Grêmio

 

Fortaleza: se era para poupar os titulares para a final do estadual, que eles nem fossem viajar para a partida contra o Grêmio

Compartilhar por e-mail

A comissão técnica do Fortaleza decidiu levar todos os titulares para a partida de volta contra o Grêmio pela Copa do Brasil, na próxima quarta-feira. A dúvida agora é pelo aproveitamento ou não de todos os atletas.

Entendo que se o objetivo era realmente poupar os jogadores para a final contra o Ceará (um direito da comissão), que os titulares nem fossem viajar. Claro, não é o fim do mundo, mas o trajeto Fortaleza-Porto Alegre-Fortaleza não é dos mais fáceis, sempre com escalas obrigatórias e um desgaste grande natural, independente da partida. São menos pelos 15 horas de viagem.

Agora, se levaram os jogadores, que os titulares joguem e enfrentem o Grêmio na tentativa de reverter um placar complicadíssimo. Não tem sentido nenhum levar os atletas e deixá-los no banco.

 Quem viajou:

Goleiros: João Carlos e Lopes
Zagueiros: Cléber Carioca, Ciro Sena, Gilmak e Walisson
Laterais: Rafinha e Kauê
Volantes: Leandro, Jefferson, Marielson, Lucas e Elton
Meias: Geraldo, Esley e Bismarck
Atacantes: Jailson, Cléo, Marcelo Régis, Assisinho, Waldison e Rômulo

 

 

Sistema defensivo falha, ataque não ajuda, Fortaleza perde do Grêmio em casa e se complica na Copa do Brasil

Compartilhar por e-mail

A mais importante missão do Fortaleza nesta quarta-feira era não tomar gol de forma alguma atuando em casa contra o Grêmio, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Não deu certo. Em 13 minutos o time já tinha sofrido dois, resultado da combinação dos méritos do tricolor gaúcho com as falhas absurdas defensivas do Fortaleza.

O Grêmio começou muito melhor, marcando com exatidão, sem dar espaço e atacando muito pelos lados, méritos de Souza, Léo Gago, Fernando e Marco Antonio, os donos do meio-campo. A impressão clara: os jogadores do Fortaleza foram surpreendidos com a postura ofensiva dos comandados por Luxemburgo e não sabiam como reagir. Não por acaso, em jogadas pelas laterais, sem qualquer dificuldade, saíram os gols e com grande colaboração do sistema defensivo do time de Nedo Xavier, frágil no meio-campo (Marielson, Esley, Leandro e os laterais estavam perdidos) e completamente desatento dentro da área, com Ciro Sena e Cleber Carioca.

Aos 11 minutos, Léo Gago cruzou da esquerda e cinco jogadores da zaga ficaram observando Marcelo Moreno, livre, fazer 1×0. Dois minutos depois, um cruzamento da direita terminou com um dos gols mais bonitos de 2012, marcado por Marco Antônio. É verdade que o meio-campista também estava completamente livre, mas seu chute de primeira inspirado num golpe de artes marciais, se ganhasse placa, não seria exagero.

Em desvantagem, errando muitos passes e finalizações (foi assim até o fim do primeiro tempo), os jogadores do Fortaleza eram nervosismo puro, retratado numa maldosa entrada de Jailson no zagueiro Werley, do Grêmio. O árbitro Marcelo de Lima Henrique errou ao dar apenas cartão amarelo ao atacante, que deveria ter recebido vermelho direto.

Na segunda etapa o Fortaleza voltou mais calmo, tentando colocar a bola no chão. Ao mesmo tempo o Grêmio adotou uma postura bem defensiva, para contra-atacar sem, entretanto, ter jogadores velozes para tanto. O resultado foi mais posse de bola do tricolor mandante e algumas boas chances para diminuir o placar (Rafinha, aos 14 minutos, obrigou o goleiro a Vitor a fazer ótima defesa e Cléo, aos 18, desperdiçou uma chance daquelas inacreditáveis).

Já com 10 jogadores em campo (Pará foi expulso, com justiça), o Grêmio ficou ainda mais defensivo quando Luxemburgo colocou o zagueiro Saimon no lugar do atacante André Lima. Assim, Léo Gago assumiu a lateral esquerda. Pouco antes, Nedo Xavier sacou o volante Leandro e promoveu a estreia de Assisinho.  Marcelo Régis também entrou no meio-campo, saindo Kauê. Sentindo dores musculares intensas, Esley precisou sair para a entrada de Lucas.

As modificações mantiveram o Fortaleza no campo de ataque. Quatro outras chances reais foram criadas, as principais com Rafinha e Cléo, mas o zero permaneceu no placar do lado cearense. Situação complicadíssima para o jogo de volta, que terá o Grêmio atuando em casa ainda mais favorito, podendo empatar ou perder por um gol de diferença para alcançar a quarta fase da Copa do Brasil. Ao Fortaleza resta vencer por 2×0 para levar a decisão por pênaltis, vencer por dois gols de diferença marcando pelo menos três gols ou vencer por três gols de diferença.