Iê Camará - Capoeira de corpo e alma
Publicidade

Iê Camará

por Aline Pedrosa

CECAB comemora 15 anos

Por Aline Pedrosa em Comemoração

01 de fevereiro de 2017

O Centro Cultural Capoeira Água de Beber (CECAB) é uma associação sem fins lucrativos, fundada oficialmente em janeiro de 2002, por Robério Batista de Queiroz, mestre Ratto.

A finalidade da entidade é difundir a cultura brasileira através da prática da capoeira, utilizando essa arte como incentivo a cultura, esporte, educação e inclusão social.

As motivações para a criação do CECAB, segundo mestre Ratto, foi a institucionalização do trabalho, para que o centro cultural pudesse participar de editais e a capoeira fosse também um veículo de educação humanista.

“O objetivo do CECAB é trabalhar a educação humanista, mais próxima da natureza. Despertar nas pessoas o sentimento de solidariedade, de cuidar do meio ambiente. Ou seja, descentralizar a capoeira como uma atividade somente para quem joga. Ela é para todos, independente se a pessoa tem condições físicas para jogar. Visualizamos a capoeira como uma fonte de incentivo e de inserção”, afirma Mestre Ratto.

Mestre Ratto (CECAB)

O CECAB já se denominou Núcleo de Arte Jogando com o Futuro (NAJF), Espaço Cultural Água de Beber (Ecab), Centro Cultural Água de Beber e, por fim, chegou à atual designação Centro Cultural Capoeira Água de Beber (CECAB).

Em 2006, o CECAB torna-se também um grupo de capoeira com a proposta de trazer uma consciência  dos praticantes em relação às políticas publicas. Hoje o grupo está em seis países: Brasil, Portugal, França, Hungria, Áustria e Venezuela; além de núcleos no nordeste do País e no interior do Ceará.

Comemoração
Na última segunda-feira (30/01) ocorreu a comemoração do aniversário do CECAB na Casa da Capoeira, sede do grupo.

Houve uma roda comemorativa marcada pela boa energia e camaradagem, e por um intenso senso de realização diante da jornada percorrida coletivamente.

Antes da roda começar, lideranças da escola, personagens fundantes da instituição – como a professora Bia, os professores Maxuel “Olho de Gato” e João “Roots” e a estagiária-instrutora Dani –, deram depoimentos sobre suas trajetórias. Membros dos primeiros projetos propostos pela instituição – como o segundo-estágio Felipe, o primeiro-estagiário Lucas e os estágios-instrutores Liso e Baqueta – também dividiram seus sentimentos publicamente, ressaltando a importância da Capoeira e, em especial, do CECAB para suas vidas.

Estavam presentes amigos e parceiros da instituição, como o Mestre Piolho e Mestre André. Ao final deste momento, a professora Bia brindou os presentes com uma exibição de fotos que representavam momentos marcantes do CECAB.

(Colaborou o professor doutor em sociologia e aluno do CECAB, Igor Monteiro)

leia tudo sobre

Publicidade

Impressões sobre o 6º Festival Internacional Capoeiragem em SSA

Por Aline Pedrosa em Eventos

24 de janeiro de 2017

CECAB (Fortaleza) chega a Salvador.

Ocorreu dos dias 18 a 21 de janeiro no Forte da Capoeira, na Bahia, o 6º Festival Internacional Capoeiragem, organizada pelo grupo CTE Capoeiragem, tendo à frente mestre Balão.
No encontro os mestres Nenel, Nô, Paulinho Sabiá e Balão ministraram oficinas; ocorreu uma vivência musical com os compositores mestre Gajé, Jairo, Boca Rica e Olavo; vivência com os mestres do Recôncavo, Felipe e Nelito. Bate-papo com contramestre Sam que falou sobre lesões e os benefícios físicos da capoeira. O encontro ainda proporcionou oficinas de percussão, o espaço criança, tour capoeirístico, batizado e troca de corda, e festa com o grupo Botequim, tendo como líder o pesquisador e capoeirista Pedro Abib, no qual tinha tipo a oportunidade de conhecê-lo em Fortaleza, por influência do professor Cangaceiro, que por sua vez o conheci quando morei em Portugal e que hoje, de volta a Fortaleza, desenvolve um trabalho massa no Vila das Artes, chamado Diálogos estéticos da capoeira.

