Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

13º salário

Apenas 17% da população pretende utilizar o 13º para pagar contas atrasadas, aponta pesquisa

Por Oswaldo Scaliotti em Análise

18 de dezembro de 2018

 

O consultor financeiro Marcos Sá aponta que a melhor forma de utilizar o salário extra é no pagamento de dívidas anteriores, ainda que os gastos de natal e ano novo sejam altos

O período do final e início de ano é sempre mais caros para os consumidores. Festas como natal, ano novo, férias e gastos como IPVA e IPTU são alguns dos gastos que os brasileiros não podem escapar e o alívio para todas essas dívidas pode ser o 13º salário. Pesquisa do SPC aponta que apenas 17% dos brasileiros pretendem utilizar o salário extra para pagar dívidas, número que deveria ser maior quando o universo de brasileiros endividados ultrapassa os 62 milhões.

 

Pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que o nordeste alcançou em outubro o segundo lugar no ranking de consumidores inadimplentes, ou seja, 17 milhões de nordestinos estão negativados.

 

De acordo com o contador e consultor financeiro, Marcos Sá, a regra para se manter equilibrado com as dívidas neste período de final e início de ano é identificar o que é necessidade do que é desejo. ‘’O período da transição de um ano para outro envolve gastos que as pessoas não podem evitar, como impostos de carro, casa, matrícula, com aqueles que elas geralmente não querem evitar, que são as viagens de férias e gastos com natal e ano novo.

 

Com o pagamento do 13º salário, cerca de R$ 211 milhões serão movimentados no país, segundo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), valor que pode representar uma diminuição do número de endividados ou pode fazê-lo crescer. ‘’A aplicação do 13º salário para o pagamento de dívidas pode ser uma saída eficaz para a quitação ou diminuição delas. Para as pessoas que possuem dívidas muito altas o melhor é recorrer a uma negociação, mas quando não for esse o caso, aplicá-lo no pagamento de dívidas antigas é a melhor saída para começar o ano’’, conclui o consultor.

Publicidade

Apenas 17% da população pretende utilizar o 13º para pagar contas atrasadas, aponta pesquisa

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

12 de dezembro de 2018

 

O consultor financeiro Marcos Sá aponta que a melhor forma de utilizar o salário extra é no pagamento de dívidas anteriores, ainda que os gastos de natal e ano novo sejam altos

O período do final e início de ano é sempre mais caros para os consumidores. Festas como natal, ano novo, férias e gastos como IPVA e IPTU são alguns dos gastos que os brasileiros não podem escapar e o alívio para todas essas dívidas pode ser o 13º salário. Pesquisa do SPC aponta que apenas 17% dos brasileiros pretendem utilizar o salário extra para pagar dívidas, número que deveria ser maior quando o universo de brasileiros endividados ultrapassa os 62 milhões.

 

Pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que o nordeste alcançou em outubro o segundo lugar no ranking de consumidores inadimplentes, ou seja, 17 milhões de nordestinos estão negativados.

 

De acordo com o contador e consultor financeiro, Marcos Sá, a regra para se manter equilibrado com as dívidas neste período de final e início de ano é identificar o que é necessidade do que é desejo. ‘’O período da transição de um ano para outro envolve gastos que as pessoas não podem evitar, como impostos de carro, casa, matrícula, com aqueles que elas geralmente não querem evitar, que são as viagens de férias e gastos com natal e ano novo.

 

Com o pagamento do 13º salário, cerca de R$ 211 milhões serão movimentados no país, segundo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), valor que pode representar uma diminuição do número de endividados ou pode fazê-lo crescer. ‘’A aplicação do 13º salário para o pagamento de dívidas pode ser uma saída eficaz para a quitação ou diminuição delas. Para as pessoas que possuem dívidas muito altas o melhor é recorrer a uma negociação, mas quando não for esse o caso, aplicá-lo no pagamento de dívidas antigas é a melhor saída para começar o ano’’, conclui o consultor.

Publicidade

13º salário: especialista dá dicas para usar o dinheiro da melhor maneira

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

16 de novembro de 2016

O fim do ano está cada vez mais próximo e, com ele, além do planejamento para as festas e comemorações, vêm também os planos para utilizar o 13º salário. O benefício, de acordo com o Ministério do Trabalho, é um direito do trabalhador que estiver com a carteira assinada, além dos aposentados e pensionistas do INSS.

Com essa renda extra, é necessário decidir o melhor destino para o dinheiro e, assim, evitar dívidas futuras. Segundo Alexandra Siebra, coordenadora do curso de Ciência Contábeis do Centro Universitário Estácio do Ceará, não existe uma “receita”, mas o planejamento é sempre a atitude mais prudente. “Não há uma forma correta para utilizar o 13º, uma vez que depende da necessidade de cada pessoa. Mas, deve-se lembrar que no início do ano aparecem algumas despesas extras como: material escolar, matrícula, IPVA, IPTU etc. Por isso, o planejamento financeiro é sempre o melhor a se fazer”, orienta.

Mas, se ao invés de guardar o 13º para pagar as dívidas que ainda vão chegar, é necessário quitar contas antigas. A professora sugere que seja feita uma negociação. “Da mesma forma que a pessoa que tem dívida quer pagar, o credor também quer receber. Então, esse é o momento de negociar, ou seja, combinar o pagamento, pedir descontos e parcelamentos sem juros. Dessa forma, o dinheiro será bem utilizado”, aconselha.

Alexandra Siebra ainda sugere que o trabalhador reserve parte desse dinheiro para benefício próprio, como a compra de algo que deseja. “Nem tudo é só pagamento de contas. Parte do décimo terceiro pode também ser usado para algo que gere prazer, como presentes mais simples, ir ao cinema, comprar um livro, etc.”

Veja outras dicas:

– Lista de prioridades:

Se não tiver dívidas para quitar, reserve parte desse dinheiro para os impostos do início do ano.

– Compre à vista:

Tente fugir do cartão de crédito, e prefira compras à vista para evitar despesas futuras.

– Festas e presentes:

Se for comprar presentes para parentes e amigos, estabeleça um limite de gastos e evite extrapolar o orçamento.

– Poupe o seu dinheiro:

Guarde parte dessa renda extra para investir em algo, ou simplesmente garantir uma estabilidade financeira em casos de emergência.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

13º salário: especialista dá dicas para usar o dinheiro da melhor maneira

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

16 de novembro de 2016

O fim do ano está cada vez mais próximo e, com ele, além do planejamento para as festas e comemorações, vêm também os planos para utilizar o 13º salário. O benefício, de acordo com o Ministério do Trabalho, é um direito do trabalhador que estiver com a carteira assinada, além dos aposentados e pensionistas do INSS.

Com essa renda extra, é necessário decidir o melhor destino para o dinheiro e, assim, evitar dívidas futuras. Segundo Alexandra Siebra, coordenadora do curso de Ciência Contábeis do Centro Universitário Estácio do Ceará, não existe uma “receita”, mas o planejamento é sempre a atitude mais prudente. “Não há uma forma correta para utilizar o 13º, uma vez que depende da necessidade de cada pessoa. Mas, deve-se lembrar que no início do ano aparecem algumas despesas extras como: material escolar, matrícula, IPVA, IPTU etc. Por isso, o planejamento financeiro é sempre o melhor a se fazer”, orienta.

Mas, se ao invés de guardar o 13º para pagar as dívidas que ainda vão chegar, é necessário quitar contas antigas. A professora sugere que seja feita uma negociação. “Da mesma forma que a pessoa que tem dívida quer pagar, o credor também quer receber. Então, esse é o momento de negociar, ou seja, combinar o pagamento, pedir descontos e parcelamentos sem juros. Dessa forma, o dinheiro será bem utilizado”, aconselha.

Alexandra Siebra ainda sugere que o trabalhador reserve parte desse dinheiro para benefício próprio, como a compra de algo que deseja. “Nem tudo é só pagamento de contas. Parte do décimo terceiro pode também ser usado para algo que gere prazer, como presentes mais simples, ir ao cinema, comprar um livro, etc.”

Veja outras dicas:

– Lista de prioridades:

Se não tiver dívidas para quitar, reserve parte desse dinheiro para os impostos do início do ano.

– Compre à vista:

Tente fugir do cartão de crédito, e prefira compras à vista para evitar despesas futuras.

– Festas e presentes:

Se for comprar presentes para parentes e amigos, estabeleça um limite de gastos e evite extrapolar o orçamento.

– Poupe o seu dinheiro:

Guarde parte dessa renda extra para investir em algo, ou simplesmente garantir uma estabilidade financeira em casos de emergência.

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti