Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Grupo Aço Cearense

Grupo Aço Cearense realiza ações com colaboradores durante a Copa do Mundo

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

12 de junho de 2018

A cada quatro anos, os brasileiros se preparam para viver grandes emoções. É a Copa do Mundo que faz o país inteiro acompanhar a seleção brasileira de futebol. Este ano, o mundial acontece na Rússia, nos meses de junho e julho, e o Grupo Aço Cearense programou ações para que nenhum colaborador perca os grandes lances dos jogos do Brasil.

Torneio de embaixadinhas, concurso de decoração dos setores, dispensa de colaboradores nos horários dos jogos do Brasil e telões espalhados pelas unidades são algumas das atividades que prometem animar a torcida. O torneio de embaixadinhas vale medalhas para os três primeiros colocados. Já o setor vencedor do concurso de decoração “Com a cara do Brasil” será premiado com um troféu.

Para os setores das unidades que não podem parar devido à produção, os jogos serão transmitidos em telões localizados em áreas estratégicas para que nenhum colaborador fique de fora da torcida na Aço Cearense Industrial.

Publicidade

Grupo Aço Cearense mantém foco no desenvolvimento de lideranças

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

24 de Maio de 2018

Fortalecer o espírito de equipe, contribuir para o crescimento da instituição e manter um bom padrão de desempenho de suas lideranças são alguns dos pontos fortes do Grupo Aço Cearense. Pensando no bom desenvolvimento de seus coordenadores, a instituição encerrou, na última semana, o Programa de Desenvolvimento de Líderes, em evento realizado no hotel Holiday Inn.

Com uma turma de 45 pessoas, o programa durou nove meses e teve como objetivo proporcionar aos participantes a oportunidade de se autoavaliarem, reconhecendo seus papéis, trabalhando a autoliderança e melhorando suas atuações, tornando-os referência para seus liderados.

A ministrante do Programa, Cláudia Blaia, especialista em desenvolvimento de empresas, destacou o ótimo trabalho realizado junto aos líderes do Grupo Aço Cearense. “O objetivo do curso foi atingido e os participantes se superaram. A gente percebe a mudança das pessoas, que antes eram mais voltadas para si e agora se percebem como parte do sistema. Com essa consciência se formou um time de alta performance”, avalia Claudia.

Publicidade

Grupo Aço Cearense realiza evento sobre segurança no transporte de cargas

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

16 de Maio de 2018

Na tarde da última sexta-feira (11), o Grupo Aço Cearense realizou o II Seminário de Segurança no Transporte de Cargas para empresários da indústria no Ceará e estudantes do ramo. A ação aconteceu no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC).

Com o objetivo de reunir grandes empresas do mercado para realizar a troca de informações em boas práticas, com foco em segurança no transporte de cargas, a programação contou com palestra do diretor de suprimentos e logística do Grupo Aço Cearense, Edgard Corrêa. Também estiveram presentes o gerente de logística da Diageo, Marcus Miniere; os cabos Saulo Daniel e Afrânio silva, da Polícia Militar; e o auditor fiscal do Ministério do Trabalho, Franklin Rabelo.

Segundo Edgard Corrêa, o seminário foi proposto pelo Grupo Aço Cearense para realizar uma troca de experiências e contribuir com outras empresas do estado. “Vimos uma oportunidade de poder compartilhar as nossas boas práticas com outras empresas que participam também desse segmento no mercado, além de aprender um pouco com elas”, afirma.

leia tudo sobre

Publicidade

Grupo Aço Cearense realiza mais uma edição da campanha Abraço Feliz em prol de instituições beneficentes de Fortaleza

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

18 de dezembro de 2017

 

