Publicidade

Divagando

por Iury Costa

Personal

Personal escutador

Por Iury Costa em Cotidiano

10 de Março de 2018

No contrato de amizade, já vem uma cláusula que diz: faz parte ouvir as reclamações e os murmúrios do outro. Mas como não lemos as letrinhas miúdas, não percebemos que tem um golpe escondido. Na parte que não se lê, diz: nem que seja o dia todo. Como não sabemos disso, caímos no ciclo vicioso de ser o psicólogo particular. Mesmo sem ganhar nada. Tudo bem que a gente seria rico se cobrasse consulta, mas, obviamente, para um amigo, nunca vamos cobrar (mesmo tendo vontade).

É claro que você não vai virar as costas para uma pessoa querida. Isso seria muita crueldade. As pessoas precisam desabafar, contar os problemas a alguém, as traições… até para não explodir de ódio. E por outro lado, temos que ouvir, consolar, ajudar e aconselhar. Até nós precisamos às vezes conversar com alguém, para aliviar a cabeça. Às vezes! O problema é que tem gente que quer uma central telefônica disponível 24 horas por dia. Até de madrugada. Sem condições.

O problema é que alguns amigos caem nas mesmas ciladas da vida, mesmo sendo aconselhados a não seguirem pelo caminho. Aí telefonam desesperados, e te penduram ao telefone para explicar tudo de novo. Não tem problema nenhum ouvir um desabafo e, em troca, o outro receber um conselho. Mas não há amizade que resista aos problemas de sempre. Só se for um laço muito forte.

A dica é ler o contrato até o fim. Até as entrelinhas, para saber o que vem no pacote. Escutar o problema dos outros faz parte. Mas para quem quer viver com os problemas, e apenas ter alguém para ouvir “o de sempre”, melhor contratar um “personal escutador”. Aqui na nossa terra, ele é mais conhecido como médico psiquiatra. Ou psicólogo.

Foto: reprodução internet

Publicidade

Personal escutador

Por Iury Costa em Cotidiano

10 de Março de 2018

No contrato de amizade, já vem uma cláusula que diz: faz parte ouvir as reclamações e os murmúrios do outro. Mas como não lemos as letrinhas miúdas, não percebemos que tem um golpe escondido. Na parte que não se lê, diz: nem que seja o dia todo. Como não sabemos disso, caímos no ciclo vicioso de ser o psicólogo particular. Mesmo sem ganhar nada. Tudo bem que a gente seria rico se cobrasse consulta, mas, obviamente, para um amigo, nunca vamos cobrar (mesmo tendo vontade).

É claro que você não vai virar as costas para uma pessoa querida. Isso seria muita crueldade. As pessoas precisam desabafar, contar os problemas a alguém, as traições… até para não explodir de ódio. E por outro lado, temos que ouvir, consolar, ajudar e aconselhar. Até nós precisamos às vezes conversar com alguém, para aliviar a cabeça. Às vezes! O problema é que tem gente que quer uma central telefônica disponível 24 horas por dia. Até de madrugada. Sem condições.

O problema é que alguns amigos caem nas mesmas ciladas da vida, mesmo sendo aconselhados a não seguirem pelo caminho. Aí telefonam desesperados, e te penduram ao telefone para explicar tudo de novo. Não tem problema nenhum ouvir um desabafo e, em troca, o outro receber um conselho. Mas não há amizade que resista aos problemas de sempre. Só se for um laço muito forte.

A dica é ler o contrato até o fim. Até as entrelinhas, para saber o que vem no pacote. Escutar o problema dos outros faz parte. Mas para quem quer viver com os problemas, e apenas ter alguém para ouvir “o de sempre”, melhor contratar um “personal escutador”. Aqui na nossa terra, ele é mais conhecido como médico psiquiatra. Ou psicólogo.

Foto: reprodução internet