Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Nota

ALVARÁS: FIEC lança nota ao prefeito Roberto Cláudio

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

11 de julho de 2018

Ao Prefeito Roberto Cláudio

A busca pelo diálogo tem sido um instrumento utilizado à exaustão pela Federação das Indústrias do Estado do Ceará nesses últimos anos, por entender ser a forma mais transparente de solucionar os problemas que atingem a sociedade de um modo geral. Esse norte tem proporcionado um grande aprendizado que permite compartilhar visões e perspectivas diferenciadas na busca de fins comuns.

Desde a determinação da nova forma de cobrança das taxas de alvarás, pela Prefeitura de Fortaleza, a FIEC busca caminhos para evitar graves impactos sobre a sustentabilidade do setor produtivo. Foram realizadas reuniões com os sindicatos filiados, encontros com representantes do Executivo e com empresários.

A Federação das Indústrias produziu estudos e argumentos em um processo negocial que levou à minimização dos efeitos do decreto. Porém, os empreendedores de Fortaleza, que no seu dia a dia fazem a dinâmica econômica da cidade, sentem dramaticamente o abalo da majoração das taxas, mesmo com a possibilidade de redução, colocada recentemente.

Seja de forma coletiva ou individual, a FIEC tem recebido demandas de empresários para prosseguir com as negociações junto à Prefeitura. Nossos sindicatos filiados afirmam que haverá o aumento de demissões com essa medida. Isso sem contar com o possível fechamento de empresas.

É de amplo conhecimento que as dificuldades enfrentadas pelo país, fruto de uma das mais brutais recessões vivenciadas na história, são agravadas por uma carga tributária cruel. A crise traz impactos a todos e os sacrifícios devem ser compartilhados. Mas o setor produtivo está no limite de suas forças.

A oneração de quaisquer taxas ou tributos é prejudicial à retomada do crescimento que a sociedade tem buscado – quadro agravado pela paralisação dos transportes, a corrida eleitoral e o cenário externo de instabilidade. Tudo isso implica em redução na confiança dos empresários e consumidores, indicador importante para uma recuperação robusta da economia.

Por meio da presente nota, a Federação das Indústrias do Estado do Ceará clama ao senhor, prefeito Roberto Cláudio, que reconsidere esse posicionamento, reavalie as consequências econômicas dessa medida e retome as negociações. Somente assim, poderemos reestabelecer nossa expectativa de enfrentar a crise que atinge a todos.

Publicidade

NOTA: SINDIÔNIBUS REPUDIA AÇÕES CRIMINOSAS

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

19 de Abril de 2017

O Sindiônibus repudia veementemente a prática criminosa que provocou o incêndio a doze ônibus e causou queimaduras em um motorista, nesta quarta-feira, dia 19. Desde 2014 até abril de 2017, foram incendiados 55 veículos.

Os trabalhadores do  transporte e empresários do setor estão aterrorizados diante de tanta violência e da real e verdadeira ameaça à integridade física e à própria vida dos trabalhadores e dos usuários do transporte coletivo.

Diante desses fatos, estamos envidando esforços junto às autoridades do Estado para que possamos ter segurança para restabelecermos o serviço de transporte de passageiros com a total preservação da vida de trabalhadores, usuários e do patrimônio das empresas.

 

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Fecomércio repudia proposta de aumento de impostos e retenção de recursos do Sistema S

Por Oswaldo Scaliotti em Sem categoria

23 de setembro de 2015

Em nota, a Fecomércio repudiou proposta de aumento de impostos e retenção de recursos do Sistema S. Confira:

 

A Fecomércio-Ce vem a público alertar à sociedade e manifestar o seu repúdio frente à tentativa do Governo Federal de impor à população mais sacrifício com o aumento de impostos e de prejudicar o acesso dos trabalhadores à cultura, saúde, lazer, educação e à qualificação profissional, através da retenção de 30% dos recursos do Sistema S, advindos da contribuição do setor empresarial.

A Fecomércio-Ce, que hoje representa mais de 150 mil empresas e 35 sindicatos no Estado, é responsável pela administração do Sesc e do Senac levando promoção social e educação profissional para mais de 170 municípios, gerando anualmente 55 milhões de atendimentos e qualificando mais de 40 mil trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo.

