Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Instituto TIM

Solução para busca ativa de crianças fora da escola do Instituto TIM e UNICEF completa seu primeiro ano

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

11 de junho de 2018

A Busca Ativa Escolar – plataforma desenvolvida pelo Instituto TIM e UNICEF para mapear crianças e adolescentes fora das salas de aula – completa seu primeiro ano de ação com adesão de 146 municípios do Ceará, que compõe o total de 1.111 municípios do Brasil. Cinco estados já participam do projeto: Bahia, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Goiás e Amapá. A iniciativa, que já contava também com o apoio da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e do Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas), recebe ainda mais um novo parceiro estratégico, o Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS).

“A Busca Ativa Escolar quer atentar-se para as crianças e adolescentes menos beneficiadas pelas políticas públicas locais. Existem ainda aqueles que estão em situação de vulnerabilidade e que podem deixar de frequentar a escola pela falta de transporte escolar, gravidez na adolescência, trabalho infantil e outros. A ideia é mapear problemas estruturais e conjunturais que impedem o acesso de meninos e meninas a um direito fundamental, à educação, e também tomar ações concretas, de forma intersetorial, para resolver esses problemas”, observa Ítalo Dutra, chefe de Educação do UNICEF no Brasil.

A iniciativa conecta gestores públicos de diferentes áreas (educação, saúde, assistência social, planejamento, entre outros) e apoia na identificação, registro, controle e acompanhamento de crianças e adolescentes que estão fora da escola.

Por meio da plataforma desenvolvida pelo Instituto TIM, os profissionais que estão em campo conseguem registrar alertas de evasão escolar em um sistema único. Cada caso é atribuído a um técnico, que vai a campo e faz uma pesquisa aprofundada sobre a criança e sua família. As informações coletadas são encaminhadas a grupos solucionadores, que atuam para resolver o problema que impede a criança de ir à escola e tentar a rematrícula. Ela será acompanhada durante todo o ano letivo, para garantir sua permanência na sala de aula.

A solução potencializa a articulação das diversas áreas do poder público, pois todos têm acesso à mesma base de dados. Ela permite que o município cruze informações, identifique as maiores demandas, classifique-as por bairro ou faixa etária, consulte os casos em aberto e os solucionados. Assim, os gestores contam com mais subsídios para monitorar e tomar decisões.

No Brasil, 2,8 milhões de crianças e adolescentes estão fora da escola (PNAD 2015). O problema é mais grave entre as crianças de 4 e 5 anos e adolescentes de 15 a 17 anos, que deveriam estar na pré-escola e ensino médio, respectivamente. Muitos dos adolescentes de 15 a 17 anos sequer concluíram o Ensino Fundamental quando deixaram a escola.

No marco do primeiro aniversário, outros números também chamam a atenção. Até então, no painel de resultados do sistema de dados da Busca Ativa Escolar, as principais causas apontadas para que crianças e adolescentes estejam fora da escola são a “evasão porque sente a escola desinteressante” e a “falta de documentação da criança ou adolescente” (55% e 12%, em ordem de citação). Espera-se que com a adesão e engajamento de novos agentes à estratégia, os governos possam aproximar-se cada vez mais de diagnósticos reais e ações concretas para garantir o acesso à escola de milhões de crianças e adolescentes.

Sobre o Instituto TIM

 O Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Define sua atuação em projetos focados em quatro pilares: Ensino (da educação infantil à graduação); Aplicações (soluções em software livre); Inclusão (difusão do conhecimento) e Trabalho (novas oportunidades de atuação e capacitação).

Em parceria com diversas instituições federais e mais de 60 secretarias municipais e estaduais, como de Educação, Cultura e Planejamento em todo o país, as ações do Instituto TIM já alcançaram cerca de 400 municípios, em todos os 26 estados e Distrito Federal, beneficiando mais de 700 mil pessoas, especialmente, crianças de 6 a 12 anos.

leia tudo sobre

Publicidade

Instituto TIM anuncia inscrições para programa de empreendedorismo

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

27 de Março de 2018

Programa Academic Working Capital, que apoia projetos inovadores de estudantes com orientação técnica e de negócios, chega à sua quarta edição

Instituto TIM convoca jovens universitários para inscreverem seus projetos na 4ª edição do Academic Working Capital (AWC), programa que oferece apoio financeiro, técnico e de negócios para ideias inovadoras. Até 30 de abril, estudantes em fase final de graduação que possuem seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) voltado para uma solução tecnológica ou de inovação poderão inscrever os seus cases no site do programa (awc.institutotim.org.br/inscreva-se). As melhores iniciativas receberão acompanhamento, orientação de negócios e recursos financeiros para transformar sua ideia em um produto ou negócio.

