produção sustentável Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

produção sustentável

Diálogos da Carnaúba – 2018

     As inscrições para o segundo encontro dos Diálogos da Carnaúba, realizado pela Associação Caatinga, encontram-se abertas. Mencionado evento faz parte do Projeto Carnaúba Sustentável, que tem por objetivo discutir os conhecimentos e práticas de qualificação e melhoramento da cadeia produtiva da cera de carnaúba.

     O evento acontecerá dia 10 de agosto de 2018, na cidade de Granja/CE, a partir das 8 horas, e tem o apoio da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC) e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará (FAEC).

     No evento em Granja, conforme Mariana Pupo, acontecerão três oficinas em que devem ser abordada a temática da Saúde e Segurança do trabalho no extrativismo da carnaúba, outra sobre a regularização das relações de trabalho no campo e a terceira oficina abordará educação previdenciária e aposentadoria rural.

     Aos interessados em saber mais e se inscrever, cliquem aqui.

Fonte: Associação Caatinga

Publicidade

Conferência de Produção e Consumo Sustentáveis

     No período de 6 e 7 de abril, houve em Brasília a Conferência de Cooperação Sul-Sul de produção e Consumo Sustentáveis, no âmbito do Quadro Decenal das Nações Unidas de Programas de Produção e Consumo Sustentáveis (10YFP), com o apoio do Ministério do Meio Ambiente e do Ministério das Relações Exteriores. Mencionado Quadro (10YFP) foi aprovado em 2002, na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (rio+20) e cria uma oportunidade de construir uma plataforma global de ação para reforçar a cooperação internacional e promover a implementação dos programas de produção e consumo sustentáveis, em níveis regional e nacional.

     O principal objetivo do 10YFP é permitir que programas e parcerias de múltiplos atores sejam desenvolvidos, assim como replicar e ampliar as políticas e iniciativas de Produção e Consumo Sustentáveis (PCS) em todos os níveis. Dentre as principais funções estão: 1) promover o valor acrescentado do PSC para os países desenvolvidos e em desenvolvimento; 2) apoiar a integração da PSC na tomada de decisões em todos os níveis, tendo em conta a sua natureza transversal, por exemplo, por meio do planejamento estratégico e da definição de políticas; 3) sensibilizar e promover cooperação e ligação em rede entre todas as partes interessadas; 4) apoiar a criação de capacidades e facilitar o acesso à assistência financeira e técnica aos países em desenvolvimento, apoiando a execução das atividades da PCS a todos os níveis.

     A Conferência permitiu, dentre outros importantes objetivos: fornecer visão geral dos projetos e iniciativas sobre padrões de consumo e produção na América Latina e na África; facilitar o intercâmbio de experiências e melhores práticas sobre PSC e identificar oportunidades de replicação e ampliação de regiões e de vários setores da sociedade; apresentar estratégias e instrumentos bem-sucedidos para a promoção do engajamento empresarial, do empreendedorismo e da mudança de comportamento para a PSC, identificando oportunidades para a Cooperação Sul-Sul.

Fonte: UNEP

Publicidade

Cursos gratuitos no Ministério do Meio Ambiente

    Seguem até 12 de junho as inscrições de vários cursos de curta duração, na modalidade Educação a Distância. Abaixo, os cursos que estão com inscrições abertas e que terão início em 13 de junho.

Estrutura da Gestão Ambiental

 Objetivo:Estruturação da gestão ambiental municipal, por meio de processos formativos.

Carga horária: 60 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 27/07/2016

Número de vagas: 2.000

 

Estilos de Vida Sustentável

Objetivo: Incentivar a reflexão, discussão e ação interativas com informações e conceitos sobre mudança em favor de estilos de vida sustentáveis.

Carga horária: 30 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 22/07/2016

Número de vagas: 1.000

 

Crianças e o Consumo Sustentável

Objetivo: Trabalhar o conhecimento dos pais e educadores para que construam valores mais sustentáveis com as suas crianças, desestimulando o consumir por consumir e incentivando a prática de brincadeiras, hábitos e atitudes muito mais saudáveis e sustentáveis.

Carga horária: 30 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 22/07/2016

Número de vagas: 1.000

 

Produção e Consumo Sustentável

Objetivo: Sensibilização e divulgação de informações pertinentes á área ambiental, oportunizando conhecimentos específicos em produção e consumo sustentáveis, desenvolvendo ações e acompanhamento do sistema de gestão ambiental e economia verde.

Carga horária: 40 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 05/08/2016

Número de vagas: 2.000

 

Sustentabilidade a Administração Pública

Objetivo: Oferecer subsídios e apoio técnico para a implementação da Agenda Ambiental na Administração Pública – A3P nos órgãos e entidades da administração pública de todas as esferas e poderes.

Carga horária: 12 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 24/06/2016

Número de vagas: 2.000

 

Igualdade de Gênero e Desenvolvimento Sustentável

Objetivo: Sensibilizar e capacitar os gestores públicos de todas as áreas sobre a problemática da desigualdade de gênero e a importância da transversalização dos temas “gênero” e “desenvolvimento sustentável”.

