Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

câncer de mama

Outubro Rosa: Grand Shopping realiza ciclo de palestras gratuitas sobre conscientização do câncer de mama

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

18 de outubro de 2018

Nesta sexta-feira, 19, a partir das 18h, o Grand Shopping irá promover um ciclo de palestras informativas sobre Câncer de Mama. A ação é alusiva ao Outubro Rosa, mês mundialmente consagrado por fortalecer a conscientização sobre os riscos da doença e os benefícios do diagnóstico precoce. Além disso, haverá um espaço com serviços gratuitos de nutrição,psicologia, e enfermagem, oferecido pelos alunos da UniAteneu. A programação é gratuita e acontece no Espaço Cultural – L2.

 

Confira programação completa:

 

18H – “Outubro Rosa como promoção da saúde e autocuidado”

18:30H – “Aspectos nutricionais na prevenção do câncer de mama”

19H – “Depoimentos, vivências, lutas, conquistas: Desafio da mulher diagnosticada com CA de mama a maratona”

19:30H – “Importância da atuação do Psicólogo no tratamento do câncer de mama”

20H – “Câncer de mama e exercícios físicos”

20:30H – “Fisioterapia no pós-operatório do câncer de mama”

 

A importância do movimento rosa

O câncer de mama é um dos maiores responsáveis pela morte de milhares de mulheres em todo o mundo. Por esta razão, movimento mundialmente conhecido como Outubro Rosa tem como principal objetivo alertar a população para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama que. quanto antes for descoberto, maiores são as chances de cura.

 

Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer José Alencar da Silva Gomes (INCA), entre 2018 e 2019, o Brasil terá, pelo menos, 59.700 novos casos de câncer de mama, com um risco estimado de 56.33 casos a cada 100 mil mulheres.

 

Serviço:

Grand Shopping realiza ciclo de palestras gratuitas sobre câncer de mama

Quando: 19 de outubro, a partir das 18h

Onde: Grand Shopping –  Espaço Cultural – Piso L2

GRATUITO

Publicidade

Economia brasileira deixa de ganhar mais de R$ 2 bi/ano com mortes por câncer de mama

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

07 de Março de 2018

O Dia Internacional da Mulher, além de celebrar vitórias femininas, serve para lembrar que ainda há muitas dificuldades para serem superadas, como é o caso da maior atenção à saúde da população feminina. Quase 60 mil mulheres receberão o diagnóstico de câncer de mama em 2018 (INCA), principal tumor que atinge as mulheres. Grande parte terá no SUS a única via para conseguir tratamento, sendo submetida a um sistema ineficiente e capaz de tornar o enfrentamento da doença ainda mais desgastante e traumatizante.
O câncer de mama é responsável por 14.206 óbitos anuais (segundo dados do INCA, 2013) e, por esse motivo, a cada ano, a economia brasileira deixa de movimentar aproximadamente R$ 2.059.870.000, gerando recuo da produtividade para o país. Esses dados são de um estudo recente que mediu as perdas financeiras na economia provocadas pela morte por câncer de mulheres economicamente ativas.

Consciente do impacto que ações locais podem ter sobre esse cenário e aproveitando o Dia Internacional da Mulher, a Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) lançará no próprio dia 8 um documento orientador que sugere frentes de trabalho para o combate ao câncer da mulher. O material é resultado de encontro promovido pela Federação em 2017, que reuniu ONGs de apoio a pacientes e lideranças políticas femininas de todo o País, entre elas governadoras, prefeitas, depuradas, vereadoras e primeiras-damas.

A partir de um panorama global, o guia aponta dificuldades identificadas no enfrentamento da doença e as possibilidades de iniciativas envolvendo poder público e terceiro setor que podem ser implementadas para superar os desafios. Visa, assim, propor caminhos para ampliar o acesso ao atendimento qualificado e ao tratamento ágil e assertivo do câncer. A FEMAMA realiza agora o acompanhamento de iniciativas que saíram do papel a partir da realização do encontro e estimula que novas ações sejam desenvolvidas ao longo deste ano.
“Nosso objetivo é contribuir para que mulheres de todas as regiões brasileiras possam contar com um sistema de saúde efetivo e capaz de atendê-las em todas as suas necessidades. O que vemos atualmente é a demora em conseguir tratamento e a não oferta de alternativas terapêuticas básicas e mais eficazes: vemos isso, por exemplo, no câncer de mama metastático HER2+”, cita a mastologista Dra. Maira Caleffi, presidente da FEMAMA.