Em suas três primeiras edições, o AWC já apoiou o desenvolvimento de cerca de 80 projetos inovadores, como a Turnit Healthcare, sistema para monitorar pacientes acamados para tentar diminuir as lesões por pressões, comuns nestes casos; o BeThink, plataforma que facilita o processo de registros e cálculos de experimentos manuais em laboratórios de pesquisa; o Roadiebot, um dispositivo que permite o controle automático e a distância de amplificadores analógicos de guitarras e baixos, e também o MyMigraine, um aplicativo para ajudar no diagnóstico das causas da enxaqueca.

Entenda o programa

Podem se inscrever grupos de universitários de qualquer área da graduação, desde que o líder do projeto esteja matriculado na etapa de execução do TCC, e que seu TCC seja voltado para soluções tecnológicas ou de inovação. Estão aptos a participar alunos matriculados em universidades do Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo e no Distrito Federal.

Os interessados devem se cadastrar desde já no site do programa (awc.institutotim.org.br/inscreva-se/) para receber um e-mail com as instruções de participação. Os documentos necessários para a inscrição deverão ser enviados pelos estudantes para o e-mail oficial do programa entre os dias 22 e 30 de abril. Os autores dos projetos selecionados receberão orientação técnica e de negócios, participarão de workshops e serão acompanhados semanalmente por monitores do AWC. Os interessados devem se cadastrar no site do programa (awc.institutotim.org.br/inscreva-se/) para receber as instruções. No final de 2018, os jovens empreendedores terão ainda a oportunidade de participar de uma Feira de Investimentos, durante a qual poderão apresentar suas soluções para profissionais do mercado e investidores.

Sobre o Instituto TIM

 O Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Define sua atuação em projetos focados em quatro pilares: Ensino (da educação infantil à graduação); Aplicações (soluções em software livre); Inclusão (difusão do conhecimento) e Trabalho (novas oportunidades de atuação e capacitação).

Em parceria com diversas instituições federais e mais de 60 secretarias municipais e estaduais, como de Educação, Cultura e Planejamento em todo o país, as ações do Instituto TIM já alcançaram cerca de 400 municípios, em todos os 26 estados e Distrito Federal, beneficiando mais de 700 mil pessoas, especialmente, crianças de 6 a 12 anos.

 

Publicidade

Pesquisa revela influência dos pais na vida escolar dos filhos

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

20 de Março de 2018

Estudo realizado pelo Instituto TIM foca no desempenho em matemática e ouviu mais de 1,5 mil crianças de escolas públicas e seus responsáveis em 20 cidades brasileiras

As habilidades matemáticas são moldadas muito cedo na vida escolar das crianças e a ansiedade ou um possível bloqueio no aprendizado pode tornar a disciplina um grande pesadelo até a vida adulta. E os pais tem papel fundamental nesse processo de aprendizagem. É o que comprova pesquisa feita pelo Instituto TIM, por meio do seu projeto “O Círculo da Matemática no Brasil”, realizado no país desde 2013.

O estudo ouviu 1,5 mil crianças de escolas públicas, com idade média de nove anos, e seus responsáveis em 20 cidades de todas as regiões do país. Na ocasião, foi calculado o Índice de Competências Matemáticas (ICM) de cada indivíduo, metodologia para determinar o conhecimento da disciplina desenvolvida pelos professores Bob e Ellen Kaplan, criadores do Math Circle da Universidade de Harvard. O teste traz questões de porcentagem, média básica, frações, multiplicação e divisão, dentre outras.

Foi possível verificar que alunos cujos pais se envolvem na vida escolar têm 21,8% a mais de proficiência matemática em comparação aos que não contam com apoio da família. No entanto, alguns dados do estudo preocupam: 90% das crianças entrevistadas consideram que aprender a disciplina as ajudará a ter uma boa profissão, enquanto 45% dos responsáveis acham que não adianta estudar matemática. Para piorar, 38% dos filhos disseram que ninguém os ajuda com o estudo, enquanto 72% revelaram que gostariam de obter mais apoio dos responsáveis nesse sentido.

“Existe uma herança matemática nas famílias brasileiras que agrava de modo decisivo a baixa aprendizagem da disciplina no país. Na pesquisa, 43% dos pais disseram que essa era matéria que menos gostavam na escola, por exemplo. É como se existisse uma transmissão entre gerações de pobreza matemática que as escolas, infelizmente, não conseguem interromper. E isso agrava ainda mais o desenvolvimento da disciplina no Brasil e a busca por soluções para reverter o cenário no país”, explica o economista Flavio Comim, professor da Universidade de Cambridge, responsável pela pesquisa e idealizador do projeto “O Círculo da Matemática no Brasil”. O Brasil está, atualmente, no 131º lugar entre 137 países na qualidade do ensino de ciências e matemáticas, segundo estudo do Fórum Econômico Mundial.

O estudo revela, entretanto, que os adultos não precisam ser craques em matemática para influenciar o desempenho das crianças: basta apenas estarem mais próximos. O envolvimento dos pais na vida escolar dos filhos – conhecer os professores, colegas de turma e dedicar tempo para ajudar nos estudos – produz um efeito positivo no aprendizado das crianças, similar aos benefícios de filhos com pais que entendem sobre matemática e estudam juntos.

O Instituto TIM realiza desde 2013 o projeto “O Círculo da Matemática do Brasil”, que tem como objetivo estimular o gosto por essa disciplina por meio da abordagem já mencionada, criada na Universidade de Harvard. A iniciativa já beneficiou mais de 187 mil alunos de escolas públicas do ensino fundamental em 33 cidades brasileiras.

 

leia tudo sobre

Publicidade

Instituto TIM apresenta ferramenta de combate à evasão escolar em Fortaleza

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

08 de agosto de 2017

O Instituto TIM, em parceria com a Unicef, a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e o Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social (Congemas), apresentam nesta quarta-feira (09) uma plataforma gratuita de combate à evasão escolar em Fortaleza. O lançamento acontece durante o 16º Fórum Nacional da Undime que está sendo realizado na capital cearense esta semana.

Entre os objetivos da ferramenta está contribuir com os municípios na identificação, (re)matrícula e acompanhamento de crianças e adolescentes que estejam fora da escola. A expectativa é convidar as equipes técnicas de secretarias municipais de educação de todo o país a conhecer um pouco mais a plataforma e através do engajamento levar o projeto para a sua localidade. No Brasil, cerca de 3 milhões de alunos entre quatro a 17 anos estão fora da escola, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015. Em Fortaleza esse número ultrapassa os 40 mil. Ver mais detalhes no gráfico abaixo:

A Busca Ativa Escolar é uma plataforma criada em software livre, possibilitando sua adoção gratuitamente por qualquer município. Visa contribui para o cumprimento das metas do Plano Nacional de Educação e também combater a exclusão escolar utilizando tecnologia da informação e comunicação.

Como funciona?

Sempre que um agente comunitário participante visita uma residência e identifica uma criança ou adolescente fora da escola, ele envia um alerta por SMS, pelo aplicativo ou pelo site do projeto. A população em geral também pode contribuir via telefone, ligando para 0800-729-2872 e fazendo seus alertas. A partir daí, uma equipe intersetorial é acionada para entender as causas da exclusão, permitir a (re)matrícula e a permanência do aluno na escola, com garantia de aprendizagem.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Instituto TIM já formou mais de 14 mil professores em todo o Brasil

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

15 de outubro de 2016

Na semana do Dia do Professor, instituição celebra resultados dos programas O Círculo da Matemática do Brasil e TIM Faz Ciência

 

Rio de Janeiro, 13 de outubro de 2016 – Neste Dia dos Professores, a TIM tem muito a comemorar: o Instituto TIM já contribuiu para a formação de mais de 14 mil docentes brasileiros desde 2013, ano de sua fundação. O resultado é fruto do trabalho de dois projetos – O Círculo da Matemática do Brasil e TIM Faz Ciência – que, juntos, envolvem mais de 450 mil alunos em todo o país.