Retirar 30% das receitas do Sistema S é prejudicar principalmente o trabalhador e a sua família que encontram nessas organizações o acesso à educação, cultura, lazer e à qualificação profissional de qualidade. Instituições como  SESC, SENAC, SESI, SENAI e SEBRAE  serão obrigadas a reduzir e até mesmo a extinguir programas e atividades, comprometendo o atendimento de milhões de trabalhadores.

Ao analisarmos o aspecto do aumento da carga tributária com a recriação da CPMF e outras medidas já anunciadas é fácil chegarmos à conclusão que tal propositura só provocará mais recessão econômica, a diminuição do poder de compra do trabalhador e o conseqüente e inevitável retorno da inflação a patamares que só trarão prejuízo à classe empresarial e à população.

O caminho para se ajustar qualquer orçamento, seja doméstico, empresarial ou público é simples e de conhecimento público: não se pode gastar mais do que se arrecada. Mas o que estamos assistindo de maneira perplexa é o governo federal se apropriando de recursos que não lhe pertencem e elevando a carga tributária para continuar a gastar de forma perdulária e irresponsável como tem feito sistematicamente, impondo à sociedade um ônus e uma conta que não lhe pertencem.

A Fecomércio conclama a classe empresarial, trabalhadores e toda a sociedade para que se manifestem ao mesmo tempo em que confia que a bancada cearense no Congresso Nacional dará a sua resposta ao Governo recusando tais medidas.

A Fecomércio continuará trabalhando fortemente para que o Congresso retome a tramitação dos projetos voltados às reformas tributária, previdenciária e fiscal, que proporcionarão um ambiente favorável ao retorno da estabilidade e do crescimento do país.

Publicidade

Fecomércio repudia proposta de aumento de impostos e retenção de recursos do Sistema S

Por Oswaldo Scaliotti em Sem categoria

23 de setembro de 2015

Em nota, a Fecomércio repudiou proposta de aumento de impostos e retenção de recursos do Sistema S. Confira:

 

A Fecomércio-Ce vem a público alertar à sociedade e manifestar o seu repúdio frente à tentativa do Governo Federal de impor à população mais sacrifício com o aumento de impostos e de prejudicar o acesso dos trabalhadores à cultura, saúde, lazer, educação e à qualificação profissional, através da retenção de 30% dos recursos do Sistema S, advindos da contribuição do setor empresarial.

A Fecomércio-Ce, que hoje representa mais de 150 mil empresas e 35 sindicatos no Estado, é responsável pela administração do Sesc e do Senac levando promoção social e educação profissional para mais de 170 municípios, gerando anualmente 55 milhões de atendimentos e qualificando mais de 40 mil trabalhadores do comércio de bens, serviços e turismo.

Retirar 30% das receitas do Sistema S é prejudicar principalmente o trabalhador e a sua família que encontram nessas organizações o acesso à educação, cultura, lazer e à qualificação profissional de qualidade. Instituições como  SESC, SENAC, SESI, SENAI e SEBRAE  serão obrigadas a reduzir e até mesmo a extinguir programas e atividades, comprometendo o atendimento de milhões de trabalhadores.

Ao analisarmos o aspecto do aumento da carga tributária com a recriação da CPMF e outras medidas já anunciadas é fácil chegarmos à conclusão que tal propositura só provocará mais recessão econômica, a diminuição do poder de compra do trabalhador e o conseqüente e inevitável retorno da inflação a patamares que só trarão prejuízo à classe empresarial e à população.

O caminho para se ajustar qualquer orçamento, seja doméstico, empresarial ou público é simples e de conhecimento público: não se pode gastar mais do que se arrecada. Mas o que estamos assistindo de maneira perplexa é o governo federal se apropriando de recursos que não lhe pertencem e elevando a carga tributária para continuar a gastar de forma perdulária e irresponsável como tem feito sistematicamente, impondo à sociedade um ônus e uma conta que não lhe pertencem.

A Fecomércio conclama a classe empresarial, trabalhadores e toda a sociedade para que se manifestem ao mesmo tempo em que confia que a bancada cearense no Congresso Nacional dará a sua resposta ao Governo recusando tais medidas.

A Fecomércio continuará trabalhando fortemente para que o Congresso retome a tramitação dos projetos voltados às reformas tributária, previdenciária e fiscal, que proporcionarão um ambiente favorável ao retorno da estabilidade e do crescimento do país.