Como de costume, o Grupo Aço Cearense realizou com os seus colaboradores, no final do ano, a campanha Abraço Feliz. Nesta edição, mais de 400 cartinhas escritas em punho por crianças de instituições atendidas pelo Instituto Aço Cearense – responsável por todas as ações de cunho social, educacional, esportivo e ambiental do Grupo – foram colocadas em árvores de Natal nas empresas do Grupo esperando para serem adotadas. A ação tem como objetivo levar um pouco de amor e alegria a crianças em situação de vulnerabilidade social, por ocasião do período natalino, e despertar nos colaboradores o sentimento da solidariedade. Os eventos de entrega dos presentes aconteceram na quinta (14) e sexta-feira (15), na Aço Cearense Comercial e na Aço Cearense Industrial, com a presença das crianças, da diretoria do Grupo – que também adotou cartinhas – e dos colaboradores “padrinhos” na campanha. A criançada beneficiada faz parte das ONGs Associação Escola de Campeões, Projeto Vivência Ecológica, Esporte, Arte e Ecologia Cidadã – CEPEVIVE e Lar Beneficente Clara de Assis – todas atendidas pelo Instituto Aço Cearense.

 

Além de apresentações dos Grupos Sopro da Juventude, da CEPEVIVE, Clara Música, do Lar de Clara, e do garoto Jordan Luiz da Silva de Souza, da CEPEVIVE, os presentes puderam se emocionar também com o testemunho da mãe de uma das crianças beneficiadas com a última campanha Abraço Feliz, em 2016. Elba Carvalho contou que sua filha, Lia Carvalho, desenvolveu catarata congênita e precisava de uma cirurgia para não chegar à cegueira. No momento em que recebeu o presente na campanha do ano passado, o “padrinho” de Lia percebeu que ela não conseguia enxergar direito o presente e ficou sabendo do problema da visão da garota. Foi então que ele se juntou a outros colaboradores da Aço Cearense, buscaram ajuda e custearam o procedimento que devolveu a esperança à Lia, dando nova perspectiva à sua visão. “Só tenho a agradecer ao Instituto Aço Cearense, que proporcionou a ação, e aos colaboradores da Aço, que foram tão solidários com a minha filha”, falou emocionada a mãe da menina.

 

A presidente do Instituto Aço Cearense, Rosemeire Matos, também falou da sua satisfação e alegria em realizar a ação. “Essa é a terceira edição da campanha Abraço Feliz e, a cada ano, somos surpreendidos com uma solidariedade e vontade de ajudar cada vez maiores dos nossos colaboradores. E é impressionante como quem dar o presente fica até mais feliz do que quem recebe. É muito gratificante. Só temos a nos orgulhar dos nossos colaboradores e agradecê-los. O Instituto Aço Cearense acredita que o pouco que fazemos faz sim a diferença e conseguimos ser exemplos para outras empresas com ações desse tipo, como o que ocorreu neste ano com a Estrutural, que quis participar da nossa Campanha Abraço Feliz e adotou também 52 cartinhas”, vibrou agradecida a presidente do Instituto.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Inbound Marketing é estratégia do Grupo Aço Cearense para otimizar relacionamento com clientes

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

27 de Março de 2017

 

O site do Grupo Aço Cearense ganha novidades. Para acompanhar o novo momento de retomada de crescimento da empresa, passado o período mais delicado da economia, o Grupo entra com um novo modelo de marketing. Trata-se do Inbound Marketing, um conjunto de estratégias que têm como objetivo atrair os consumidores para o site da empresa. É o contrário do marketing tradicional e baseia-se no relacionamento com o consumidor ao invés de propagandas e interrupções. Esse novo projeto está sendo desenvolvido e implementado em parceria com a agência Atratis Digital. A agência é parceira oficial da Resultados Digitais, empresa desenvolvedora do sistema de automação utilizado para a realização de estratégias do Inbound Marketing.

 No caso do site do Grupo Aço Cearense, a plataforma ganhará bastante em conteúdo diferenciado, com a disponibilização de e-books e conteúdo de interesse dos clientes postados com regularidade no blog Aço Cearense, tudo com o intuito de ajuda-los no processo de escolha e gestão dos produtos e compra, além de facilitar o processo de vendas, com a disponibilização ainda de um chat. Dessa forma, os clientes do Grupo poderão interagir bem mais com a empresa.

