Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Nova pesquisa mostra um claro hiato entre as ações  e a consciência das empresas sobre riscos climáticos

Por Oswaldo Scaliotti em Análise

21 de Março de 2018

 

Embora uma maioria significativa de empresas informe amplo controle de assuntos relacionados ao clima, apenas 1 em cada 10 atualmente oferece incentivos para que os membros do conselho gerenciem riscos e oportunidades relacionados ao clima. A responsabilidade pela ação climática ainda não está vinculada às remunerações dos conselhos de administração ou das equipes de administração;

Empresas na França, no Reino Unido e na Alemanha estão liderando a divulgação de informações em três das quatro áreas temáticas destacadas pela ForçaTarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) – Governança, Gestão de Riscos, Métricas e Metas;

As empresas da China, os setores de saúde e finanças estão atrasados nas quatro áreas de divulgação identificadas pela TCFD, embora a China continue a ser um mercado de divulgação a ser observado em 2018 à medida que novas políticas de reporte obrigatório entrarem em vigor;

Novos regulamentos estão melhorando a divulgação corporativas sobre clima e ampliando a diferença entre líderes e retardatários;

As organizações que seguem a TCFD são encorajadas a realizar uma análise de como elas funcionarão em diferentes cenários, incluindo um mundo de 2 ° C ou inferior.

Um novo relatório divulgado hoje pelo CDP e CDSB mostra que há uma lacuna entre a forma como as empresas identificam riscos e oportunidades relacionados ao clima e como eles estão se preparando para enfrentá-los.

A pesquisa em 1.681 empresas em 14 países e 11 setores que divulgam seus dados para o CDP analisa as quatro áreas de divulgação identificadas pela ForçaTarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) – governança, estratégia, gerenciamento de riscos e métricas e metas – e destaca se as empresas em setores e países específicos estão preparadas para divulgar informações sob esses temas.

A grande maioria das empresas reconhece que as mudanças climáticas representam riscos financeiros para seus negócios, com 83% das empresas reconhecendo os riscos físicos e 88% identificando mudanças políticas / novos regulamentos como os principais riscos de transição para uma economia de baixo carbono.

Mas quando se trata de tornar a conscientização em ação, ainda há uma desconexão em muitos setores e países. Por exemplo, mais de 8 em cada 10 empresas supervisionam as mudanças climáticas no nível do conselho, mas apenas 1 em 10 oferece incentivos para a gestão de questões de mudança climática.

Jane Stevensen, Diretor de Engajamento da Força Tarefa no CDP, disse: “Em geral, vemos que existe um nível de preparação de superfície das empresas em todo o mundo para supervisionar o risco e a oportunidade do clima no nível do conselho. Os principais impulsionadores são a ação dos investidores, a reputação da empresa e a reação do consumidor ao risco climático. O que não estamos vendo é o aumento da governança que se traduza em mitigação da mudança climática. 2018 é o ano em que as empresas precisam intensificar a ação climática à medida que nos aproximamos do ponto de inflexão. Fundamental para isso é conduzir o engajamento no nível do conselho com o risco climático para o restante da organização “.

Simon Messenger, Diretor Geral, Climate Disclosure Standards Board disse: “Esta análise mostra que as implicações financeiras das mudanças climáticas estão agora firmemente na porta das empresas e devem ser integradas em processos de toda a empresa. Agora é o momento de estabelecer estratégias claras para enfrentar a exposição das empresas aos riscos climáticos e aproveitar as novas oportunidades econômicas. Também é claro que a gestão de questões ambientais não pode mais ser responsabilidade exclusiva das equipes de sustentabilidade: é necessário que seja uma área prioritária para os conselhos das empresas garantirem que ela esteja verdadeiramente incorporada às suas prioridades estratégicas. Estamos mais do que nunca em um ponto crítico entre incorporar sistematicamente uma falha de mercado ou abraçar uma grande oportunidade de inovar e crescer “.

Uma das principais recomendações da ForçaTarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima do Conselho de Estabilidade Financeira é que as organizações descrevam a resiliência de sua estratégia a diferentes cenários relacionados ao clima, incluindo um cenário de 2 ° C ou menor. O cumprimento desta recomendação faz parte do próximo ciclo de relatórios do CDP, e este relatório, portanto, concentra as outras recomendações-chave.

Nove meses após o lançamento das recomendações da TCFD, houve uma importante atividade reguladora, de investidores e de empresas e interesse em desenvolver a paisagem para divulgação em muitas geografias. O desafio agora é avançar com essa divulgação e incorporá-la à estratégia e à cultura corporativas, desde o conselho até a linha de frente e estabelecer metas reais de redução de emissões e de energia renovável.

Para a análise completa, leia o relatório aqui.

China
• Menor percentual de empresas que divulgam emissões de GEE em todo o Escopo 1, 2 e 3
• A menor proporção (24%) identificando reputação e / ou alteração do comportamento do consumidor como fatores de risco
• Progresso esperado na adoção do preço do carbono (28% prevêem usá-lo até 2019)

França
• Segunda maior proporção de empresas que oferecem incentivos ao conselho para a gestão de questões relacionadas com mudança do clima (25%)
• Maior proporção de empresas que oferecem produtos ou serviços de baixo carbono que permitem emissões evitadas (78%)
• 67% das empresas identificam a reputação e / ou a mudança do comportamento do consumidor como um risco
• 74% das empresas relatam uma diminuição das emissões resultantes de atividades de redução de emissões

Alemanha
• Maior proporção de empresas que oferecem incentivos ao conselho para gerenciamento de questões de mudança climática (29%)
• Apenas 88% das empresas divulgam emissões de Escopo 1
• Somente 35% das empresas usarão preços de carbono em 2019

Norte da América (EUA + Canadá)
• Os EUA têm menor proporção usando (15%) e preparando-se para usar (9%) preços de carbono
• EUA têm menor proporção com supervisão do conselho (66%)
• Canadá tem a menor proporção proporcionando incentivos ao conselho para o gerenciamento das questões de mudança climática (2%)
• O Canadá tem a segunda menor proporção de produtos ou serviços de baixa emissão de carbono que permitem emissões evitadas (54%)

Reino Unido
• Maior proporção de empresas com supervisão do conselho a temas relacionados com mudanças climáticas (96%)
• Maior proporção de empresas que divulgam as emissões de Escopo 1 e 2 (> 97%)
• Apenas 17% das empresas financeiras divulgaram as emissões do Escopo 3 de seus investimentos
• Somente 35% das empresas usarão preços de carbono em 2019

Sobre CDP –  é uma organização internacional sem fins lucrativos que impulsiona empresas e governos para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, proteger os recursos hídricos e proteger as florestas. Provedor de pesquisa climática número um votado pelos investidores e trabalhando com investidores institucionais com ativos de US $ 87 trilhões, alavancamos o poder do investidor e do comprador para motivar as empresas a divulgar e gerenciar seus impactos ambientais. Mais de 6.300 empresas, com cerca de 55% da capitalização do mercado global, divulgaram dados ambientais através do CDP em 2017. Isso além de mais de 500 cidades e 100 estados e regiões que divulgaram, tornando a plataforma do CDP uma das fontes mais ricas de informações globais sobre como as empresas e governos estão conduzindo a mudança ambiental. CDP, anteriormente Carbon Disclosure Project, é um membro fundador da We Mean Business Coalition. Visite www.cdp.net ou siga-nos @CDP para saber mais.

Sobre o CDSB  – O Conselho de Normas de Divulgação do Clima (CDSB) é um consórcio internacional de nove ONGs empresariais e ambientais. Estamos empenhados em avançar e alinhar o modelo global de relatórios corporativos globais para equiparar o capital natural com o capital financeiro. Fazemos isso oferecendo às empresas uma estrutura para o relatório de informações ambientais com o mesmo rigor que a informação financeira. Coletivamente, buscamos contribuir para sistemas econômicos, sociais e ambientais mais sustentáveis.

Publicidade

Nova pesquisa mostra um claro hiato entre as ações  e a consciência das empresas sobre riscos climáticos

Por Oswaldo Scaliotti em Análise

21 de Março de 2018

 

Embora uma maioria significativa de empresas informe amplo controle de assuntos relacionados ao clima, apenas 1 em cada 10 atualmente oferece incentivos para que os membros do conselho gerenciem riscos e oportunidades relacionados ao clima. A responsabilidade pela ação climática ainda não está vinculada às remunerações dos conselhos de administração ou das equipes de administração;

Empresas na França, no Reino Unido e na Alemanha estão liderando a divulgação de informações em três das quatro áreas temáticas destacadas pela ForçaTarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) – Governança, Gestão de Riscos, Métricas e Metas;

As empresas da China, os setores de saúde e finanças estão atrasados nas quatro áreas de divulgação identificadas pela TCFD, embora a China continue a ser um mercado de divulgação a ser observado em 2018 à medida que novas políticas de reporte obrigatório entrarem em vigor;

Novos regulamentos estão melhorando a divulgação corporativas sobre clima e ampliando a diferença entre líderes e retardatários;

As organizações que seguem a TCFD são encorajadas a realizar uma análise de como elas funcionarão em diferentes cenários, incluindo um mundo de 2 ° C ou inferior.

Um novo relatório divulgado hoje pelo CDP e CDSB mostra que há uma lacuna entre a forma como as empresas identificam riscos e oportunidades relacionados ao clima e como eles estão se preparando para enfrentá-los.

A pesquisa em 1.681 empresas em 14 países e 11 setores que divulgam seus dados para o CDP analisa as quatro áreas de divulgação identificadas pela ForçaTarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) – governança, estratégia, gerenciamento de riscos e métricas e metas – e destaca se as empresas em setores e países específicos estão preparadas para divulgar informações sob esses temas.

A grande maioria das empresas reconhece que as mudanças climáticas representam riscos financeiros para seus negócios, com 83% das empresas reconhecendo os riscos físicos e 88% identificando mudanças políticas / novos regulamentos como os principais riscos de transição para uma economia de baixo carbono.

Mas quando se trata de tornar a conscientização em ação, ainda há uma desconexão em muitos setores e países. Por exemplo, mais de 8 em cada 10 empresas supervisionam as mudanças climáticas no nível do conselho, mas apenas 1 em 10 oferece incentivos para a gestão de questões de mudança climática.

Jane Stevensen, Diretor de Engajamento da Força Tarefa no CDP, disse: “Em geral, vemos que existe um nível de preparação de superfície das empresas em todo o mundo para supervisionar o risco e a oportunidade do clima no nível do conselho. Os principais impulsionadores são a ação dos investidores, a reputação da empresa e a reação do consumidor ao risco climático. O que não estamos vendo é o aumento da governança que se traduza em mitigação da mudança climática. 2018 é o ano em que as empresas precisam intensificar a ação climática à medida que nos aproximamos do ponto de inflexão. Fundamental para isso é conduzir o engajamento no nível do conselho com o risco climático para o restante da organização “.

Simon Messenger, Diretor Geral, Climate Disclosure Standards Board disse: “Esta análise mostra que as implicações financeiras das mudanças climáticas estão agora firmemente na porta das empresas e devem ser integradas em processos de toda a empresa. Agora é o momento de estabelecer estratégias claras para enfrentar a exposição das empresas aos riscos climáticos e aproveitar as novas oportunidades econômicas. Também é claro que a gestão de questões ambientais não pode mais ser responsabilidade exclusiva das equipes de sustentabilidade: é necessário que seja uma área prioritária para os conselhos das empresas garantirem que ela esteja verdadeiramente incorporada às suas prioridades estratégicas. Estamos mais do que nunca em um ponto crítico entre incorporar sistematicamente uma falha de mercado ou abraçar uma grande oportunidade de inovar e crescer “.

Uma das principais recomendações da ForçaTarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima do Conselho de Estabilidade Financeira é que as organizações descrevam a resiliência de sua estratégia a diferentes cenários relacionados ao clima, incluindo um cenário de 2 ° C ou menor. O cumprimento desta recomendação faz parte do próximo ciclo de relatórios do CDP, e este relatório, portanto, concentra as outras recomendações-chave.

Nove meses após o lançamento das recomendações da TCFD, houve uma importante atividade reguladora, de investidores e de empresas e interesse em desenvolver a paisagem para divulgação em muitas geografias. O desafio agora é avançar com essa divulgação e incorporá-la à estratégia e à cultura corporativas, desde o conselho até a linha de frente e estabelecer metas reais de redução de emissões e de energia renovável.

Para a análise completa, leia o relatório aqui.

China
• Menor percentual de empresas que divulgam emissões de GEE em todo o Escopo 1, 2 e 3
• A menor proporção (24%) identificando reputação e / ou alteração do comportamento do consumidor como fatores de risco
• Progresso esperado na adoção do preço do carbono (28% prevêem usá-lo até 2019)

França
• Segunda maior proporção de empresas que oferecem incentivos ao conselho para a gestão de questões relacionadas com mudança do clima (25%)
• Maior proporção de empresas que oferecem produtos ou serviços de baixo carbono que permitem emissões evitadas (78%)
• 67% das empresas identificam a reputação e / ou a mudança do comportamento do consumidor como um risco
• 74% das empresas relatam uma diminuição das emissões resultantes de atividades de redução de emissões

Alemanha
• Maior proporção de empresas que oferecem incentivos ao conselho para gerenciamento de questões de mudança climática (29%)
• Apenas 88% das empresas divulgam emissões de Escopo 1
• Somente 35% das empresas usarão preços de carbono em 2019

Norte da América (EUA + Canadá)
• Os EUA têm menor proporção usando (15%) e preparando-se para usar (9%) preços de carbono
• EUA têm menor proporção com supervisão do conselho (66%)
• Canadá tem a menor proporção proporcionando incentivos ao conselho para o gerenciamento das questões de mudança climática (2%)
• O Canadá tem a segunda menor proporção de produtos ou serviços de baixa emissão de carbono que permitem emissões evitadas (54%)

Reino Unido
• Maior proporção de empresas com supervisão do conselho a temas relacionados com mudanças climáticas (96%)
• Maior proporção de empresas que divulgam as emissões de Escopo 1 e 2 (> 97%)
• Apenas 17% das empresas financeiras divulgaram as emissões do Escopo 3 de seus investimentos
• Somente 35% das empresas usarão preços de carbono em 2019

Sobre CDP –  é uma organização internacional sem fins lucrativos que impulsiona empresas e governos para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, proteger os recursos hídricos e proteger as florestas. Provedor de pesquisa climática número um votado pelos investidores e trabalhando com investidores institucionais com ativos de US $ 87 trilhões, alavancamos o poder do investidor e do comprador para motivar as empresas a divulgar e gerenciar seus impactos ambientais. Mais de 6.300 empresas, com cerca de 55% da capitalização do mercado global, divulgaram dados ambientais através do CDP em 2017. Isso além de mais de 500 cidades e 100 estados e regiões que divulgaram, tornando a plataforma do CDP uma das fontes mais ricas de informações globais sobre como as empresas e governos estão conduzindo a mudança ambiental. CDP, anteriormente Carbon Disclosure Project, é um membro fundador da We Mean Business Coalition. Visite www.cdp.net ou siga-nos @CDP para saber mais.

Sobre o CDSB  – O Conselho de Normas de Divulgação do Clima (CDSB) é um consórcio internacional de nove ONGs empresariais e ambientais. Estamos empenhados em avançar e alinhar o modelo global de relatórios corporativos globais para equiparar o capital natural com o capital financeiro. Fazemos isso oferecendo às empresas uma estrutura para o relatório de informações ambientais com o mesmo rigor que a informação financeira. Coletivamente, buscamos contribuir para sistemas econômicos, sociais e ambientais mais sustentáveis.