Alguns mestres na abertura do 6º Festival Internacional Capoeiragem

O evento teceu homenagem aos mestre Curió, Boca Rica e Felipe de Santo Amaro. Além desses mestres estavam presentes o contramestre gringo, mestre Tonho Matéria (fomos pro ensaio do Araketu, ao qual ele é cantor), mestre Boa gente, mestra Jô, mestre Bola 7 e tantos outros, que a cada jogo que via me engrandecia como capoeira.
Saímos de Fortaleza, eu, os professores Olho de gato, Garapa e o graduado Liso (foto) para participar do evento em Salvador. Ficamos hospedados num hostel bem próximo ao Forte de Santo Antônio Além do Carmo. Próximo ao Pelourinho podemos viver toda a energia daquele lugar cheio de história.
Há uns 12 anos havia ido para essa cidade também para um evento de capoeira, mas ficar próximo ao Pelourinho foi uma experiência única porque nos deu autonomia de percorrer aquelas ladeiras de cultura.

Nas ladeiras do Pelô.

Um dos momentos mais marcantes da viagem, para mim, foi a visita a academia de mestre Bimba. Já havia ido lá, mas parecia que era a primeira vez que sentia aquela energia. Até caí no samba e experimentei a Mulher Barbada, bebida que era feita por mestre Bimba para ocasiões de formaturas. Ver o ensaio do Olodum também foi de arrepiar.

Pelas ladeiras ouvia muitos tambores, berimbaus, via muita capoeira, acarajé, mulheres vestidas de baianas. Parecia vivenciar um pouco das histórias narradas por Jorge Amado em seus livros.

Fazia um certo tempo que não viajava para jogar capoeira, até mesmo por conta da maternidade. Eu e meus amigos do Ceará após o evento conversamos sobre o quanto é importante esse intercâmbio que a arte que praticamos nos proporciona. Que possam vir mais viagens como essa.

Grata a Deus por viver essa experiência, grata ao meu mestre Ratto pela condução com que nos ensina, grata ao mestre Balão e seus alunos pela recepção e vivências, grata a Bahia por ser o berço do axé, grata aos amigos que a capoeira me deu pela parceria.

Publicidade

Revista TBT será lançada em janeiro de 2017

Por Aline Pedrosa em Sem categoria

16 de outubro de 2016

Esta vem contribuir com a divulgação e engrandecimento da cultura afro-indígena e da arte da capoeira, em especial na região nordeste do Brasil.

Esta vem contribuir com a divulgação e engrandecimento da cultura afro-indígena e da arte da capoeira, em especial na região nordeste do Brasil.

Em janeiro de 2017 será lançada a Revista TBT – “Tribos, Berimbaus e Tambores”. Após a oitava edição do festival organizado pelo Centro Cultural Capoeira Água de Beber (CECAB), o evento passa também a ser uma revista de periodicidade trimestral.
Esta vem contribuir com a divulgação e engrandecimento da cultura afro-indígena e da arte da capoeira, em especial na região nordeste do Brasil. Circularidade, religiosidade, corporeidade, musicalidade, memória, ancestralidade, cooperativismo, oralidade, energia vital e ludicidade serão práticas e valores debatidos e resgatados na Revista TBT.
A primeira edição terá como participação especial artigos do Mestre Luiz Renato (Brasília) e do pesquisador e escritor Carlos Eugênio Líbano Soares. São dele importantes obras como: A capoeira escrava e A negregada instituição – os capoeiras no Rio de Janeiro.
Para acompanhar mais informações sobre a Revista TBT acesse: https://www.facebook.com/Feira-Tribos-Berimbaus-e-Tambores-2016-605413652961975/?fref=ts

leia tudo sobre

Publicidade

10ª edição Budega Cultural nesta sexta (07)

Por Aline Pedrosa em Eventos, Rodas

07 de outubro de 2016

14520556_313929828974659_5243367760510915754_n

O evento é uma realização do Kaiango Capoeira.

Nesta sexta-feira (07/10), a partir das 20h, no Parque da Liberdade, mais conhecido como Parque das Crianças, ocorre a 10ª edição da Budega Cultural. Esta edição será especial em homenagem a todos Êres. O evento é uma realização do Kaiango Capoeira e tem o apoio institucional da Secretaria Municipal de Cidadania e Direitos Humanos e Fundação Marcos de Bruin.

