é uma doença que acomete entre 10% e 15% da população feminina em idade reprodutiva, o que significa cerca de 6 milhões de mulheres em todo o Brasil, além de ser o principal motivo delas faltarem ao trabalho. Mais de 20% dos casos pode ter comprometimento intestinal, se estiver em estado avançado.
Este é o caso de Rosivânia Nepomuceno, de 29 anos. Desde a primeira menstruação, aos 11, sofre com os sintomas da endometriose. Embora eles se manifestassem de maneira mais branda até os 20 anos, com o início da vida sexual, as dores foram aumentando gradativamente. “Depois que eu casei piorou ainda mais, porque eu tinha relações. E eu descobri que tinha mesmo esse problema quando tentei engravidar, há três anos. Eu sempre me cuidei, fazia exames de prevenção mesmo antes de perder a virgindade, e eles tinham resultados normais”, conta.
Há cerca de três anos, enquanto assistia a um programa sobre saúde na televisão cujo tema do dia era endometriose, foi que Rosivânia percebeu que os sintomas eram similares aos dela e os relatou para uma ginecologista da MEAC. Ela fez um exame de mapeamento e descobriu que a doença já estava em grau avançado: sangramentos durante 23 dias seguidos, dores insuportáveis, desmaios.
Ela até precisou abandonar o trabalho como auxiliar de cozinha por conta das dores, e já está sem trabalhar há cinco meses. Apesar disso tudo, ela é grata por ter a oportunidade de realizar a cirurgia. “Eu estou muito feliz, até porque eu ainda só tenho 29 anos, mas tem mulheres que descobrem bem mais tarde, com mais de 40 anos. E eu tenho fé que, se eu me sair bem nessa cirurgia, eu vou conseguir engravidar. É uma luta constante”, reforça ela, que já tenta engravidar há três anos e é casada há quatro.
* postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Aplicativo FamilyDoc unirá profissionais de saúde a pacientes

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

05 de setembro de 2017

FamilyDoc é um novo aplicativo que permitirá unir a disponibilidade dos profissionais de saúde com a necessidade de atendimento de pacientes. Médicos, psicólogos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, educadores físicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e dentistas já podem fazer seu cadastro pelo site ou pelo próprio aplicativo familydoc, baixando pela GooglePlay ou App Store, por meio de uma interface amigável e em um ambiente fácil de ser utilizado.

Previsto para dar início aos atendimentos, em Fortaleza, no final de setembro, o FamilyDoc possibilita, por meio de um painel de controle, informar o tipo de atendimento oferecido, dias e horários disponíveis, valor da consulta, localização e deslocamento em tempo real do interessado, acompanhamento e agendamento de novas consultas, possíveis atrasos, melhor rota, movimentação financeira, além de várias outras funcionalidades.

O FamilyDoc representa um novo modelo de atendimento com ganhos tanto para os profissionais quando para os pacientes, e prevê quatro modelos:

1. Atendimento domiciliar para o mesmo dia, em até 3 horas. São aquelas situações em que o deslocamento do paciente até o consultório torna-se mais difícil. Com o FamilyDoc, é possível realizar um atendimento domiciliar para o mesmo dia. O paciente consulta a lista de especialidade e opta pelo que for mais conveniente de acordo com currículo, proximidade ou faixa de valor da consulta.

2. Atendimento no consultório para o mesmo dia. Da mesma forma que a modalidade anterior, com o FamilyDoc o médico pode escolher estar disponível para o atendimento no consultório, ocupando os espaços da agenda da maneira que melhor convier.

3. Agendamento domiciliar. O profissional de saúde pode se programar para realizar atendimento, com data marcada, na residência do paciente, valorizando os momentos de maior disponibilidade em sua agenda.

  1. Agendamento em consultório. O profissional pode se colocar à disposição no aplicativo nos momentos que o consultório estiver com menor movimento, preenchendo horas vagas.

Idealizado por Alexandre Cavalcanti, Médico, Professor da Unifor e Mestre em Saúde Pública, o FamilyDoc promete uma revolução na relação profissional/paciente. “A ideia surgiu a partir da identificação do desejo das pessoas por um atendimento com maior proximidade com o profissional, bem como a abertura de um canal que possibilita o atendimento na casa do paciente, um diferencial inconteste, principalmente para aquelas famílias que tem crianças, idosos ou pessoas com necessidades especiais. Além disso pelo aplicativo é possível encontrar um profissional que esteja mais próximo, ou que esteja disponível no horário que o paciente precisa de atendimento, e não, quando tiver vaga pelo plano.”

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Aplicativo FamilyDoc unirá profissionais de saúde a pacientes

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

05 de setembro de 2017

FamilyDoc é um novo aplicativo que permitirá unir a disponibilidade dos profissionais de saúde com a necessidade de atendimento de pacientes. Médicos, psicólogos, enfermeiros, nutricionistas, fisioterapeutas, educadores físicos, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e dentistas já podem fazer seu cadastro pelo site ou pelo próprio aplicativo familydoc, baixando pela GooglePlay ou App Store, por meio de uma interface amigável e em um ambiente fácil de ser utilizado.

Previsto para dar início aos atendimentos, em Fortaleza, no final de setembro, o FamilyDoc possibilita, por meio de um painel de controle, informar o tipo de atendimento oferecido, dias e horários disponíveis, valor da consulta, localização e deslocamento em tempo real do interessado, acompanhamento e agendamento de novas consultas, possíveis atrasos, melhor rota, movimentação financeira, além de várias outras funcionalidades.

O FamilyDoc representa um novo modelo de atendimento com ganhos tanto para os profissionais quando para os pacientes, e prevê quatro modelos:

1. Atendimento domiciliar para o mesmo dia, em até 3 horas. São aquelas situações em que o deslocamento do paciente até o consultório torna-se mais difícil. Com o FamilyDoc, é possível realizar um atendimento domiciliar para o mesmo dia. O paciente consulta a lista de especialidade e opta pelo que for mais conveniente de acordo com currículo, proximidade ou faixa de valor da consulta.

2. Atendimento no consultório para o mesmo dia. Da mesma forma que a modalidade anterior, com o FamilyDoc o médico pode escolher estar disponível para o atendimento no consultório, ocupando os espaços da agenda da maneira que melhor convier.

3. Agendamento domiciliar. O profissional de saúde pode se programar para realizar atendimento, com data marcada, na residência do paciente, valorizando os momentos de maior disponibilidade em sua agenda.

  1. Agendamento em consultório. O profissional pode se colocar à disposição no aplicativo nos momentos que o consultório estiver com menor movimento, preenchendo horas vagas.

Idealizado por Alexandre Cavalcanti, Médico, Professor da Unifor e Mestre em Saúde Pública, o FamilyDoc promete uma revolução na relação profissional/paciente. “A ideia surgiu a partir da identificação do desejo das pessoas por um atendimento com maior proximidade com o profissional, bem como a abertura de um canal que possibilita o atendimento na casa do paciente, um diferencial inconteste, principalmente para aquelas famílias que tem crianças, idosos ou pessoas com necessidades especiais. Além disso pelo aplicativo é possível encontrar um profissional que esteja mais próximo, ou que esteja disponível no horário que o paciente precisa de atendimento, e não, quando tiver vaga pelo plano.”

  • postado por Oswaldo Scaliotti