Publicidade

Divagando

por Iury Costa

Não empreste!

Por Iury Costa em Cotidiano

10 de Fevereiro de 2018

Poucas coisas colocam uma amizade à prova como o empréstimo de algo. Se desfazer, nem que seja por pouco tempo, de algo que possui valor para o dono (financeiro, sentimental ou os dois), é um perigo. Afinal, qualquer contrato de boca é ruim. É assim que se descobre como muitos amigos são, mas eu evito ao máximo. Além disso, para conseguir algo meu nas mãos, a pessoa passa, sem saber, por uma sabatina mental. Não empresto para qualquer pessoa. Na verdade, não empresto.

Vão dizer que sou materialista, mas há quem concorde comigo. A gente se esforça tanto para conseguir algo bacana, que fica apegado. Acho que nem é apego. É mais um cuidado mesmo. A gente tem cuidado com as nossas coisas, e bem menos com a dos outros. Isso é natural do ser humano. Aí vem alguém, pede algum objeto seu emprestado, e devolve com problema. Esse é o meu medo (e o de muita gente). Livro amassado, mala rasgada, tênis sujo, carro (sim, tem que chegue ao ponto de pedir carro) arranhado ou com multas…

Primeiro que não se deve nem pedir. É de um ato que beira quase ao descaramento. Se bem que, para pedir, precisa ter um pouco. Mas a questão é esperar que ofereçam. É chato que só chega perto de você para pedir alguma coisa. Bom é esperar do “credor” a oferta. Se a conversa é sobre um livro bacana, não tenho nenhum problema em dizer “te empresto quando terminar”. Mas é um horror do “eu quero, me empresta”. Não tem nível de amizade que resista a um empréstimo. Nem de objetos, e muito menos de dinheiro. Aí, acabou!

Quem pede dinheiro realmente precisa. Isso é óbvio até para que detesta emprestar. Mas, convenhamos, que situação desconcertante para que escuta um pedido de dinheiro. É quase uma facada. O melhor a fazer é se lamentar bem discretamente, e esperar que a alma seja caridosa e ofereça o dinheiro. Isso também vale para cartão de crédito. Até eu já entrei na lista de quem pede. A vida ensina. Mais uma vez, apela para o lado caridoso da pessoa. Mas vai que dá certo? Se não der, entenda a mensagem, e se lamente para outro.

Têm também aquelas pessoas que adoram esquecer que pegaram objetos emprestados dos amigos. Essa também vai para você, querido amigo que esqueceu de devolver meu livro autografado. Se bem que, depois de tanto tempo, melhor deixar para lá e esquecer que foi dono um dia. Ou então, tenta uma novena forte.

Foto: reprodução internet

Publicidade

Não empreste!

Por Iury Costa em Cotidiano

10 de Fevereiro de 2018

Poucas coisas colocam uma amizade à prova como o empréstimo de algo. Se desfazer, nem que seja por pouco tempo, de algo que possui valor para o dono (financeiro, sentimental ou os dois), é um perigo. Afinal, qualquer contrato de boca é ruim. É assim que se descobre como muitos amigos são, mas eu evito ao máximo. Além disso, para conseguir algo meu nas mãos, a pessoa passa, sem saber, por uma sabatina mental. Não empresto para qualquer pessoa. Na verdade, não empresto.

Vão dizer que sou materialista, mas há quem concorde comigo. A gente se esforça tanto para conseguir algo bacana, que fica apegado. Acho que nem é apego. É mais um cuidado mesmo. A gente tem cuidado com as nossas coisas, e bem menos com a dos outros. Isso é natural do ser humano. Aí vem alguém, pede algum objeto seu emprestado, e devolve com problema. Esse é o meu medo (e o de muita gente). Livro amassado, mala rasgada, tênis sujo, carro (sim, tem que chegue ao ponto de pedir carro) arranhado ou com multas…

Primeiro que não se deve nem pedir. É de um ato que beira quase ao descaramento. Se bem que, para pedir, precisa ter um pouco. Mas a questão é esperar que ofereçam. É chato que só chega perto de você para pedir alguma coisa. Bom é esperar do “credor” a oferta. Se a conversa é sobre um livro bacana, não tenho nenhum problema em dizer “te empresto quando terminar”. Mas é um horror do “eu quero, me empresta”. Não tem nível de amizade que resista a um empréstimo. Nem de objetos, e muito menos de dinheiro. Aí, acabou!

Quem pede dinheiro realmente precisa. Isso é óbvio até para que detesta emprestar. Mas, convenhamos, que situação desconcertante para que escuta um pedido de dinheiro. É quase uma facada. O melhor a fazer é se lamentar bem discretamente, e esperar que a alma seja caridosa e ofereça o dinheiro. Isso também vale para cartão de crédito. Até eu já entrei na lista de quem pede. A vida ensina. Mais uma vez, apela para o lado caridoso da pessoa. Mas vai que dá certo? Se não der, entenda a mensagem, e se lamente para outro.

Têm também aquelas pessoas que adoram esquecer que pegaram objetos emprestados dos amigos. Essa também vai para você, querido amigo que esqueceu de devolver meu livro autografado. Se bem que, depois de tanto tempo, melhor deixar para lá e esquecer que foi dono um dia. Ou então, tenta uma novena forte.

Foto: reprodução internet