A ideia do movimento da Budega Cultural ocorreu pela necessidade dos alunos do Kaiango de se manterem naquele espaço onde ocorrem seus treinos. “Um sabia fazer artesanato, outro fazer comidas veganas, outro algo para beber, daí juntamos tudo e vimos que isso era uma bugeda, com de tudo um pouco, com diversidade e saberes”, explicou uma das organizadoras e membro da Kaiango, Tatiana Martins.

“A Budega Cultural é um movimento de ocupação cultural do centro da cidade, ela surge de uma necessidade em nos mantermos vivos, respirando, produzindo e espalhando arte e cultura”, afirmou Tatiana Martins. “Nosso objetivo é fazer um movimento e devolver de volta pra capoeira. Somos um movimento de resistência, de se auto-sustentar”, completou.

Nesta edição terá capoeiragem, um solo que trabalha a perspectiva do circo, malabares, contemplando, portanto, o mês da criança, com Orlangêlo Leal; D’passagem; Foca no som; Ernesto Cartaxo; Patrícia Matos Adjoke; Joana Limaverde; Gildázio Pereira e Daniel Leão.

Edital das Artes da Secultfor
A Budega Cultural teve classificação e habilitação no Edital das Artes da Secultfor 2016. A próxima edição da Budega Cultural já está marcada, se programa aí: 18 de novembro. Nesta edição o grupo vem comemorar 20 anos de ocupação e trabalho naquele espaço no centro da cidade.

Serviço:
Budega Cultural
Local: Parque das Crianças – Centro
Data: 07 de outubro (sexta-feira)
Horário: 20h.

Mais informações:
https://www.facebook.com/events/1775792912700317/?active_tab=highlights

Publicidade

Nesta quarta começa a 9ª edição do Berimbaflor

Por Aline Pedrosa em Aulões, Cursos, Eventos

04 de outubro de 2016

da0b8c9b-3f26-48ed-ae69-77c8c26ca33d

O Berimbaflor tem a organização da instrutora Thya e instrutora Sulamita. Supervisão do Mestre Marcão e coordenação do Mestre Paulão

Tem início nesta quarta (05.10), a 9ª edição do Berimbaflor, uma organização da instrutora Thya e instrutora Sulamita. Supervisão do Mestre Marcão e coordenação do Mestre Paulão. Ambos do Grupo Capoeira Brasi (GCB).

Idealizadora do evento, instrutora Thya, estava vendo a necessidade de uma integração maior da mulher na capoeira. “Dentro do Capoeira Brasil, o Berimbaflor é dos eventos femininos mais antigos, e aqui em Fortaleza é o segundo mais antigo”, falou.

O nome do evento foi por conta de uma tatuagem que ela tem, um berimbau que é o instrumento mor da capoeira e uma flor. “O berimbau em forma de flor para mim é uma representação da capoeira feminina”, disse Thya.

Instrutora Thya ressalta a importância da instrutora Sulamita nesta edição, em especial. “Ressalto também o trabalho dela. Sulamita ministra aulas gratuitas de capoeira no seu espaço na comunidade que ela mora, em Messejana”, disse. “Um evento é difícil de se organizar, pela falta de patrocínio e pelas atividades extra capoeira como as tarefas de casa, de mãe”, narrou como desafios para a mulher capoeirista.

Segundo Thya o evento é idealizado por mulheres, mas não é só para elas. “Só temos a regra de não deixar só homem nos instrumentos e também jogando. Bateria mista, assim como o jogo”, enfatizou.

Programação

Na quarta-feira (05.10), terá uma roda abertura do evento, no shopping Deo Paseo, às 19h.
Na quinta-feira (06.10), às 19h, a programação dá continuidade na livraria Saraiva, no shopping Iguatemi, com uma papoeira com a Mestra Carla da Associação Zumbi Capoeira (AZC).
Na sexta-feira (07.10), às 19h, no Espaço Mandinga (Rua Bartolomeu Dias, n 212, Messejana, terá aula de zumba e oficina de capoeira com a instrutora Narizinha (GCB- Recife).
No sábado (08.10), também no Espaço Mandiga, terá oficina de capoeira com a professora Ganga (Grupo Cordão de Ouro), maculelê, samba e aula de jonjo.

Mais informações: (85) 98827. 9477 e (85) 98603. 5483.

Publicidade

5º Circuito Nova Geração Ginga de Capoeira conta com a presença de mestres de Brasília

Por Aline Pedrosa em Aulões, Eventos

22 de setembro de 2016

O evento tem organização da Mestra Flanela e direção do Mestre Pano.

O evento tem organização da Mestra Flanela e direção do Mestre Pano.

O 5º Circuito Nova Geração Ginga de Capoeira teve início no último sábado (17/09) e teve prosseguimento na última quarta-feira (21/09), com o batizado infantil do grupo. Nesta sexta-feira (23/09) o evento, que tem a organização da Mestra Flanela e direção do Mestre Pano, tem continuidade, às 19h, com oficinas de capoeira no Cuca da Barra (Av. Presidente Castelo Branco, 6417 – Barra do Ceará). O valor para participação é de R$ 40.
No sábado (24/09), às 16h, é a vez do batizado e troca de cordas de adultos, no IFCE (avenida 13 de Maio, 2081, bairro de Fátima). Neste ano os convidados do evento são Mestre Kall, Mestre Tonelada e Contra Mestre Pingo, ambos de Brasília.
Mestra Flanela
Mestra Flanela está com uma boa expectativa para o evento. “Trabalhamos muito na divulgação. Esperamos um bom público, as pessoas já estão chegando para somar ao nosso evento”, afirmou.
Em 2015, Mestra Flanela teve sua formatura de capoeira. Ela falou um pouco sobre sua emoção ao viver esse momento único em sua vida. “Foi surpresa. Fui homenageada com uma orquestra de berimbaus e recebida com pétalas de rosas”, contou. Este ano, Mestra Flanela completa 26 anos de prática da capoeiragem.

Publicidade

Começa nesta quinta (08) o VI Festival de Capoeira “Brincando na Roda”

Por Aline Pedrosa em Eventos

08 de setembro de 2016

IMG_1697Dos dias 08 a 10 de setembro ocorre o VI Festival de Capoeira “Brincando na Roda”, organização do formado Minhoquinha (Capoeira Brasil).

O evento conta com a participação de Mestre Kim (Capoeira Brasil), Mestre Marcão (Capoeira Brasil), Mestre Serê (Legião Brasileira), Mestre Peninha (CECAB) e das professoras Ninja e Folha, ambas do grupo Capoeira Brasil.

Dia 08, às 19 h, haverá os cursos com os mestres Marcão e Peninha. Dia 09, às 19h, os cursos com os mestres Kim e Serê, além de uma roda de confraternização. O evento nos dois primeiros dias será no Colégio Pe. José Nilson (Rua Cel. Manuel Jesuíno, 225, Varjota).

Já no dia 10, às 09h, haverá aulão infantil com as professoras Ninja e Folha, batizado e troca de cordas, no Clube AABB Fortaleza (Av. Barão de Studart, 2917, Dionísio Torres).

Publicidade

Tem início nesta quinta o Intercontinental 2016

Por Aline Pedrosa em Aulões, Cursos, Eventos

25 de agosto de 2016

13882310_1070836299637895_4343672236997992790_n

“O Intercontinental significa a união de um continente com o outro”, afirmou mestre Zebrinha.

Começa nesta quinta (25/08) e segue até domingo (28/08) o Intercontinental 2016, evento organizado pelo grupo Legião Brasileira de Capoeira, que tem como líder o mestre Zebrinha.

“O Intercontinental significa a união de um continente com o outro”, afirmou mestre Zebrinha.

Está vindo de Angola, África, o professor Pelado. Além dele os convidados são: mestre Suíno (Goiânia), mestre Kall (Brasília), Pajé (Pernambuco), mestre Touro (Piauí), mestre Skisyto (Brasília), Mula (Pernambuco), Macarrão (Pernambuco), Tigre (Manaus) e mestre Touro (Piauí). E os mestres do Ceará: Severo, Graúna, Molesa, Miquimba, Serê e Doutor.

Programação
Nesta quinta (25), terá uma roda de abertura, na academia Z Fitness (Lagoa Redonda). Na sexta (26), haverá o lançamento do livro do mestre Deputado e mestre Skisyto “Diálogos filosóficos: educação, aprendizado e crescimento na capoeira”, um culto, seguido de palestra e festival de música.

No sábado (27), pela manhã ocorrem os cursos com mestre Kall e mestre Touro, e a partir das 16h, na quadra da Beira Mar, conhecida como Volta da Jurema, ocorre o batizado, troca de cordas e a formatura de quatro capoeiristas do grupo, finalizando com papoeira. No domingo (28) terá a confraternização final.

Publicidade

Grupo União Capoeira forma oito mestres, dentre eles Mestra Bruxinha

Por Aline Pedrosa em Comemoração, Eventos

09 de agosto de 2016

Eram oito o número de novos mestres que o Grupo União Capoeira formava no último sábado (06/08), e no meio deles se destacava uma mulher de vestido longo vermelho, a mais nova mestra do Ceará, Cristiane Marreiros, Mestra Bruxinha. O Estado agora têm oito mulheres mestras (Vanda, Carla, Paulinha, Janaína, Doralice, Flanela, Novinha e Bruxinha). “Essa data vai ficar na história. Uma data muito gratificante para mim”, ressaltou.

 O Estado agora tem sete mulheres mestras (Vanda, Carla, Paulinha, Janaína, Doralice, Flanela e Bruxinha).

O Estado agora tem sete mulheres mestras (Vanda, Carla, Paulinha, Janaína, Doralice, Flanela e Bruxinha).

Mestra Bruxinha era pivô da seleção cearense de handball. Se apaixonou pela capoeira quando ouviu o berimbau pela primeira vez. Ela escutou o som do instrumento símbolo da capoeira e ficou batendo palma.

“Comecei a treinar com Mestre Assis, que na época era contra mestre, ele era meu vizinho. Perguntei como fazia para treinar, mas eram dias que se batia com os treinos do handball e foi aí que saí da seleção cearense para treinar capoeira. Comecei a praticar muito nova. Me encantei e logo no começo teve aquele preconceito. Minha mãe nunca me apoiou. Não tinha ninguém da minha família na minha formatura, só minha filha de 13 anos”, contou. A mestra ainda ressaltou a dificuldade em ser mãe solteira e ter que trabalhar muito para pagar as despesas de sua filha.

Preconceito é algo que não a intimida. “Meu antigo mestre passou suas turmas de capoeira aqui, em Fortaleza, para mim e outra mulher. Encaramos como um grande desafio. Mas, nenhum dos alunos quis treinar com a gente porque éramos mulher e achavam que não tínhamos conteúdo. Foi nessa fase que achei meu primeiro aluno, que está comigo há 19 anos”, afirmou.

Mestra Bruxinha relatou que o preconceito pelo fato dela ser mulher aconteceu até no dia de sua formatura. “Na hora de ser homenageada alguns mestres cumprimentaram os novos formados e passaram batido de mim e não me cumprimentaram. Esqueceram que eu também ia me formar, mas o importante é que deu tudo certo, meu trabalho foi reconhecido com muito suor e dedicação”, falou. Mestra Bruxinha lembrou ainda que seu mestre, Marrom, agradeceu no dia da formatura a parceria e fidelidade dela por 20 anos.

Mestra Bruxinha é instrutora educacional, ministrou aulas em vários projetos sociais, dentre eles o ABC do José Walter, Mondubim, Serrinha, Jangurussu e Lagamar.

Para Mestra Bruxinha, o reconhecimento da maestria veio no decorrer do tempo. “Os meus alunos já me chamavam de mestra desde que eu era corda roxa. Meu trabalho na comunidade é grande. Eu não tenho nenhum aluno que venha de outro professor, todos aprenderam capoeira comigo. Meus alunos acreditam no meu trabalho”, ressaltou.

Mestra Bruxinha já foi reconhecida pelo Ministério da Cultura, em 2009, quando estava de resguardo do nascimento da sua filha. Ela recebeu a medalha em casa.

Madrinha de Capoeira
No evento Mestra Carla (Zumbi Capoeira) foi a madrinha da Mestra Bruxinha. ” Tive essa honra. Somos ainda muito poucas em quantidade, mas desenvolvemos uma linda missão e uma grandiosa tarefa de liderar grandes grupos, realizar eventos de qualidades e ensinar a capoeira como instrumento de transformação”, enfatizou Mestra Carla.

 

Publicidade

Mestra Carla critica data em que comemora-se Dia do Capoeirista

Por Aline Pedrosa em Cultura

04 de agosto de 2016

13312889_507123866142298_1209938615286628254_n

Mestra Carla (Associação Zumbi Capoeira).

Mestra Carla (Associação Zumbi Capoeira) tem um olhar crítico em relação a data 03 de agosto, no qual comemora-se o Dia do Capoeirista. Ela ressaltou que a data é comemorada na cidade de São Paulo, onde foi aprovado um projeto de lei e, portanto, passou a ser incorporado em outras cidades brasileiras.