Carga horária: 20 horas

Período de realização: 13/06/2016 a 07/07/2016

Número de vagas: 1.000

Aos interessados em se inscrever, cliquem aqui.

Fonte: MMA,2016.

Publicidade

Documento de Origem Florestal: certificação digital obrigatória a partir de agosto/2014

     O IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) publicou a Instrução normativa no 10, de 25/06/2014, que alterou artigos da Instrução normativa no 21, de 26/12/2013.

     A seguir, parte da redação do texto:

 “a partir de 04 de agosto de 2014, o uso de certificação digital para validação de acesso ao sistema DOF (Documento de Origem Florestal) será obrigatório, cabendo aos usuários, pessoas físicas ou jurídicas, providenciarem seus próprios certificados conforme especificações fornecidas pelo IBAMA”.

    A título de informação o DOF representa a licença obrigatória para o controle do transporte do produto e subproduto florestal de origem nativa, inclusive carvão vegetal. O transporte pode ser: rodoviário, aéreo, ferroviário, fluvial ou marítimo.

Fonte: Instrução normativa no 10, de 25/06/2014, publicada no DOU no 120, de 26/06/2014.

Publicidade

Produção e consumo sustentáveis em debate

    Nos próximos dias 24 e 25 de junho, em Lima-Peru, a discussão mundial gira em torno da produção e consumo na 7ª Reunião Regional da América Latina e do caribe sobre o Quadro Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis (10YFP on SCP).

     O objetivo do encontro é proporcionar uma visão global e regional sobre o tema, além de compartilhar avanços e identificar áreas de colaboração. O encontro deve servir para avaliar a execução dos programas locais que envolvem a produção e consumo sustentáveis, noticia Tinna Oliveira, do MMA.

     Este encontro regional vai lançar o 10YFP na região e identificar áreas prioritárias, fortalecer parcerias, criar sinergias e aumentar a participação dos interessados nas atividades e programas 10YFP.

     O Brasil possui Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis (PPCS), que tem por objetivo fomentar políticas, programas e ações que promovam a produção e o consumo sustentáveis no país. O Blog Verde já comentou, em 13/06, sobre mencionado Plano.

     Pra saber um pouco mais sobre Quadro Decenal de Programas sobre Produção e Consumo Sustentáveis (The 10 year framework of programmes on Sustainable consumption and production), cliquem aqui.

Fonte: UNEP e MMA

 

Publicidade

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis – PPCS

    Considerando a semana de meio ambiente, semana passada, e a temática de minimização do desperdício, o Brasil tem se esforçado na elaboração do Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis – PPCS, em que direciona setor produtivo e sociedade para atender a padrões mais sustentáveis de produção e consumo.

Fonto: Newton Calegari

Fonte: Newton Calegari

    Fácil de falar, difícil de executar; notadamente em sociedades capitalistas como a nossa, em que o acúmulo de bens, de capital, o lucro e a propriedade são as impulsionadoras do modo de produção vigente.

    Mencionado Plano aborda a questão da Economia Verde, que para o PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), é o modelo que traz maior bem-estar e equidade social, enquanto reduz significativamente os riscos ambientais e a escassez de recursos naturais.

     Conforme o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o PPCS, de 2011 a 2014, o PPCS focará seus esforços em seis áreas principais: Educação para o Consumo Sustentável; Varejo e Consumo Sustentável; Aumento da reciclagem; Compras Públicas Sustentáveis; Construções Sustentáveis e Agenda Ambiental na Administração Pública – A3P.

     Ainda conforme o MMA, a escolha destas áreas é estratégica para o alcance das metas, pois, articuladas, promovem avanço em direção à práticas mais sustentáveis de produção e consumo.

Publicidade

Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis – PPCS

    Considerando a semana de meio ambiente, semana passada, e a temática de minimização do desperdício, o Brasil tem se esforçado na elaboração do Plano de Ação para Produção e Consumo Sustentáveis – PPCS, em que direciona setor produtivo e sociedade para atender a padrões mais sustentáveis de produção e consumo.

Fonto: Newton Calegari

Fonte: Newton Calegari

    Fácil de falar, difícil de executar; notadamente em sociedades capitalistas como a nossa, em que o acúmulo de bens, de capital, o lucro e a propriedade são as impulsionadoras do modo de produção vigente.

    Mencionado Plano aborda a questão da Economia Verde, que para o PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), é o modelo que traz maior bem-estar e equidade social, enquanto reduz significativamente os riscos ambientais e a escassez de recursos naturais.

     Conforme o Ministério do Meio Ambiente (MMA), o PPCS, de 2011 a 2014, o PPCS focará seus esforços em seis áreas principais: Educação para o Consumo Sustentável; Varejo e Consumo Sustentável; Aumento da reciclagem; Compras Públicas Sustentáveis; Construções Sustentáveis e Agenda Ambiental na Administração Pública – A3P.

     Ainda conforme o MMA, a escolha destas áreas é estratégica para o alcance das metas, pois, articuladas, promovem avanço em direção à práticas mais sustentáveis de produção e consumo.