 No blog Aço Cearense, os clientes terão à disposição tópicos bastante relevantes sobre o setor siderúrgico e negócios em geral, como o cenário econômico para 2017, os principais tipos de aço e suas aplicações, dicas para treinar vendedores e conquistar clientes, dicas para montar um bom mix de produtos e aumentar as vendas, como evitar furtos e perdas no estoque de uma loja de ferro e aço e muitas outras informações.

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Grupo Aço Cearense premia os filhos dos colaboradores que obtiveram as melhores notas no colégio

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

21 de Fevereiro de 2017

 

Nada pode deixar um pai ou uma mãe mais satisfeito que ver seus filhos se destacando e sendo reconhecidos por um bom desempenho, em especial nos estudos. Sabendo disso, pelo sétimo ano consecutivo, a Aço Cearense homenageou e premiou os filhos dos seus colaboradores que tiveram um ótimo desempenho escolar durante o ano letivo anterior. A iniciativa, intitulada Projeto Educacional, visa estimular os estudantes a valorizar as oportunidades que lhe são oferecidas com uma boa educação, colaborando, dessa forma, para a formação de cidadãos mais comprometidos com o futuro e, consequentemente, com o desenvolvimento do estado e do país. A premiação aconteceu na tarde desta segunda-feira (20), no Auditório da Aço Cearense Comercial, quando os donos dos melhores boletins em 2016 de cada categoria (ensino fundamental, ensino médio, escola pública e escola privada) foram parabenizados pelos diretores da empresa e receberam um notebook (1° lugar), um tablet (2° lugar) e um vale livraria de R$ 500 (3° lugar).

 

Todos os anos, a expectativa é muito grande na empresa por parte dos colaboradores, que torcem por ver a dedicação dos seus filhos na escola sendo premiada.

 

“Em meio a uma crise moral instalada em nosso país, a nossa responsabilidade em formar cidadãos dentro de casa torna-se cada vez mais necessária. E o que pudermos fazer para ajudar os nossos colaboradores, a Família Aço Cearense, nessa nobre e desafiadora missão, faremos. Para nós é uma grande alegria poder reconhecer o esforço e a dedicação dessas crianças e jovens com a própria educação, mostrando o compromisso de cada um com o futuro. Não existe segredo para fazer diferente e ir mais longe: é levar os estudos a sério!”, reforçou Ian Corrêa, Vice-presidente de Operações e Controladoria da empresa sobre a premiação.

 

Rebeca Ellen Teixeira, filha do colaborador Elias Gomes Frutuoso, do setor de produção da empresa, foi premiada pela terceira vez no projeto, em primeiro lugar, e recebeu com bastante alegria a notícia. A jovem acaba de ser aprovada para cursar Psicologia na Universidade Federal do Ceará e relatou com bastante entusiasmo os anos em que conquistou uma premiação no projeto pela sua dedicação com os estudos. “Além do incentivo dentro de casa, tive esse estímulo da Aço Cearense para me esforçar ainda mais”, revelou Rebeca Teixeira.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Grupo Aço Cearense chega a 37 anos de mercado implantando projeto de sucessão familiar

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

17 de outubro de 2016

 

Ind+¦stria Matriz_A+®rea_05_-® Drawlio Joca

Prosperar de forma consolidada no mercado é um dos grandes desafios das empresas, em especial para os negócios familiares, que muitas vezes esbarram em dificuldades como o processo sucessório e de profissionalização. O Brasil tem entre 6 e 8 milhões de empresas, sendo 90% delas familiares, mas os índices de mortalidade precoce desses empreendimentos ainda é muito alto. Para se ter uma ideia, de cada 100 empresas familiares brasileiras, 30% chegam na segunda geração e apenas 5% na terceira. Os números comprovam que muitas não conseguem sobreviver a essa passagem ou chegam lá com muita dificuldade. Sobre esse aspecto, o Grupo Aço Cearense, que completou 37 anos no último sábado, 15 de outubro, prepara-se para vivenciar o seu processo de sucessão com muita cautela e responsabilidade, buscando manter o espaço conquistado no mercado ano após ano. Para isso, fechou parceria com as consultorias Oxbridge e PricewaterhouseCoopers (PwC), empresas conhecidas nacional e internacionalmente por auxiliar grandes companhias a aproveitarem de forma consistente o ciclo virtuoso da economia.

Fundada pelo cearense natural de Marco, Vilmar Ferreira, a empresa, incialmente, era a “FERRO OK”, destinada a comercializar aço para construção civil e derivados. Com a ampliação dos negócios, em 1984, tornou-se a Aço Cearense. Pautada na prática de atender a todos clientes e suas diferentes necessidades, independente de volume ou operação, a empresa associou a sua marca ao conceito de bons negócios, expandindo o leque de atuação e consequentemente a carteira de clientes. Hoje, o grupo cearense conta com cinco empresas – Aço Cearense Comercial, Aço Cearense Industrial, SINOBRAS, SINOBRAS Florestal e Instituto Aço Cearense – no Ceará, Pará e Tocantins e 22 mil clientes ativos em todo o país. Em 2015, o Grupo Aço Cearense faturou R$ 2,5 bilhões e, em 2016, mesmo com o momento delicado da economia que o país atravessa, a previsão de faturamento é de R$ 2 bilhões, com uma capacidade produtiva de 1.000.000 t/ano.

Por meio da parceria com a Oxbridge e PwC, o Grupo Aço Cearense pretende garantir um crescimento saudável e sustentável do negócio a médio e longo prazo. Por isso, será implantado na empresa o Projeto Family Office que aborda a governança familiar, corporativa e societária na empresa e irá auxiliar na formação das crianças da família para entenderem o valor do negócio. A implantação irá durar cerca de um ano e é conduzida por um dos filhos de Vilmar, Wander Ferreira. Já Aline Ferreira, também filha do fundador do Grupo, caminha para tocar o negócio. Depois de passar por diversos setores e cargos na empresa, Aline ocupa atualmente a posição de Vice-presidente Comercial e Financeira do Grupo Aço Cearense.

Para atravessar o período econômico delicado que o país enfrenta, com uma postura coerente, readequando projetos e investimentos, o Grupo Aço Cearense se prepara para retomar o crescimento nos próximos anos. Atualmente, o maior projeto da companhia é o SINOBRAS Fase II, da empresa SINOBRAS, siderúrgica localizada no Pará, que vai mais do que duplicar a capacidade de produção, com um investimento de US$ 200 milhões, gerando, entre outros benefícios, crescimento e desenvolvimento para o estado do Pará e toda a região, além de novos postos de trabalho diretos e indiretos.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Grupo Aço Cearense está no ranking da revista Exame Melhores e Maiores

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

05 de julho de 2016

 

A revista Exame divulgou, na última quinta-feira (30), a sua anual edição Melhores e Maiores com o ranking dos 200 maiores grupos privados do país. Por mais um ano consecutivo, o Grupo Aço Cearense ocupa um lugar na seleta lista.

Avançando três posições, o Grupo Aço Cearense passou da 182ª obtida no ano de 2014 para a 179ª no ano passado entre os grandes grupos nacionais. A SINOBRAS, que é uma das cinco empresas do Grupo, também é destaque na revista, figurando entre as maiores empresas do Norte e Nordeste na posição 76ª no ranking regional. Ela aparece ainda entre os 100 maiores investimentos de 2015 na posição 94ª, com o Projeto Laminação  Fase 2, que tem por objetivo ampliar a capacidade produtiva para 800 mil toneladas anuais de aço, em Marabá; e se destaca no ranking das 1000 empresas com maiores vendas líquidas no ano de 2015, conquistando o 617º lugar, com R$ 939,7 milhões em vendas.

Há 36 anos no mercado, o Grupo Aço Cearense possui 5 unidades localizadas no Tocantins, Pará e Ceará, gerando quase 4 mil empregos diretos e 45 mil indiretos. Em 2015, obteve um faturamento de R$ 2,5 bilhões.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Projeto EducAço, do Grupo Aço Cearense, forma mais uma turma

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

22 de junho de 2016

 

Formatura EducAço1

Dar oportunidade aos colaboradores do Grupo Aço Cearense de concluir os estudos e viabilizar o crescimento pessoal e profissional de seus colaboradores. Esse é o objetivo do projeto EducAço, do Grupo Aço Cearense, que em sua 3ª edição acaba de formar mais uma turma de ensino médio, com 12 colaboradores. A solenidade de formatura aconteceu no último dia 14, na área de lazer da Aço Cearense Industrial.

Para o orador da turma, Fábio Ribeiro, da área de Estoque e Fracionamento de Produtos, esse foi um grande desafio. “Minha família me incentivou muito, principalmente a minha esposa. Eu tive que começar a trabalhar muito cedo e os estudos ficaram para segundo plano. Eu vi a oportunidade aqui na empresa e resolvi fazer parte do EducaAço. Hoje meus planos são fazer uma faculdade de Logística e me qualificar mais para o mercado de trabalho”, contou.

O Vice-Presidente de Operações e Controladoria do Grupo Aço Cearense, Ian Corrêa, afirmou em seu discurso que fica muito feliz da empresa poder proporcionar momentos como esse. “A educação é algo muito importante, eu digo sempre isso para as minhas filhas: vocês podem conseguir o que vocês quiserem se tiverem foco e forem conscientes de que a educação é um conhecimento que ninguém poderá retirar de vocês. Esse é só o primeiro passo, não parem por aqui”, disse ele.

No encerramento do evento, o Diretor Industrial Milton Lima cumprimentou os formandos e contou sua história de vida e também de conquistas. “Eu quero parabenizar todos vocês pela dedicação, pois sabemos que a educação para adultos tem outro ritmo, ainda mais para quem concilia o estudo com o trabalho e família. Eu já passei por isso e vocês também conseguiram, deram um passo muito importante. Não pensem que acabou, vocês precisam transformar essa conquista em resultado, proporcionando melhor qualidade de vida para vocês e suas famílias”, pontuou o diretor.

 

Sobre o EducaAço

O projeto, que iniciou em 2013 e já formou 113 colaboradores, é resultado de parceria do Grupo Aço Cearense com o Serviço Social da Indústria (SESI) e o Serviço Social do Comércio (SESC). Para participar, basta apenas o colaborador que ainda não concluiu o Ensino Fundamental ou o Ensino Médio, procurar a área de Qualidade de Vida e Benefícios para fazer parte do projeto.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Dia Mundial da Reciclagem é comemorado nesta terça-feira (17). Logística reversa é prática importante para esse mercado

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

17 de Maio de 2016

Há alguns anos atrás, uma empresa que produzia pneus, tinha a preocupação apenas de colocar o seu produto no mercado, sem responsabilizar-se pelo futuro daquele material. O descarte ficaria por conta do consumidor que adquiriu o pneu, que poderia dar como destino uma borracharia ou ainda, lança-lo no próprio meio natural. Segundo dados da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), em 2012, cerca de 40% dos resíduos sólidos urbanos produzidos pela população brasileira deixaram de ser coletados e, por consequência, tiveram destino impróprio. Em outras palavras, quase 24 milhões de toneladas de lixo – o equivalente a 168 estádios do Maracanã lotados – foram descartados de forma incorreta em lixões ou aterros controlados, locais desprovidos do conjunto de sistemas necessários para a proteção do meio ambiente e da saúde pública, gerando inúmeros danos ambientais que comprometem seriamente a qualidade de vida e a conservação do meio natural.

Essa realidade começou a mudar após a instituição da Lei 12.305/10 – a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 12 de agosto de 2010, que, dentre outros princípios e instrumentos relativas à gestão e ao gerenciamento de resíduos sólidos, introduziu a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e a logística reversa.

Nos termos da PNRS, a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos é o “conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei”.

Já a logística reversa é um dos instrumentos para aplicação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos. A PNRS define a logística reversa como um “instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

A logística reversa é a prática mais visível de como a gestão dos resíduos está atrelada ao planejamento e à visão de “cadeia de valor”, envolvendo desde o insumo básico, até o reprocessamento da sucata para a produção de novos produtos. Diminuir a demanda por matérias primas extraídas da natureza e a reintegração dos materiais ao ciclo produtivo industrial é o que torna a logística reversa um fator importante para o mercado de reciclagem.

É o que realiza o Grupo Aço Cearense, grupo cearense produtor e distribuidor de aço, formado por cinco empresas, situadas no Ceará, Pará e Tocantins. Hoje, 70% da matéria prima utilizada na produção do aço na sua siderúrgica em Marabá (PA), a SINOBRAS, é proveniente de sucata, material reciclado, tornando-a a maior recicladora do Norte e Nordeste. Grande parte material utilizado na sua produção é reaproveitado. Uma das últimas aquisições do Grupo para otimizar esse processo de reciclagem, inclusive, foi um moderno equipamento, o Shredder, aumentando o beneficiamento de sucata para 170 mil toneladas/ano.

 

Para tratar do reaproveitamento de matérias primas e de outras formas de potencializar os negócios do setor de reciclagem, o SINDIVERDE-CE (Sindicato das Empresas de Reciclagem de Resíduos Sólidos Domésticos e Industriais do Estado do Ceará) realiza a 6ª edição do Recicla Nordeste, Feira da Indústria da Reciclagem e Transformação, um evento que traz produtos e serviços voltados para indústria e comércio de reciclagem e transformação. A feira é promovida pela Dinâmica Eventos, responsável por todo o planejamento e execução do evento, que será realizado entre os dias 15 e 17 de junho, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, das 14h às 21h.

Sendo a única feira do setor de reciclagem e transformação da região Nordeste, a Recicla Nordeste irá reunir empresários, executivos, compradores, gestores ambientais, profissionais autônomos e representantes do poder público e de ONGs de todas as regiões do Brasil, possibilitando a convergência de interesses para o conhecimento de oportunidades de negócios, de lançamentos de tecnologias e tendências de produtos, proporcionando a concretização de parcerias estratégicas e abrindo novas perspectivas de mercado.

“Apesar de já gerar R$ 22 bilhões em negócios, as cadeias produtivas envolvidas com o lixo podem gerar bem mais. O Brasil perde, anualmente, cerca de R$ 8 bilhões com lixo não reaproveitado. Trata-se de um mercado ainda com muito a ser explorado, das mais diversas formas. Segundo estudos realizados pelo SINDIVERDE-CE, somente no estado do Ceará, R$ 200 milhões poderiam ser gerados com o aumento da reciclagem de resíduos produzidos nas empresas e residências, prova de que, além de uma necessidade urgente de maior cuidado com o meio ambiente, a reciclagem é também um investimento lucrativo e cada vez mais promissor”, justifica o Diretor-presidente da Dinâmica Eventos, Sérgio Resende.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti

 

Publicidade

Dia Mundial da Reciclagem é comemorado nesta terça-feira (17). Logística reversa é prática importante para esse mercado

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

17 de Maio de 2016

Há alguns anos atrás, uma empresa que produzia pneus, tinha a preocupação apenas de colocar o seu produto no mercado, sem responsabilizar-se pelo futuro daquele material. O descarte ficaria por conta do consumidor que adquiriu o pneu, que poderia dar como destino uma borracharia ou ainda, lança-lo no próprio meio natural. Segundo dados da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), em 2012, cerca de 40% dos resíduos sólidos urbanos produzidos pela população brasileira deixaram de ser coletados e, por consequência, tiveram destino impróprio. Em outras palavras, quase 24 milhões de toneladas de lixo – o equivalente a 168 estádios do Maracanã lotados – foram descartados de forma incorreta em lixões ou aterros controlados, locais desprovidos do conjunto de sistemas necessários para a proteção do meio ambiente e da saúde pública, gerando inúmeros danos ambientais que comprometem seriamente a qualidade de vida e a conservação do meio natural.

