Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

ICEC

Fecomércio divulga pesquisas de Confiança do Consumidor e Empresário

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

12 de dezembro de 2017

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio/CE), divulga nesta terça-feira (12) o resultado daspesquisas: Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza (ICC) e o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC).

ICC

Com a proximidade das festas de fim de ano o consumidor de Fortaleza finalmente se anima para ir às compras, elevando em +7,9 pontos percentuais a intenção de compras, que passou de 39,2%, em novembro, para 47,1% neste mês. Este é o melhor resultado do ano, e, ainda que esteja abaixo do indicador verificado no mesmo mês do ano passado (54,6%), anima o comércio varejista no final do ano.

O valor médio das compras é estimado em R$ 289,94 e a intenção de compra mostra-se mais elevada para os consumidores do sexo masculino (51,2%), no grupo com idade entre 18 e 24 anos (59,4%) e com renda familiar acima de dez salários mínimos (85,7%).

                     Os produtos mais procurados são:

         Artigos de vestuário, citados por 47,9% dos entrevistados;

         Calçados (32,6%);

         Televisores (12,9%);

         Aparelhos de telefonia celular (11,7%);

         Geladeiras e refrigeradores (11,1%); e

         Móveis e artigos de decoração (7,5%).

 

O Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza (ICC) apresentou queda de -3,9%, passando de 99,1 pontos, em novembro, para 95,3 pontos neste mês.O ICC foi influenciado pela redução dos seus dois componentes: o Índice de Situação Presente teve piora de -0,7%, passando de 92,5 pontos para 91,9 pontos no período analisado; e o Índice de Situação Futura teve redução de -5,8%, atingindo o patamar de 97,5 pontos, como pode ser visto na tabela a seguir:

Tabela 1 – ICC, Síntese dos resultados

Índice

Valor mensal – em pontos

Média do Trimestre

Out

Nov

Dez

ICC

95,3

99,1

95,3

96,6

ISP

89,4

92,5

91,9

91,2

IEF

99,2

103,5

97,5

100,1

 

Fonte: Pesquisa Direta Fecomércio/IPDC

 

Expectativa dos consumidores

Dentre aqueles que demonstram maior otimismo, destacam-se os consumidores do gênero masculino (44,9% dos entrevistados afirmam que dezembro bom momento para compra de bens de consumo duráveis), do grupo com idade entre 18 e 24 anos (48,2%) e com renda familiar acima de dez salários mínimos (62,3%).

A pesquisa também revela que 52,2% dos consumidores de Fortaleza consideram que sua situação financeira atual está melhor ou muito melhor do que há um ano. Já as expectativas com o futuro se mostram mais otimistas, com 64,7% dos entrevistados acreditando que sua situação financeira futura será melhor ou muito melhor do que a atual. O consumidor de Fortaleza tem mostrado preocupações com o ambiente econômico nacional, com 65,6% dos entrevistados descrevendo-o como ruim ou péssimo. Esse sentimento recebe influências da percepção das restrições na oferta de crédito e, principalmente, da estagnação do mercado de trabalho.

ICEC

Já o Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Ceará – ICEC do bimestre novembro/dezembro mostra aumento de +4,0% no sentimento geral de confiança dos empresários, com o índice passando de 98,7 pontos, no bimestre setembro/outubro, para 102,7 pontos na medição atual.

O componente Índice de Situação Presente – ISP teve crescimento de +14,5%, saindo de 48,8 pontos no bimestre setembro/outubro para 55,9 pontos neste período. O índice permanece no campo que indica pessimismo (abaixo dos 100 pontos), influenciado pelo sentimento de gravidade da crise, com 64,6% dos entrevistados reconhecendo a piora do ambiente econômico nos últimos doze meses e 96,3% afirmando que as condições gerais das suas empresas pioraram nos últimos seis meses.

As perspectivas para o futuro, refletidas no Índice de Situação Futura – ISF, melhoraram +1,4%, com o índice passando de 128,2 pontos no bimestre anterior para 130,0 pontos nesta medição. Os empresários acreditam na melhoria das condições de suas empresas, com 96,0% dos entrevistados esperando momentos melhores nos próximos seis meses e 96,8% com previsão de crescimento das vendas.

A pesquisa ainda mostra que o avanço no índice geral de confiança afeta intenção de investimentos, com o Índice de Investimentos das Empresas tendo ampliação de +3,6% no bimestre, atingindo 113,0 pontos. O otimismo poderá aquecer o mercado de trabalho, já que 95,2% dos entrevistados esperam crescimento nas contratações de empregados.

Sobre a pesquisa

O Índice de Confiança do Empresário (ICEC) é indicador antecedente, apurado exclusivamente entre os tomadores de decisão das empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, cujo objetivo é detectar as tendências das ações empresariais do setor do ponto de vista do empresário. Ele pode ser dividido em três indicadores; Índice de Situação Presente (ISP) Presente, Índice das Expectativas Futuras (IEF) e Índice Geral (ICEC).

Índice atual: diz respeito às condições atuais da economia brasileira, setor de atividade e da empresa em um prazo de até́ trinta dias.

Índice Futuro: calculado com base na opinião dos empresários no que concerne as expectativas em relação ao setor de atividade e da empresa em um horizonte temporal de onze meses (com exceção dos próximos trinta dias). Índice Geral: é o indicador antecedente das variações na demanda agregada da economia. É um valor ponderado entre o Índice Atual e o Índice Futuro.

Publicidade

Economia ruim derruba confiança dos empresários

Por Oswaldo Scaliotti em Análise

13 de dezembro de 2016

Segundo pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio/CE), o Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Ceará – ICEC do bimestre novembro/dezembro mostra uma queda de 3,4% com o índice passando de 103,1 pontos, no bimestre setembro/outubro, para 99,5 pontos na medição atual. O resultado decorre, principalmente, da percepção da gravidade da crise atual, com 53,0% dos entrevistados afirmando que a economia piorou nos últimos doze meses.

Acompanhando a redução do indicador geral, o componente Índice de Situação Presente – ISP teve diminuição de 22,5%, saindo de 62,6 pontos no bimestre setembro/outubro, para 48,5 pontos neste período. O empresário do comércio permanece atento ao momento econômico, percebendo-o como frágil e com forte influência no comportamento setorial: 68,7% dos entrevistados reconhecem uma deterioração dos seus setores de atuação nos últimos doze meses.

 

As perspectivas para o futuro, refletidas no Índice de Expectativas Futuras – IEF, tiveram melhoria de 5,4%, influenciada, principalmente, pela esperança de retomada das vendas, com 91,7% dos entrevistados esperando momentos melhores na economia nos próximos seis meses. Além disso, 92,0% esperam crescimento das vendas de suas empresas, como reflexo da melhoria do quadro econômico e aumento do consumo.

A pesquisa ainda mostra que, apesar da piora no sentimento geral de confiança, a intenção de investimentos sobe, com o Índice de Investimentos das Empresas tendo incremento de 5,4% no bimestre e atingindo 110,9 pontos. Os reflexos poderão ser sentidos na movimentação de estoques, com 70,1% dos empresários esperando redução nos níveis de inventário, e na contratação de pessoal, com 79,0% dos entrevistados prevendo contratações de novos empregados nos próximos meses.

 

Saiba mais

O Índice de Confiança do Empresário (ICEC) é indicador antecedente, apurado exclusivamente entre os tomadores de decisão das empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, cujo objetivo é detectar as tendências das ações empresariais do setor do ponto de vista do empresário. Ele pode ser dividido em três indicadores: Índice das Situações (ISP) Presente, Índice das Expectativas Futuras (IEF) e Índice Geral (ICEC).

Índice Atual: diz respeito diz respeito às condições atuais da economia brasileira, setor de atividade e da empresa em um prazo de até trinta dias.

Índice Futuro: calculado com base na opinião dos empresários no que concerne as expectativas em relação ao setor de atividade e da empresa em um horizonte temporal de onze meses (com exceção dos próximos trinta dias). Índice Geral: é o indicador antecedente das variações na demanda agregada da economia. É um valor ponderado entre o Índice Atual e o Índice Futuro.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Economia ruim derruba confiança dos empresários

Por Oswaldo Scaliotti em Análise

13 de dezembro de 2016

Segundo pesquisa realizada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio/CE), o Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Ceará – ICEC do bimestre novembro/dezembro mostra uma queda de 3,4% com o índice passando de 103,1 pontos, no bimestre setembro/outubro, para 99,5 pontos na medição atual. O resultado decorre, principalmente, da percepção da gravidade da crise atual, com 53,0% dos entrevistados afirmando que a economia piorou nos últimos doze meses.

Acompanhando a redução do indicador geral, o componente Índice de Situação Presente – ISP teve diminuição de 22,5%, saindo de 62,6 pontos no bimestre setembro/outubro, para 48,5 pontos neste período. O empresário do comércio permanece atento ao momento econômico, percebendo-o como frágil e com forte influência no comportamento setorial: 68,7% dos entrevistados reconhecem uma deterioração dos seus setores de atuação nos últimos doze meses.

 

As perspectivas para o futuro, refletidas no Índice de Expectativas Futuras – IEF, tiveram melhoria de 5,4%, influenciada, principalmente, pela esperança de retomada das vendas, com 91,7% dos entrevistados esperando momentos melhores na economia nos próximos seis meses. Além disso, 92,0% esperam crescimento das vendas de suas empresas, como reflexo da melhoria do quadro econômico e aumento do consumo.

A pesquisa ainda mostra que, apesar da piora no sentimento geral de confiança, a intenção de investimentos sobe, com o Índice de Investimentos das Empresas tendo incremento de 5,4% no bimestre e atingindo 110,9 pontos. Os reflexos poderão ser sentidos na movimentação de estoques, com 70,1% dos empresários esperando redução nos níveis de inventário, e na contratação de pessoal, com 79,0% dos entrevistados prevendo contratações de novos empregados nos próximos meses.

 

Saiba mais

O Índice de Confiança do Empresário (ICEC) é indicador antecedente, apurado exclusivamente entre os tomadores de decisão das empresas do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, cujo objetivo é detectar as tendências das ações empresariais do setor do ponto de vista do empresário. Ele pode ser dividido em três indicadores: Índice das Situações (ISP) Presente, Índice das Expectativas Futuras (IEF) e Índice Geral (ICEC).

Índice Atual: diz respeito diz respeito às condições atuais da economia brasileira, setor de atividade e da empresa em um prazo de até trinta dias.

Índice Futuro: calculado com base na opinião dos empresários no que concerne as expectativas em relação ao setor de atividade e da empresa em um horizonte temporal de onze meses (com exceção dos próximos trinta dias). Índice Geral: é o indicador antecedente das variações na demanda agregada da economia. É um valor ponderado entre o Índice Atual e o Índice Futuro.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti