sustentabilidade Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

sustentabilidade

FAEC receberá Medalha Ambientalista Joaquim Feitosa

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente, Semiárido

19 de Abril de 2018

      O Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga (CRBC), durante reunião acontecida dia 10 de abril, na sede da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA), aprovou, por unanimidade, a escolha da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC) para ser agraciada com a Medalha Ambientalista Joaquim Feitosa este ano (2018).

     A solenidade de entrega está prevista para acontecer dia 3 de maio, às 14h, no Complexo das Comissões da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará. Segundo o Prof. Artur Bruno, Secretário Estadual, a escolha se deu pelo trabalho que a FAEC vem desenvolvendo por meio do Projeto Biomas: “Há mais de 10 anos, a instituição desenvolve ações que contribuem para o desenvolvimento da Caatinga”, lembrou.

     A instituição foi indicada por Nájila Cabral como reconhecimento ao trabalho da FAEC em prol do Bioma Caatinga, considerando seu papel preponderante para defender a instalação da área experimental no Estado, oferecendo o apoio técnico e logístico tanto na apresentação da região à equipe de coordenação nacional, quanto ao longo do desenvolvimento do mencionado projeto.

    O Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa foi instituído pelo CRBC, por meio do Decreto n° 27.781, de 26 de abril de 2005. O objetivo é homenagear uma pessoa física ou uma pessoa jurídica que atua na preservação e conservação da Caatinga e que, no desempenho de suas ações, tenha contribuído de forma relevante para o desenvolvimento sustentável do bioma, sendo alternadamente uma pessoa física e no seguinte, uma instituição. “Este ano o agraciado é pessoa jurídica”, explica Viviane Monte, da Coordenadoria de Desenvolvimento Sustentável, da SEMA.

Fonte: Assessoria de Comunicação da SEMA, 2018.

Publicidade

II Conferência da Caatinga – Desenvolvimento Humano e Sustentabilidade

     O Ceará deve sediar a II  Conferência da Caatinga no período de 19 a 21 de junho de 2018. O Objetivo de mencionada conferência é  disseminar o conhecimento sobre programas, projetos e ações desenvolvidos no Bioma Caatinga, que tem contribuído de forma efetiva para o desenvolvimento humano e sustentável, para o alcance das metas previstas nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) e que podem ser referência para as políticas públicas a serem implementadas na região.

    Dentro da programação da II Conferência da Caatinga haverá a apresentação das experiências exitosas implementadas nos Estados. Cada Estado poderá encaminhar à Coordenação Geral da II Conferência da Caatinga a indicação de 10 (dez) experiências exitosas, devidamente priorizadas, sendo que 5 (cinco) serão selecionadas.

     Os critérios para a indicação dos projetos, planos e ações, a serem apresentados pelos Estados,  deverão ter, no mínimo, 5 (cinco) anos de implantação e apresentarem resultados que comprovem sua eficiência. As experiências deverão se relacionar aos seguintes eixos temáticos: Meio ambiente; Segurança hídrica e saneamento; Agropecuária; Desenvolvimento econômico e social.

      Os resultados das experiências devem contribuir para o atingimento das metas de, pelo menos, um dos seguintes Objetivos do Desenvolvimento Sustentável  (ODS):

ODS 1 : Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares;

ODS 2: Acabar com a fome, alcançar a segurança alimentar e melhoria da nutrição e promover a agricultura sustentável;

ODS 4: Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos;

ODS 6: Assegurar a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos;

ODS 8: Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todos;

ODS 15: Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra, e deter a perda da biodiversidade.

     Fonte: Conselho de Altos Estudos/ALCE, 2018.

 

 

 

 

Publicidade

Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa – Edição 2018

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente, Semiárido

28 de Março de 2018

     Este ano, 2018, em sua 14ª edição, o Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa deverá agraciar uma pessoa jurídica pelos relevantes trabalhos e ações desenvolvidos em prol do Bioma Caatinga.

    O Prêmio é outorgado após eleição dos membros do Conselho Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga.

     Este ano, por ocasião da realização da II Conferência da Caatinga, o Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa será entregue no dia 19 de junho, na abertura de mencionado evento, que ocorrerá na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará.

     As inscrições para concorrer ao prêmio encerram-se dia 06 de abril. Os documentos necessários à candidatura (com devidas comprovações dos indicados) devem ser enviados para o e-mail da Coordenadoria de Desenvolvimento Sustentável: codes@sema,ce,gov.br

     A escolha da pessoa jurídica seguirá os critérios: inexistência de pendências junto aos órgãos ambientais, sendo consultado os referidos órgãos públicos; desenvolvimento de atividades socioambientais no bioma Caatinga; realização de atividades para recuperação do bioma Caatinga; Área de abrangência no desenvolvimento dos trabalhos (local, estadual, nacional); Tempo de desenvolvimento de ações no bioma Caatinga; possuir prêmio e/ ou certificação ambiental.

    Qualquer pessoa pode encaminhar a indicação de nome para concorrer ao mencionado Prêmio. Mais informações, cliquem aqui.  E para acessar o regulamento completo, cliquem aqui.

 Fonte: SEMA, 2018.

Publicidade

Dia Mundial da Água 2018 – Natureza para a Água

Por Nájila Cabral em Água, Conservação da Natureza, Meio Ambiente

22 de Março de 2018

      Hoje se comemora, no mundo inteiro, o Dia Mundial da Água, cujo tema dessa edição de 2018 é “Natureza para a Água”. A ideia é explorar soluções baseadas na natureza para os desafios da água, que enfrentamos no século XXI.

     Os ecossistemas danificados afetam a quantidade e a qualidade da água disponível para consumo humano. A Organização das Nações Unidas estima que, atualmente, 2,1 bilhões de pessoas vivem sem água potável em casa; afetando sua saúde, educação e meios de subsistência.

    Um dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, o ODS 6, tem por compromisso garantir que todos, no mundo, tenham acesso a água potável até 2030 e que incluam metas para proteger o meio ambiente natural e reduzir a poluição.

 

     São 25 anos de comemoração do Dia Mundial da Água. Neste dia 22/03/2018, o 8º Fórum Mundial das Águas, que está sendo realizado em Brasília, traz uma programação especial, na parte da manhã, com o anúncio dos vencedores do Prêmio Água Estocolmo (Stockolm Water Prize). Este ano os vencedores foram o professor Bruce E. Rittmann e o professor Mark von Loosdrecht, pelo seu trabalho inovador em tratamento de água e de esgoto, que demonstrou as possibilidades de remover contaminantes nocivos da água, reduzir os custos de tratamento de águas residuais, reduzir o consumo de energia e até recuperar produtos químicos e nutrientes para reciclagem.

     Hoje, também no 8º Fórum Mundial das Águas, houve o lançamento do Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento de Recursos Hídricos 2018 (World Water Development Report – WWDR2018), com o tema “Soluções baseadas na Natureza para a Gestão da Água”. Acesse aqui, na íntegra, o Resumo Executivo do relatório.

Fonte: ONU, 2018.

Publicidade

II Conferência da Caatinga: lançamento dia 27/03/2018

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente, Semiárido

21 de Março de 2018

    No dia 27/03/2018, na Assembleia Legislativa do Ceará acontecerá o lançamento da II Conferência da Caatinga: Desenvolvimento Humano e Sustentabilidade, com a promoção do Conselho de Altos Estudos, da Assembleia Legislativa do Ceará (ALCE), com apoio do Governo do Estado do Ceará.

   A I Conferência da Caatinga aconteceu em 2012 como um dos eventos preparatórios à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a chamada Rio+20. Um dos resultados da I Conferência da Caatinga foi a Carta de Fortaleza (A Caatinga na Rio+20) contendo dezenas de compromissos firmados pelos Estados que têm em seu território esse bioma singular. Á época, estava sendo desenvolvido, nos Estados do Ceará e da Bahia, o Projeto Mata Branca (Projeto de Conservação e Gestão Sustentável do Bioma Caatinga), financiado pelo GEF (Global Environment Facility), do Banco Mundial.

     Este ano, a II Conferência da Caatinga , que deve ser realizada entre os dias 19 e 21 de junho de 2018, no Auditório Murilo Aguiar/ALCE, tem por objetivo:

 – dar continuidade ao processo de articulação interinstitucional;

– avaliar os avanços e desafios estabelecidos como compromissos assumidos na I Conferência da Caatinga;

– definir estratégias e compromissos que promovam o desenvolvimento humano e a sustentabilidade no território da Caatinga.

 

 

Venha participar  desse momento. Sua participação é muito valiosa!

Fonte: ALCE, 2018.

 

Publicidade

Bolsas para Arquitetura e Urbanismo, Geografia, Design e Engenharia

Por Nájila Cabral em Legislação Ambiental, Meio Ambiente, Urbanismo

22 de Fevereiro de 2018

     O Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade (LabCidade),  da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, da Universidade de São Paulo (FAU/USP), desenvolve projetos de pesquisa na área de política urbana, direito à cidade e à moradia, com equipes multidisciplinares de pesquisadores, incluindo áreas como arquitetura e urbanismo, geografia, direito, ciências sociais, antropologia, entre outras.

     O LabCidade busca estudantes de graduação e pós-graduação (mestrandos ou doutorandos) nas áreas de Arquitetura e Urbanismo, Design, Geografia, Engenharia e afins, para atuarem no âmbito da coleta, organização de informação territorializada através de geoprocessamento e de mapeamento participativo nos projetos em curso.

     Um dos projetos desenvolvidos no LabCidade  é o mapeamento participativo das remoções na Região Metropolitana de São Paulo, resultado do trabalho do Observatório das Remoções em parceria com movimentos sociais, universidades e organizações jurídicas. Assim, o candidato devem:

– Colaborar com os processos de mapeamento participativo: organizar dispositivos, participar das oficinas e sistematizar as informações e percepções cartográficas;

– Contribuir no desenvolvimento de cartografias associadas às estratégias de pesquisa e de comunicação do Laboratório;

– Dominar ténicas de raspagem de dados para pesquisas científicas. É desejável que tenham experiência em programação;

–  Ter familiaridade com redes sociais, blogs, sites e outras mídias;

– Dominar ferramentas de geoprocessamento, como QGis, Carto, MapBox;

– Ter afinidade com a pauta do direito à cidade, com ativismo, como participação crítica em campanhas de mobilização e em processos de capacitação sobre temas de interesse público.

      Os interessados devem enviar, até dia 01/03/2018, para o e-mail labcidadefau@gmail.com, com o título da mensagem “Seleção georreferenciamento, mapeamento participativo e raspagem de dados – LabCidade 2018”, anexando Currículo (especificando domínio em idiomas estrangeiros) e dois exemplos de sua produção e atuação nas habilidades anteriormente descritas.

     Mais informações, cliquem aqui.

Fonte: USP, 2018

Publicidade

Dia Mundial do Meio Ambiente 2018 – Acabe com a Poluição por Plástico

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

19 de Fevereiro de 2018

    Hoje, dia 19/02/2018, as Nações Unidas divulgaram o tema do Dia Mundial do Meio Ambiente, de 2018, que será “Acabe com a Poluição por Plástico ” (Beat Plastic Pollution). A Índia será a anfitriã global do Dia Mundial do Meio Ambiente de 2018.

     O tema deste ano de 2018 faz um chamado aos governos, às indústrias, às comunidades e aos indivíduos a se unirem no intuito de promoverem alternativas sustentáveis ​​e para reduzirem, de forma urgente, a produção e o uso excessivo de plásticos de uso único, que poluem nossos oceanos, prejudicando a vida marinha e ameaçando a saúde humana.

      O representante do governo indiano, Dr. Harsh Vardhan, comentou: “a Índia está ansiosa para sediar o Dia Mundial do Meio Ambiente este ano, em 5 de junho. A filosofia e o estilo de vida indianos têm sido enraizados no conceito de coexistência com a natureza. Estamos empenhados em fazer do planeta Terra um lugar mais limpo e mais verde “.

Alguns dados sobre resíduos plásticos:

     Conforme dados da UNEP (2018), todos os anos, o mundo usa 500 bilhões de sacolas plásticas. Todos os anos, pelo menos, 8 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos.

    Ainda conforme informações da UNEP (2018), na última década, a produção de plástico foi maior do que em todo o século passado. O plástico representa 10% de todos os resíduos que são gerados no mundo.

Fonte: UNEP, 2018.

 

 

 

Publicidade

Educação Ambiental e salas verdes

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Educação Ambiental

07 de Fevereiro de 2018

     A Educação Ambiental se constitui em uma ferramenta de gestão ambiental e tem papel fundamental na transformação de valores e atitudes, no sentido de alcançarmos a sustentabilidade nos territórios.

     O Ministério do Meio Ambiente  (MMA) prorrogou até o dia 9 de março de 2018 , o prazo das inscrições (Chamada no. 01/2017) para as instituições interessadas em se tornar uma Sala Verde. As propostas devem ser enviadas ao Departamento de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente (MMA).

     Conforme o MMA, as Salas Verdes são espaços com múltiplas potencialidades, que disponibilizam o acesso e a democratização das informações. Nelas, podem ser desenvolvidas atividades de educação ambiental como cursos, palestras, oficinas, eventos, encontros, reuniões e campanhas de conscientização para o tema.

     Mencionadas Salas Verdes podem estar em órgãos locais de meio ambiente, em instituições da administração pública (federal, estadual ou municipal), em unidades de conservação, em organizações governamentais e não governamentais, em organizações da sociedade civil de interesse público, em universidades, em instituições de ensino (públicas ou privadas), em empresas (públicas e privadas) que atuem na área ambiental, em colegiados (a exemplo dos comitês de bacias, câmaras técnicas), em igrejas, em prisões, dentre outros.