Leia mais: Dia 03 de agosto comemora-se o Dia do Capoeirista.

“Pesquisando há alguns anos, percebi que está data não consta fundamentação para o nosso movimento, sem relevância ou registro histórico. Aqui na nossa cidade tivemos um vereador que fez um projeto de lei sem ouvir o movimento da capoeira e reproduziu a mesma data para ser festejada aqui. Fomos no gabinete deste vereador entregamos um documento retirados do Fórum da Capoeira sugerindo que o mesmo alterasse a data para o dia 25 de março, data está que tem identidade com a capoeira e o nosso Estado”, esclareceu. Mestra Carla ainda informou que existe um projeto maior a nível federal em unificar esta data.

“Participamos de uma arte que tem como base a historicidade, desta forma os fatos precisam está ligado a registros históricos. Não podemos reproduzir algo que não sabemos os fundamentos. Se faz necessário sermos críticos e transformadores deste sistema. Precisamos estar atentos e buscarmos os sentidos do que está posto”, criticou.

Terra da Luz
O Ceará ganhou no ano de 2012 mais um feriado. No dia 25 de março comemora-se a Data Magna do Ceará, que festeja o fim da escravidão no Estado. A Emenda Constitucional que instituiu o feriado, de autoria do ex-deputado Lula Morais, foi aprovada pela Assembleia Legislativa em 1º de dezembro de 2011, sendo promulgada e publicada no Diário Oficial do Estado em 6 de dezembro de 2011. Vale lembrar que o nosso Estado foi o primeiro a libertar os escravos.

Publicidade

CECAB comemora 15 anos

Por Aline Pedrosa em Comemoração

01 de fevereiro de 2017

O Centro Cultural Capoeira Água de Beber (CECAB) é uma associação sem fins lucrativos, fundada oficialmente em janeiro de 2002, por Robério Batista de Queiroz, mestre Ratto.

A finalidade da entidade é difundir a cultura brasileira através da prática da capoeira, utilizando essa arte como incentivo a cultura, esporte, educação e inclusão social.

As motivações para a criação do CECAB, segundo mestre Ratto, foi a institucionalização do trabalho, para que o centro cultural pudesse participar de editais e a capoeira fosse também um veículo de educação humanista.

“O objetivo do CECAB é trabalhar a educação humanista, mais próxima da natureza. Despertar nas pessoas o sentimento de solidariedade, de cuidar do meio ambiente. Ou seja, descentralizar a capoeira como uma atividade somente para quem joga. Ela é para todos, independente se a pessoa tem condições físicas para jogar. Visualizamos a capoeira como uma fonte de incentivo e de inserção”, afirma Mestre Ratto.

Mestre Ratto (CECAB)

O CECAB já se denominou Núcleo de Arte Jogando com o Futuro (NAJF), Espaço Cultural Água de Beber (Ecab), Centro Cultural Água de Beber e, por fim, chegou à atual designação Centro Cultural Capoeira Água de Beber (CECAB).

Em 2006, o CECAB torna-se também um grupo de capoeira com a proposta de trazer uma consciência  dos praticantes em relação às políticas publicas. Hoje o grupo está em seis países: Brasil, Portugal, França, Hungria, Áustria e Venezuela; além de núcleos no nordeste do País e no interior do Ceará.

Comemoração
Na última segunda-feira (30/01) ocorreu a comemoração do aniversário do CECAB na Casa da Capoeira, sede do grupo.

Houve uma roda comemorativa marcada pela boa energia e camaradagem, e por um intenso senso de realização diante da jornada percorrida coletivamente.

Antes da roda começar, lideranças da escola, personagens fundantes da instituição – como a professora Bia, os professores Maxuel “Olho de Gato” e João “Roots” e a estagiária-instrutora Dani –, deram depoimentos sobre suas trajetórias. Membros dos primeiros projetos propostos pela instituição – como o segundo-estágio Felipe, o primeiro-estagiário Lucas e os estágios-instrutores Liso e Baqueta – também dividiram seus sentimentos publicamente, ressaltando a importância da Capoeira e, em especial, do CECAB para suas vidas.

Estavam presentes amigos e parceiros da instituição, como o Mestre Piolho e Mestre André. Ao final deste momento, a professora Bia brindou os presentes com uma exibição de fotos que representavam momentos marcantes do CECAB.

(Colaborou o professor doutor em sociologia e aluno do CECAB, Igor Monteiro)