O caso ao qual a especialista se refere é a incorporação do trastuzumabe, medicamento que revolucionou o tratamento do câncer de mama metastático, estágio mais avançado da patologia, no SUS. “Desde 29 de janeiro, ele deveria ser ofertado pelo SUS em todo o País. Porém, em diversos estados já recebemos denúncias de que não estará disponível pelo menos até abril. Ou seja, enquanto isso, mulheres não recebem tratamento para sua doença e precisam conviver com a incerteza de não saber quando poderão recebê-lo”, atesta.

O documento orientador, que será lançado pela FEMAMA, traz medidas que abrangem todo o espectro de assistência plena em saúde para as pacientes com câncer. Nesse sentido, o impacto poderá ser sentido em diferentes áreas da sociedade, inclusive na economia. Para se ter uma ideia do potencial de impacto que ações que ampliem o acesso de pacientes a diagnóstico e tratamento podem ter economicamente, dados do Observatório da Oncologia apontam para o valor do tratamento do câncer de mama em estágio inicial: R$ 11.373 por paciente com câncer de mama pré-menopausa e R$ 49.488 nos casos pós-menopausa. Nas fases mais avançadas (estadiamento III), esses números chegam a R$ 55.125 (pré-menopausa) e R$ 93.241 (pós-menopausa). E cada vida feminina perdida pelo câncer gera uma perda média de R$ 145 mil na economia. Ou seja, o montante que deveria ser investido pelo poder público no tratamento dessas pacientes é muito inferior ao que o montante que a economia brasileira deixa de ganhar se essas mesmas mulheres estivessem vivas e economicamente ativas.

“Prevenir, diagnosticar precocemente e tratar: esse é o tripé de uma assistência médica digna. Por isso, aproveitamos o Dia Internacional da Mulher para falar da saúde da população feminina de todo o Brasil: unindo forças entre o terceiro setor e o poder público, podemos salvar milhares de vidas”, conclui.

Perda financeira
A pesquisa publicada recentemente no periódico “Cancer Research Epidemiology” concluiu que cada morte feminina em decorrência de câncer gera uma perda média de R$ 145 mil à economia brasileira. Considerando as 14.206 mortes anuais de mulheres por câncer de mama no Brasil, mais de R$ 2 bilhões deixam de ser injetados na economia brasileira.

O cálculo do estudo considera a renda média das profissionais, quantos anos deixaram de ser trabalhados e com quanto elas poderiam ter contribuído economicamente por meio de salário e emprego até o final da carreira.

Sobre a FEMAMA
A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma organização sem fins econômicos que trabalha para reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama em todo o Brasil, influenciando políticas públicas para defender direitos de pacientes, ao lado de 73 ONGs de apoio a pacientes associadas em todo o país. A FEMAMA foi a primeira instituição a trazer o Outubro Rosa de forma organizada para o Brasil, em 2008, com ações em diversas cidades, em parceria com ONGs associadas.
Conheça nosso trabalho: www.femama.org.br

Publicidade

Lez a Lez realiza Bate-papo com Carol Telles

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

25 de outubro de 2017

Para fechar a campanha do Outubro Rosa falando em saúde da mulher, a Lez a Lez, marca de roupas femininas inspirada na moda urban beach, realizará, nesta quinta (26), um Bate-papo com a tatuadora Carol Telles, a partir das 19 horas, na loja do Iguatemi. A convidada, que já foi tratada de um câncer de mama, falará sobre o enfrentamento da doença e de como se saiu ainda mais forte. “Quando eu soube, a primeira coisa que pensei foi: não é verdade. O que me deixava triste era como a minha vida iria mudar e por tudo que eu iria passar. Mas tem vida durante o câncer também. Você está com isso, você não é isso. Aprendi muita coisa com a minha experiência”, diz a tatuadora. Carol Telles é embaixadora da ‘All Star Pink Project’, campanha criada para a prevenção do câncer de mama.
* postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

ICC e Instituto Avon se unem pela saúde do homem e da mulher neste domingo (29)

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

24 de outubro de 2017

Desta vez, o ICC fecha outubro com ação de conscientização sobre o câncer de mama e de próstata no Parque do Cocó, a partir das 8h30, com programação gratuita

Diferentemente dos anos anteriores, quando unia milhares de pessoas numa caminhada pela conscientização sobre o câncer de mama, o Instituto do Câncer do Ceará (ICC), em parceria com o Instituto Avon, resolveu terminar o mês com mais uma manhã de atividades no Parque do Cocó, neste domingo (29), a partir das 8h30.

Manhã inteira de informação

Em campanha inédita, que unifica a cons​cientização sobre o câncer de mama e de próstata, o Instituto de maior referência no tratamento contra o câncer no Norte e Nordeste programou uma manhã de Bate-papos com o mastologista Antônio de Pádua e o urologista Érico Diógenes, ambos profissionais da instituição. Os especialistas abordarão as questões que envolvem os dois tipos de cânceres, como diagnóstico, prevenção e tratamento, além de responderem a perguntas do público.

Também como parte da programação, o ‘Cocó Rosa & Azul: juntos por mais saúde!’ trará especialistas para abordar o tema ‘Autoestima & Qualidade de Vida & Enfrentamento do Câncer de mama e de próstata’ e um excelente Bate-papo sobre inspiração e superação com os pacientes que fazem parte do projeto Guerreiros ICC, programa voltado ao bem-estar de pacientes e ex-pacientes da instituição, além da realização de ações especialmente voltadas para o público infantil, como o “Jogo da Saúde”. E em conjunto, o Sesc disponibilizará, durante toda a manhã, a Unidade Móvel Sesc Saúde Mulher, com profissionais que darão orientações sobre o exame de mamografia.

Lazer e entretenimento

Além de uma tenda preparada para expor e vender as novas t-shirts da campanha de modelos dryfit e com proteção UV, fará parte da programação um aulão de Dance Hits, e logo após, às 11 horas, um momento de descontração e muita alegria com a banda The Dillas, que promete colocar para dançar as milhares de pessoas esperadas.

Além da vasta programação do ‘Cocó Rosa & Azul: juntos por mais saúde!’, o evento se unirá às atividades oficiais do próprio parque que abrange aulas de zumba, yoga, biodança, capoeira, aeróbica, dança de salão e tai chi chuan, além de recreação infantil, contação de história, oficina de brinquedos recicláveis, gincanas e camas elásticas.

Segundo Vanessa Benigno, gerente de Marketing do ICC, o Cocó foi escolhido por ser um local que une famílias e atividades saudáveis. “Começamos o mês de outubro fazendo diferente, e terminaremos repetindo o sucesso. Nossa primeira experiência no Parque do Cocó foi maravilhosa, pois o ICC conseguiu passar esclarecimentos sobre o diagnóstico precoce com qualidade e para um público atento. O local, além de seguro e agradável, acolhe todas as pessoas que desejam curtir o domingo unindo família, lazer e informação”, explica a gerente.

Pedalando pela saúde

Para quem gosta de pedalar, a Pedal Fênix organizou o ‘Pedal – Juntos por mais saúde’, que partirá, às 7 horas, da rua Padre Guerra com Professor Anacleto (no estacionamento do Frangolândia da Parquelândia), fazendo uma parada no Parque do Cocó para hidratação e para participar das atividades organizadas pelo ICC, encerrando o percurso no mesmo local de partida. Para mais informações e aluguel de bike, pelo telefone 9.8547-9804.

Campanha continua durante novembro com atividades no ICC

A campanha unificada de conscientização sobre o câncer de mama e de próstata no Instituto do Câncer do Ceará envolverá ações com pacientes e acompanhantes durante o mês de novembro. Ações internas, como dicas de maquiagem, atividades que elevam a autoestima de pacientes, banco de perucas, coral e oficinas de lenço, dentre outras, estão programadas durante o período de conscientização.

Dados do câncer de mama e próstata

O Câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 28% dos novos casos a cada ano. É o segundo tipo mais frequente no mundo, depois do de pele não melanoma O câncer de mama também acomete homens, porém é raro, representando apenas 1% do total de casos da doença. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.

Já o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos é o quarto tipo mais comum e o segundo mais incidente entre os homens. Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom.

No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama e próstata continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados.

Câncer de Mama – Estimativa 2017 (Instituto Nacional de Câncer – INCA)

  • 57.960 novos casos no Brasil
  • 4.050 no Nordeste
  • 2.160 no Ceará
  • 860 em Fortaleza

Câncer de Próstata – Estimativa 2017 (Instituto Nacional de Câncer – INCA)

  • 61.200 novos casos no Brasil
  • 14.290 Nordeste
  • 2.550 no Ceará
  • 590 em Fortaleza

Centro de excelência em oncologia com atuação integral e multidisciplinar


Reunindo ensino, pesquisa e assistência, o Instituto do Câncer do Ceará (ICC) é um moderno centro de excelência para o tratamento integral do câncer, onde o paciente encontra uma rede de cuidados que abrange a Oncologia Clínica, a Cirurgia, a Radioterapia e a Quimioterapia, juntamente com serviços diagnósticos como Patologia, Biologia Molecular e Análises Clínicas, Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Atualmente, o ICC conta com uma equipe de 150 médicos e 33 residentes, que fazem, junto com os colaboradores das diversas áreas, 24.000 atendimentos mensais.