     Segundo o MMA, as instituições selecionadas entram com o espaço físico, equipe, equipamentos e demais recursos e, em contrapartida, o MMA chancela as atividades educacionais, divulga as ações voltadas para o projeto e oferece formação a distância e materiais educativos em formato digital.

     Aos interessados em saber mais, cliquem aqui.  Lembrar que as inscrições foram prorrogadas até dia 09/03/2018.

    Aos interessados em se inscrever, cliquem aqui.

Fonte: MMA,

Publicidade

Fomento à pesquisa na área de energias renováveis, eficiência energética, recursos hídricos e tratamento da poluição – Chamada CNPq/BRICS 2017

Por Nájila Cabral em Água, Conservação da Natureza, Meio Ambiente

29 de novembro de 2017

     A Chamada no 2 do CNPq/MCTIC/BRICS-STI Nº 29/2017 deve apoiar projetos conjuntos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I) que visem contribuir significativamente para o desenvolvimento científico e tecnológico e a inovação do País, no âmbito da cooperação CNPq/BRICS-STI.

     Os interessados devem apresentar propostas nos termos estabelecidos no edital nas seguintes áreas temáticas:

– Recursos hídricos e tratamento da poluição;

– Energias novas e renováveis e eficiência energética;

– Biotecnologia e biomedicina, incluindo saúde humana e neurociências;

– Tecnologias de informação e computação de alta performance;

 – Ciências dos materiais incluindo nanotecnologia

– Prevenção e Monitoramento de Desastres Naturais.

     São objetivos desta Chamada:

– consolidar a cooperação científica e tecnológica entre o Brasil e os demais países integrantes do BRICS para alcançar resultados técnicos e científicos de nível mundial;

 apoiar o desenvolvimento de projetos conjuntos de investigação realizados por grupos de pesquisa dos países participantes que contribuam para melhoria da qualidade de vida das respectivas sociedades;

– promover a mobilidade e o desenvolvimento dos investigadores por meio dos projetos conjuntos de pesquisa;

– selecionar propostas de projetos conjuntos de pesquisa científica, tecnológica e de inovação nas áreas elencadas nesta Chamada que contribuam para a formulação de políticas públicas dos países envolvidos;

 fortalecer o vínculo de pesquisadores dos países participantes nas áreas propostas.

     Mais informações, cliquem aqui. 

Fonte: CNPq/MCTI, 2017

Publicidade

Conferência do Clima – COP23

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas

15 de novembro de 2017

   A 23a. Conferência das partes (COP 23) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) está acontecendo em Bonn, Alemanha, desde o dia 06/11 até 17/11/2017. Hoje tem início, dentro do âmbito da COP 23, o segmento de Alto Nível.

   Na COP23, os países estão reunidos para avançar na implementação do Acordo de Paris. O foco está no desenvolvimento de diretrizes sobre como as disposições do Acordo de Paris serão implementadas, incluindo transparência, adaptação, redução de emissões, provisão de finanças, capacitação e tecnologia. O objetivo é progredir em todas essas áreas para que as diretrizes possam ser preenchidas pela COP24 na Polônia em 2018.

 A COP23 conta com 19.115 participantes, sendo 4.660 de organizações não governamentais, 687 de organizações internacionais, 376 de agências especializadas, 453 das Nações Unidas, 11.300 dos 195 países, 6 do país observador e 1.663 da mídia/imprensa.  Do Brasil, são 128 participantes, membros do staff governamental e de agências de desenvolvimento, pesquisa e organizações não governamentais.

Fonte: UNFCCC, 2017.

Publicidade

Conferência do Clima – COP23

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas

15 de novembro de 2017

   A 23a. Conferência das partes (COP 23) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) está acontecendo em Bonn, Alemanha, desde o dia 06/11 até 17/11/2017. Hoje tem início, dentro do âmbito da COP 23, o segmento de Alto Nível.

   Na COP23, os países estão reunidos para avançar na implementação do Acordo de Paris. O foco está no desenvolvimento de diretrizes sobre como as disposições do Acordo de Paris serão implementadas, incluindo transparência, adaptação, redução de emissões, provisão de finanças, capacitação e tecnologia. O objetivo é progredir em todas essas áreas para que as diretrizes possam ser preenchidas pela COP24 na Polônia em 2018.

 A COP23 conta com 19.115 participantes, sendo 4.660 de organizações não governamentais, 687 de organizações internacionais, 376 de agências especializadas, 453 das Nações Unidas, 11.300 dos 195 países, 6 do país observador e 1.663 da mídia/imprensa.  Do Brasil, são 128 participantes, membros do staff governamental e de agências de desenvolvimento, pesquisa e organizações não governamentais.

Fonte: UNFCCC, 2017.