Essa realidade começou a mudar após a instituição da Lei 12.305/10 – a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), em 12 de agosto de 2010, que, dentre outros princípios e instrumentos relativas à gestão e ao gerenciamento de resíduos sólidos, introduziu a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos e a logística reversa.

Nos termos da PNRS, a responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos é o “conjunto de atribuições individualizadas e encadeadas dos fabricantes, importadores distribuidores e comerciantes, dos consumidores e dos titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo dos resíduos sólidos, para minimizar o volume de resíduos e rejeitos gerados, bem como para reduzir os impactos causados à saúde humana e à qualidade ambiental decorrentes do ciclo de vida dos produtos, nos termos desta Lei”.

Já a logística reversa é um dos instrumentos para aplicação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos. A PNRS define a logística reversa como um “instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

A logística reversa é a prática mais visível de como a gestão dos resíduos está atrelada ao planejamento e à visão de “cadeia de valor”, envolvendo desde o insumo básico, até o reprocessamento da sucata para a produção de novos produtos. Diminuir a demanda por matérias primas extraídas da natureza e a reintegração dos materiais ao ciclo produtivo industrial é o que torna a logística reversa um fator importante para o mercado de reciclagem.

É o que realiza o Grupo Aço Cearense, grupo cearense produtor e distribuidor de aço, formado por cinco empresas, situadas no Ceará, Pará e Tocantins. Hoje, 70% da matéria prima utilizada na produção do aço na sua siderúrgica em Marabá (PA), a SINOBRAS, é proveniente de sucata, material reciclado, tornando-a a maior recicladora do Norte e Nordeste. Grande parte material utilizado na sua produção é reaproveitado. Uma das últimas aquisições do Grupo para otimizar esse processo de reciclagem, inclusive, foi um moderno equipamento, o Shredder, aumentando o beneficiamento de sucata para 170 mil toneladas/ano.

 

Para tratar do reaproveitamento de matérias primas e de outras formas de potencializar os negócios do setor de reciclagem, o SINDIVERDE-CE (Sindicato das Empresas de Reciclagem de Resíduos Sólidos Domésticos e Industriais do Estado do Ceará) realiza a 6ª edição do Recicla Nordeste, Feira da Indústria da Reciclagem e Transformação, um evento que traz produtos e serviços voltados para indústria e comércio de reciclagem e transformação. A feira é promovida pela Dinâmica Eventos, responsável por todo o planejamento e execução do evento, que será realizado entre os dias 15 e 17 de junho, no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza, das 14h às 21h.

Sendo a única feira do setor de reciclagem e transformação da região Nordeste, a Recicla Nordeste irá reunir empresários, executivos, compradores, gestores ambientais, profissionais autônomos e representantes do poder público e de ONGs de todas as regiões do Brasil, possibilitando a convergência de interesses para o conhecimento de oportunidades de negócios, de lançamentos de tecnologias e tendências de produtos, proporcionando a concretização de parcerias estratégicas e abrindo novas perspectivas de mercado.

“Apesar de já gerar R$ 22 bilhões em negócios, as cadeias produtivas envolvidas com o lixo podem gerar bem mais. O Brasil perde, anualmente, cerca de R$ 8 bilhões com lixo não reaproveitado. Trata-se de um mercado ainda com muito a ser explorado, das mais diversas formas. Segundo estudos realizados pelo SINDIVERDE-CE, somente no estado do Ceará, R$ 200 milhões poderiam ser gerados com o aumento da reciclagem de resíduos produzidos nas empresas e residências, prova de que, além de uma necessidade urgente de maior cuidado com o meio ambiente, a reciclagem é também um investimento lucrativo e cada vez mais promissor”, justifica o Diretor-presidente da Dinâmica Eventos, Sérgio Resende.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti