Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Intertox

Intertox leva experiência e serviços de segurança química para a Região Nordeste

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

26 de Abril de 2016

Laís Pereira2

Empresa participa de evento em Salvador e investe na região para se aproximar ainda mais da indústria e de clientes. Intertox fechou contrato com a profissional Laís Pereira, residente em Salvador (BA), como representante regional Nordeste

 

Visando expandir os negócios dentro e fora do Brasil, a Intertox, empresa referência nacional no segmento de segurança química, gestão ambiental e tecnologia da informação, leva agora toda sua expertise para a Região Nordeste, importante parque econômico industrial para a companhia. Investindo fortemente nesta expansão, a empresa fechou contrato com a profissional Laís Pereira, residente em Salvador (BA), como representante regional Nordeste.

Com matriz em São Paulo, a empresa que já atua fortemente nas regiões Sudeste e Sul, agora visa levar atendimento direto aos clientes nordestinos. “A Intertox é uma empresa de atuação nacional e a crescente demanda por serviços no Nordeste motivou a criação de uma base na Bahia para levar todo nosso conhecimento em segurança química e toxicologia, conquistado ao longo de 16 anos de atuação no mercado, para mais perto de nossos clientes da região”, afirma Fausto Azevedo, diretor da Intertox.

Divulgando intensamente seus produtos e serviços, a companhia aposta em ampliar os negócios levando suas ofertas permanentemente para os principais polos industriais da Bahia e do Nordeste como um todo. “Atuamos com gerenciamento do risco químico e toxicológico, assim o foco de nossos serviços é direcionado ao setor produtivo, industrial e agroindustrial, oferecendo suporte à vasta legislação em vigor que afeta essas áreas”, completa Laís Pereira.

Assim, a Intertox chega ao Nordeste com foco principal nas áreas de conformidade legal, desenvolvimento de estudos e testes para o setor farmacêutico, segurança e saúde do trabalhador, e gestão ambiental com foco especializado no RETP (Registro de Emissão e Transferência de Poluentes), além de uma ampla oferta de mais de 40 cursos voltados para a capacitação de funcionários e empresas.

Como parte desta estratégia de expansão, a empresa também estará presente na14ª PreveNor (Feira Norte e Nordeste de Saúde, Segurança no Trabalho e Emergência, que acontece de 27 a 29 de abril em Salvador, e apresenta as principais novidades em produtos e serviços nestas áreas. “A PreveNor se consolidou como o evento mais importante da região em Saúde, Segurança e Emergência, por isso estaremos presente levando todos as nossas ofertas de produtos e serviços para este seleto público”, finaliza Laís Pereira.

A representante regional da Intertox no Nordeste, Laís Pereira, atua nas áreas de Toxicologia Ambiental, Toxicologia Computacional & In Silico e Assuntos Regulatórios. É administradora de empresas, com pós-graduação em Gestão da Comunicação nas Organizações Integradas (UCSAL/UFBA) e possui ampla experiência em projetos técnicos realizados na área comercial para empresas nacionais e multinacionais.

 

Sobre a Intertox

A Intertox é referência nacional no segmento de segurança química, gerenciamento de riscos químicos, gestão ambiental e tecnologia da informação, com 16 anos de atuação no mercado. A empresa oferece serviços de documentação de segurança química e conformidade legal; softwares voltados à gestão de riscos químicos, toxicológicos e ambientais; programa de gestão segura de produtos químicos; e avaliações toxicológicas e estudos de toxicidade in silico, segmento em que é pioneira no País; gestão regulatória de produtos e gestão ambiental e socioambiental. Possui  corpo técnico altamente especializado, próprio e permanente, e amplo portfólio de serviços, que são customizados e adaptados de acordo com a necessidade de cada cliente. A Intertox está presente em todo o Brasil e na América Latina, com representantes na Argentina e no Chile. www.intertox.com.br

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Especialista em GHS da Intertox palestra no Fórum Paint & Pintura em Fortaleza

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

29 de Fevereiro de 2016

 Análise ] Com o tema ‘Abrangência, Legislação e Impacto do GHS, FISPQ e Rotulagem’, a apresentação de Fabriciano Pinheiro abordará as mudanças que o novo sistema vem trazendo às indústrias brasileiras

 

O diretor técnico da Intertox, referência nacional no segmento de segurança química, gestão ambiental e tecnologia da informação, Fabriciano Pinheiro, será palestrante do 23º Fórum Paint & Pintura de Tecnologia em Tintas – Região Nordeste, que acontece pela quarta vez em Fortaleza (CE) frente ao grande potencial de crescimento que a região tem em todas as áreas industriais, principalmente no setor de tintas, que conta com mais de 30 fabricantes somente na Grande Fortaleza. A apresentação acontece dia 3 de março às 09h30 com o tema ‘Abrangência, Legislação e Impacto do GHS, FISPQ e Rotulagem’.

 

Em 2015 passou a vigorar no Brasil a obrigação da adequação ao GHS (Sistema Globalmente Harmonizado para a Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos) para todos os produtos químicos (classificação de perigo, FISPQ e rótulo), conforme exigências da Norma Regulamentadora n° 26 (NR 26), do Ministério do Trabalho e Emprego, e da norma ABNT-NBR 14725. O sistema elaborado pela ONU visa a harmonização global da classificação e comunicação dos perigos para conferir maior proteção para a saúde humana e para o meio-ambiente, ao oferecer informações consistentes sobre os produtos químicos. Com base nas exigências legais e ciente da vigência do GHS no Brasil, a palestra de Fabriciano Pinheiro discutirá a abrangência e os impactos que o sistema vem trazendo as indústrias brasileiras.

Na opinião do especialista, o correto gerenciamento dos produtos químicos gera benefício para toda a sociedade, garantindo menos acidentes, doenças e impactos ao meio ambiente. “O objetivo do GHS é que todos – seja consumidor ou trabalhador – tenham informação e conduzam o contato com químicos tomando os devidos cuidados, seja na nossa casa, para evitar que algum produto perigoso esteja ao alcance de uma criança, ou nos locais de trabalho, onde um trabalhador terá a informação clara que se ele inalar o produto por muito tempo poderá desenvolver uma doença e, por isso, a importância de usar o EPI adequado. Portanto, este assunto se estende para a sociedade como um todo, por exemplo, caso aconteça um acidente com um produto classificado como perigoso ao meio ambiente, as equipes de atendimento terão conhecimento de que tal produto não deve ter contato com corpos hídricos para evitar maiores impactos ambientais”, enfatiza.

O Fórum Paint & Pintura é direcionado para a indústria de tintas e suas três últimas edições realizadas em Fortaleza bateram recordes de participação de profissionais da área. Fabriciano Pinheiro também levará a palestra ‘Abrangência, Legislação e Impacto do GHS, FISPQ e Rotulagem’ para as cidades de Goiânia/GO – 7 de abril, Campinas/SP – 9 de junho, Vitória/ES – 8 de setembro e Caxias do Sul/RS – 11 de agosto. Gestores e profissionais da indústria de tintas e patrocinadores que possuem interesse no evento podem realizar a inscrição através do sitehttp://www.paintshow.com.br/paintpintura/eventos/foruns.html clicando no Fórum da cidade de interesse e preenchendo o formulário, que fica disponível no site com antecedência mínima de 30 dias antes do evento. A inscrição é gratuita.

 Fabriciano Pinheiro é biomédico e mestre em Toxicologia e Análises Toxicológicas. O diretor técnico da Intertox é coordenador do curso de pós-graduação em Ciência Toxicológicas e professor de Toxicologia nas Faculdades Oswaldo Cruz e da Comissão de Estudos “Informações sobre Segurança e Meio Ambiente relacionados a Produtos Químicos” do Comitê Brasileiro de Química da ABNT. Pinheiro também foi nos últimos dois anos representante do Brasil no Subcomitê de Especialistas da ONU sobre o GHS.

 

Serviço:

23º Fórum Paint & Pintura de Tecnologia em Tintas – Região Nordeste

Data: 2 e 3 de março

Local: Mareiro Hotel

Avenida Beira Mar, 2380 – Fortaleza (CE)

 

Palestra ‘Abrangência, Legislação e Impacto do GHS, FISPQ e Rotulagem’

Data: 3 de março

Horário: Das 09h30 às 10h15

 

Sobre a Intertox

A Intertox é referência nacional no segmento de segurança química, gerenciamento de riscos químicos, gestão ambiental e tecnologia da informação, com 16 anos de atuação no mercado. A empresa oferece serviços de documentação de segurança química; softwares voltados à gestão de riscos químicos, toxicológicos e ambientais; programa de gestão segura de produtos químicos; e avaliações toxicológicas e estudos de toxicidade in silico, segmento em que é pioneira no País. Possui um corpo técnico altamente especializado, três diretorias descentralizadas e amplo portfólio de serviços, que são customizados e adaptados de acordo com a necessidade de cada cliente. A Intertox também está presente na América Latina, com representantes na Argentina e no Chile. www.intertox.com.br

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Diretor da Intertox ministra palestra na Federação das Indústrias do Estado do Ceará

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

06 de novembro de 2015

unnamed

O diretor técnico da Intertox, empresa referência nacional no segmento de segurança química, gestão ambiental e tecnologia da informação, Fabriciano Pinheiro, ministrará a palestra ‘Produtos Químicos: Classificação GHS, Rotulagem e FISPQ (MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725)’ na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC). O evento, realizado pelo SindQUÍMICA Ceará com apoio da Intertox, acontece no dia 11 de novembro, das 8h às 11h, no Salão Aberto da cobertura da FIEC, em Fortaleza (CE).

A apresentação visa aprofundar o conhecimento de profissionais envolvidos em gestão segura de produtos químicos para o melhor entendimento e aplicação da MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725, que estabelecem o GHS (Sistema Globalmente Harmonizado para a Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos) como sistema de classificação de perigo de produtos químicos e definem um modelo para a elaboração e preenchimento da Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), como também as informações de segurança a serem incluídas na rotulagem de um produto químico perigoso. O especialista também elucidará dúvidas dos participantes sobre a utilização do sistema GHS incorporado na parte 2 da ABNT-NBR 14725, além das exigências para a elaboração de uma FISPQ e de um rótulo de produto químico.

Segundo Fabriciano Pinheiro, o correto gerenciamento dos produtos químicos gera benefício para toda a sociedade, garantindo menos acidentes, doenças e impactos ao meio ambiente. “O objetivo do GHS é que todos – seja consumidor ou trabalhador – tenham informação e conduzam o contato com químicos tomando os devidos cuidados, seja na nossa casa, para evitar que algum produto perigoso esteja ao alcance de uma criança, ou nos locais de trabalho, onde um trabalhador terá a informação clara que se ele inalar o produto por muito tempo poderá desenvolver uma doença e, por isso, a importância de usar o EPI adequado. Portanto, esse assunto se estende para a sociedade como um todo, por exemplo, caso aconteça um acidente com um produto classificado como perigoso ao meio ambiente, as equipes de atendimento terão conhecimento de que tal produto não deve ter contato com corpos hídricos para evitar maiores impactos ambientais”, enfatiza.

Fabriciano Pinheiro é biomédico e mestre em Toxicologia e Análises Toxicológicas. O diretor técnico da Intertox é coordenador do curso de pós-graduação em Ciências Toxicológicas e professor de Toxicologia nas Faculdades Oswaldo Cruz e também coordena há cinco anos a Comissão de Estudos ‘Informações sobre Segurança e Meio Ambiente relacionados a Produtos Químicos’ do Comitê Brasileiro de Química da ABNT. O professor também foi no último ano representante do Brasil no Subcomitê de Experts da ONU sobre o GHS.

 

Serviço:

 Palestra ‘Produtos Químicos: Classificação GHS, Rotulagem e FISPQ (MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725)’  Data: 11 de novembro, das 8h às 11h

Local: Salão Aberto da cobertura da FIEC

Av. Barão de Studart, 1980 – Aldeota – Fortaleza (CE)

Informações: quimica@sfiec.org.br

 

Sobre a Intertox

 Fundada em 1999, a Intertox é uma empresa de inteligência que visa a assegurar aos clientes conhecimento para a segurança química, toxicológica e ambiental de produtos e processos. Iniciou suas atividades atendendo demandas aplicadas ao governo, indústria e associações em questões de risco químico e toxicológico e se destacou no cenário nacional, o que lhe permitiu consolidar um corpo técnico altamente especializado em segurança química e toxicológica, gestão ambiental e tecnologia da informação.

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Diretor da Intertox ministra palestra na Federação das Indústrias do Estado do Ceará

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

06 de novembro de 2015

unnamed

O diretor técnico da Intertox, empresa referência nacional no segmento de segurança química, gestão ambiental e tecnologia da informação, Fabriciano Pinheiro, ministrará a palestra ‘Produtos Químicos: Classificação GHS, Rotulagem e FISPQ (MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725)’ na Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC). O evento, realizado pelo SindQUÍMICA Ceará com apoio da Intertox, acontece no dia 11 de novembro, das 8h às 11h, no Salão Aberto da cobertura da FIEC, em Fortaleza (CE).

A apresentação visa aprofundar o conhecimento de profissionais envolvidos em gestão segura de produtos químicos para o melhor entendimento e aplicação da MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725, que estabelecem o GHS (Sistema Globalmente Harmonizado para a Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos) como sistema de classificação de perigo de produtos químicos e definem um modelo para a elaboração e preenchimento da Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ), como também as informações de segurança a serem incluídas na rotulagem de um produto químico perigoso. O especialista também elucidará dúvidas dos participantes sobre a utilização do sistema GHS incorporado na parte 2 da ABNT-NBR 14725, além das exigências para a elaboração de uma FISPQ e de um rótulo de produto químico.

Segundo Fabriciano Pinheiro, o correto gerenciamento dos produtos químicos gera benefício para toda a sociedade, garantindo menos acidentes, doenças e impactos ao meio ambiente. “O objetivo do GHS é que todos – seja consumidor ou trabalhador – tenham informação e conduzam o contato com químicos tomando os devidos cuidados, seja na nossa casa, para evitar que algum produto perigoso esteja ao alcance de uma criança, ou nos locais de trabalho, onde um trabalhador terá a informação clara que se ele inalar o produto por muito tempo poderá desenvolver uma doença e, por isso, a importância de usar o EPI adequado. Portanto, esse assunto se estende para a sociedade como um todo, por exemplo, caso aconteça um acidente com um produto classificado como perigoso ao meio ambiente, as equipes de atendimento terão conhecimento de que tal produto não deve ter contato com corpos hídricos para evitar maiores impactos ambientais”, enfatiza.

Fabriciano Pinheiro é biomédico e mestre em Toxicologia e Análises Toxicológicas. O diretor técnico da Intertox é coordenador do curso de pós-graduação em Ciências Toxicológicas e professor de Toxicologia nas Faculdades Oswaldo Cruz e também coordena há cinco anos a Comissão de Estudos ‘Informações sobre Segurança e Meio Ambiente relacionados a Produtos Químicos’ do Comitê Brasileiro de Química da ABNT. O professor também foi no último ano representante do Brasil no Subcomitê de Experts da ONU sobre o GHS.

 

Serviço:

 Palestra ‘Produtos Químicos: Classificação GHS, Rotulagem e FISPQ (MTE-NR 26 e ABNT-NBR 14725)’  Data: 11 de novembro, das 8h às 11h

Local: Salão Aberto da cobertura da FIEC

Av. Barão de Studart, 1980 – Aldeota – Fortaleza (CE)

Informações: quimica@sfiec.org.br

 

Sobre a Intertox

 Fundada em 1999, a Intertox é uma empresa de inteligência que visa a assegurar aos clientes conhecimento para a segurança química, toxicológica e ambiental de produtos e processos. Iniciou suas atividades atendendo demandas aplicadas ao governo, indústria e associações em questões de risco químico e toxicológico e se destacou no cenário nacional, o que lhe permitiu consolidar um corpo técnico altamente especializado em segurança química e toxicológica, gestão ambiental e tecnologia da informação.

  • postado por Oswaldo Scaliotti