A instituição é formada pelo Hospital Haroldo Juaçaba (HHJ), a Escola Cearense de Oncologia (ECO), o Centro Oncológico SãoMateus – ICC, o ICC BioLabs, – HUB de inovação tecnológico voltado para a área da saúde -, e a Casa Vida, que abriga pacientes vindos de outras cidades para realizar tratamento. No Hospital Haroldo Juaçaba, a assistência vai desde os exames preventivos e diagnósticos até os Cuidados Continuados, passando por terapêuticas individualizadas, com o apoio da mais avançada tecnologia.

Numa busca incessante pelo aprimoramento, as equipes multiprofissionais, enxergam o paciente em toda a sua complexidade, abordando, em cada caso, as dimensões físicas, sociais, emocionais e psicológicas. Isso significa que, ao entrar no ICC, o paciente é conectado a uma cadeia de médicos, enfermeiras, nutricionistas, assistentes sociais, fonoaudiólogas, psicólogos e fisioterapeutas – profissionais que o acompanham ao longo do tratamento, todo este feito em um só lugar.

ICC em números

Considerado um Centro de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (CACON), o Hospital Haroldo Juaçaba fechou o ano de 2016 com um total de 172.410 consultas realizadas, ou 14.368 consultas/mês. Foram 48.912 exames de imagem, sendo 4.076/mês, e 6.677 cirurgias/ano, com média mensal de 599, bem acima do ano anterior. Na Radioterapia, um total de 73.647 pacientes foram tratados, somando 6.137 sessões/mês. Para se ter uma ideia da cobertura oferecida ao longo dos 12 meses, o HHJ realizou 32.925 quimioterapias/ano, sendo 25.127 em benefício dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), que perfazem 70% do público do ICC, uma instituição privada sem fins lucrativos, cuja missão é garantir o acesso ao que há de mais moderno, eficaz e seguro na área oncológica.

Serviço

‘Cocó Rosa & Azul: juntos por mais saúde!’

Data: 29 de outubro de 2017

Horário: a partir das 8h30

Local: Parque Ecológico do Cocó –  avenida Padre Antonio Tomás, s/n.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Shopping Parangaba: Exposição reúne fotos de mulheres que vivenciaram o câncer de mama

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

17 de outubro de 2017

As imagens estão expostas no Shopping Parangaba, e contam histórias de luta e vitória de mulheres da Associação Cearense Toque de Vida

Engajado na campanha Outubro Rosao Shopping Parangaba realiza uma exposição de fotos com histórias de mulheres da Associação Cearense das Mastectomizadas – Toque de Vida, que vivenciaram o câncer de mama. As imagens estão expostas no piso L2, em frente à loja C&A.

Os clientes e visitantes poderão conhecer a história de luta e vitória de: Eliene Carvalho, Lêda Maria, Socorro Maria e Sônia Santana. Elas contam com detalhes como venceram a luta contra o câncer. Também será possível deixar mensagens de incentivo para quem enfrenta o mesmo desafio.

Eliene Carvalho, 51 anos, conheceu a associação através de uma amiga, e hoje é voluntária. Aos 46 anos foi diagnosticada com câncer de mama. “Não é nada fácil ouvir que será preciso retirar as duas mamas  no auge da  vaidade, mas a minha fé, o amor da família e amigos me ajudaram muito a passar por esse processo doloroso da mutilação, e acreditar sempre que há vida e vida em abundância depois da dor”.

Para Eliene, a mama exerce um papel fundamental de sensualidade, sexualidade, e hoje levanta a bandeira pelo diagnóstico precoce para que outras mulheres não temam e façam sempre seus exames. “O câncer diagnosticado na fase inicial tem cura. Muito pior que a dor da mamografia, é a dor do diagnóstico do câncer” diz.

Além da exposição, como parte das ações do Outubro Rosa, o shopping está com sua fachada da entrada principal iluminada com a cor rosa. Os colaborados  estão usando camisas em apoio à prevenção e conscientização contra o câncer de mama. Já as redes sociais do empreendimento estão com o avatar voltado para o movimento.

Sobre a Associação Cearense das Mastectomizadas – Toque de Vida

Fundada em 1993, a Associação Toque de Vida é uma organização sem fins lucrativos, reconhecida desde 2006 pela Prefeitura Municipal de Fortaleza como entidade de utilidade pública. A Toque de Vida nasceu de um grupo de mulheres, pacientes do Instituto do Câncer do Ceará – ICC, que diagnosticadas com o câncer de mama trocavam experiências enquanto esperavam pelas sessões de quimioterapia no hospital.

Em seus quase 18 anos de existência, muitas ações, parcerias, projetos sociais, culturais e religiosos vem impactando positivamente a vida de mulheres, desmistificando o câncer de mama, humanizando todos os envolvidos, colaborando com pesquisas e entidades ligadas à causa e conscientizando a sociedade sobre a importância da prevenção.

 * postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Sede do Sistema FIEC está iluminada de rosa em alusão ao Outubro Rosa

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

06 de outubro de 2015

predio fiec outubro rosa 2015

O prédio da Casa da Indústria, sede do Sistema FIEC, será iluminado todas as noites com a cor rosa durante o mês de outubro em alusão ao movimento mundial Outubro Rosa, que chama a atenção para o diagnóstico precoce do câncer de mama.

Como forma de contribuir para o tema, o SESI/CE lançou dia 25 de setembro, na FIEC, a Campanha Outubro Rosa e Novembro Azul. A iniciativa promoverá nas indústrias cearenses ações de prevenção do câncer de mama e próstata, nos meses de outubro e novembro. O trabalho será feito por meio de unidades móveis equipadas para o atendimento ginecológico (mais exame de prevenção) e de urologia (com exame do toque) com médicos e enfermeiros. Haverá, ainda, nas empresas, ações educativas e de conscientização com palestras, oficinas e  distribuição de material informativo.

Para a médica do trabalho do SESI/CE, Edilma Mendonça, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 20,8% dos casos novos a cada ano. No Brasil, as taxas de mortalidade continuam elevadas, em razão da doença ainda ser diagnosticada em estágios avançados. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos da doença é de 61%. “Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom”, destaca.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa para 2014 de incidência de novos casos de câncer de mama no Ceará era de cerca de 44,78 para cada grupo de 100 mil mulheres, o que representa 2.060 casos.

Já o câncer de próstata, no país, é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres. “É considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos”, destaca Edilma. Para 2014, no Ceará, a estimativa do INCA era de 53,69 homens acometidos com a doença para cada grupo de 100 mil, um total de 2.350.

* postado por Oswaldo Scaliotti

Publicidade

Sede do Sistema FIEC está iluminada de rosa em alusão ao Outubro Rosa

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

06 de outubro de 2015

predio fiec outubro rosa 2015

O prédio da Casa da Indústria, sede do Sistema FIEC, será iluminado todas as noites com a cor rosa durante o mês de outubro em alusão ao movimento mundial Outubro Rosa, que chama a atenção para o diagnóstico precoce do câncer de mama.

Como forma de contribuir para o tema, o SESI/CE lançou dia 25 de setembro, na FIEC, a Campanha Outubro Rosa e Novembro Azul. A iniciativa promoverá nas indústrias cearenses ações de prevenção do câncer de mama e próstata, nos meses de outubro e novembro. O trabalho será feito por meio de unidades móveis equipadas para o atendimento ginecológico (mais exame de prevenção) e de urologia (com exame do toque) com médicos e enfermeiros. Haverá, ainda, nas empresas, ações educativas e de conscientização com palestras, oficinas e  distribuição de material informativo.

Para a médica do trabalho do SESI/CE, Edilma Mendonça, o câncer de mama é o mais comum entre as mulheres, respondendo por 20,8% dos casos novos a cada ano. No Brasil, as taxas de mortalidade continuam elevadas, em razão da doença ainda ser diagnosticada em estágios avançados. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos da doença é de 61%. “Se diagnosticado e tratado oportunamente, o prognóstico é relativamente bom”, destaca.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa para 2014 de incidência de novos casos de câncer de mama no Ceará era de cerca de 44,78 para cada grupo de 100 mil mulheres, o que representa 2.060 casos.

Já o câncer de próstata, no país, é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais prevalente em homens, representando cerca de 10% do total de cânceres. “É considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos”, destaca Edilma. Para 2014, no Ceará, a estimativa do INCA era de 53,69 homens acometidos com a doença para cada grupo de 100 mil, um total de 2.350.

* postado por Oswaldo Scaliotti