O Círculo da Matemática do Brasil trouxe para o país a abordagem The Math Circle – criada pelos professores Robert e Ellen Kaplan, da Universidade de Harvard – e busca aprimorar o aprendizado da matemática na rede pública de ensino, despertando nas crianças o gosto pela disciplina, que costuma ser o “bicho papão” de muitos alunos. A iniciativa promove a realização de aulas cooperativas de matemática para turmas pequenas de crianças do 2º ao 4º ano do Ensino Fundamental, nas quais a participação e a autorreflexão dos estudantes são incentivadas. Em três anos, 3,5 mil professores foram formados para aplicarem o método em salas de aula no país.

TIM Faz Ciência é uma iniciativa dirigida a professores e estudantes dos 4º e 5º anos do Ensino Fundamental e os leva a explorar operações intelectuais próprias à produção de conhecimento científico, como observar, verificar, classificar, questionar, definir, aplicar e generalizar. Desde 2013, TIM Faz Ciência já formou 10,9 mil educadores. Apenas neste ano, mais de 4,7 mil professores se inscreveram para participar de encontros de formação, realizados em parceria com Secretarias de Educação municipais e estaduais, como os que acontecem no mês de outubro em Foz do Iguaçu (PR), Betim (MG) e Vitória (ES).

 

Sobre o Instituto TIM

 Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas livres; Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram mais de 700 mil  pessoas em todo o país.

Publicidade

Plataforma do Instituto TIM oferece curso gratuito de desenvolvimento de software

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

31 de agosto de 2016

Objetivo do conteúdo online disponível no TIM Tec é estimular boas práticas em programação e contribuir para aumentar a produtividade de desenvolvedores

 

TIM Tec (mooc.timtec.com.br) – plataforma do Instituto TIM que oferece cursos online de Tecnologia, Informação e Comunicação livres e gratuitos – acaba de lançar mais um módulo voltado para programadores: Boas Práticas em Desenvolvimento de Software. O objetivo é aumentar a produtividade dos profissionais, melhorando a qualidade do código e ampliando os conhecimentos sobre segurança e privacidade no desenvolvimento.

O diferencial deste curso é que ele aborda questões práticas e cotidianas como controle de versão, manutenção de um ambiente de desenvolvimento, licenciamento e segurança, englobando metodologias, ferramentas e conceitos de desenvolvimento de software que aumentam a produtividade e facilitam o compartilhamento de código”, explica o professor do TIM Tec, Silvio Rhatto.

O novo curso é voltado para desenvolvedores de software que já possuem conhecimentos básicos em programação e inclui aulas em vídeo, testes e atividades online, exercícios individuais e material didático de apoio, além de disponibilizar um fórum para discussão entre alunos.

Os mais de 20 cursos online gratuitos do TIM Tec são alinhados ao “Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação” do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Qualquer pessoa pode se inscrever por meio do endereço mooc.timtec.com.br. A plataforma – que é um software livre – e os conteúdos de TIM Tec também são compartilhados com Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia com o apoio da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (SETEC/MEC). As instituições parceiras conhecem o projeto, instalam o software e, se quiserem, podem adicionar os cursos de TIM Tec ou seus próprios cursos à plataforma.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti

leia tudo sobre

Publicidade

TIM Faz Ciência promove formação de professores cearenses

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

03 de Maio de 2016

O Instituto TIM, em parceria com as Secretarias Municipais de Educação dos municípios de Fortaleza, Aquiraz e São Gonçalo do Amarante promoverão entre os dias 4 e 6 de maio a formação de cerca de 200 professores cearenses pelo TIM Faz Ciência, iniciativa que convida estudantes de escolas públicas a explorar operações intelectuais próprias da investigação científica. O programa oferece material didático e formação gratuita, orientando professores a transmitirem às crianças do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental as bases da produção de conhecimento.

O encontro de formação terá como tema “O programa TIM Faz Ciência e os Saberes Disciplinares”e será conduzido pela pedagoga Lilian Faversani. Somente no estado do Ceará, entre os anos 2014 e 2015, 515 professores e 14.840 alunos já foram contemplados pelo programa. Este ano, cerca de 200 professores já estão inscritos na capacitação, atingindo a marca de mais de 100 escolas.

As formações ocorrerão nos três municípios seguindo o cronograma abaixo:

 

Cidade Data Horário Loja Endereço
São Gonçalo do Amarante 04/Maio Das 8h as 11h30 Auditório da SME Menezes Pimentel, nº 54 – Centro
Aquiraz 05/Maio Das 13h30 as 17h Casa do Saber Praça das Flores, em frente a Secretaria  Municipal de Aquiraz
Fortaleza 06/Maio Das 8h00 às 11h30 e Das 13h30 às 17h00 UNIPACE – Universidade do Parlamento Cearense Av. Pontes Viêira, 2391 – Dionísio Torres (Sala C – 3° andar)

 

O TIM Faz Ciência foi elaborado a partir da afirmação de um dos pensadores mais importantes do século XX, Neil Postman, que diz que todo o conhecimento que produzimos é resultado de sete operações  intelectuais: observar, verificar, classificar, questionar, definir, aplicar e generalizar.Todas as aulas, histórias, textos e atividades do programa foram elaborados para que as crianças participantes não só realizem essas operações, mas, principalmente, aprendam a reconhecer, a aprimorar, a falar sobre cada uma delas.

Realizado desde 2014, o programa envolve mais de 120 mil estudantes e cerca de 3.500 professores de escolas públicas de 232 municípios pelo Brasil.

Mais informações sobre o programa podem ser obtidas no site www.timfazciencia.com.br . Todo o material pedagógico do TIM Faz Ciência está disponível gratuitamente no site do projeto.

 

Sobre o Instituto TIM

Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas livres; Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram mais de 300 mil pessoas em todo o país.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Instituto TIM promove encontro com professores de Harvard para debater o ensino da matemática no país

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

15 de Abril de 2016

Bob e Ellen Kaplan são criadores da abordagem The MathCircle, implementada no Brasil pelo Instituto TIM e que já beneficiou 100 mil crianças da rede pública desde 2013. Em 2016, a previsão é que 60 mil alunos sejam envolvidos pelo projeto, em 20 cidades brasileiras, incluindo Fortaleza

 

O Instituto TIM trouxe ao Brasil Bob Kaplan e Ellen Kaplan, criadores da abordagem The MathCircle e professores da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, para uma tarde de debates sobre o ensino da disciplina no país. Sob o título “E se as crianças gostassem de matemática?”, o encontro, realizado na Universidade de Brasília (UnB), promoveu a discussão sobre novas metodologias de aprendizado no Brasil. Participaram do evento especialistas em educação matemática e representantes da Secretaria de Educação do Distrito Federal.

Na ocasião, foi apresentada a abordagem de O Círculo da Matemática do Brasil, iniciativa implementada no país pelo Instituto TIM desde 2013 e que deve beneficiar, até o fim do ano, 60 mil alunos do ensino fundamental da rede pública. O projeto, que adapta à realidade brasileira os conteúdos e propostas de The MathCircle, envolve alunos do 2º ao 4º ano do ensino fundamental de escolas públicas com fraco desempenho no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Os professores Kaplan vieram para o Brasil para capacitar 50 educadores do projeto, que darão as sessões do Círculo em 2016 e farão formações com professores de escolas públicas, tornando-se multiplicadores dessa abordagem de ensino. Segundo Bob Kaplan, a matemática deve ser encarada muito além de simples processos educacionais: “O que estamos procurando o tempo todo em nossas vidas é significado. E a matemática nos faz entender melhor o mundo, não só por causa da ciência, mas pela forma como pensar matemática nos faz compreender as coisas e seus significados”, destacou o professor.

Ellen Kaplan ressaltou a importância dos questionamentos no processo de aprendizado e reforçou que The MathCircle é totalmente baseado na premissa “Diga-me e esquecerei. Pergunte-me e descobrirei”. “Usar a pergunta como ferramenta ajuda a construir o conhecimento. Se construirmos em conjunto o conhecimento, logo vamos perceber que estamos entendendo e aprendendo matemática”, afirmou.

Em 2016, o projeto atuará em 18 cidades do país: Fortaleza (CE), Aracaju (SE), Recife (PE), Teresina (PI), Brasília (DF), São Paulo (SP), Rio de Janeiro e Duque de Caxias (RJ), Belo Horizonte (MG), Porto Alegre, Novo Hamburgo (RS), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), São Luís (MA), Belém e Marabá (PA), Manaus (AM) e Porto Velho (RO). Em Fortaleza e em mais 11 municípios os educadores formados pelo Instituto TIM darão sessões do Círculo para estudantes de escolas públicas, no contraturno das aulas regulares, servindo como atividade extracurricular. Já nas demais cidades de atuação do programa este ano, os professores da rede pública estão sendo capacitados por educadores multiplicadores para que usem a abordagem do Círculo da Matemática em suas aulas. A expectativa é capacitar 1,8 mil professores nesses locais.

Segundo Flavio Comim, coordenador do projeto, “o Círculo da Matemática mostra que o professor está lá para ser um guia e não uma autoridade. O método vê a importância do diálogo e da participação dos alunos na construção da matemática”.

 

Mais sobre o Instituto TIM

Durante o encontro, Glória Rubião, gerente de Responsabilidade Social Corporativa da TIM, apresentou os principais projetos do Instituto TIM (www.institutotim.org.br), fundado em 2013 e que já envolveu mais de 300 mil pessoas em todo o país.

“O Instituto TIM foi criado com a missão de democratizar o conhecimento científico e tecnologia. E isso só pode ser feito pela educação”, destacou a executiva, que também mostrou os quatro pilares que definem a atuação do Instituto: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas livres; Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti

 

Publicidade

TIM Tec, plataforma do Instituto TIM, lança novos cursos em 2016

Por Oswaldo Scaliotti em Qualificação

28 de Março de 2016

Qualificação ] As aulas são gratuitas e estão disponíveis online

A plataforma TIM Tec (mooc.timtec.com.br), iniciativa lançada pelo Instituto TIM, acaba de lançar dois novos cursos: Desenvolvimento de front-end e Design de interfaces com CSS3. Nos próximos meses, mais cinco cursos serão publicados. Assim como os demais cursos da plataforma, ambos são gratuitos, no formato MOOC (cursos online abertos massivos) e divididos em aulas, cada uma com capítulos diferentes, apresentados em vídeos.

O curso Desenvolvimento de front-end é voltado para aqueles que estão iniciando na área de desenvolvimento web, mas já têm noções das linguagens HTML, CSS3 e JavaScript. Nele, além dos estudantes poderem encontrar diversas referências, o foco do conteúdo é a prática. De acordo com a professora Talita Pagani, especialista em Gerenciamento de Projetos, mestranda em Ciência da Computação e consultora de experiência do usuário (UX), a cada aula o aluno constrói uma parte de um site e, com isso, aprende a usar as linguagens em conjunto para, no final, construir um site que tem um layout simples, mas que reúne todos os conceitos relacionados a front-end. Ainda segundo ela, as empresas passaram a contratar profissionais específicos para diferentes setores de TI, como front-end, back-end e design. Por isso, o domínio destes elementos é um diferencial. “O profissional de front-end é muito requisitado, porque trabalha com tecnologias de base para montar um site. Ele também tem que ficar atento a questões de experiência do usuário e desempenho e acessibilidade do site. É um profissional muito valorizado no mercado”, afirma.

Já o curso Design de Interfaces com CSS3 será ministrado pelos professores e fundadores do estúdio PopUp Design, Leandro Lima e Dani Guerrato. “O curso é voltado para alguém que já tenha noção de HTML e que queira aprender sobre design, layout e técnicas de CSS”, diz Dani. “A ideia é que ao final do curso os alunos consigam construir sua própria interface”, completa Leandro. Para que os estudantes possam se aprofundar no assunto, os instrutores também indicam referências e disponibilizam exercícios para baixar e praticar o conteúdo.

Leandro ainda ressalta a importância para web designers e desenvolvedores de estudar os conceitos das duas áreas, que se complementam. “Saber o que é possível fazer tanto com código quanto com design é fundamental para conseguir crescer nesse setor”, diz. Dani recomenda o curso até mesmo para quem não vai seguir a profissão, já que a construção de um site envolve conhecimentos e habilidades que podem ser aproveitados em outras áreas.

A plataforma TIM Tec conta com 19 cursos publicados e mais de 20 mil alunos cadastrados. Os próximos cursos a serem lançados neste ano são UX e UI Design, Desenvolvimento Web PHP, Desenvolvimento Web com AngularJS, Desenvolvimento Web com Java e Apache Wicket e Boas práticas em desenvolvimento de software.

Sobre o Instituto TIM

Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas; Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram mais de 300 mil pessoas em todo o país.

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Professores cearenses ganham Prêmio TIM Faz Ciência

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

15 de dezembro de 2015

Prof. Nilza Cunha comemora com os alunos_2

O Instituto TIM promoveu nesta última sexta-feira, em Fortaleza, a cerimônia de entrega do Prêmio TIM Faz Ciência, que homenageou professores que se destacaram durante o ano de 2015 dentro do programa de mesmo nome. Na solenidade, realizada no Teatro Celina Queiroz da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), foram premiadas as professoras Elisângela Oliveira Pereira, do 5º ano da EMEF José Ferreira da Costa, em Aquiraz, e Nilza Maria Morais Cunha, do 5º ano da EM Quintino Cunha, na capital. Os demais homenageados foram os profissionais Suelen de Araújo Santos de São Bernardo do Campo (SP), Alires Jakobowski de Massaranduba (SC) e Ednéia Patrícia Dias de Florianópolis (SC).

As professoras cearenses se destacaram com iniciativas que buscam o fim do bullying e brigas no recreio entre colegas, por meio de conversas e brincadeiras saudáveis, proporcionando assim uma melhor convivência entre os alunos. As ações se estenderam para fora da sala de aula do 5º ano, contagiando diretores, coordenadores e outros alunos, resultando numa melhora para toda a escola.

“Sem a colaboração de toda uma equipe, que acreditou no Tim Faz Ciência nós não estaríamos aqui, foi um trabalho conjunto dos profissionais do colégio e dos alunos. Com essa experiência, eu tenho a certeza que a vida dos meus alunos nunca mais será a mesma”, falou a professora Nilza Cunha, que levou toda a turma do 5º ano a entrega do prêmio. Elisângela Pereira do município de Aquiraz também falou emocionada sobre a homenagem: “O conhecimento que adquirimos nessa experiência ninguém vai tirar da gente, é algo que vamos levar para a vida toda”, finalizou a professora.

O TIM Faz Ciência é uma iniciativa do Instituto TIM que convida professores e estudantes de 4º e 5º anos de ensino fundamental, a explorar operações intelectuais próprias à produção de conhecimento científico: observar, verificar, classificar, questionar, definir, aplicar e generalizar.

O programa foi elaborado a partir da afirmação de um dos pensadores mais importantes do século XX, Neil Postman, que dedicou sua vida a pensar a educação moderna, a escola, a sociedade, a tecnologia. Ele diz que todo o conhecimento que produzimos é resultado de operações intelectuais.

Essas operações se tornaram os sete procedimentos usados pelos cientistas para produzir e validar o conhecimento científico. E o TIM Faz Ciência está organizado sobre essa ideia. Todas as aulas, histórias, textos e atividades do programa foram elaborados para que as crianças participantes não só realizem essas operações, mas, principalmente, aprendam a reconhecer, a aprimorar, a falar sobre cada uma delas. Realizado desde 2014, o programa envolve mais de 120 mil estudantes e cerca de 3.500 professores de escolas públicas de 232 municípios pelo Brasil.

No ano passado, a cerimônia de entrega do Prêmio TIM Faz Ciência aconteceu em Porto Alegre, tendo como um dos ganhadores a professora Glória Maria Silva Hamelak, da EM Antônio Mendes, de Fortaleza. Nesta sexta-feira, antes do anúncio dos vencedores de 2015, o professor de Filosofia da Educação da USP, José Sérgio Carvalho apresentará uma palestra sobre o tema “Ciência como tradição crítica ou por que ensinar ciências na escola”.

 

Sobre o Instituto TIM

Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas livres;Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram mais de 300 mil pessoas em todo o país.

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Professores cearenses ganham Prêmio TIM Faz Ciência

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

15 de dezembro de 2015

Prof. Nilza Cunha comemora com os alunos_2

O Instituto TIM promoveu nesta última sexta-feira, em Fortaleza, a cerimônia de entrega do Prêmio TIM Faz Ciência, que homenageou professores que se destacaram durante o ano de 2015 dentro do programa de mesmo nome. Na solenidade, realizada no Teatro Celina Queiroz da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), foram premiadas as professoras Elisângela Oliveira Pereira, do 5º ano da EMEF José Ferreira da Costa, em Aquiraz, e Nilza Maria Morais Cunha, do 5º ano da EM Quintino Cunha, na capital. Os demais homenageados foram os profissionais Suelen de Araújo Santos de São Bernardo do Campo (SP), Alires Jakobowski de Massaranduba (SC) e Ednéia Patrícia Dias de Florianópolis (SC).

As professoras cearenses se destacaram com iniciativas que buscam o fim do bullying e brigas no recreio entre colegas, por meio de conversas e brincadeiras saudáveis, proporcionando assim uma melhor convivência entre os alunos. As ações se estenderam para fora da sala de aula do 5º ano, contagiando diretores, coordenadores e outros alunos, resultando numa melhora para toda a escola.

“Sem a colaboração de toda uma equipe, que acreditou no Tim Faz Ciência nós não estaríamos aqui, foi um trabalho conjunto dos profissionais do colégio e dos alunos. Com essa experiência, eu tenho a certeza que a vida dos meus alunos nunca mais será a mesma”, falou a professora Nilza Cunha, que levou toda a turma do 5º ano a entrega do prêmio. Elisângela Pereira do município de Aquiraz também falou emocionada sobre a homenagem: “O conhecimento que adquirimos nessa experiência ninguém vai tirar da gente, é algo que vamos levar para a vida toda”, finalizou a professora.

O TIM Faz Ciência é uma iniciativa do Instituto TIM que convida professores e estudantes de 4º e 5º anos de ensino fundamental, a explorar operações intelectuais próprias à produção de conhecimento científico: observar, verificar, classificar, questionar, definir, aplicar e generalizar.

O programa foi elaborado a partir da afirmação de um dos pensadores mais importantes do século XX, Neil Postman, que dedicou sua vida a pensar a educação moderna, a escola, a sociedade, a tecnologia. Ele diz que todo o conhecimento que produzimos é resultado de operações intelectuais.

Essas operações se tornaram os sete procedimentos usados pelos cientistas para produzir e validar o conhecimento científico. E o TIM Faz Ciência está organizado sobre essa ideia. Todas as aulas, histórias, textos e atividades do programa foram elaborados para que as crianças participantes não só realizem essas operações, mas, principalmente, aprendam a reconhecer, a aprimorar, a falar sobre cada uma delas. Realizado desde 2014, o programa envolve mais de 120 mil estudantes e cerca de 3.500 professores de escolas públicas de 232 municípios pelo Brasil.

No ano passado, a cerimônia de entrega do Prêmio TIM Faz Ciência aconteceu em Porto Alegre, tendo como um dos ganhadores a professora Glória Maria Silva Hamelak, da EM Antônio Mendes, de Fortaleza. Nesta sexta-feira, antes do anúncio dos vencedores de 2015, o professor de Filosofia da Educação da USP, José Sérgio Carvalho apresentará uma palestra sobre o tema “Ciência como tradição crítica ou por que ensinar ciências na escola”.

 

Sobre o Instituto TIM

Fundado em 2013, o Instituto TIM (www.institutotim.org.br) tem como missão criar e potencializar recursos e estratégias para a democratização da ciência, tecnologia e inovação, promovendo o desenvolvimento humano, utilizando a tecnologia móvel como um dos principais habilitadores. Possui quatro pilares que definem sua atuação: Ensino, que tem como foco a educação em ciências e matemática; Aplicações, com o objetivo de desenvolver novas soluções tecnológicas livres;Inclusão, com a difusão do conhecimento de tecnologias de informação e de comunicação; e Trabalho, criando novas formas de atuação por meio do conhecimento tecnológico. Todas as soluções tecnológicas desenvolvidas pelo Instituto TIM são livres. Os projetos do Instituto TIM já envolveram mais de 300 mil pessoas em todo o país.

  • postado por Oswaldo Scaliotti